Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Carga Indivisível

No description
by

Rony Rocha

on 14 March 2017

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Carga Indivisível

VERGALHÃO – Barra redonda ou fio-máquina, utilizado em armaduras de concreto armado.

Estudo de viabilização do trajeto – análise do gabarito horizontal e vertical. Em alguns casos, avaliação das obras de arte por meio de laudo estrutural a ser confeccionado por uma empresa de engenharia especializada.

Apoio das concessionárias de serviços públicos que acompanham as travessias nas rodovias, como: trolebus, energia elétrica, telefonia, televisão a cabo, via férrea, rede semafórico, etc.
RESOLUÇÃO Nº 293/08 CONTRAN
Para Produtos Siderúrgicos

SUCATA – Material constituído de resíduos metálicos.

Conforme Art. 23 (Res. 11/04 DNIT) Sempre que o conjunto transportador apresentar:

Peso bruto total
igual ou superior a
100 t
(cem toneladas);
Largura
igual ou superior a
6,00 m
(seis metros);
Altura
igual ou superior a
5,50 m
(cinco metros e cinqüenta centímetros)

É exigida a indicação de um engenheiro como responsável técnico pelo transporte.

Válida para uma

única viagem
,
Anual
– Conforme Art.20 (Res. 11/04 DNIT) aos veículos especiais e combinações de veículos que não excedam os seguintes limites máximos de:
I – comprimento - 23,00 m;
II – largura - 3,20 m;
III - altura - 4,40 m;
IV - peso Bruto Total Combinado - 57 t;
V - distribuição de Peso Bruto por Eixo ou Conjunto de Eixos, de acordo com Art. 8º da resolução.

Projeto do veículo transportador e da carga, assinado pelo responsável técnico, apresentando os seguintes detalhes:

Dimensões e peso do veículo com a carga;
Posicionamento e amarração da carga;
Distribuição de peso por eixo ou conjunto de eixos.
Manifesto da carga, catálogos, ou declaração do fabricante da peça, para fins de comprovação do peso.
Cópia do alvará ou da declaração provisória de inscrição no Departamento Nacional de Infraestrutura (DNIT) para este tipo de transporte.
Estudo de Viabilidade do Percurso.
ição de peso por eixo ou conjunto de eixos.
Consulta aos órgãos:
Departamento Estadual de Rodagem – DER.
Companhia de Engenharia de Trânsito - CET,
Departamento Nacional de Infra Estrutura e Transporte - DNIT.

Vistoria na peça a ser transportada ou desenho da mesma;

Verificação dos principais e possíveis pontos de apoio e amarração;

Especificar o tipo de veículo e/ou equipamento mais adequado para efetuar o transporte da carga especial;

Para o transporte de peças indivisíveis que necessitem de veículos com peso bruto ou dimensões superiores aos previstos na legislação de trânsito, será necessária a obtenção, junto à autoridade com jurisdição sobre a via, da Autorização Especial de Trânsito (AET), de que tratam o Código de Trânsito Brasileiro – CTB Art. 101 e suas Resoluções.

O Condutor deverá portar na carteira o Curso de Carga Indivisível.

Definição de
carga indivisível é a carga unitária com peso e/ou dimensões excedentes aos limites regulamentares, cujo transporte requeira o uso de veículos especiais com lotação (capacidade de carga), dimensões, estrutura, suspensão e direção apropriadas. São exemplos de carga indivisível, entre outras: máquinas, equipamentos, peças, pás eólicas, vagões, transformadores, reatores, guindastes, máquinas de uso industrial, na construção e máquinas agrícolas, estruturas metálicas, silos

O transporte desse tipo de carga requer, geralmente, a utilização de veículos especiais e projeto específico de transporte com base em legislação dos órgãos com jurisdição sobre a via e em respeito as limitações da infraestrutura.
Requer condições especiais de trânsito, quanto à horários, velocidade, sinalização do veículo e da carga, acompanhamento por batedores, e outras medidas específicas de segurança nas estradas, bem como para segurança de propriedade de terceiros e da própria rodovia.
Ser maior de
21 anos
.
Estar habilitado, no mínimo, na categoria
C
ou
E
.
Não ter cometido nenhuma infração
grave
ou
gravíssima
ou ser reincidente em infrações
médias
durante os últimos
12 meses
.
Não estar cumprindo pena da
suspensão
do direito de dirigir ou ter a carteira nacional de habilitação
cassada
, de forma a ter se envolvido em
crime de trânsito
, ou estar impedido judicialmente de exercer seus direitos.
O curso tem carga horária de 50 horas-aula e aproveitamento, que pode ser feito em 15 horas-aula por quem já possui um curso especializado.
Os pré-requisitos para se matricular no curso são:
O curso foi desenvolvido em
quatro

