Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Durkheim, Emile. O Suicídio

"O Suicídio" de Émile Durkheim. Por Alisson Soares, Doutorando em Sociologia pela UFMG.
by

Alisson Soares

on 26 June 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Durkheim, Emile. O Suicídio

O Suicídio. 1897
Émile Durkheim
Por: Alisson Soares
Uma das obras mais importantes
da sociologia mundial
Tenta sistematicamente encontrar
as causas de taxas sociais para o suicídio
Não pretende uma inventário completo de todas as causas do suicídio, somente as causas das taxas sociais
Vai excluindo explicações não sociológicas para as taxas sociais de suicídio...
...como o alcoolismo, a loucura,
o clima, as causas psicológicas
“Cada sociedade está predisposta a fornecer um contingente determinado de mortes voluntárias. Essa predisposição pode, pois, ser objeto de estudo especial e que pertence à sociologia. É esse estudo que vamos empreender”.
Apesar de algumas de suas conclusões não se sustentarem hoje em dia, este estudo continua sendo um exemplo de rigor metodológico, como mostra o texto de José Albertino Rodrigues, p.24-26.
“Cada sociedade está predisposta a fornecer um contingente determinado de mortes voluntárias. Essa predisposição pode, pois, ser objeto de estudo especial e que pertence à sociologia. É esse estudo que vamos empreender”.
Exclusão de fatores não sociais
como loucura, alcoolismo, raça, clima
Loucura
Alcoolismo
(Suicídio,p.63)
(Suicídio,p.67)
Alcoolismo
Visão geral da obra
Causas "Sociais" do Suicídio
ver à partir de 01:30
Não é exatamentes as causas sociais que atuaram em um indivíduo em um caso específico de suicídio, como os videos anteriores, que a sociologia procura explicar
O ator americano Freddie Prinze, ficou conhecido através da série da NBC ‘Chico and the Man’. Suicidou-se com um tiro na cabeça e, em sua carta de suicídio escreveu: “Tenho de acabar com isto. Já não resta esperança. Vou ficar em paz. Ninguém teve nada a ver com isto, a decisão foi totalmente minha.”

"Se um dia eu me suicidar, não chorem, foi apenas decisão minha, foi apenas uma opção de vida..."

"No se culpe a nadie de mi muerte. Me quito la vida porque dos días más que viviese sería mucho martirio"
Causas não-sociais do suicídio?
Não seria o suicídio um ato de suprema liberdade,e portanto, livre de quaisquer influências sociais?
9. Suicídio: Definição do Problema.
10.Suicídio Egoísta
11.Suicídio Altruísta
12.Suicídio Anômico
13. Relações entre o suicídio e outros fenômenos sociais
p.107: intenção: não é fazer um inventário completo de todas as causas do suicídio. Teorias psicológicas podem explicar somente porque tal ou qual indivíduo isolado se mata, mas não explica as
taxas sociais
de suicídio.
Após discorrer sobre o suicídio entre animais e entre loucos, e de ressaltar que estes não tem intenção no seu suicídio (trecho este ausente nesta versão do texto), Durkheim chega então à definição de suicídio (p.103) .
“Não há nada no mundo a que se tenha mais direito do que dispor da própria vida e pessoa”
Schopenhauer
"Coloquei a vida num declive: basta um empurrãozinho. Prestai um pouco de atenção e vereis como é breve e ligeiro o caminho que leva à liberdade.[...]A isso que se chama morrer, esse instante em que a alma se separa do corpo"
Sêneca
Explicado pela Psicologia?
p.106: “Cada sociedade tem, pois, a cada momento de sua história, uma atitude definida face ao suicídio... Chamamos a esse dado taxa de mortalidade-suicídio própria da sociedade considerada...pois essa permanência seria inexplicável se ela não se ligasse a um conjunto de características distintas, solidárias umas às outras”

“Cada sociedade está predisposta a fornecer um contingente determinado de mortes voluntárias. Essa predisposição pode, pois, ser objeto de estudo especial e que pertence à sociologia. É esse estudo que vamos empreender”.
“O suicídio varia na razão inversa do grau de integração dos grupos sociais que o indivíduo faz parte”. (p.108. Durkheim)
Por que “egoísta”?

