Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Biomas Pernambucanos

No description
by

Julliana Barretto

on 24 October 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Biomas Pernambucanos

e Seus Status de Conservação Biomas Pernambucanos Preservar Conservar Proteção com uso Proteção sem uso Bioma É o conjunto de vida agrupado em torno de determinados tipos vegetais em escala regional, com condições geoclimáticas similares e história de mudanças compatilhada, o que resulta numa diversidade biológica própria. Biomas Brasileiros Biomas Pernambucanos Formações vegetacionais
Ecossistemas associados em Pernambuco Potêncial Econômico Vegetação Originais 1.300.000 km2
17 estados ...em Pernambuco Litoral ao Agreste (135.587 km2)
Mangues (270 km2)
Restingas (187 km)
F. Ombrófila Expansão urbana
Turismo e Lazer
Fonte de recursos naturais Funções Ecológicas Abrigo de espécies
Regulação do fluxo de mananciais
Proteção de escarpas e encostas
Asseguram Fertilidade do solo
Controle do clima Ameaças Destruição
Fragmentação
Degradação
Superexploração
Introdução de spp exóticas Caatinga em
Pernambuco C.Gerais Área ~826.411 km
NE + MG Exclusivamente brasileiro (cc) photo by theaucitron on Flickr Mata Atlântica Caatinga Em 2004
Municípios com áreas protegidas (26)
sem áreas protegidas (22)
Em 2011
66 áreas de proteção
APA Aldeia-Beberibe
Parque Estadual Horto de Dois Irmãos
Estação Ecológica de Caétes Estação ecológica
Reserva biológica
Parque Nacional APA
Reserva Extrativista
R. de Desenvolvimento Sustentável Degradação por Municípios* Tracunháem 1,777 km2
Carpina 0,770 km2 Nazaré - 0,535 km2
Caruaru - 0,500 km2
Recife - 0 km2 MMA, 2009 Conservação Limite com florestas Atlântica e Amazõnica e com Cerrado Precipitação anual variando de 240 a 1.500 mm Clima varia de super - úmido a semi - árido Esse conjunto de contrastes físicos e climáticos condiciona o aparecimento de diferentes tipos vegetacionais, muitas vezes na forma de mosaico. 1. 2. 3. 4. Caatinga = Mata Branca Caatinga arbórea Vegetação arbustiva,
ramificada e espinhosa Habitat natural de importante parte da biodiversidade do Planeta Níveis de Endemismo 4,3% a 57% 185 sp 932 sp 154 sp 348 sp 148 sp solo rico em nutrientes bromeliáceas, euforbiáceas
e cactáceas Principais Atividades Agricultura * máquinas escavam para revirar a terra úmida do solo e expô-la, reciclando o solo. Milho, feijão, algodão, mandioca e mamona
Agricultura de sequeiro* Gipsita**
Lenha e carvão vegetal Extrativismo ** 40% reserva mundial Pecuária Latifundios Dados da
Conservação Ocupa 83% do estado > Área ~ 81.141 km2
em 135 municípios Antropizadas ~43.363 km2
Não antropizadas ~36.841 km2 Áreas Antropização por Município* 8ºSerra Talhada 4,1%
10ºSão José do Belmonte 7,7%
14ºPetrolina 2,1%
20ºPedra 10,5% * relação área/degradação Semana do Biólogo - UPE 2012
Julliana Barretto Intersecção entre
Mata Atlântica e Caatinga Brejos de Altitude Florestas Ombrófilas Densa Aberta Mista Florestas Estacionais Semideciduais Deciduais Fonte : N.M. Ivanauskas & R.R. Rodrigues (Adaptado) Concentra ~ 70% pop brasileira Bioma brasileiro com menor porcentagem de cobertura vegetal natural CPRH MMA Florestas úmidas, que se estendem sobre as encostas e topos das chapadas e serras com mais de 500 m de altitude e recebem mais de 1.200 mm de chuvas Cobertura vegetal natural- 62,69%
Cobertura vegetal antrópica - 43,38% O que nós vemos Mata Atlântica
~1 % cobertura original
66 U.C.
Caatinga
~50 % cobertura original
2 U.C. Analisando o contexto de Pernambuco: MMA/IBAMA.MONITORAMENTO DO DESMATAMENTO NOS BIOMAS BRASILEIROS POR SATÉLITE. ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MONITORAMENTO MATA ATLÂNTICA. Impresso. 2010. Referências Imagens FONTE : GOOGLE Obrigada !! Julliana Barretto
julliana.barretto@hotmail.com MMA/IBAMA.MONITORAMENTO DO DESMATAMENTO NOS BIOMAS BRASILEIROS POR SATÉLITE. ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MONITORAMENTO CAATINGA. Impresso. 2010. PRIMACK, R.B.; RODRIGUES, E. BIOLOGIA DA CONSERVAÇÃO. 1ed. Londrina: 2001. 328p. COELHO-JUNIOR. C. DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NA ZONA COSTEIRA - OS MANGUEZAIS DE PERNAMBUCO. UNICAP. 2010 TABARELLI, M & SILVA, J.M.C. ÁREAS E AÇÕES PRIORITÁRIAS PARA A CONSERVAÇÃO, UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEL E REPARTIÇÃO DE BENEFÍCIOS DA BIODIVERSIDADE DO BIOMA CAATINGA. In: Araújo ET AL., (Ed) Biodiversidade, conservação e uso sustentável da flora do Brasil. Universidade Federal de Pernambuco, Recife. Pp 47-52. 2002. 2 U.C. Estação Ecológica (ESE) de Serra da Canoa - Floresta Parque Estadual Mata da Pimenteira - Serra Talhada Na maioria dos casos, as atividades econômicas são acompanhadas de desmatamentos indiscriminados da caatinga que associados à fragilidade natural desse bioma trazem sérias conseqüências para os geótopos e para as biocenoses: comprometimento dos recursos hídricos, erosão, salinização e compactação dos solos, desertificação, redução da diversidade biológica e da produção primária, entre outros. oi MMA, 2010 MMA, 2010 MMA, 2011
Full transcript