Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

As Normas Técnicas para Transcrição e Edição de Documentos Manuscritos

No description
by

Oficina de Paleografia - UFMG

on 20 September 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of As Normas Técnicas para Transcrição e Edição de Documentos Manuscritos

Oficina de Paleografia- UFMG
A transcrição é o ato de transferir o conteúdo de uma fonte escrita em caracteres inicialmente ininteligíveis para um novo suporte em que os caracteres utilizados sejam compreensíveis por um número maior de pessoas.

Assim como acontece com os textos acadêmicos, existem normas visando padronizar os aspectos gráficos e técnicos das transcrições paleográficas.

O conjunto de normas a ser seguido depende da finalidade da transcrição e da pesquisa em cujo âmbito ela é realizada.
Um primeiro "tipo" de transcrição é o que chamamos de
edição diplomática
. Nesse tipo de edição, são preser-vadas ao máximo as características do documento original. Mantém-se a grafia sem fazer nenhuma corre-ção, mantém-se a divisão de linhas e parágrafos e o alinhamento do texto, abreviaturas são deixadas como estão:
Mais frequente, no entanto, na pesquisa histórica é a chamada
edição semidiplomática
, que mui-tas vezes é designada como sinô-nimo de transcrição paleográ-fica.

Ela permite, de maneira regulada, alguma interferência do(a) trans-critor(a), e padroniza as formas de se referir a ocorrências no texto e no suporte.
No Brasil, a edição semidiplomática de fontes manuscritas segue as normas estabelecidas no I e II Encontros Nacionais de Normatização Paleográ-fica, realizados nos anos de 1990 e 1993.

Antes de conhecermos essas normas, veremos alguns procedimentos que facilitam o ato de transcrever.
NORMAS TÉCNICAS PARA

TRANSCRIÇÃO E EDIÇÃO DE DOCUMENTOS MANUSCRITOS

OBJETIVO:
Esta norma fixa diretrizes e convenções para a transcrição e edição de documentos manuscritos. Destina-se a unificar os critérios das edições paleográficas, possibilitando uma apresentação racional e uniforme.

COMISSÃO DE SISTEMATIZAÇÃO E REDAÇÃO DO I ENCONTRO NACIONAL DE NORMATIZAÇÃO PALEOGRÁFICA:
(São Paulo: 28 e 29 de novembro de 1990)
ANTONIO HOUAISS - Academia Brasileira de Letras
HELOISA LIBERALLI BELLOTTO - Instituto de Estudos Brasileiros/USP
JAIME ANTUNES DA SILVA - Arquivo Nacional - Universidade do Estado do Rio de Janeiro
JOÃO EURÍPEDES FRANKLIN LEAL - Universidade do Rio de Janeiro - UNIRIO
MARIA HELENA OCHI FLEXOR - Universidade Federal da Bahia
ROSELI SANTAELLA STELLA - Faculdade Cruzeiro do Sul (SP)
YEDDA DIAS LIMA - Instituto de Estudos Brasileiros/USP

COMISSÃO DE SISTEMATIZAÇÃO E REDAÇÃO DO II ENCONTRO NACIONAL DE NORMATIZAÇÃO PALEOGRÁFICA:
(São Paulo: 16 e 17 de setembro de 1993)
ANA LÚCIA LOUZADA WERNECK - Fundação Biblioteca Nacional
ANA REGINA BERWANGER - Universidade Federal do Rio Grande do Sul
CARLOS DE ALMEIDA PRADO BACELLAR - Arquivo do Estado de São Paulo
GRACILDA ALVES - Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro
JOÃO EURÍPEDES FRANKLIN LEAL - Universidade do Rio de Janeiro -UNIRIO
JOSÉ MARQUES - Universidade do Porto
MARCELO MEIRA AMARAL BOGACIOVAS - ASBRAP
MARIA HELENA OCHI FLEXOR - Universidade Federal da Bahia
VITOR MANOEL MARQUES. DA FONSECA - Arquivo Nacional
YEDDA DIAS LIMA - Instituto de Estudos Brasileiros/USP
Valendose
da Real Caza
Quanto à grafia seguir-se-ão os seguintes critérios:

1.1 Serão separadas as palavras grafadas unidas indevidamente e serão unidas as sílabas ou letras grafadas separadamente, mas de forma indevida. Excetuam-se as uniões dos pronomes proclíticos (madê, selhedê), mesoclíticos e enclíticos às formas verbais de que dependem (meteremselhe, procurase ).
1. GRAFIA
da aSistencia
pessoal
1.2 As letras serão grafadas na forma usual, independente de seu valor fonético.

1.3 O s caudado duplo será transcrito como ss e o simples como s.
1.4 O R e S maiúsculos, com som de rr e ss serão transcritos R e S maiúsculos, res-pectivamente.
Fran.co Francisco
Ex.mo ou Excelentíssimo
1.5 As letras ramistas b, v, u, i, j serão mantidas como no manuscrito.

