Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Biomecânica e cinesiologia do complexo articular do quadril

No description
by

Reabilitare Saúde

on 29 March 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Biomecânica e cinesiologia do complexo articular do quadril

Biomecânica e cinesiologia do complexo articular do quadril
Ft. Everaldo Ramos de Jeus Júnior
Articulação do quadril:
Articulação entre a cabeça esférica do fêmur e o encaixamento profundo do acetábulo;

O acetábulo é formado pela união do ílio, Ísquio e Púbis (o ílio e ísquio contribuem em 80%);

Apresenta ligamentos extensos e músculos grandes;

Capacidade de gerar torque com intuito de aumentar a estabilidade desta região e possibilitar os movimentos;

Neumann, 2011
Possibilita movimentos simultâneos entre MMII, pelve e coluna lombar;

Caso exista uma lesão nesta articulação implicará em alterações funcionais e participativas dos seres acometidos;

Fraqueza nos músculos deste complexo articular implicará em alteração do corpo como um todo;

Marcha e sobrecarga
fêmur/acetábulo
Segundo Dasltra e Huiskes (1995) as forças variam entre 13% do peso corporal na fase de balanço a 300% do peso corporal no apoio;

A face semilunar se achata aumentando a área de contato e diminuindo a pressão de pico;

Transferências de forças para outras articulações (sínfise púbica e sacrilíaca);

Dasltra e Huiskes, 1995.

Ângulo de inclinação do fêmur:
Descrição do ângulo entre o colo do fêmur e o corpo do mesmo no plano frontal;

No nascimento medi cerca de 140º a 150º;

Durante a fase adulta este ângulo medi aproximadamente 125º;

Neumann, 2011.
Osteocinemática do quadril:
Descreve a amplitude de movimento possível no quadril;

A redução do movimento pode ser um indicador de trauma ou lesão nesta articulação;

Podendo se associar com dor, fraqueza muscular e trauma neste complexo articular;

Neumann, 2011.
Rotação do fêmur no plano sagital

Rotação da pelve no plano sagital:
Útil em tarefas como agachar e amarrar os sapatos;

A flexão do quadril é capaz de relaxar a maioria dos ligamentos da articulação do quadril, porém estica a cápsula inferiormente;

A extensão por sua vez aumenta a tensão passiva na maioria dos tecidos conectivos capsulares;

Neumann, 2011.
Flexores do quadril
# Iliopsoas
# Sártorio
# Reto-femural
# Pectíneo
# Adutor longo
Extensores do quadril
# Glúteo máximo
# Isquiotibiais
# Glúteo médio
# Glúteo mínimo

Rotação do fêmur no plano frontal:
Rotação da pelve no plano frontal:
O quadril abduz em média 40 graus, tendo como limitadores o ligamento pubufemoral e músculos adutores;

Para o movimento de adução é possível 25 graus em média além da posição neutra, tendo como limitadores o complexo póstero-lateral do quadril além do ligamento isquiofemoral;

Adutores do quadril
# Adutor longo
# Adutor Magno
# Adutor curto
# Grácil
# Pectíneo

Abdutores do quadril
# Glúteo médio
# Glúteo mínimo
# Tensor da fáscia lata
# Piriforme *


Full transcript