Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Percepção e Cognição Social

No description
by

Ana Raquel

on 13 November 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Percepção e Cognição Social

Esquemas sociais
Automatismo
Heurísticas
.
.
Esquemas sociais:
O Esquema contém nossas impressões e conhecimentos básicos;
Afetam profundamente as informações que captamos;
Funcionam como filtros, deixando de fora informações que são contraditórias ou inconsistentes com o tema predominante;
Profecia autorrealizadora:
Nossa expectativa sobre outra pessoa influencia a maneira como agimos em relação a ela;
A pessoa se comporta de modo coerente com as nossas expectativas originais – fazendo com que elas se transformem em realidade.



Na vida diária desenvolvemos teorias, denominadas:
Esquemas:


Estruturas mentais sobre um tema específico que usamos para organizar nosso conhecimento em torno do ambiente social (Baron, Brascombe, & Byrne, 2008)


Esquemas sociais:
Estruturas mentais que reúnem conhecimentos sobre determinado tema e que influenciam a maneira como reagimos aos estímulos sociais


Tipos de esquemas sociais:
Esquemas de pessoas:



Esquemas de nós mesmos:







Esquemas sobre comportamentos:
Ativação dos esquemas sociais
Estratégias e Atalhos Mentais que são métodos rápidos de chegar a conclusões e tomar decisões;
Nem sempre nos levam às melhores decisões;
Avaros cognitivos (Fiske & Taylor, 1991).
Cognição social:
"Não vemos as coisas como elas são; nós as vemos como nós somos"
Anäis Nin
É o estudo de como as pessoas fazem inferências a partir das informações sociais fornecidas pelo ambiente ”
(Taylor, Peplau, & Sears, 2006).
Socialização: intercâmbio constante com pessoas e estímulos sociais (família, escola, instituições);

Coletamos e processamos informações e fazemos julgamentos;


Influência de:
1) esquemas sociais, 2) heurísticas e 3) automatismo


Ajudam a nos conhecer e conhecer aos outros;
Damos sentido ao contexto social em que vivemos.




Esquemas sociais
A recenticidade da informação desencadeia o esquema;
Ex.: acidente à noite, colisão com animal na estrada-> sempre que viajar e ver algo na estrada vai reagir como se fosse um animal.
Pensamentos recentes influem no processamento da informação que lhes segue;
Quanto mais ativado no passado, maior a probabilidade de ser ativado novamente;
Ex.: policiais que lidam com infratores tendem a perceber o comportamento das pessoas como violentos.
Dependendo da importância da situação podemos ativar esquemas sem esforço;
Quando a situação tem importância, leva-se mais tempo ativando outros esquemas para uma análise cuidadosa da situação;
Ex.: Estranho em um ônibus;
Pessoa com a qual se relacionará no trabalho.

Heurísticas
Tipos de Heurísticas

Acessibilidade
Quando julga-se que um evento possa ocorrer com base na facilidade com que o acessamos;
Ex.: Praticar esqui é perigoso?
Percepção social
Cognição e Percepção Social
Profª Mª Ana Raquel de Oliveira
Primazia
:
Priming
Importância da situação
Tipos de Heurísticas
Representatividade
Atribuição de características pela semelhança entre dois objetos:
Uso de um atalho para chegar a uma conclusão;
Julga-se que a nova situação seja representativa de uma situação anterior.

Uso de ponto de referência
Fazemos julgamentos com base em um ponto de referência, geralmente nós mesmos;
Ex.: julga-se que uma pessoa que se relaciona bem com as demais é extrovertida, se formos mais contidos.
Tipos de Heurísticas

Falso consenso:
Tendência a achar que muitas pessoas compartilham dos mesmos pontos de vista que os nossos;
Aceitamos, sem crítica, nossas posições como verídicas;
Recorremos a esta heurística para atestar nossas posições.
"Todo mundo acha isso"; "Todo mundo sabe que..."
Falsa unicidade:
Tendência a achar que somos os únicos a ter determinada posição;
Ignorância Pluralística:
Nossas opiniões, atitudes são diferentes, apesar de não haver diferenças no comportamento.
Pensamento Automático
Estímulos e acontecimentos externos controlam os processos psicológicos internos;
Comportamento social é guiado por um pensamento automático, não consciente;
Ex.:
Experimento de Bargh, Chen, & Burrows (1996);

