Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

ESTUDO DE DIMENSIONAMENTO DE ATERRO SANITÁRIO

No description

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of ESTUDO DE DIMENSIONAMENTO DE ATERRO SANITÁRIO

Grande crescimento populacional;
Grande quantidade de resíduos sólidos gerados;
400 municípios paranaense, dos quais;
186 (46%) possuem aterro sanitário;
121 (30,3%) possuem aterro controlado;
93 (23%) lixões, (IAP, 2012);
Exigências técnicas estruturais e construtivas;
Impacto local sobre a área de alojamento do aterro;
Vida útil mínima de 10 anos, podendo-se estender para 20 anos;
Desempenho adequado com métodos funcionais;
Escolha da área e estudo da vida útil são fundamentais para execução do projeto.
INTRODUÇÃO
ESTUDO DE DIMENSIONAMENTO DE ATERRO SANITÁRIO
GERAL

Desenvolver Estudo de Dimensionamento e projeto de aterro sanitário para um município de pequeno porte no Estado do Paraná.

ESPECÍFICOS

• Analisar ABNT NBR 13896/1997, aterros de resíduos não perigosos - critérios para projeto, implantação e operação.
• Estudar os métodos de projeção de crescimento populacional para um período de 20 anos;
• Identificar uma área de estudo para simulação dos cálculos;
• Analisar os modelos de dimensionamento das valas;
• Aplicar os valores dimensionados em um projeto de implantação.


OBJETIVOS
Conforme a NBR ABNT 8419/1992 o aterro sanitário é uma tecnologia de acomodação dos resíduos sólidos urbanos no “solo”, sem acarretar danos à saúde pública e ao meio ambiente, tornando-se menor os impactos ambientais causados. Tal técnica utiliza sistemas de engenharia para limitar os resíduos sólidos à menor área aceitável, reduzi-los ao menor volume possível, cobrindo-os com uma camada de solo no término de cada trabalho, ou períodos menores, se necessário.
JUSTIFICATIVA
CENTRO UNIVERSITÁRIO
DE MARINGÁ - UNICESUMAR


PROFESSORA: JANAINA DE MELO FRANCO


CARLOS ROBERTO MENDONÇA JÚNIOR

ROBSON RODRIGO DA SILVA



Para um bom dimensionamento das valas é necessário um conjunto de variáveis de entrada tais como:
• População inicial;
• Per capta inicial (Kg/habitante.dia);
• Densidade do resíduo;
• Fator de material de cobertura;
• Abrangência do serviço de coleta.

DIMENSIONAMENTO
DAS VALAS
O modelo de vala mais utilizado é o trapezoidal, que varia de 3 a 5m de profundidade, esse modelo é bastante usual para pequenos municípios, pois é de fácil execução.
MODELO DAS VALAS
Desenvolvido no município de Nova Londrina na região Noroeste do Estado do Paraná;
Softwares utilizados: Google Earth, Excel e AutoCad.
METODOLOGIA
ESTUDO POPULACIONAL
TIPOS DE ATERRO
Segundo a NBR ABNT 8849/1985 o aterro controlado é uma técnica de disposição de resíduos sólidos urbanos no solo, sem causar danos ou riscos à saúde pública e à segurança, minimizando os impactos ambientais.
ATERRO CONVENCIONAL
Esse método é formado por camadas de resíduos compactadas, que são sobrepostas acima do nível natural do terreno mostrando suas formas mais comuns como de uma escada ou até mesmo formatos tronco de pirâmide (CETESB, 2013).
ATERRO EM VALAS
O aterro em valas é o preenchimento de trincheiras ou valas escavadas e dimensionadas para suportar certa quantidade de resíduos, onde os mesmos são depositados e cobertos naturalmente com terra ou outro material inerte (GESP, 2005).
LIXÃO
Conforme Fadini e Fadini (2001) o lixão é considerado uma mera acomodação do lixo a céu aberto, sem qualquer critério sanitário de proteção ao ambiente, no qual permite o total acesso de vetores de doenças como moscas, mosquitos, baratas e ratos ao lixo.
ATERRO CONTROLADO
Vd=((P×Pc)/D)×ŋ

