Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Anestesia

No description
by

Maria Luiza Almeida Melo

on 17 November 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Anestesia

Intervenção Cirúrgica
É a perda total ou parcial da sensibilidade, que se manifesta em resultado da presença de medicamentos para aliviar ou evitar a dor no curso das intervenções cirúrgicas.

Definição
Quadro do pintor Robert Hinckley, de 1882, reproduzindo cena da operação com
anestesia geral pelo éter realizada em 16 de outubro de 1846.
Idade Média: esponja soporífera (mistura de ópio e sucos);

China: acupuntura;

1773: óxido nitroso (gás hilariante);

1846: Morton introduziu o éter;

1847: clorofórmio;

1930: ciclopropano;

1956: halotano.
Histórico
Anestesia Raquidiana
Anestésico local é injetado dentro do espaço subaracnóide, junto com o LCR;

Espaço intervertebral lombar;

Posição fetal ou sentada;

Dose única ou contínua (cateter);

Indução rápida;

Consequências: cefaléia pós - punção, hipotensão, anestesia espinhal total.

Anestesia Regional: Raquidiana
Consulta anestesiologista;

Obrigatória;

Antecedência;

História;

Exame físico;

Avaliação dos exames
laboratoriais e de imagem;

Escolha da anestesia.
Anestesiologista
Avaliação Pré - Operatória
Anestesia
Noções Básicas e Tipos
Drogas Anestésicas
Menor número de efeitos indesejáveis;

Baixa toxicidade;

Iniciação rápida e fácil reversibilidade;

Segurança e bem estar ao paciente;

Possibilitar melhores condições cirúrgicas;

Analgesia eficaz, extensiva ao pós-operatório;

Relaxamento muscular;

Amnésia.
Drogas Anestésicas
Anestesia Geral
Anestesia Geral
Estado inconsciente reversível caracterizado por amnésia, analgesia, depressão dos reflexos, relaxamento muscular e manipulação dos sistemas e funções fisiológicas. Pode ser administrada de forma endovenosa ou inalatória, ou até com a combinação das duas, chamada de anestesia geral balanceada.
Anestesia Local - Infiltração
Infiltração de um tecido com um anestésico local;

Nervos periféricos são bloqueados através da injeção de anestésico local;

Inibição da transmissão de impulsos sensoriais ou até motores;

Duração e extensão dependem: do local onde se aplica o anestésico, do volume e da concentração;

Vasoconstrictor.
Anestesia Local - Infiltração
Escolha da Anestesia
As condições fisiológicas e psicológicas do paciente;

A presença e severidade de patologias coexistentes;

A recuperação pós-operatória de vários tipos de anestesia;

O tipo e duração do procedimento cirúrgico;

A posição do paciente durante a cirurgia;

Desejo do paciente e sua compreensão acerca dos tipos de anestesia;

Exigências particulares do cirurgião.
Efeitos Colaterais
Déficit de consciência (total / parcial)

Amnésia

Desorientação

Alucinações

Náuseas

Vômitos

Flatulência

Constipação

Cefaléia
ASA I: sem alterações fisiológicas ou orgânicas, processo patológico responsável pela cirurgia, não causa problemas sistêmicos.

ASA II: alteração sistêmica moderada relacionada com patologia cirúrgica ou enfermidade geral.

ASA III: alteração sistêmica intensa relacionado com patologia cirúrgica ou enfermidade geral.

ASA IV: distúrbio sistêmico grave que coloca em risco a vida do paciente.

ASA V: paciente moribundo que não é esperado que sobreviva sem a operação.

ASA VI: paciente com morte cerebral declarada, cujos órgãos estão sendo removidos com propósitos de doação.
Classificação da ASA - American Society of Anesthesiologists
Anestesia Geral Inalatória
1) Paciente pode experimentar sensações de calor, parestesia, tontura e não consegue movimentar-se;

2) Corresponde à excitação, caracterizado
por agitação, falas, risos ou choro e
a respiração torna-se irregular;

3) Paciente encontra-se inconsciente
e tranquilo, através da administração
contínua do gás;

4) Paciente apresenta respirações superficiais, alterações de fluxo sanguíneo.
Anestesia Regional: Epidural
Anestésico é injetado no espaço epidural (veias epidurais, tecido adiposo);

Espaço intervertebral na coluna lombar ou torácica;

Locais de ação dos anestésicos: raízes nervosas;

Dose única ou contínua;

Possíveis consequências: punção acidental da dura-máter, injeção subaracnóide, injeção vascular e assim uma PCR.
Anestesia Epidural
Posições do Paciente
Anestesia Local - Tópica
Contato direto do agente anestésico sobre a pele ou mucosas;

Instilação; spray, gel, pomada.
Instilação
Bloqueios
Bloqueio do nervo mentoniano, mandibular, maxilar;
Bloqueio auricular;
Bloqueio do plexo braquial;
Bloqueio dos nervos intercostais.
Bloqueio ao nível do punho ou cotovelo (radial, ulnar, mediano);
bloqueio troncular dos dedos;
Perineal;
Perianal;
Bloqueio ao nível do tornozelo ou joelho(nervo safeno,tibial, fibular)
Profª. Maria Luiza Melo
Exercício de Fixação
1. Atribua quatro funções do anestesiologista durante o período intra-operatório.
2. Cite três ações esperadas da anestesia geral.
3. A anestesia raquidiana e a epidural, correspondem às anestesias regionais, quais são as principais diferenças entre elas.
4. Defina as formas de ação da anestesia local.
Full transcript