módulos
, cujos temas e carga horária seguem criteriosamente o estabelecido na
Resolução nº 168, de 14 de dezembro de 2004
, e na
Resolução nº 285, de 29 de julho de 2008
, ambas do Conselho Nacional de Trânsito (
CONTRAN
).
Conteúdo Programático:
Módulo I - LEGÍSLAÇÃO DE TRÂNSITO 10 h/a
Módulo II - DIREÇÃO DEFENSIVA 15 h/a
Módulo III - PREVENÇÃO DE INCÊNDIO 10 h/a
Módulo IV - MOVIMENTAÇÃO DE CARGA 15 h/a
BARRA – Produto retilíneo, não plano, fabricada com tolerâncias dimensionais mais rigorosas do que as palanquilhas (tarugos);

BOBINAS – Chapa ou tira enrolada em forma cilíndrica;
CHAPA – Produto plano de aço, com largura superior a 500 mm (quinhentos milímetros), laminado a partir de placa;

LINGOTE – Produto resultante da solidificação do metal líquido em molde metálico, geralmente destinado a posterior conformação plástica;

PERFIL – Produto industrial cuja seção transversal reta é composta de figura geométrica simples;

TARUGO – (palanquilhas) Produto intermediário não plano, obtido por laminação a quente ou lingotamento contínuo;
TUBO – Produto acabado oco, de parede uniforme e seção transversal constante;
Procedimentos extremamente importante para transporte de Carga Indivisível
Capítulo IX - DOS VEÍCULOS
Seção I - Disposições Gerais
Art. 101
Ao veículo ou combinação de veículos utilizado no transporte de carga indivisível, que não se enquadre nos limites de peso e dimensões estabelecidos pelo CONTRAN, poderá ser concedida, pela autoridade com circunscrição sobre a via, autorização especial de trânsito, com prazo certo, válida para cada viagem, atendidas as medidas de segurança consideradas necessárias.

§ 1º A autorização será concedida mediante requerimento que especificará as características do veículo ou combinação de veículos e de carga, o percurso, a data e o horário do deslocamento inicial.

§ 2º A autorização não exime o beneficiário da responsabilidade por eventuais danos que o veículo ou a combinação de veículos causar à via ou a terceiros.

§ 3º Aos guindastes autopropelidos ou sobre caminhões poderá ser concedida, pela autoridade com circunscrição sobre a via, autorização especial de trânsito, com prazo de seis meses, atendidas as medidas de segurança consideradas necessárias.
Escolta

http://www.guiadotrc.com.br/Escolta_batedores/default_escolta.asp?

Capítulo IX - DOS VEÍCULOS
Seção I - Disposições Gerais CTB
Art. 99
Somente poderá transitar pelas vias terrestres o veículo cujo peso e dimensões atenderem aos limites estabelecidos pelo CONTRAN.

§ 1º O excesso de peso será aferido por equipamento de pesagem ou pela verificação de documento fiscal, na forma estabelecida pelo CONTRAN.

§ 2º Será tolerado um percentual sobre os limites de peso bruto total e peso bruto transmitido por eixo de veículos à superfície das vias, quando aferido por equipamento, na forma estabelecida pelo CONTRAN.

§ 3º Os equipamentos fixos ou móveis utilizados na pesagem de veículos serão aferidos de acordo com a metodologia e na periodicidade estabelecidas pelo CONTRAN, ouvido o órgão ou entidade de metrologia legal.
MINISTÉRIO DAS CIDADES
CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO
RESOLUÇÃO Nº 210 DE 13 DE NOVEMBRO DE 2006

Estabelece os limites de peso e dimensões para veículos que
transitem por vias terrestres e dá outras providências.

O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO – CONTRAN
, no uso da competência que lhe confere o artigo 12, inciso I, da lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, que instituiu o
Código de Trânsito Brasileiro
e nos termos do disposto no Decreto nº 4.711, de 29 de maio de 2003, que trata da Coordenação do Sistema Nacional de Trânsito.

