Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Hiperemia e

No description
by

Viviane Da Silva

on 4 May 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Hiperemia e

HIPEREMIA

Consiste no aumento da quantidade de sangue no interior dos vasos de um órgão Normal ou repleção sanguínea do leito capilar consequente à vasodilatação arterial ou arteriolar. Esse mecanismo é importante, mesmo na regulação fisiológica do fluxo sanguíneo aos diferentes tecidos, para atender à variação de sua atividade metabólica. Pode depender de mecanismo central, por meio de reflexos originados nos centros vasomotores ou de mecanismo periférico localizado, regulado por substancia vasoativas circulantes ou originadas nos próprios tecidos lesados.
O exemplo mais importante de hiperemia patológica observa-se nos traumatismos, agressões térmicas e nas inflamações aguda associada ao aumento da permeabilidade vascular. Esses dois últimos fenômenos em conjunto explicam os quatro sinais clássicos da inflamação :calor, rubor, tumor, dor.
Hiperemia
Tipos
HIPREMIA PASSIVA OU CONGESTÃO
Depende de distúrbio na circulação venosa ou do retorno. O seu mecanismo pode estar relacionado a: alteração do órgão central da circulação(insuficiência cardíaca congestiva), mecanismo localizado, com perturbação da circulação venosa por causas intrínsecas do vaso ( trombose, varizes, etc.), ou por compressões extrínsecas das veias. Os processos mais intensos de congestão passiva podem trazer como consequência, em fases mais avançadas, particularmente em órgãos com rica circulação, alterações de fibrose difusa, como se pode observar na denominada induração parda dos pulmões (usualmente devida à estenose mitral) e na cirrose congestiva do fígado (cirrose cardíaca).

Hiperemia Passiva ou congestão
Decorre da redução da drenagem venosa
Região adquire coloração vermelho escuro
Alta concentração de hemoglobina desoxigenada

a) Obstrução extrínseca ou intrínseca
Compressão do vaso, trombose, etc.

b) Redução do retorno venoso
Por insuficiência cardíaca (esq. – pulmonar; dir. – sistêmica)
Muitas vezes associada com edema - ↑ pressão hidrostática
Mais importantes: pulmões, fígado e baço

Hiperemia e Congestão
Conceito
A hiperemia e a congestão estão relacionadas ao aumento da quantidade de sangue dentro do sistema vascular, a diferença entre congestão e hiperemia é que a congestão é um processo passivo, enquanto a hiperemia é um processo ativo.


O aspecto macroscópico dos órgãos com congestão passiva caracteriza-se por alteração da cor, que passa a ser vermelho-azulada, sendo que a intensidade do azul (cianose) vai depender da quantidade de hemoglobina reduzida. A congestão passiva é frequentemente acompanhada de aumento do liquido intersticial (edema), o que confere aos órgãos aspecto úmido. A s congestões passivas podem ser agudas, como quando se comprimem as veias que drenam um dedo com um cordão ( o dedo rapidamente fica cianótico), ou crônicas.
Alguns órgãos são mais frequentemente acometidos por congestão passiva crônica, especialmente nos casos de falência cardíaca. No caso da falência do ventrículo esquerdo, são os pulmões que vão ficar hiperêmicos, encharcados e de coloração vermelho-azulada. Quando a falência é a direita, o primeiro órgão afetado é o fígado que aumenta de volume e se torna também vermelho –escuro e nele se acentua a lobulação por causa do acumulo de sangue em volta da veia centro lobular o aspecto desses fígados foi comparados ao da noz-moscada.

Hiperemia passiva do leito capilar
Por aumentar a pressão hidrostática surgem então os edemas. A ruptura devida á hipertensão venocapilar pode causar hemorragias. Fenômenos degenerativos, hipotrofia e necrose por deficiência na oxigenação e nutrição dos tecidos . Proliferação fibroblástica e colagenogênese, seguido da degeneração e necrose das células parenquimatosas. E também podem ocorrer tromboses venosas.
Congestão pulmonar
Os capilares alveolares encontram-se dilatados e os septos tornam-se alargados pelo edema intersticial.
Congestão hepática
Pode ser aguda ou crônica, é provavelmente na maioria das vezes por insuficiência cardíaca congestiva e por obstrução das veias hepáticas ou da veia cava inferior. Na aguda, o fígado encontra discretamente aumentado de peso e volume e tem cor azul vinhosa. Na crônica, o órgão tem cor vermelho azulada, as regiões centro lobulares são deprimidas e ficam circundadas por parênquima hepático as vezes amarelado.
Congestão do baço
É causado, sobretudo por insuficiência cardíaca, o órgão encontra-se pouco aumentado de volume cianótico e repleto de sangue e é encontrada principalmente nos casos de hipertensão. O baço é aumentado de volume , endurecido por fibrose e com focos de hemorragia recente ou antiga. A retirada cirúrgica do baço corrige o hiperesplenismo.
HIPEREMIA PASSIVA LOCALIZADA OU GENERALIZADA

Localizada
: quando há processos que dificultam o retorno venoso local. Isso ocorre quando há compressão de ramos ve3nosos por tumores, órgãos aumentados de volume ou torção pedículos vasculares, quando obstrução intrínseca por flebotromboses, tromboflebites, propagação de tumores ou por ação da gravidade por insuficiência das válvulas venosas e na imobilidade prolongada em ortostase.

Generalizada
: quando há processos que dificultam o retorno venoso sistêmico pela insuficiência ventricular direita, alteração da válvula tricúspide ou compressão do átrio direito e/ou das veias cavas.

Tratamento:
o tratamento pode ser feito clinicamente com medicamentos para reduzir a vasodilatação. Em outros casos são realizadas cirurgias, como por exemplo, quando estão em fase avançada pode haver necrose e hemorragia. No caso do baço a retirada cirúrgica corrige o problema se estiver em estagio avançado.

Exames
: em casos de hiperemia pulmonar, hepática ou do baço o exame para diagnostica-la é a tomografia com contraste para visualização dos vasos. Em outros casos através da simples inspeção visual pode-se observar a área rósea intensa ou avermelhada e aumento da temperatura maior que o normal.

Hiperemia ativa
Hiperemia passiva
Hiperemia Ativa: Causa maior rubor na parte afetada. A dilatação arterial ou arteriolar surge através de mecanismos neurogênicos simpáticos ou pela liberação de substâncias vasoativas. A hiperemia ativa da pele é encontrada sempre que éncessário a dissipação de calor do corpo excesso,como no exercício muscular e estados febris.

Hiperemia Passiva (congestão):

Causa coloração vermelho-azulada nas partes afetas à medida que o sangue venoso é represado. O tom azulado é acentuado quando a congestão leva à aumento da hemoglobina desoxigenada do sangue (cianose).A hiperemia pode ocorrer como um processo sistêmico ou
localizado. A hiperemia localizada ocorre em ocasiões em que, por exemplo, o retorno venoso de sangue de uma extremidade é obstruído. A congestão da redes capilares está intimamente
relacionada com o desenvolvimento do edema, assim, a congestão e o edema comumente ocorrem juntos.
Full transcript