Esquema ativado ->comportamento compatível -> inconscientemente.
O conhecimento de outras pessoas ocorre por processos psicossociais;
Princípios que regem a percepção dos outros:
1) Formamos impressões com base em informações limitadas;
2) Atentamos aos aspectos mais visíveis;
3) Categorizamos;
4) Nossas necessidades e objetivos influem na percepção dos outros.
Cognição Social
Percepção Social
Percepção Social
Impressão Global

Formação de Impressões



Fontes de informação:
Formação de impressões
Experimento de Asch (1946):

Invejoso
Teimoso
Crítico
Impulsivo
Trabalhador
Inteligente
Inteligente
Trabalhador
Impulsivo
Crítico
Teimoso
Invejoso
Conclusões do experimento:
Impressões diversas são formadas pelos grupos;
Os adjetivos apresentados primeiro exerceram influência maior sobre outros traços + ou -







Efeito de primazia (primariedade);
Primeiras impressões são resistentes a mudança;
Quando solicitados a lembrar das características, lembram-se das últimas, desaparecendo o efeito da primazia.
Impulsivo
Crítico
Teimoso
Invejoso
Inteligente
Trabalhador
Inteligente
Trabalhador
Impulsivo
Crítico
Teimoso
Invejoso
Pessoa:
cuidadosa,
ordeira,
atenta a detalhes
Ex.: Assassinato do rapaz Jean Charles de Menezes de 27 anos dentro de um metrô em Londres por policiais. (Vestuário, aparência)
fazendeiro, contador, médico?
Traços centrais
Asch (1946) e Kelley (1950)
inteligente
habilidosa
trabalhadora
afetuosa
firme
prática
cautelosa
inteligente
habilidosa
trabalhadora
fria
firme
prática
cautelosa
Em estudo posterior Asch não encontrou o mesmo com os traços:
delicado e bruto.
Teoria Implícita da personalidade
Associamos determinados traços a outros e esperamos coerência entre eles nas pessoas;
Gênero, profissão, grupo étnico:
Ex.: mãe que teve bebê (joga sua criança no lixo);
Ex.: pessoa de pele negra que frequenta uma loja em um shopping (roubo);
Ex.: filósofo (frequenta encontros religiosos);

impressões -> teoria -> o que são e como se comportarão.

Atribuição de causalidade
Como sabemos as causas dos comportamentos das pessoas?
Fritz Heider

(1944/1958):
A Psicologia das relaçoes interpessoais;
Necessidade de atribuir causas aos fenômenos;
Viver em um mundo estável e previsível;
Ex.1. mãe que "bate" no filho -> agressiva.


Causalidade Pessoal

Ex.2. pessoa que "xinga" no trânsito -> forças ambientais


Causalidade Impessoal




Kelley (1967):
Princípio da covariação
Um efeito é atribuído a causa com a qual ele covaria.
Sempre que A se motra agressivo, B está presente, diz-se que B é a causa da agressividade de A.
Avaliação do comportamento:
Especificidade/Distintividade
Constância
Consenso


Atribuição de Causalidade

Jones e Davis (1965):
Teoria da inferência correspondente;
Tendenciosidades no processo atribuicional
Erro fundamental de atribuição;
Tendenciosidade ator/observador;
Tendenciosidade autosservidora.

Modelo de Covariação (Kelley, 1967)
Kelley (1973):
Modelo de Configuração
Princípio do desconto (Ex.: Dinheiro para emitir uma opinião-Causalidade externa).
Princípio do aumento (Ex.: Esforço para realizar o comportamento aumenta a percepção da causalidade interna da ação).
Full transcript