The Internet belongs to everyone. Let’s keep it that way.

Protect Net Neutrality
Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Memorial do Convento - Capítulo XXIII

No description
by

Sofia Coroado

on 30 May 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Memorial do Convento - Capítulo XXIII

Chegada de Baltasar ao Monte Junto (onde a passarola estava escondida)
Queda de Baltasar
Mestres de noviços: Frei Manuel da Cruz e Frei José de Santa Teresa
"Baltasar não tem espelhos, a não ser estes olhos que o estão vendo a descer o caminho lamacento para a vila, e eles são que lhe dizem, Tens a barba cheia de brancas Baltasar, tens a testa carregada de rugas, Baltasar, tens encorreado o pescoço, Baltasar, já te descaem os ombros, Baltasar, nem pareces o mesmo homem, Baltasar (...) "

"Quase trinta metros de altura será a queda, e dela morrerá, e esta Inês Antónia, por ora tão orgulhosa do favor de que goza o seu homem, tornar-se-á numa viúva triste(...)"
"A lua nasceu, enorme, vermelha"
Memorial do Convento - Capítulo XXIII
"A sagração é já no domingo"
RESUMO DO CAPÍTULO
Deslocação, a pé, dos 30 noviços do convento de S.José de Ribamar até Mafra nas vésperas de sagração do convento
Regresso de Baltasar a casa após o trabalho como boieiro e encontro com Blimunda
Baltasar e Blimunda visitam as estátuas

Despedida amorosa de Baltasar e Blimunda na barraca da mula

NARRADOR
Omnisciente
Heterodiegético
Recursos Estilisticos
S.Vicente
S.Sebastião
Santa Isabel
Santa Teresa
Santa Clara
S.Francisco
S.Bento
S.Bruno
Transporte de 18 estátuas de santos para Mafra
S.Bernardo
S.João de Deus
João da Mata
Francisco de Paula
Caetano
Félix de Valois
Pedro Nolasco
Filipe Neri
"À frente (...) vão S.Vicente e S.Sebastião (...) a seguir vêm as damas. (...) As três santas (...) parecem minorcas ao pé deles, mas as mulheres não se medem aos palmos"
" Dezoito estátuas em dezoito carros, juntas de bois à proporção, homens às cordas na conta do já sabido, porém não é isto aventura que se compare com a pedra de Benedictione."
"Pobres moços, pobres passarinhos implumes (...) tinham agora de caminhar descalços seis léguas, por montes e vales, sobre pedras e lama, caminhos tão ruins."
"Entraram assim em Mafra, recebidos triunfalmente,tão magoadinhos dos pés, tão transportados de fé, (...) nem ao descarregar das estátuas assistiram."
Referências à construção do convento

Referência à queda de Álvaro Diogo

"Está concluída a casa da sacristia, mas sem reboco nas abóbadas, e, como ainda conservam o simples, se mandarão cobrir com pano de brim engessado, a fingir de guarnição de cal, para aparecer com mais asseio, e à igreja, como falta o zimbório, do mesmo modo se disfarçará a ausência."
"O tempo, às vezes, parece não passar, é como uma andorinha que faz o ninho no beiral, sai e entra, vai e vem, mas sempre à nossa vista (...) mas,de repente, estava e já não está, mesmo agora a vi, onde é que se meteu."
"Como o tempo passou, como eu me tornei velho, ainda ontem era a flor do bairro, e hoje nem bairro nem flor"
Prólepse
Baltasar anuncia ida ao Monte Junto no dia seguinte
"(...) amanhã vou ao monte junto ver como está a máquina, passaram seis meses desde a última vez, como estará aquilo (...)"
"Descansa mulher que o meu dia ainda não chegou"
O convento demorou 13 anos a ser construído
"Igreja inacabada"
"Quarenta celas acabadas, em vez das trezentas que vão ser precisas"
"O mal desta obra de Mafra é terem posto homens a trabalhar nela em vez de gigantes"
"S.Francisco de Assis, que merecia estar em luz plena, ao pé da sua Santa Clara, prouvera não se veja nesta insitência nenhuma insinuação de comércio carnal, e depois, se o tivesse havido, que é que tinha, não é por isso que as pessoas deixam de ser santas, e com isso é que os santos ficam pessoas"
Teor crítico
Voo inadvertido da passarola
"Baltasar entrou na passarola. Algumas tábuas do convés estavam apodrecidas. (...) Ia distraído, não reparou onde punha os pés, de repente duas tábuas cederam, rebentaram, afundaram-se"
"A máquina rodopiou duas vezes, despedaçou, rasgou os arbustos que a envolviam, e subiu"
(antecipação de uma situação)
Ironia
"Afinal o amor existe sobre todas as coisas."
União amorosa e espiritual vivida pela última vez
Amor intemporal e intenso: Blimunda pressente a sua separação de Baltasar
surge na terceira pessoa e não participa na ação
Conhecimento total do passado, presente e futuro
"Abre-lhe os braços, quem, abre-os ele a ela, abre-os ela a ele"
"Eles, casa, telheiro, courela, muro, palácio, ponte, convento, sebe, calçada, moinho"
"Quer-se um santo dedicado ao trabalho da horta e ao cultivo da letra, temos S.Bento. Quer-se outro de vida austera, sábia e mortificada, avance S.Bruno. Quer-se ainda outro para pregar cruzadas velhas (...)"
Trabalho realizado por:
Sofia Coroado, n.º 30
Full transcript