Sendo:
- Vd = Volume diário de resíduos (m³/dia)
- P = População inicial (habitantes)
- Pc = Per capta inicial (Kg/habitante.dia)
- D = Densidade do resíduo (kg/m³)
- ŋ = Abrangência do serviço de coleta (%)

VOLUME DE RESÍDUO
VT=Fc×Vd

Sendo:
Vt = Volume total (m³/dia)
Fc = Fator do material de cobertura (%)

VOLUME TOTAL
VOLUME
Va=[ ((Lmaior+Lmenor)/2)×p]×C



Sendo:
- Va = Volume da Vala (m³)
- Lmaior = Largura superior (m)
- Lmenor = Largura inferior (m)
- p = Profundidade (m)
- C = Comprimento da vala (m)

LOCALIZAÇÃO DA CIDADE
PERÍMETRO URBANO
ÁREA DO ATERRO
Latitude: 22° 45' 57'' Sul e Longitude: 52° 59' 06'' W-GR
Altitude: 400 metros
A projeção de crescimento populacional de Nova Londrina teve como base os dados do IBGE;
Foi estimado a tendência populacional do município para os próximos 20 anos, a partir de dados estatísticos e ajuste da linha de tendência através do modelo matemático regressão logarítmica
PROJEÇÃO DE
CRESCIMENTO
DIMENCIONAMENTO E
ALCANCE DO PROJETO
VOLUME DIÁRIO
Vd=((P×Pc)/D)×ŋ= ((13600×0,5)/500)×0,90=12,24m³/dia



Sendo:
- Vd = Volume diário de resíduos (m³/dia)
- P = População inicial (habitantes)
- Pc = Per capta inicial (Kg/habitante.dia)
- D = Densidade do resíduo (kg/m³)
- ŋ = Abrangência do serviço de coleta (%)

VOLUME TOTAL
VT=Fc×Vd=1,15×11,56=14,08m³/dia


Sendo:
Vt = Volume total (m³/dia)
Fc = Fator do material de cobertura (%)

VOLUME DA VALA
Va=[ ((Lmaior+Lmenor)/2)×p]×C= [ ((6+3)/2)×3]×140=1890m³



Sendo:
- Va = Volume da Vala (m³)
- Lmaior = Largura superior (m)
- Lmenor = Largura inferior (m)
- p = Profundidade (m)
- C = Comprimento da vala (m)


EVOLUÇÃO DA OCUPAÇÃO
DA ÁREA DO TERRO E VIDA ÚTIL
ÁREA DO ATERRO = 65,524m²
MARINGÁ
2014
REFERÊNCIAS
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 13896: aterros de resíduos não perigosos: critérios para projeto, implantação e operação. Rio de Janeiro: ABNT, 1997.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 8419: apresentação de projetos de aterros sanitários de resíduos sólidos urbanos, Rio de Janeiro: ABNT, 1982.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 8849: apresentação de projetos de aterros controlados de resíduos sólidos urbanos. Rio de Janeiro: ABNT, 1985.

CETESB. Aterro Sanitário: biogás. 2014. Disponível em: <http://www.cetesb.sp.gov.br/mudancas-climaticas/biogas/Aterro Sanitário/21-Aterro Sanitário>. Acesso em: 28 mar. 2014.

IAP - Instituto Ambiental do Paraná. RELATÓRIO DA SITUAÇÃO DA DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ESTADO DO PARANÁ. Curitiba: Governo do Paraná, 2012. 51 p.

IAP - Instituto Ambiental do Paraná. MANUAL PARA IMPLANTAÇÃO DE ATERROS SANITÁRIOS EM VALAS DE PEQUENAS DIMENSÕES, TRINCHEIRAS E EM CÉLULAS. 2006. Disponível em: <http://www.iap.pr.gov.br/arquivos/File/Atividades/MANUAL_DO_ATERRO.pdf>. Acesso em: 20 abr. 2014.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Paraná Nova Londrina infográficos histórico. 2014. Disponível em: <http://www.cidades.ibge.gov.br/painel/historico.php?lang=&codmun=411710&search=parana|nova-londrina|infograficos:-historico>. Acesso em: 08 jun. 2014.

Full transcript