Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

EDP - Relações Profissionais

No description
by

Patrícia Simões

on 18 June 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of EDP - Relações Profissionais

Introdução
CÓDIGO DEONTOLÓGICO DA ORDEM DOS PSICÓLOGOS PORTUGUESES

RELAÇÕES PROFISSIONAIS
Discentes:
Jessica Filipe
João Coelho
Patrícia Simões
Grande foco sobre as questões éticas;
Distinção entre ética e moral;
O que é a deontologia?
Importância do Código Deontológico.
Código Deontológico dos Psicólogos Portugueses
Foi publicado na 2ª Série do Diário da República a 20 de Abril de 2011.

Integrar os princípios éticos da actividade profissional em Psicologia;
Guiar os profissionais no sentido de práticas de excelência.
Respeito pela dignidade e direitos da pessoa
Competência
Responsabilidade
Integridade
Beneficiência e Não-maleficiência
Consentimento Informado
Privacidade e Confidencialidade
Relações Profissionais
Avaliação Psicológica
Prática e Intervenção Psicológicas
Ensino, Formação e Supervisão Psicológicas
Investigação
Declarações públicas
Relações Profissionais
1. Promoção de uma boa prática da Psicologia, através da colaboração entre colegas e a não desacreditação dos mesmos;

2. Encaminhamento de clientes, quando o psicólogo não tem competências suficientes para determinada intervenção deve indicar os serviços de outro colega;
3. Autonomia profissional, que consiste na execução da actividade profissional de acordo com o princípio da independência e autonomia profissional;

4. Cooperação institucional, que se refere ao contributo do psicólogo para a realização das finalidades das organizações com que colaboram;
5. Integridade profissional, em que os psicólogos não podem captar clientes de outros profissionais ou desviar casos das instituições públicas para as privadas;

6. Respeito de competências, através da obtenção de apoio adequado, para o seu cliente, por parte de outros profissionais em situações que ultrapassem o âmbito da sua competência;
7. Duplicação de intervenções; quando os clientes estão a ser assistidos por um colega com o mesmo fim, não se justifica a intervenção;

8. Responsabilidade profissional – sensibilização dos outros colegas para uma boa prática da Psicologia, quando esta não ocorre, deve-se:

- Informar o colega do seu desrespeito pelo actual Código Deontológico;
- Expor o caso, de forma escrita, ao Conselho Jurisdicional da Ordem dos Psicólogos Portugueses.
Dilemas
1. Um psicólogo que está a intervir com uma pessoa com um distúrbio de alimentação num estado avançado, por exemplo bulimia, deverá, ou não, expor o caso a um profissional da área da saúde (médico ou nutricionista), de forma a melhorar o estado de saúde do cliente?
2. Um psicólogo trabalha numa instituição pública, no entanto, mais tarde, é convidado para ir trabalhar para uma entidade privada, acabando por aceitar esta oportunidade. Este tem que informar os seus clientes actuais de que vai deixar de colaborar com a instituição pública.
Conclusão
O Código Deontológico dá algumas indicações que ajudam a resolver dilemas, mas não indica soluções exactas.
É importante seguir o Código para que haja uniformidade na prática profissional.
O princípio específico analisado frisa a colaboração e o respeito entre profissionais.
Consequências da actuação sem ética (Tierney, 1999, cit. Dias, 2004):

A reputação e a carreira podem fracassar;
Perda de confiança e credibilidade;
Ineficiência do trabalho em equipa.
Quem assume a profissão na sua essência ética:
cresce como profissional
melhora as suas relações profissionais
define uma identidade própria
ganha estabilidade profissional
“A imposição de códigos de conduta por si só seria inútil, não garante que as empresas sejam éticas, isso só se consegue se as pessoas que as integram forem íntegras, ou seja, possuidoras das virtudes morais. (...) julgamos as empresas e os seus responsáveis pelas suas acções, não por piedosas declarações de intenções” (Moreira, 1999, cit. Dias, 2004).
Docente:
Susana Maria
Objectivos:
Princípios Gerais:
Princípios Específicos:
Full transcript