Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

AS TEORIAS SOCIOLÓGICAS CLÁSSICAS SOBRE O ESTADO

No description
by

Giovana Vidal

on 20 November 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of AS TEORIAS SOCIOLÓGICAS CLÁSSICAS SOBRE O ESTADO

Poder, política e Estado
Desde o século XVIII o termo “sociedade” – ou “sociedade civil” – era usado em contraposição a “Estado”. A ideia de separação entre sociedade e Estado prejudicou a compreensão de que o Estado é uma organização encarregada de determinadas funções e sua constituição é um processo histórico como tantos outros.
Émile Durkheim
Ao analisar a questão da política e do Estado, Durkheim teve a sociedade francesa de seu tempo como referência. Como sempre esteve preocupado com a coesão social, considerava o Estado fundamental numa sociedade que ficava cada dia maior e mais complexa.
Durkheim dizia que o Estado “concentrava e expressava a vida social”.
Max Weber
Ao analisar o Estado alemão, Weber afirma que o verdadeiro poder estatal está nas mãos da burocracia militar e civil.
Para ele, o “Estado é uma relação de homens dominando homens”mediante a violência, considerada legítima.Para que essa relação exista, é necessário que os dominados obedeçam à autoridade dos que detêm o poder.Há três formas de dominação legítima: a tradicional, a carismática e a legal.
Democracia, representação e partidos políticos
As diversas formas que o Estado assumiu na sociedade capitalista estiveram ligadas à concepção de soberania popular, que é a base da democracia. Tal soberania só se torna efetiva com a representação pelo voto.Para entender a “igualdade política” defendida pelo pensamento liberal, base ideológica do sistema capitalista, basta consultar o que disseram grandes pensadores liberais:
O francês Benjamin Constant (1767-1830) declarava que as pessoas condenadas ao trabalho diário e a uma situação de dependência não estavam mais bem informadas acerca dos assuntos públicos que uma criança; por isso, não podiam desfrutar o direito eleitoral.
O filósofo alemão Immanuel Kant (1724-1804) declarava que, para exercer os direitos políticos, não bastava a condição de homem; era preciso ser senhor de uma propriedade que lhe desse sustento.
Karl Marx
Tendo escrito sobre as questões que envolvem oEstado num período em que o capitalismo aindaestava em formação, Marx não formulou uma teoria específica sobre o Estado e o poder. Suas concepções sobre o Estado encontram-se em livros publicados entre 1847 e 1871.
Para esse autor, o Estado é uma organização cujos interesses são os da classe dominante na sociedade capitalista: a burguesia.
AS TEORIAS CLÁSSICAS SOBRE O ESTADO

Para alguns autores que procuram analisar os aspectos institucionais da questão democrática, algumas condições precisam ser cumpridas para garantir a efetivação da democracia representativa: direito de voto; eleições competitivas, livres e limpas para o Executivo e o Legislativo; proteção e garantia das liberdades civis e dos direitos políticos; controle efetivo das instituições legais e de segurança e repressão.
Para Max Weber, portanto, o Estado é uma organização sem conteúdo inerente; é apenas mais uma das muitas organizações burocráticas da sociedade.

Na sociedade disciplinar, a linha de produção é o coração da fábrica. Na sociedade de controle, o serviço de vendas é a alma da empresa. O marketing é o instrumento de controle social por excelência: somos todos consumidores. Se tudo pode ser comprado e vendido, por que não as consciências e outras coisas mais ?
Lucas Augusto Esperança- 23
Nathalia Cristina Vidal- 28
Full transcript