1.6 Os números romanos serão reproduzidos de acordo com a forma da época.

1.7 Aos enganos, omissões, repetições e truncamentos, que comprometam a compreensão do texto, recomenda-se o uso da palavra latina [sic] entre colchetes e grifada.

1.8 As abreviaturas não correntes deverão ser desenvolvidas com os acréscimos em grifo.
1.9 As abreviaturas ainda usuais na atualidade, ou de fácil reconhecimento, pode-rão ser mantidas.
Interesses [?]
Huã onça
1.10 Os sinais especiais de origem latina e os símbolos e palavras monogramáticas serão desdobrados, por exemplo, IHR = Christus.

1.11 Os sinais de restos de taquigrafia e notas tironianas serão vertidos para a forma que representam, grifados.

1.12 O sinal de nasalização ou til, quando com valor de m ou n, será mantido.
1.13 Quando a leitura paleográfica de uma palavra for duvidosa, colocar-se-á uma interrogação entre colchetes depois da mesma: [?]
1.14 A acentuação será conforme o original.
1.15 A pontuação original será mantida.

1.16 As maiúsculas e minúsculas serão mantidas.

1.17 A ortografia será mantida na íntegra, não se efetuando nenhuma corre-ção gramatical.
Deve-se pôr na / Real Presença de / Vossa Magestade a quem ime- / diatamente pertence [ilegível] / a este desimilhantes [sic] / reque-rimentos conforme / o seu Real Arbítrio./
Nom[eaçã]o


Para indicar acidentes no manuscrito original, como escrita ilegível ou danificada, serão utilizadas as seguintes convenções:

2.1 As palavras que se apresentam parcial ou totalmente ilegíveis, mas cujo sentido textual permita a sua reconstituição, serão impressas entre colchetes.
2. CONVENÇÕES
2.2 As palavras ilegíveis para o transcritor serão indicadas com a palavra ilegível entre colchetes e grifada: [ilegível].
2.4 Os elementos textuais interlineares ou marginais autógrafos que completam o escrito serão inseridos no texto entre os sinais <...>.
[danificadas +/- 9 linhas]
2.3 As linhas ou palavras danificadas por corrosão de tinta, umidade, rasgaduras ou corroídas por insetos ou animais serão indicadas, por exemplo, pela expressão corroído entre colchetes e grifada e com a menção aproximada de seu número: [corroídas ± 6 linhas].
<à margem esquerda: D. Bras Baltasar da/ Silveira>
Dom João por graça de Deos Rey [...]
2.5 Quando não forem autógrafos, serão indicados em nota de rodapé.

2.6 As notas marginais, não inseríveis no texto, serão mantidas em seu lugar ou em sequência ao texto principal com a indicação: à margem direita ou à margem esquerda.

2.7 As notas de mão alheia serão transcritas em rodapé.
3. ASSINATURAS E SINAIS PÚBLICOS
3.1 As assinaturas em raso ou rubricas serão transcritas em grifo.

3.2 Os sinais públicos serão indicados entre colchetes e em grifo: [sinal público].
5.1 Os selos, sinetes, lacres, chancelas, estampilhas, papéis selados e desenhos serão indicados de acordo com a sua natureza entre colchetes e grifado: [estampilha]


4.1 Os caracteres impressos que aparecem em documentos mistos recentes serão transcritos em tipos diferentes. Incluem-se aqui os formulários, timbres, fichas-padrão, carimbos, siglas etc.
4. DOCUMENTOS MISTOS
5. SELOS, ESTAMPILHAS ETC.
[selo rodado de D. Afonso Henriques]
ou
[selo]
[palavra-sinal: Portugal]
ou
[sinal: Portugal]

5.2 Os dizeres impressos e o valor das estampilhas serão transcritos dentro de colchetes e em grifo: [estampilhas].





6.1 Recomenda-se o uso de um sumário, antecedendo cada texto, composto de datação e resumo de conteúdo.

REPRESENTAÇÃO DA CÂMARA INFORMANDO A DIFICULDADE EM CONSEGUIR CARCEREIROS, DEVIDO A FUGA DE PRESOS E A FALTA DE SEGURANÇA DA CADEIA
Data : 31/07/1734
Local: VILA RICA
Nomes: FERNANDO LEITE LOBO; OUVIDOR GERAL; DOMINGOS FRANCISCO DOS REIS

6.2 Será sempre indicada a notação ou cota do documento para fins de localização no acervo da instituição.

Notação: cmop cx. 07 doc. 05

6.3 Sempre se indicará se o documento é original, apógrafo, 2ª via etc.
6. REFERÊNCIAS
7.1 A transcrição dos documentos poderá ser linha por linha ou de forma corrida.
7.2 Será respeitada a divisão paragráfica do original.
Maranhão
21 de maio 1729

Ao coronel Pedro Barbosa Leal clamou passar provisão para selhe
tombarem várias terras que possui tanto na capitania da Moucha como no Es-
tado do Maranhão e para pagar o novo direito que lhe deva selhe passou este
bilhete. Lisboa Ocidental 21 de maio de 1729.
Sr. Joseph Souza.

