Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Maria Campaniça

No description
by

prezi prezi

on 27 April 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Maria Campaniça

Sobre o Autor...
Nome completo:
Manuel Lopes Fonseca
Data e local de nascimento:
15 de outubro de 1911 / Santiago de Cacém, distrito de Setúbal, Portugal
Data e local de morte:
11 de março de 1993 (81 anos) / Lisboa, Portugal
Ocupação:
Escritor (poeta, contista, romancista e cronista)
Algumas obras do autor
Poesia:
Rosa dos ventos
Planície
Poemas completos
Crónicas:
Pessoas na paisagem
Poema
Maria Campaniça

Debaixo do lenço azul com sua barra amarela
os lindos olhos que tem!
Mas o rosto macerado
de andar na ceifa e na monda
desde manhã ao sol-posto,
mas o jeito
de mãos torcendo o xaile nos dedos
é de mágoa e abandono...
Ai Maria Campaniça,
levanta os olhos do chão
que eu quero ver nascer o sol!
Manuel da Fonseca
Estrutura do poema - nº e tipo de estrofes
Debaixo do lenço azul com sua barra amarela
os lindos olhos que tem!
Mas o rosto macerado
de andar na ceifa e na monda
desde manhã ao sol-posto,
mas o jeito
de mãos torcendo o xaile nos dedos
é de mágoa e abandono...
Ai Maria Campaniça,
levanta os olhos do chão
que eu quero ver nascer o sol!
Estrutura do poema - esquema rimático
Debaixo do lenço azul com sua barra amarela
os lindos olhos que tem!
Mas o rosto macerado
de andar na ceifa e na monda
desde manhã ao sol-posto,
mas o jeito
de mãos torcendo o xaile nos dedos
é de mágoa e abandono...
Ai Maria Campaniça,
levanta os olhos do chão
que eu quero ver nascer o sol!
Estrutura do poema - tipos de rima
Debaixo do lenço azul com sua barra amarela
os lindos olhos que tem!
Mas o rosto macerado
de andar na ceifa e na monda
desde manhã ao sol-pos
to
,
mas o jei
to
de mãos torcendo o xaile nos dedos
é de mágoa e abandono...
Ai Maria Campaniça,
levanta os olhos do chão
que eu quero ver nascer o sol!
Estrutura do poema - escansão
FIM
Maria Campaniça
Manuel da Fonseca
Romance:
Seara de vento
Contos:
Aldeia Nova
Mestre Finezas
O retrato

Estrofe de 11 versos
Este poema tem apenas 1 estrofe.
A
B
C
D
E
E
F
G
H
I
J
A
B
C
D
E
E
F
G
H
I
J
Rima emparelhada/pobre/consoante/grave
De/bai/xo/ do/ len/ço a/zul/ com/ sua/ ba/rra a/ma/re[la
os/ lin/dos o/lhos/ que/ tem!
Mas o/ ros/to/ ma/ce/ra[do
de an/dar/ na/ cei/fa e/ na/ mon[da
des/de/ ma/nhã ao/ sol/-pos[to,
mas o/ jei[to
de/ mãos/ tor/cen/do o/ xai/le/ nos/ de[dos
é/ de/ má/go/a/ e a/ban/do[no...
Ai/ Ma/ri/a/ Cam/pa/ni[ça,
le/van/ta o/s o/lhos/ do/ chão
que eu/ que/ro/ ver/ nas/cer o/ sol!
Explicação de vocabulário
macerado -
algo que revela magreza, palidez ou pouca saúde; mostra sofrimento ou desgosto; relativo a abatido
ceifa -
ato de cortar as searas com gadanha ou foice; cortar rente
monda -
ato de arrancar as ervas daninhas de uma plantação ou de um jardim
mágoa -
efeito de magoar; tristeza, desgosto, amargura
Campaniça -
trabalhadora do campo, no Alentejo
Todos os outros versos são versos brancos/soltos.
Tema
Assunto
Explicação do poema
Opinião
Conclusão
Recursos expressivos utilizados e a sua função
Neste poema está presente uma
anáfora
.
Debaixo do lenço azul com sua barra amarela
os lindos olhos que tem!
Mas
o rosto macerado
de andar na ceifa e na monda
desde manhã ao sol-posto,
mas
o jeito
de mãos torcendo o xaile nos dedos
é de mágoa e abandono...
Ai Maria Campaniça,
levanta os olhos do chão
que eu quero ver nascer o sol!
Anáfora
Esta anáfora reforça a ideia de que apesar da Maria Campaniça ter uns lindos olhos, tinha um aspeto de abandono.
Debaixo do lenço azul com sua barra amarela
os lindos olhos que tem!
Mas o rosto macerado
de andar na ceifa e na monda
desde manhã ao sol-posto,
mas o jeito
de mãos torcendo o xaile nos dedos
é de mágoa e abandono...
Ai Maria Campaniça,
levanta os olhos do chão
que eu quero ver nascer o sol!
Verso com 13 sílabas métricas
Hexassílabo
Hexassílabo
Redondilha maior (heptassílabo)
Hexassílabo
Dissílabo
Eneassílabo
Octossílabo
Redondilha maior (heptassílabo)
Redondilha maior (heptassílabo)
Redondilha maior (heptassílabo)
Quotidiano de uma camponesa alentejana.
Retrato físico e psicológico de Maria Campaniça que personifica a mulher alentejana da sua época.

Este poema tem irregularidade métrica.
Full transcript