Considerando o que consta do Processo nº 80001.003544/2006-56;
Considerando o disposto no
art. 99
, do Código de Trânsito Brasileiro, que dispõe sobre peso e dimensões; e
Considerando a necessidade de estabelecer os limites de pesos e dimensões para a circulação de veículos, resolve:

Art. 1º As dimensões autorizadas para veículos, com ou sem carga, são as seguintes:
I – largura máxima: 2,60m;
II – altura máxima: 4,40m;
III – comprimento total:
a) veículos não-articulados: máximo de 14,00 metros;
b) veículos não-articulados de transporte coletivo urbano de passageiros que possuam 3º eixo de apoio direcional: máximo de 15 metros;
c) veículos articulados de transporte coletivo de passageiros: máximo 18,60 metros;
d) veículos articulados com duas unidades, do tipo caminhão-trator e semi-reboque: máximo de 18,60 metros;
e) veículos articulados com duas unidades do tipo caminhão ou ônibus e reboque: máximo de 19,80;
f) veículos articulados com mais de duas unidades: máximo de 19,80 metros.
CONSEQUENCIAS NO TRÁFEGO
CONSIDERAÇÕES

Qual a rota a ser seguida
Melhor trajeto e mais seguro, para sair com a carga
Verificação altura da fiação (precisa usar corta-fios?)
Verificar altura de pontes e viadutos, bem como locais estreitos
Documentação do veículo do motorista e da carga, estão todas certas(AET)
Vai precisar de batedores? Quantos?
No trajeto tem alguma obra ou alguma coisa que impeça ou interfere na passagem
Altura se for passar por baixo e capacidade de carga se for passar sobre os mesmos
Locais estreitos ou dentro de cidades
Subidas fortes que necessita de reforço
Local de descarga se existe espaço para manobra

Plano Logístico
Obtenção para Autorização Especial de Trânsito (AET)

O transporte de carga indivisível deverá ser efetuado em veículos adequados, que apresentem estruturas, estado de conservação e potência motora compatíveis com a força de tração a ser desenvolvida, assim como, uma configuração de eixos de forma que a distribuição de pesos brutos por eixo não exceda aos limites máximos permitidos, observado rigorosamente as especificações do fabricante e/ ou de órgão certificador competente, reconhecido pelo o Instituto Nacional de Metrologia - INMETRO.

Documentação necessária para obtenção da AET
Com a ampliação das concessões das rodovias estaduais e federais, as viabilizações relacionadas à parte geométrica - gabarito de pontes, viadutos, passarelas, pórticos, etc. devem ser atualizadas constantemente, pois, com as privatizações e a modernização das rodovias, muitas novas obras de arte são construídas em ritmo acelerado.

Sinalização dos Veículos
Os veículos constituídos de características especiais e destinados ao transporte de cargas excedentes e indivisíveis, incluindo-se os reboques e semi-reboques, não poderão transitar em rodovia federal sem a sinalização necessária para identificação do produto transportado.
Especificações: Metálica ou madeira de boa qualidade com película refletiva, com faixas inclinadas de 45º da direita para a esquerda e de cima para baixo, na cor preta e laranja alternadamente.
PLACA TRASEIRA PARA COMBINAÇÕES COM COMPRIMENTO EXCEDENTE A 19,80 M
DE ACORDO COM A RESOLUÇÃO Nº 520/15 E SEUS ANEXOS
Anexo I
Anexo II
Anexo III
Anexo IV
Como regra, o veículo transportador de cargas indivisíveis sempre precisará de AET. Entretanto, nem todo veículo que exige AET necessita de condutor com curso especializado. É o caso das Combinações de Veículos de Carga (CVC) com mais de 25 m de comprimento (rodotrem, bitrenzão etc) ou das Combinações para Transporte de Veículos (CTV ou “cegonhas”), com mais de 4,70 m de altura, que não transportam carga indivisível.

No caso das pranchas de carga que ultrapassem 2,60 m de largura, independentemente de estarem carregadas ou vazias, é necessário que seu condutor tenha o curso de especialização.

Aplica-se também tal exigência para os guindastes móveis que possuam autorização para circular em vias abertas ao trânsito.

O curso não é exigido para motoristas das escoltas credenciadas (veículos pequenos, conhecidos como “zebras”), mas tão somente para os condutores dos caminhões que tracionam as cargas.

