Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Loira - Cesário Verde

No description
by

Rodrigo Matias

on 16 May 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Loira - Cesário Verde

Loira - Cesário Verde
Analise do Poema
Eu descia o Chiado lentamente
Parando junto às montras dos livreiros
Quando passaste irônica e insolente,
Mal pousando no chão os pés ligeiros.

O céu nublado ameaçava chuva,
Saía gente fina de uma igreja;
Destacavam no traje de viúva
Teus cabelos de um louro de cerveja.

E a mim, um desgraçado a quem seduzem
Comparações estranhas, sem razão,
Lembrou-me este contraste o que produzem
Os galões sobre os panos de um caixão.

Eu buscava uma rima bem intensa
Para findar uns versos com amor;
Olhaste-me com cega indiferença
Através do lorgnon provocador.

Detinham-se a medir tua elegância
Os dandies com aprumo e galhardia;
Segui-te humildemente e a distância,
Não fosses suspeitar que te seguia.

E pensava de longe, triste e pobre,
Desciam pela rua umas varinas
Como podias conservar-te sobre
O salto exagerado das botinas.


Aspectos Formais do Poema
11 quadras
rima cruzada abab
rima rica/rima pobre

10 silabas métricas

rima consoante
rima toante
Eu descia o Chiado lentamente
Parando junto às montras dos livreiros
Quando passaste
irônica e insolente
,
adjectivaçao dupla
Mal pousando no chão os pés ligeiros.

O céu nublado ameaçava chuva,
Saía gente fina de uma igreja;
Destacavam no traje de viúva
Teus cabelos de um
louro de cerveja
.
metáfora

E a mim, um desgraçado a quem seduzem
Comparações estranhas, sem razão,
Lembrou-me este contraste o que produzem
Os galões sobre os panos de um caixão.

Eu buscava uma rima bem intensa
Para findar uns versos com amor;
Olhaste-me com cega indiferença

mulher fatal
Através do lorgnon provocador.
estrangeirismo

Detinham-se a medir tua elegância
Os
dandies
com

aprumo e galhardia
;
estrangeirimos
Segui-te humildemente e a distância,

enumeração
Não fosses suspeitar que te seguia.

E pensava de longe,
triste e pobre
,
dupla adjectivaçao


Desciam pela rua umas varinas

exemplo de

Como podias conservar-te sobre
deambulismo
O salto exagerado das botinas.

E tu
,

sempre

febril,
sempre
inquieta,
repetição ''sempre''

Havia pela rua uns charcos de água
Ergueste um pouco a saia sobre a anágua
De um tecido ligeiro e violeta.

Adorável
!
Na idéia de que agora

exclamação
A branda anágua a levantasse o vento
Descobrindo
uma curva sedutora
,

hipálage

Cada vez caminhava mais atento.

Theresa Cardoso, 11a
E tu, sempre febril, sempre inquieta,
Havia pela rua uns charcos de água
Ergueste um pouco a saia sobre a anágua
De um tecido ligeiro e violeta.

Adorável! Na idéia de que agora
A branda anágua a levantasse o vento
Descobrindo uma curva sedutora,
Cada vez caminhava mais atento.

Mas súbito parei, sentindo bem
Ser loucura seguir-te com empenho,
A ti que és nobre e rica, que és alguém,
Eu que de nada valho e nada tenho.

Correu-me pelo corpo um calafrio,
E tive para o teu perfil ligeiro
Este olhar resignado do vadio
Que fita a exposição de um confeiteiro.

Vi perder-se na turba que passava
O teu cabelo de ouro que faz mal;
Não achei essa rima que buscava,
Mas compus este quadro natural.
encavalgamento
Mas
súbito parei, sentindo bem
oposição do movimento
Ser loucura seguir-te com empenho,
A ti que és
nobre e rica
, que és alguém,
caracterização
Eu que de
nada
valho e

nada
tenho.
humilhação

sentimental
Correu-me pelo corpo um calafrio,
E tive para o teu perfil ligeiro
Este olhar resignado do vadio
Que fita a exposição de um confeiteiro.

Vi perder-se na turba
que
passava
O teu
cabelo de ouro

que
faz mal;

metáfora
Não achei essa rima
que
buscava,

repetição do ''que''
Mas compus este quadro natural.

parnasianismo
Conclusão
imagética feminina - mulher citadina, frígida, dominadora, capaz de humilhar
parnasianismo - a busca da perfeição formal através de uma poesia descritiva
duas caracteristicas principais:
- objectividade
-expressão literária exacta e correcta
Impressionismo - acumular pormenores das sensações captadas e pelo recurso às sinestesias
envocação
Full transcript