Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Filosofia

No description
by

Priscila Enokida

on 15 August 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Filosofia

O primeiro período do pensamento grego toma a denominação substancial de período naturalista, pois busca a origem natural do universo (ARCHÉ, a origem de tudo), as transformações que ocorrem e seu destino; e denomina-se cronológicamente de período pré-socrático, porque precede Sócrates, que marcam uma mudança e um desenvolvimento e, consequentemente, o começo de um novo período na história do pensamento grego.
O Princípio
Começa-se, então, a se distinguir o mito da lógica, o que antes era unido (mitologia ou lógica do mito) passa a ser separado, para entender e abordar a lógica do fato e/ou fenômeno, o que a filosofia caracteriza como o período de transição “do mito ao logos”, ou seja, da explicação por meio de histórias oralmente repassadas (mitos) para a explicação racional e lógica da coisas (
logos
).
Os detalhes dos filosófos pré-socráticos e como pensavam:
O ponto de partida da Filosofia Grega está no período pré-socrático.
Os Pré-Socráticos foram os primeiros Filósofos gregos que viveram entre os séculos VII a V a.C.
Os Primeiros Pensadores Intelectuais Gregos
Apesar do nome pré-socrático e a idéia de que eles existiram antes de Sócrates, esse termo indica uma tendência de pensamento, estando relacionado com filósofos que viveram na mesma época de Sócrates a até mesmo depois dele.
*
*
*
Fonte: Mundos Invisíveis, FANTÁSTICO
Aquilo que une os filósofos pré-socráticos é a preocupação em perguntar e compreender a natureza do mundo (a physis). Queriam entendera origem, o que originou todas as coisas, o princípio delas. Por isso observavam o mundo e buscavam explicações lógicas (racionais) para compreendê-lo. Essas explicações se contrapunham ao conhecimento religioso comumente aceito pelos gregos antigos.
http://www.universoracionalista.org/pre-socraticos/

http://pt.slideshare.net/rafaforte/pr-socrticos

http://filosofia.ceseccaieiras.com.br/os-pre-socraticos

http://parquedaciencia.blogspot.com.br/2013/08/os-primeiros-filosofos-e-busca-do.html

http://greciantiga.org/arquivo.asp?num=0189

http://greciantiga.org/arquivo.asp?num=0712

http://www.mundodosfilosofos.com.br/presocratico.htm

http://origem-da-filosofia.info/os-pre-socraticos.html

http://slideplayer.com.br/slide/378886/

http://www.afilosofia.com.br/post/pre-socraticos-filosofos-jonicos-independentes/454

http://www.prof2000.pt/users/jdsa03/olho/outubro/ciencia.htm

http://www.dec.ufcg.edu.br/biografias/Leucipo0.html

http://1.bp.blogspot.com/-HHDdg2zIl8A/UJ_Gm2OIZWI/AAAAAAAAABU/HSkCadAsPgc/s1600/socrates+(1).jpg

http://1.bp.blogspot.com/_NYRViw3RYZU/ShK7JVqzEII/AAAAAAAAABY/PeFSzhqiPi8/s400/chargeS%C3%B3crates.jpg

http://www.mundoeducacao.com/upload/conteudo_legenda/5f5c7960b1cae1733c3729a228b501d5.jpg

BARNES, J. Filósofos Pré-Socráticos. Trad. J. Fischer. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

KAHN, Charles H. Pitágoras e os pitagóricos: uma breve história. Edições Loyola, 2007

KIRK, G.S.; RAVEN, J.E. & SCHOFIELD, M Os Filósofos Pré-Socráticos, 4ª ed. trad. C.A. Louro Fonseca. Lisboa: Calouste Kulbenkian, 1994.