Caso o condutor não possua o curso (comprovação por meio do porte do Certificado ou de anotação na CNH), haverá a autuação de trânsito e o veículo ficará retido, até a apresentação de condutor habilitado ou a apresentação do documento, caso exista.
Fonte: http://www.guiadotrc.com.br/noticias/noticiaid.asp?id=31076

552
17.09.15
18.09.15
Fixa os requisitos mínimos de segurança para amarração das cargas transportadas em veículos de carga.
Em Vigor

Capacitação Transporte
Carga Indivisível

Res 1/16 DNIT
Seção II
Da Transposição das Obras de Artes Especiais

Art. 10. Na travessia de Obras de Arte Especiais – OAEs, para conjuntos transportadores
com Peso Bruto Total Combinado – PBTC superior a 100t (cem toneladas), deverão ser
fielmente observados os seguintes itens:

I - somente poderão transpor as Obras de Arte Especiais – OAEs quando estas estiverem
desimpedidas de qualquer outro veículo ou carga, inclusive comboio;

II - o trânsito convencional somente poderá ser restabelecido após a conclusão da travessia
em questão;

III - a transposição de Obras de Arte Especiais – OAEs em tangente far-se-á em marcha
muito lenta e constante, sem impacto de frenagem e/ou aceleração, devendo os veículos
transitar pelo meio da pista de rolamento;

IV - na transposição de Obras de Arte Especiais – OAEs em curva, iguais cuidados deverão
ser tomados, devendo os veículos transitar centrados na pista de rolamento, nas
proximidades dos apoios e pelo lado interno da curva;

V - poderá ser exigido, conforme o tipo de carga, colocação de estrados para anular os efeitos
da superelevação.
Res 1/16 DNIT
Seção IV
Dos Procedimentos Operacionais

Art.12. O horário normal de trânsito, quando devidamente autorizado, será do amanhecer ao pôr do sol, inclusive sábados, domingos e feriados, atendidas as condições favoráveis de trânsito e visibilidade.

§ 1º. Nos trechos rodoviários de pistas múltiplas, com separação física entre as mesmas, será permitido o trânsito noturno de conjuntos que não excedam a largura de 3,20 m (três metros e vinte centímetros), o comprimento de 30,00 m (trinta metros) e a altura de 4,40 m (quatro metros e quarenta centímetros) e o peso bruto total combinado de 57t (cinqüenta e sete toneladas).

§ 2º. Períodos diferentes dos estabelecidos nesta Resolução poderão vir a serem adotados, para trechos rodoviários específicos, mediante proposição do interessado no transporte às Chefias das UNIT’s, que submeterão a matéria à aprovação prévia da Coordenação Geral de Operações Rodoviárias, após o que, esses trechos deverão ser convenientemente sinalizados pelas respectivas UNIT’s.
§ 3º. O trânsito dos veículos especiais ou combinação de veículos que não atenderem ao parágrafo anterior, quando transitando nos trechos de rodovia contínua ao perímetro urbano das cidades, poderá se estender ao período noturno, atendendo às limitações locais, até que os mesmos possam alcançar um local seguro e adequado para seu estacionamento.

Art.13. Os veículos especiais ou combinação de veículos não deverão estacionar nem parar nos acostamentos das rodovias, e sim em áreas próximas que ofereçam condições para tal.

Art.14. A Autoridade que fornecer a AET poderá estabelecer restrições adicionais sempre que a natureza da carga ou a demanda de utilização da via assim o exigir.
Art.15. Nas rodovias concedidas, o estabelecimento de horário e condição para o trânsito do conjunto transportador, que excedam os limites a seguir relacionados, deverá ser previamente acordado com a concessionária, considerando para tanto os limites abaixo:

I – largura de 4,5 m;
II – altura de 5,3 m;
III – comprimento de 30 m;
IV – PBTC de 100 t .

Art.16. A velocidade máxima permitida e a necessidade de acompanhamento de escolta serão fixadas pela autoridade que fornecer a AET, obedecidos aos critérios constantes do Anexo IV.

Art.17. No deslocamento em comboio deverá ser observada a distância mínima de 30,00 m (trinta metros) e a máxima de 150,00 m (cem e cinquenta metros) entre os conjuntos transportadores, considerando o Anexo III.

Parágrafo Único. Não deverão ser tolerados excessos além da carroceria assim como partes perfurantes e/ou cortantes, tais como: postes, barras de ferro, caçambas, lâminas e similares.
Full transcript