Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Ferramentas do Design Thinking

No description
by

Isaac Emannuel

on 1 November 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Ferramentas do Design Thinking

AEROFOTOGRAMETRIA
“Aerofotogrametria é a cobertura aerofotográfica executada para fins de mapeamento.”

Objeivos
Apresentação sobre o tema aerofotogrametria, em busca de conhecimento continuo somados com os temas abordados enfaticamente em sala de aula, facilitando a compreensão de todos os alunos desta disciplina.
Introdução
Definição

Segundo Farias (2012) aerofotogrametria é o nome dado ao método de obtenção de dados topográficos por meio de fotografias aéreas, geralmente, com o fim de mapeamento.
História
Evolução Aerofotogrametria
Inicialmente
1732 - Estereoscopia
1851 – 1900: Câmeras em Zeppelin
1914 - 1918
1936 - 1940
Atualmente
AEROFOTOGRAMETRIA
Prototipação
Protótipo de Papel
Modelo de Volume
Encenação
Este tipo de pesquisa tem como objetivo proporcionar maior familiaridade com o problema, com vistas a torná-la mais explícita ou a construir hipóteses. Essa pesquisa envolve: levantamento bibliográfico; entrevista com pessoas envolvidas no projeto; análise de exemplos que estimulem a compreensão (GIL, 2007).
É uma busca de informações sobre o tema do projeto em diversas fontes (Websites, livros, revistas, blogs, artigos entre outros). Recebe o nome Desk, de desktop, já que boa parte desta tarefa é realizada na frente do computador através da internet. (VIANNA, 2012).
Encontro entre duas ou mais pessoas, com vistas a obtenção de informações a respeito de determinado assunto, utilizando-se para isto de uma conversação sistematizada de natureza técnico-profissional (FARIAS, 2008).
Relato feito pelo próprio usuário sobre suas atividades, no contexto de seu dia-a-dia. Entendimento do universo do usuário, seus sonhos e expectativas (TARUNE, 2013). Vianna (2012) ainda cita que essa atividade deve ser aplicada com o mínimo de interferência.
Consiste em um encontro no qual se convida os atores envolvidos no tema do projeto, para discutirem e refletirem sobre suas experiências com intuito de proporcionar, aos pesquisadores, uma visão geral do usuário (VIANNA, 2012).
Uma simulação, por parte do pesquisador, da vida de uma pessoa, membros da equipe de projeto assumem o papel do usuário e passam um período que pode passar de um dia, possibilitando uma visão do problema sob a ótica dos usuários (VIANNA, 2012).
Consiste no acompanhamento do usuário (ou outro ator do processo) ao longo de um período de tempo, com o cuidado de não interferir nas ações do usuário, apenas observação do seu comportamento. A fim de identificar oportunidades e necessidades latentes que possivelmente não seriam verbalizadas numa entrevista (VIANNA, 2012).
É uma organização e agrupamento dos Cartões de Insights com base na afinidade, similaridade, dependência ou proximidade, gerando um diagrama que facilita a identificação das conexões entre os temas e a de macro áreas que delimitam o problema (VIANNA, 2012).
São diretrizes, determinadas pelo escopo do projeto, com o objetivo de evidenciar seus limites e seus propósitos (VIANNA, 2012).
"É uma ferramenta que permite organizar e representar, graficamente e através de um esquema, o conhecimento." (CONCEITO, 2011).
São personagens fictícios que possuem certas características de um grupo de usuários Baer (2008 apud CANDELLO, 2013). São utilizados na geração e validação de ideias por meio da visão da situação de diferentes ângulos (VIANNA, 2012).
Uma ferramenta de síntese das informações sobre o cliente por meio do que ele sente, escuta, vê, diz e faz; identifica as principais características de seu comportamento frente a um determinado estímulo (INOVAQUI, 2012).
Consiste em uma representação gráfica da interação do cliente com produto/serviço durante todo seu ciclo de vida (VIANNA, 2012).
Uma representação visual, por meio de uma matriz, que caracterizam uma prestação de serviço, sejam elas do tipo cliente-empresa ou internas a empresa (VIANNA, 2012).
A técnica de Brainstorming propõe que em grupo (2 até 10 pessoas),através da divergência de pensamentos e ideias, sejam geradas propostas inovadoras que contribuam para o desenvolvimento do projeto Osbone (1963 apud SOUZA et al, 2011). Para Baxter (1998 apud SOUZA, 2011) “A principal característica do Brainstorming é que as ideias de uma pessoa inspiram as outras pessoas, e assim as ideias vão fluindo, a velocidade cada vez maior”.
Representações de interfaces gráficas com diferentes níveis de fidelidade, desde um pequeno layout desenhado á mão em pequenos pedaços de papeis, até detalhes finais de uma embalagem de sabonetes (VIANNA, 2012).
Representações de um produto, podendo variar os níveis de fidelidade. Desde poucos detalhes até aparência do produto final. Usa-se o modelo de volume quando se deseja transmitir uma ideia e tirá-la do âmbito conceitual transformando-lhe em algo concreto que possibilite a validação (VIANNA, 2012).
Simulação arranjada de determinada situação, podendo representar desde a interação de uma pessoa com a máquina até o diálogo entre pessoas para representar um serviço (VIANNA, 2012).
Referências

BROWN, T. Change by Design: how design thinking transforms organizations and inspires innovation. 2009. HarperCollins, New York.

CANDELLO. H; Aplicação de personas e cenários no desenvolvimento de guias culturais móveis. 2013. Disponível em: <http://66.7.199.78/~andreenr/Anais-CONAHPA-2013/assets/aplicacao_personas_heloisa.pdf>. Acesso em: 20 de out 2013.

CONCEITO.DE. Mapas conceituais. 2011. Disponível em: <http://conceito.de/mapa-conceitual>. Acesso em: 16 out. 2013

FARIAS. E; Material Didático de Apoio as Disciplinas: prática de pesquisa trabalho de conclusão de curso. 2008. Disponível em: <http://www.togatlian.pro.br/docs/pos/unesa/instrumentos.pdf>. Acesso em: 21 out. 2013

GIL, A. C .Como elaborar projetos de pesquisa. 4. Ed.. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

INOVAQUI. Como entender o consumidor através do mapa de empatia?, 2012. Disponível em: <http://inovaqui.com.br/2012/como-entender-o-consumidor-atraves-do-mapa-de-empatia>. Acesso em: 21 out. 2013.

SOUZA, A,T; SILVA ,A,L,T. Design Thinking na concepção de um modelo de negócio inclusivo. 2011. Disponível em: <http://www.academia.edu/1259144/Design_Thinking_aplicado_na_concepcao_de_um_modelo_de_Negocio_Inclusivo_1_>. Acesso em: 20 de out 2013

TANURE. R; Métodos, práticas e ferramentas - Projeto informacional-. 2013. Dispónivel em: < http://www.producao.ufrgs.br/arquivos/disciplinas/187_metdp_aula_projetoinfo_14maio2013.pdf> Acesso em: 20 out. 2013

VIANNA, M; Vianna. Y; Adler, I. K; Lucena, B.; Russo, B. Design Thinking: Inovação em negócios. 2012. 1ª edição. Rio de Janeiro. MJV Press. 162p.

1858 (Confecção de Mapas)
Método das interseções
Full transcript