Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Por dentro da Namibia

Por dentro de Namibia é uma visão simples do que foi divulgado sobre pontecial energetico Petrolifero de Namibia
by

João Victor Bricidio Arariba

on 26 November 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Por dentro da Namibia

Devido ao grande reconhecimento que as reservas da Namíbia são de grande potencial, muitas empresas privadas e públicas já estão participando ou tem licença de exploração na Indústria de Petróleo e Gás do Estado Namibiano.

Algumas delas são: Repsol da Espanha, Petrobras, HRT, Eco Oil & Gas, Enigma Oil and Gas, Azinam, Serica Energy, Chariot Oil and Gas, GazProm, Regalis Petroleum, BP, Pancontinental Oil and Gas, Nabim Energy Services, Cowan Petroleo & Gas, Alfapetro, Pan Afriacan Oil Namibia, Grisham Assest Corp, Lekoil E&P, Energurlf, PetroSa, Oranto Petroleum, Signet Petroleum, Itochu, West Bridge Energy Corporation, Unimag Trading entre muitas outras.
LoCALIZAÇÃO
Localizada na porção sul do continente africano, a Namíbia é banhada pelo oceano Atlântico e limita-se com a Angola (ao norte), Zâmbia (a nordeste), Botsuana (a leste) e África do Sul (ao sul e a leste). O território do país abriga dois grandes desertos: o deserto da Namíbia e o deserto de Kalahari.
NAMIBIA
Em 1990, a nação se tornou independente da África do Sul, entretanto, a política de segregação racial sul-africana, denominada apartheid, que vigorou entre os anos de 1948 a 1994, intensificou as desigualdades sociais na Namíbia, onde a minoria da população branca detém a maioria das riquezas nacionais.
O país possui uma economia pouco desenvolvida. Ele se destaca no cenário mundial por ser um grande produtor de diamantes, atividade que é responsável por um quinto do Produto Interno Bruto (PIB) nacional. A nação também é grande produtora de urânio.
A agricultura de subsistência é promovida pela metade dos habitantes da Namíbia. Outra atividade de fundamental importância para a economia é a pesca (responsável por grande parte das exportações do país).

PIB
Um dos grandes problemas enfrentados pela Namíbia é a distribuição de renda desigual. A maioria da população (negra) é pobre enquanto a minoria (branca) concentra a maior parte das riquezas.
O analfabetismo atinge 12% dos habitantes e a taxa de mortalidade infantil é de 32 óbitos a cada mil nascidos vivos.
Impostos e royalties da mineração respondem por 25% de sua receita, a maior parte da receita é criada pela mineração de diamantes, o que se tornou 7,2% do 9,5% que a mineração contribui para a Namíbia PIB em 2011. Ricos aluviais depósitos de diamantes é a principal fonte de gema de qualidade de diamantes.
Um vez que ignorada por grande parte das companhias de petróleo e gás, a Namíbia tem sido considerada atualmente uma das últimas fronteiras de exploração de petróleo e gás. Ainda não existe reservas comprovadas de óleo, mas acreditasse que a Namíbia tenha uma quantidade significativa de reservas de hidrocarbonetos, inclusive muitas das reservas com características geológicas semelhantes a do litoral brasileiro.
Na Namíbia os recursos naturais são de propriedade do Estado Namibiano, não dando direito ao petróleo encontrado por qualquer pessoa que descubra uma reserva, a menos que seja de outro proprietário legalmente autorizado pelo Estado.
O responsável pela regulação da Indústria do Petróleo na Namíbia é a entidade governamental chamada MME (Ministério de Minas e Energia). A Namcor é a entidade governamental responsável pelas operações de exploração e produção de petróleo e gás da Namíbia, podendo também realizar essas atividades em conjunto com empresas privadas. A Namcor também atua como Conselheira do MME e auxiliar de monitoração das atividades de exploração das empresas licenciadas pela Namíbia.
Empresas
Potencial
A Namíbia não possui um histórico "significante" de produção de óleo e gás, porém, acredita-se que possui um grande potencial. Localizada bem próxima a Angola, um país com grande produção e membro da OPEP.
Arenitos de boa qualidade são susceptíveis de serem amplamente distribuídos e um número de armadilhas geológicas em potencial foi identificado. Porém, atualmente, as reservas do país ainda não foram confirmadas, pois se perfurou em torno de 15 poços, mantendo o potencial petrolífero do país apenas com reservas estimadas.

A exploração offshore teve inicio em 1968

Resultou na descoberta do campo de gás de Kudu pela Chevron em 1973.

A primeira rodada de licitação foi aberta em setembro de 1991 e atraiu exploração para a área norte do offshore e de dois blocos no extremo sul.

Em outubro de 1994, o governo da Namíbia abriu sua segunda rodada de licenciamento de autorização de hidrocarbonetos.

O governo da Namíbia alterou os termos do seu acordo de modelo para torná-lo mais atraente para empresas internacionais e comprometeu-se a ser flexível em qualquer negociação.
HRT - Projeto Barril Verde
Uma das maiores empresas independentes de exploração e produção de óleo e gás natural do Brasil que tem a partcipação em 12 blocos de exploração offshore na Namíbia e operadora em dois blocos na Sub-Bacia de Walvis e em oito blocos na Sub-Bacia de Orange, desenvolveu o projeto Barril Verde, que a cada barril produzido pela empresa no offshore do país africano, a empresa doará N$ 1 (NAD - Dólar Namibiano) a projetos de sustentabilidade de proteção do ecossistema marinho. Este projeto tem o objeto de levar o progresso ao país sem comprometer o meio
Concessão de Licenças
As condições para a concessão de licenças de petróleo e gás são estabelecidas tanto pelo MPA (Model Petroleum Agreement) quanto pela Lei do Petróleo que rege na Namíbia.
Uma licença de exploração é validada por até 4 anos, podendo ser renovada em no máximo 2 ocasiões, uma licença de exploração fornece direitos exclusivos para explorar o petróleo.
A licença de produção confere direito exclusivo para realizar operações de produção de petróleo e pode ser concedida por um período inicial de 25 anos, podendo ser renovada uma vez para um máximo de 10 anos.
O regime fiscal na Namíbia é composto principalmente de um Royalty, PIT (Imposto de renda do Petróleo) e um lucro adicional fiscal (APT). O Royalty na duas primeiras rodadas chegaram a 12%, mas em 1998 passou pra 5%.

O PIT é a cobrança de uma taxa de 35% sobre o lucro tributável recebidos ou acumulados ou a favor de qualquer companhia a partir de uma área de licença. O APT é determinado de acordo com as disposições da Lei de Tributação.
Regulação
Regulação - MME e NAMCOR
"Por dentro" da Namibia
A Namíbia tem reservas que caso comprovadas irá ultrapassar a quantidade de reservas de muitos países que estão com o mercado de petróleo em plena atividade e realmente estabelecido. As empresas envolvidas na Indústria do Petróleo estão realmente interessadas com as descobertas que estão por vir do litoral africano, talvez em poucos anos a África seja mãe de mais um país com as maiores reservas de hidrocarbonetos comprovadas.
Considerações Finais
Renda média da população:
Historico:
Uma visão do potencial energético envolvendo a indústria de Petróleo e Gás
Angel heggelound
Joao vitor bricidio
Gustavo freitas
rafael Gomes
Yulo Oiticica
Vitor Luiz
Autores
Obrigado
Antonio Celso
Full transcript