Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Copy of Copy of CP2012

No description
by

Ivens matos

on 7 May 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Copy of Copy of CP2012

INTRODUÇÃO A SEGURANÇA COM ELETRICIDADE IMPORTÂNCIA DA ENERGIA ELÉTRICA

A eletricidade se tornou a principal fonte de luz, calor e força utilizada no mundo moderno. Atividades simples como assistir à televisão ou navegar na internet são possíveis porque a energia elétrica chega até a sua casa. Fábricas, supermercados, shoppings e uma infinidade de outros lugares precisam dela para funcionar. Grande parte dos avanços tecnológicos que alcançamos se deve à energia elétrica. NORMAS
TÉCNICAS
BRASILEIRAS O que são NR's - Normas Regulamentadoras Risco em instalações e serviços com eletricidade MEDIDAS DE CONTROLE
DE RISCO ELÉTRICO SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS COM ELETRICIDADE NR - 10 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Introdução á segurança com eletricidade.

Risco em instalações e serviços com eletricidade.

Técnicas de análise de risco.

Medidas de controle de risco elétrico.

Normas técnicas brasileiras.

Equipamentos de proteção coletiva.

Equipamentos de proteção individual.

Rotinas de trabalho – Procedimentos.

Proteção e combate a incêndios

Primeiros socorros

Responsabilidades CARGA HORÁRIA 08 HORAS Como a energia elétrica é gerada no Brasil

O primeiro passo para produzir energia elétrica é obter a força necessária para girar as turbinas das usinas de eletricidade. Gigantescos sistemas de hélices, elas movem geradores que transformam a energia mecânica (movimento) em energia elétrica.
Essa força pode ser obtida de diversas fontes de energia primária. No Brasil, a energia elétrica vem, em primeiro lugar, de usinas hidrelétricas; depois, de termelétricas; e, por último, de usinas nucleares.
A eletricidade é transportada e chega aos consumidores por meio de sistemas elétricos complexos, compostos de quatro etapas: geração, transmissão, distribuição e consumo. Valores típicos de tensão (Conforme NR)

Alta Tensão (AT): tensão superior a 1000 volts em corrente alternada ou 1500 volts em corrente contínua, entrefases ou entre fase e terra.

Baixa Tensão (BT): tensão superior a 50 volts em corrente alternada ou 120 volts em corrente contínua e igual ou inferior a 1000 volts em corrente alternada ou 1500 volts em corrente contínua, entre fases ou entre fase e terra.

Extra-Baixa Tensão (EBT): tensão não superior a 50 volts em corrente alternada ou 120 volts em corrente contínua, entre fases ou entre fase e terra. CHOQUE ELÉTRICO Acontece quando há a passagem de corrente elétrica pelo corpo, utilizando-o como condutor. Causando uma série de perturbações de natureza e efeitos diversos, que se manifestam no organismo. TIPOS ESTÁTICO DINÂMICO DESCARGAS ATMOSFÉRICAS EFEITOS ARCO ELÉTRICO É a corrente estabelecida pelo rompimento da rigidez dielétrica entre dois elementos com potenciais diferentes, provocando queimaduras de segundo ou terceiro grau. O arco elétrico possui energia suficiente para queimar as roupas e provocar incêndios, emitindo vapores de material ionizado e raios ultravioletas. TÉCNICAS DE ANÁLISE DE RISCO 10.2.1 Em todas as intervenções em instalações elétricas devem ser adotadas medidas preventivas de controle do risco elétrico e de outros riscos adicionais, mediante técnicas de análise de risco, de forma a garantir a segurança e a saúde no trabalho. PERIGO: Situação ou condição de risco com probabilidade de causar lesão física ou dano à saúde das pessoas por ausência de medidas de controle. RISCO: Capacidade de uma grandeza (altura, eletricidade, explosão, incêndio) com potencial para causar lesões ou danos à saúde das pessoas. ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO Trata-se de uma técnica de análise prévia de riscos que tem como objetivo antecipar a previsão da ocorrência danosa para as pessoas, processos, equipamentos e meio ambiente.