“o ego individual se afirma demasiadamente sobre o ego social...resulta de uma individualização desmensurada”(p.109. Durkheim)

“correntes de depressão e desencanto, que não emanam de qualquer indivíduo em particular, mas que exprimem o estado de desagregação em que se encontra a sociedade. O que elas traduzem é o relaxamento dos laços sociais”. (idem, p.110)
“Assim, no próprio momento em que ele se libertou inteiramente do meio social, ele sofre ainda sua influência... Se nesse caso se afrouxa o laço que liga o homem à vida, é que o laço que o liga à própria sociedade se relaxou”. (DURKHEIM, p.111)
Variação do suicídio com relação ao contato com a vida pública entre velhos, crianças, mulheres e homens. (DURKHEIM, p.111-112)
(O Suicídio. p.257)
Já se disse que o suicídio era desconhecido nas sociedades inferiores. Ali não existe o Suicídio do tipo egoísta, mas existe outro tipo: o suicídio altruísta
No suicídio altruísta, se a pessoa que "deve morrer continuar viva:
116. “Porque se uns e outros renunciam à vida, é porque existe qualquer coisa que eles amam mais que a si mesmos”.
115. Suicídio altruísta também é encontrado na civilizações modernas.
Ex.Exército
Definição provisória:
Existem suicídios devido ao excesso de laços, bem como devido ao afrouxamento destes laços.
Suicídio Hoje
Crescimento econômico rápido já não causa aumento de suicídios
“Assim, não é verdade que a atividade humana possa ser livre de todo freio... O que o homem tem de característico é que o freio ao qual está submetido não é físico, mas moral, isto é, social”. p. 117
p.117 §3. Efeito dos desastres econômicos
118. Efeito da prosperidade econômica no suicídio.
p.119. Países pobres e imunidade ao suicídio anômico.
Em sociedades onde o estado de anomia é constante, ele é normal. ( p.119)

120. “Entretanto, essas disposições são tão arraigadas que a sociedade acostuma a considerá-las normais. Repete-se constantemente da natureza do homem ser um eterno descontente, de ir sempre à frente sem tréguas e sem repouso, em direção a um fim indeterminado.”
121, §1. Porque no mundo econômico que está o apogeu deste tipo de suicídio, isto é, entre industriais e comerciais.
122. Diferenças suicídios egoísta e anômico
Ex.:
Este capítulo trata da relação entre suicídio e sexo (p.124), idade (p.125), temperatura (p.126), mas principalmente, tenta estabelecer como suicídio e homicídio variam, ora em conjunto, ora paralelamente, e estabelece as causas disto.

p.129. refutação da tese de que detentos tem maior inclinação ao suicídio.

130. como homicídio e suicídio estão correlacionados, na França, Prússia, Saxe, Bélgica

131.§2. Tal correlação, ainda que verdadeira, representa a minoria dos casos. Durkheim enumera então 6 exemplos onde suicídio e homicídios variam na relação inversa.

1º ex. França.
p.134. 2º. “Existe mesmo uma regra geral de que onde o homicídio é muito desenvolvido, confere uma espécie de imunidade contra o suicídio”. Ex. Espanha, Irlanda e Itália.
3º influência da guerra

p. 135. §2. Influência das crises políticas

p. 136. 4º) Influência urbano/rural; 5º Catolicismo


p.137. Influência da vida familiar
(O SUICÍDIO, p.23)
Exercícios:
contexto geral do suicídio (pré-Durkheim)
Trecho do filme: Cartas de Iwo Jima
Referências Bibliográficas:
DURKHEIM, Émile. O suicídio: estudo de sociologia. São Paulo: Martins Fontes, 2000. 513 p. (Coleção tópicos)
DURKHEIM, Émile; RODRIGUES, Jose Albertino. Emile Durkheim: Sociologia. 5.ed. São Paulo: Ática, 1990. 208p
Para saber sobre como diferentes filósofos pensaram o suicídio, ver
http://www.ufmg.br/boletim/bol1636/8.shtml
ou
PUENTE, Fernando Rey. Os filósofos e o suicídio. Editora UFMG. 193 páginas

Reino da Saxônia
1806-1918
Religião
Instrução
Sexo e estado civil
Crises Políticas
http://www.bbc.co.uk/portuguese/ciencia/2011/04/110426_felicidade_suicidio_mv.shtml
138. Taxas de Homicídios e de suicídios ora coexistem, ora se excluem. Como explicar? R.:“A única maneira de conciliá-los é admitir que existem diferentes espécies de suicídios, dentre os quais uns têm certo parentesco com o homicídio, enquanto outros se excluem”. Desenvolvimento do argumento nas p.139-141

141. Conclusão

142,§4- p.143. Os sentimentos que temos pelos nossos semelhantes seria uma extensão de sentimentos egoístas ou seriam independentes?
(O Suicídio, p.285)
“Com efeito, no caso de desastres economicos, produz-se uma espécie de desorganização que lança bruscamente certos indivíduos numa situação inferior à que eles ocupavam até então. É preciso pois que eles reduzam suas exigências, que restrinjam suas necessidades, que aprendam a conter-se cada vez mais. Todos os frutos da ação social estão perdidos naquilo que os concerne; sua educação moral deve se refazer. Ora, não é em um instante que a sociedade pode levá-los a essa vida nova e fazer exercer sobre eles esse acréscimo de contenção a que não estão acostumados.”
Durkheim. p.117-8
Full transcript