Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

A evolução do Pensamento Religioso

No description
by

Ranses Campos

on 22 February 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of A evolução do Pensamento Religioso

Religião, Religião Natural e Religião Revelada
Lembremo-nos, com o devido apreço aos irmãos que esposam princípios diferentes dos nossos, de que existem tantos modos de expressar confiança no Criador quantos são os estágios evolutivos das criaturas.
Emmanuel: Justiça divina, item: Nos círculos da fé.
Fonte: Allan Kardec: O livro dos espíritos, questão 667.
ESDE
Sábado, 22 de Fevereiro de 2014
Módulo VIII, Rot. 1 a 6
Religião
A base religiosa da humanidade
Religião Natural
Religião Revelada
Moisés e o decálogo
Politeísmo
Religião natural [...] é a que parte do coração e vai diretamente
a Deus [...].
No sentido especial da fé religiosa, a revelação se diz mais particularmente das coisas espirituais que o homem não pode descobrir por meio da inteligência, nem com o auxílio dos sentidos e cujo conhecimento lhe dão Deus ou seus mensageiros, quer por meio da palavra direta, quer pela inspiração.
Deus é único e Moisés é o Espírito que Ele enviou em missão para torná-lo conhecido não só dos hebreus, como também dos povos pagãos. O povo hebreu foi o instrumento de que se serviu Deus para se revelar por Moisés e pelos profetas [...]. Os Mandamentos de Deus, dados por intermédio de Moisés, contêm o gérmen da mais ampla moral cristã. [...]

Allan Kardec: O evangelho segundo o espiritismo. Cap. 1, item 9.
Moisés, como profeta, revelou aos homens a existência de um Deus único, Soberano Senhor e Orientador de todas as coisas; promulgou a lei do Sinai e lançou as bases da verdadeira fé. Como homem, foi o legislador do povo pelo qual essa primitiva fé, purificando-se, havia de espalhar-se por sobre a Terra.

Allan Kardec: A gênese. Cap. 1, item 21.
Religião é o sentimento divino, cujas exterioriza-ções são sempre o Amor, nas expressões mais sublimes.
A concepção de um Deus único não poderia existir no homem, senão como resultado do desenvolvimento de suas idéias. Incapaz, pela sua ignorância, de conceber um ser imaterial, sem forma determinada, atuando sobre a matéria, conferiu-lhe o homem atributos da natureza corpórea, isto é, uma forma e um aspecto e, desde então, tudo o que parecia ultrapassar os limites da inteligência comum era, para ele, uma divindade. [...]
Amarás ao Senhor teu Deus, de todo o coração, de toda a alma e de todo o entendimento. Esse é o grande e o primeiro mandamento. O segundo é semelhante a esse: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Desses dois mandamentos dependem toda a
Lei e os Profetas.

Mateus, 22:37-40.
Jesus não veio destruir a lei, isto é, a lei de Deus; veio cumpri-la, isto é, desenvolvê-la, dar-lhe o verdadeiro sentido e adaptá-la ao grau de adiantamento dos homens. Por isso, é que se nos depara, nessa lei, o princípio dos deveres para com Deus e para com o próximo, base da sua doutrina. [...]

Allan Kardec: O evangelho segundo o espiritismo. Cap. 1, item 3.
Allan Kardec: Obras póstumas. Segunda parte, item: Futuro do espiri-tismo, p. 299.
Allan Kardec: A gênese. Cap. 1, item 7.
Qual foi a missão de Moisés?
sistema ou crença religiosa que admite mais de um deus
Emmanuel: O Consolardor, q.260
A evolução do Pensamento Religioso
O caráter essencial da revelação divina é o da eterna verdade. Toda revelação eivada de erros ou sujeita à modificação não pode emanar de Deus. É assim que a lei do Decálogo tem todos os caracteres de sua origem, enquanto que as outras leis moisaicas, fundamentalmente transitórias, [...] são obra pessoal e política do legislador hebreu. Com o abrandarem-se os costumes do povo, essas leis por si mesmas caíram em desuso, ao passo que o Decálogo ficou sempre de pé, como farol da Humanidade. O Cristo fez dele a base do seu edifício, abolindo as outras leis.

Allan Kardec: A gênese. Cap. 1, item 10.
Jesus e o Evangelho
Qual o tipo mais perfeito que Deus tem oferecido ao homem, para lhe servir de guia e modelo?

Jesus. Allan Kardec: O livro dos espíritos, questão 625.
Para o homem, Jesus constitui o tipo da perfeição moral a que a Humanidade pode aspirar na Terra. Deus no-lo oferece como o mais perfeito modelo e a doutrina que ensinou é a expressão mais pura da lei do Senhor, porque, sendo ele o mais puro de quantos têm aparecido na Terra, o Espírito Divino o animava. [...]
Allan Kardec: O livro dos espíritos, questão 625 – comentário.
A Revelação Espírita
Definamos primeiro o sentido da palavra revelação. Revelar, do latim “revelare”, cuja raiz, “velum”, véu, significa literalmente sair de sob o “véu” — e, figuradamente, descobrir, dar a conhecer uma coisa secreta ou desconhecida. Em sua acepção vulgar mais genérica, essa palavra se emprega a respeito de qualquer coisa ignota que é divulgada, de qualquer idéia nova que nos põe ao corrente do que não sabíamos. Deste ponto de vista, todas as ciências que nos fazem conhecer os mistérios da Natureza são revelações e pode dizer-se que há para a
Humanidade uma revelação incessante. A Astronomia revelou o mundo astral, que não conhecíamos; a Geologia revelou a formação da Terra; a Química, a lei das afinidades; a Fisiologia, as funções do organismo, etc.; Copérnico, Galileu, Newton, Laplace, Lavoisier foram reveladores.
Pode o Espiritismo ser considerado uma revelação?
Espiritismo: o Consolador prometido por Jesus
Se me amais, observareis os meus mandamentos, e rogarei ao Pai e ele vos dará outro Paráclito [Consolador], para que convosco permaneça para sempre, o Espírito da Verdade, que o mundo não pode acolher, porque não o vê nem o conhece. Vós o conheceis, porque permanece convosco. Não vos deixareis órfãos [...]. Mas o Paráclito, o Espírito Santo que o Pai em meu nome, vos ensinará tudo e vos recordará tudo o que eu vos disse.

A Bíblia de Jerusalém. João, 14:15-17 e 26.
Por que o Espiritismo é o Consolador prometido por
Jesus?
Full transcript