É elaborada através do estudo, questionamento, levantamento, detalhamento, criatividade, análise crítica e autocrítica, com consequente estabelecimento de precauções técnicas necessárias para a execução das tarefas (etapas de cada operação), de forma que o trabalhador tenha sempre o controle das circunstâncias, por maiores que forem os riscos. CHECK - LIST O objetivo deste documento é criar o hábito de verificar os itens de segurança antes de iniciar as atividades, auxiliando na detecção, na prevenção dos riscos de acidentes e no planejamento das tarefas, enfocando os aspectos de segurança. Desenergização.

Aterramento funcional (TN / TT / IT); de proteção; temporário;

Equipotencialização

Seccionamento automático da alimentação;

Dispositivos a corrente de fuga; Barreiras e invólucros;

Bloqueios e impedimentos;

Obstáculos e anteparos;

Isolamento das partes vivas;

Colocação fora de alcance;

Separação elétrica. Desenergização DESENERGIZAR: SIGNIFICA SEGUIR UM CONJUNTO DE AÇÕES COORDENADAS E SEQUENCIADAS, GARANTINDO A AUSÊNCIA DE TENSÃO E O IMPEDIMENTO DE REENERGIZAÇÃO INDEVIDA. Conforme o item 10.5.1 o circuito elétrico somente será considerado desenergizado, mediante os procedimentos apropriados, de acordo com a seqüência abaixo:

a) seccionamento;
b) impedimento de reenergização;
c) constatação da ausência de tensão;
d) instalação de aterramento temporário com equipotencialização dos condutores dos circuitos;
e) proteção dos elementos energizados existentes na zona controlada;
f) instalação da sinalização de impedimento de reenergização. SECCIONAMENTO
AUTOMÁTICO
DA ALIMENTAÇÃO O seccionamento automático possui um dispositivo de proteção que deverá seccionar automaticamente a alimentação do circuito ou equipamento por ele protegido sempre que uma falta (contato entre parte viva e massa, entre parte viva e condutor de proteção e ainda entre partes vivas) no circuito ou equipamento der origem a uma corrente superior ao valor ajustado no dispositivo de proteção, levando-se em conta o tempo de exposição à tensão de contato. ATERRAMENTO SECCIONAMENTO IMPEDIMENTO DE REENERGIZAÇÃO CONSTATAÇÃO DA AUSÊNCIA DE TENSÃO INSTALAÇÃO DE ATERRAMENTO TEMPORÁRIO Proteção dos elementos energizados Instalação da sinalização de impedimento de reenergização FUNCIONAL PROTEÇÃO TEMPORÁRIO A ABNT NBR 5410, DETERMINA OS TIPOS DE DISPOSITIVOS QUE DEVEM SER USADOS NA PROTEÇÃO POR SECCIONAMENTO AUTOMÁTICO DA ALIMENTAÇÃO:

DISPOSITIVOS A SOBRECORRENTE

DISPOSITIVOS A CORRENTE DIFERENCIAL RESIDUAL BARREIRAS E INVÓLUCROS OBSTÁCULOS E ANTEPAROS SEPARAÇÃO
ELÉTRICA ISOLAMENTO
DAS
PARTES VIVAS Documentos elaborados de forma tripartite (governo / trabalhadores / empregadores) que estabelecem diretrizes relativas à área de Segurança, Saúde e Meio Ambiente dos Trabalhadores, e são publicadas pelo Ministério do Trabalho e Emprego ( MTE ) cuja observância é obrigatória por parte das empresas e empregados. NBR - 5410 NBR - 14039 Esta Norma estabelece as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais, o funcionamento adequado da instalação e a conservação dos bens.
Esta Norma aplica-se principalmente às instalações elétricas de edificação, residencial, comercial, público, industrial, de serviços, agropecuário, hortigranjeiro,etc. Esta Norma estabelece um sistema para o projeto e execução de instalações elétricas de média tensão, com tensão nominal de 1,0kV a 36,2 kV, à frequência industrial, de modo a garantir segurança e continuidade de serviço.
Esta Norma aplica-se a partir de instalações alimentadas pelo concessionário, o que corresponde ao ponto de entrega definido através da legislação vigente emanada da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). Esta Norma também se aplica as instalações alimentadas por fonte própria de energia em média tensão. NR - 10 Publicada em 08 de junho de 1978 Última atualização em 07 de Dezembro de 2004 Esta Norma Regulamentadora estabelece os requisitos e condições mínimas objetivando a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos, de forma a garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores que, direta ou indiretamente, interajam em instalações elétricas e serviços com eletricidade.
Aplica-se às fases de geração, transmissão, distribuição e consumo, incluindo as etapas de projeto, construção, montagem, operação, manutenção das instalações elétricas e quaisquer trabalhos realizados nas suas proximidades, observando-se as normas técnicas oficiais estabelecidas pelos órgãos competentes e, na ausência ou omissão destas, as normas internacionais cabíveis. ROTINAS
DE
TRABALHO
-
PROCEDIMENTOS LIBERAÇÃO PARA
SERVIÇOS PT-PERMISSÃO PARA TRABALHO APN OM SINALIZAÇÕES INSPEÇÕES DE ÁREAS DOCUMENTAÇÃO DIAGRAMAS PRONTUÁRIOS PRIMEIROS SOCORROS COMBATE
A
INCÊNDIO Qualificação Habilitação Capacitação RESPONSABILIDADES COORDENAÇÃO Edson Luiz Santos Supervisor de estações e subestações INSTRUTORES Objetivo DESENVOLVIDO POR Ivens Vieira Eletrotécnico da Qualidade AGRADECIMENTOS 10.7.6 Os serviços em instalações elétricas energizadas em AT somente podem ser realizados quando houver procedimentos específicos, detalhados e assinados por profissional autorizado. 10.7.7 A intervenção em instalações elétricas energizadas em AT dentro dos limites estabelecidos como zona de risco, conforme Anexo I desta NR, somente pode ser realizada mediante a desativação, também conhecida como bloqueio, dos conjuntos e dispositivos de religamento automático do circuito, sistema ou equipamento. 10.8.1 É considerado trabalhador qualificado aquele que comprovar conclusão de curso específico na área elétrica reconhecido pelo Sistema Oficial de Ensino. 10.8.2 É considerado profissional legalmente habilitado (PLH) o trabalhador previamente qualificado e com registro no competente conselho de classe. IMPORTÂNCIA DO PLH NAS EQUIPES 10.8.3 É considerado trabalhador capacitado aquele que atenda às seguintes condições, simultaneamente:
a) receba capacitação sob orientação e responsabilidade de profissional habilitado e autorizado; e
b) trabalhe sob a responsabilidade de profissional habilitado e autorizado. 10.8.4 São considerados autorizados os trabalhadores qualificados ou capacitados e os profissionais habilitados, com anuência formal da empresa. Identificação de circuitos elétricos Travamentos e bloqueios de dispositivos Restrições e impedimentos de acesso Delimitações de áreas Sinalização de impedimento de energização 10.11.2 Os serviços em instalações elétricas devem ser precedidos de ordens de serviço específicas, aprovadas por trabalhador autorizado, contendo, no mínimo, o tipo, a data, o local e as referências aos procedimentos de trabalho a serem adotados. ORDEM DE MANUTENÇÃO 10.11.6 Toda equipe deverá ter um de seus trabalhadores indicado e em condições de exercer a supervisão e condução dos trabalhos. 10.11.7 Antes de iniciar trabalhos em equipe os seus membros, em conjunto com o responsável pela execução do serviço, devem realizar uma avaliação prévia, estudar e planejar as atividades e ações a serem desenvolvidas no local, de forma a atender os princípios técnicos básicos e as melhores técnicas de segurança aplicáveis ao serviço. Equipamentos
de
proteção coletiva Equipamentos
de
proteção individual Qual a diferença entre aterrar e equipotencializar? Massa condutora da terra, cujo potencial elétrico, em qualquer ponto, é convencionalmente considerado igual a zero. Conjunto de todos os condutores e peças condutoras com o qual é constituído um aterramento, num dado local. Parte condutora que pode ser
tocada e que normalmente não é viva,
mas pode tornar-se viva em condições de
falta de energia. A carcaça metálica dos
quadros elétricos, equipamentos elétricos
(motores, por exemplo), equipamentos
eletroeletrônicos, eletrodomésticos, etc., são bons exemplos de massas. ATERRAMENTO