Maranhão / 21 de maio 1729

Ao coronel Pedro Barbosa Leal clamou passar provisão para selhe / tombarem várias terras que possui tanto na capitania da Moucha como no Es- / tado do Maranhão e para pagar o novo direito que lhe deva selhe passou este / bilhete. Lisboa Ocidental 21 de maio de 1729.

Sr. Joseph Souza.

Maranhão
21 de maio 1729

Ao coronel Pedro Barbosa Leal clamou passar provisão para selhe tombarem várias terras que possui tanto na capitania da Moucha como no Estado do Maranhão e para pagar o novo direito que lhe deva selhe passou este bilhete. Lisboa Ocidental 21 de maio de 1729. Sr. Joseph Souza.
7. APRESENTAÇÃO GRÁFICA
7.3 As páginas serão numeradas de acordo com o documento original, indicando sempre a mudança de cada uma, entre colchetes e no meio do texto, incluindo-se o verso: [fl. 3], [fl. 3v].

7.4 Se o original não for numerado caberá ao transcritor numerá-las. Os números acrescentados serão impressos entre colchetes e em grifo: [fl. 4], [fl. 4v].

7.5 As folhas em branco serão indicadas entre colchetes e em grifo: [fl. 13, em branco].




8.1 Toda edição deverá ser precedida de um texto preliminar em que se indicará o objetivo da publicação, remetendo-a, quanto aos critérios e convenções, para Normas Técnicas para Transcrição e Edição de Documentos Manuscritos.

8.2 É recomendável a utilização de índice remissivo.
8. OBSERVAÇÕES
As Normas Técnicas para Transcrição e Edição de Documentos Manuscritos
Sumario contra o Doutor Jozé
Vieyra Couto, medico morador no Te
juco do Serro do Frio Bispado
de Marianna
Processo de Doutor José Vieira Couto (1789-94).
Arquivo Nacional da Torre do Tombo, PT/TT/TSO-IL/028/12957.
Lucas filho de Joseph Bezerra Peixoto
morador na sua quinta da boavista desta
freguezia de Cedofeita faleceo de idade de seis
annos de hu' bechigão em dose de junho
de mil e seiscentos e noventa e sinco assinado[?]
Manoel da Rocha Cruz Leao[?]
Paróquia de Cedofeita, Rol de crismados 1612-05-12/1684-11-07
Arquivo Distrital do Porto, PT/ADPRT/PRQ/PPRT04/004/0001.
1.ª Será obrigado o Rematante primeiramente a Retelhar os qu-
arteis e torres dos mesmos adonde careçerem com cal, e area
adonde for necessario, e será mais obrigado a consertar
as tarimbas doz soldados as que careçerem de algum
concerto
Condições para se arrematar as novas obras do senado
Arquivo Público Mineiro, CMOP Cx. 87 Doc. 10.
Exercícios:
< Remetido ao Doutor Ouvidor da Comarca
para lhedeferir. Villa Rica 11.
de Mayo de 1804 [sinal público]>

[Carimbo: 10 REIS]

Illustríssimo Excelentíssimmo Senhor

Diz Masimianno Tavares Prezo na Cadeia
desta villa vindo da Sidade de Marianna por falsas
culpas que lhe emputarão pesoas suas inimigas e
como o Suplicante mostrou a Sua inosensia teve a es
mola de Sua Excellência o mandar soltar a Coatro dias
como o Suplicante he Sumamente pobre que de todo esta nú e
morrendo a fome portantto.

Pede a Vossa Excellência como o
Illustríssimo Senhor pelo amor de Deus
mande soltar por Esmola

Espera Real Merce
2º Semestre/2015
www.oficinadepaleografia.org
facebook.com/oficinadepaleografia

Arquivo Público Mineiro, AVC Cx. 62 Doc. 15
capitullo. 1º

Das calidades que hão de ter os Irmaõs
que entrarem nesta Irmandade; e obriga=
çoens a que se sugeitão antes; e despois que
nella entrarem
Compromiço [sic] da Irmandade de Nossa Senhora da Concei-ção(...). Brasiliana USP. Disponível em <www.brasiliana.usp.br/ bbd/handle/1918/00604400>

uso de processadores de texto
nomas para transcrição
cuidados na edição

1
1
Título margeado por grafismos
Full transcript