Tem como objetivo levar todos os componentes do sistema de aterramento a ficar no potencial mais próximo possível da terra. Assim, por exemplo, quando “aterramos” um motor elétrico, queremos que sua massa fique idealmente no potencial da terra. Ligação elétrica que coloca massas e elementos condutores praticamente no mesmo potencial. São dispositivos que impedem qualquer contato com partes energizadas das instalações elétricas. São componentes que visam impedir que pessoas ou animais toquem acidentalmente as partes energizadas, garantindo assim que as pessoas sejam advertidas de que as partes acessíveis através das aberturas estão energizadas e não devem ser tocadas.
Os obstáculos devem impedir:

A. Uma aproximação física não intencional das partes energizadas;
B. Contatos não intencionais com partes energizadas durante atuações sobre o equipamento, estando o equipamento em serviço normal. Os obstáculos são destinados a impedir o contato involuntário com partes vivas, mas não o contato que pode resultar de uma ação deliberada e voluntária de ignorar ou contornar o obstáculo. Ligação através de um dos condutores do sistema neutro. ligação à terra das massas e dos elementos condutores estranhos à instalação. Ligação elétrica efetiva com baixa impedância intencional à terra, destinada a garantir a equipotencialidade e mantida continuamente durante a intervenção na instalação elétrica. São elementos construídos com materiais dielétricos (não condutores de eletricidade) que têm por objetivo isolar condutores ou outras partes da estrutura que estão energizadas, para que os serviços possam ser executados com efetivo controle dos riscos pelo trabalhador. Isaías Pacheco Engenheiro Eletricista Capacitar os funcionários desta organização, a desempenhar suas atividades laborais, de acordo com a Norma Regulamentadora (NR) - 10, que trata da segurança em instalações e serviços em eletricidade. PARADA RESPIRATÓRIA;
PARADA CARDÍACA;
HEMORRAGIAS;
QUEIMADURAS;
FRATURAS;
ANIMAIS PEÇONHENTOS;
TRANSPORTE COM ACIDENTADOS. PROGRAMA DO TREINAMENTO CONCEITO

Equipamento de Proteção Coletiva – EPC é todo dispositivo, sistema, ou meio, fixo ou móvel de abrangência coletiva, destinado a preservar a integridade física e a saúde dos trabalhadores usuários e terceiros.

CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES

10.2.8.1 Em todos os serviços executados em instalações elétricas devem ser previstas e adotadas, prioritariamente, medidas de proteção coletiva aplicáveis, mediante procedimentos, às atividades a serem desenvolvidas, de forma a garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores.

10.2.8.2 As medidas de proteção coletiva compreendem, prioritariamente, a desenergização elétrica conforme estabelece esta NR e, na sua impossibilidade, o emprego de tensão de segurança.
10.2.8.2.1 Na impossibilidade de implementação do estabelecido no subitem 10.2.8.2., devem ser utilizadas outras medidas de proteção coletiva, tais como: isolação das partes vivas, obstáculos, barreiras, sinalização, sistema de seccionamento automático de alimentação, bloqueio do religamento automático.

10.2.8.3 O aterramento das instalações elétricas deve ser executado conforme regulamentação estabelecida pelos órgãos competentes e, na ausência desta, deve atender às Normas Internacionais vigentes. EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA Aterramento Temporário Utilizados para delimitação da área onde serão realizadas as atividades da Equipe. Fita de Sinalização Cone de Sinalização EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA Aplicação de aterramento temporário durante atividades. Necessárias para isolar as partes energizadas da rede durante a execução de atividades de manutenção Cobertura isolante Manta isolante EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA CONCEITO

Item 6.1 – “ Considera-se Equipamento de Proteção Individual - EPI, todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho.”

CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES

10.2.9.1 Nos trabalhos em instalações elétricas, quando as medidas de proteção coletiva forem tecnicamente inviáveis ou insuficientes para controlar os riscos, devem ser adotados equipamentos de proteção individual específicos e adequados às atividades desenvolvidas, em atendimento ao disposto na NR-6.


10.2.9.3 É vedado o uso de adornos pessoais nos trabalhos com instalações elétricas ou em suas proximidades. EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES

6.2 O equipamento de proteção individual, de fabricação nacional ou importado, só poderá ser posto à venda ou utilizado com a indicação do Certificado de Aprovação - CA, expedido pelo órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego.

6.3 A empresa é obrigada a fornecer aos empregados, gratuitamente, EPI adequado ao risco, em perfeito estado de conservação e funcionamento, nas seguintes circunstâncias:
a) sempre que as medidas de ordem geral não ofereçam completa proteção contra os riscos de acidentes do trabalho ou de doenças profissionais e do trabalho;
b) enquanto as medidas de proteção coletiva estiverem sendo implantadas; e,
c) para atender a situações de emergência. EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Proteção auditiva Proteção do corpo inteiro Proteção dos pés Proteção das mãos Proteção da cabeça Uso obrigatório Qual a sua finalidade? EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Talabarte de posicionamento Talabarte duplo – Tipo ‘Y’ Cinto de segurança tipo paraquedista Esporas DT para escalada de poste Dispositivo trava-quedas (para linha da vida) Agulhão para poste Corda para Linha da Vida DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO CONTRA QUEDA EM ALTURA EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Utilização de par de esporas para escalada, cinto de segurança tipo paraquedista com talabarte de posicionamento, sistema trava-quedas acoplado à linha de vida fixada ao poste através do agulhão DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO CONTRA QUEDA EM ALTURA EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Macacão de Segurança “RF” e Arco Elétrico
Categoria de Risco 2 – Uso Diário
CA – 16783 Válido até 28.04.2015
Aprovado para proteção do tronco, membros superiores e inferiores do usuário contra agentes térmicos (calor e chamas), provenientes de arco elétrico e fogo repentino 10.2.9.2 As vestimentas de trabalho devem ser adequadas às atividades, devendo contemplar a condutibilidade, inflamabilidade e influências eletromagnéticas. VESTIMENTAS DE TRABALHO EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL O seccionamento automático é de suma importância em relação a:
• proteção de contatos diretos e indiretos de pessoas e animais;
• proteção do sistema com altas temperaturas e arcos elétricos;
• quando as correntes ultrapassarem os valores estabelecidos para o circuito;
• proteção contra correntes de curto-circuito;
• proteção contra sobre tensões. As inspeções regulares nas áreas de trabalho, nos serviços a serem executados, no ferramental e nos equipamentos utilizados, consistem em um dos mecanismos mais importantes de acompanhamento dos padrões desejados, cujo objetivo é a vigilância e controle das condições de segurança do meio ambiente laboral, visando à identificação de situações “perigosas” e que ofereçam “riscos” à integridade física dos empregados, contratados, visitantes e terceiros que adentrem a área de risco, evitando assim que situações previsíveis possam levar a ocorrência de acidentes. Pelo novo texto da Norma Regulamentadora NR 10, as empresas estão obrigadas a manter prontuário com documentos necessários para a prevenção dos riscos, durante a construção, operação e manutenção do sistema elétrico, tais como: esquemas unifilares atualizados das instalações elétricas dos seus estabelecimentos, especificações do sistema de aterramento dos equipamentos e dispositivos de proteção. Autorização, dada por escrito, em documento próprio, para execução de trabalhos de manutenção, montagem, desmontagem, construção, inspeção e reparo de equipamentos ou sistemas a serem realizados nas áreas operacionais. Análise de Perigo Nível 1 ou 2: Técnica de identificação de perigos para detalhamento de ações para prevenir a ocorrência de acidentes durante a execução do trabalho ou mitigar as suas consequências. A Deus e a todos que contribuíram para realização deste projeto SESMT - Marte Engenharia
Full transcript