PENHA, J. Períodos Filosóficos. São Paulo: Ática, 1987.
Bibliografia
Priscila Enokida (nº 29) e Verônica Mendes (nº 36)
Todos os filósofos pré-socráticos jônicos eram monistas (de teorias filosóficas) materialistas. Como monistas metafísicos (o ramo da filosofia que estuda a essência do universo) suas alegações foram a de que o "material" básico do cosmos era uma única substância material (monismo).
Jônios pré-socréticos
Heráclito de Éfeso é considerado o "pai da oposição".
Efésio pré-socrático
Eleatas pré-socráticos
Explicavam toda a realidade através de um elemento único, primário, e a Heráclito de Éfeso, que descrevia a realidade como a soma de mudanças constantes e ininterruptas.
As doutrinas dos pitagóricos formavam um complexo de liga de números, matemática e música, misticismo e cosmologia, além de diversos afirmações sem necessidade de demonstração referentes ao estilo de vida.
Pitagóricos pré-socráticos
Doutrina filosófica que considera toda a realidade como matéria constituída por uma combinação de partículas indivisíveis, chamadas átomos. Atualmente incluem-se também no atomismo, num sentido amplo, as teorias físicas e químicas que concebem a matéria como constituída por partículas elementares de carácter indivisível.
Atomistas pré-socráticos
*Na paródia há o termo "
Logos
", do grego, significa em um primeiro momento a palavra escrita ou falada. No entanto, esse termo adquiriu outro significado com os filósofos. Assim, entende-se “logos” como a razão, a capacidade de racionalizar.
Fonte: YOUTUBE canal "Dom13Quixote", vídeo "Os Pré-socráticos"
Tales de Mileto
Tales de Mileto (c. 625-545) é conhecido como o pai fundador da filosofia grega. Mas, além dessas considerações, era também geômetra. É considerado o primeiro a descobrir a calcular a altura das pirâmides ao medir a sombra que projetavam no momento do dia em que a sua própria sombra era igual a sua altura; e usar a geometria na prática, provando que triângulos com um lado e dois ângulos iguais são congruentes. Ele era astrônomo e também meteorologista, dizem que previa eclipses, provou que um ano tinha 365 dias e identificar os dias dos solstício de verão e do inverno. Não sabemos até que ponto essas e outras histórias são verdadeiras.
A filosofia de Tales, mesmo na antiguidade, era de difícil acesso. Não era fácil entender porque Tales adotou a água como princípio do universo. De acordo com ele a terra repousava sobre a água, Tales vai além e afirma que tudo, de algum modo, veio da água e, de alguma maneira, é feito de água.
“A água é o princípio único de tudo”
Tales de Mileto
Anaximandro
Sua teoria cosmológica, diferente de Tales, é mais elaborada. Ele não procura por algo que sustente a terra. Anaximandro, em sua teoria filosófica, julgava ser um erro entender que a realidade era forjada, ou seja, que tinha uma causa material através de qualquer um dos elementos que podemos ver ao nosso redor. Assim, afirmava ele, que o princípio fundamental das coisas deveria ser algo ilimitado, indefinido, ou como o termo usado por ele no grego, deveria ser apeíron.
*Apeíron
, do grego, pode ser entendido como aquilo que não tem começo ou fim no tempo, nem pertencia a alguma classe de coisas particulares. Uma “matéria eterna”.
Além da matéria prima do universo – o Apeíron – que seria a causa material, Anaximandro oferece uma abordagem sobre a causa eficiente. De acordo com sua teoria, o universo era um campo de forças contrárias em competição tal que trouxeram o mundo à existência.
Anaxímenes
Anaxímenes de Mileto, que teve seus trabalhos mais fluentes por volta de 546-525 a.C., era mais novo que Anaximandro e, ainda assim, mais próximo do pensamento de Tales. Ele é o terceiro e último grande cosmólogo de Mileto, e como Tales ele defendia que a terra deveria repousar sobre algo. No entanto, diferente de Tales, o elemento primordial era o ar, e não a água. E a terra e
os corpos celestes tinham forma plana. Esses últimos circulavam horizontalmente em volta da terra. O ar, em estado estável, seria invisível. Mas, de acordo com Anaxímenes, quando há movimento ele se condensa e primeiro se torna vento, em seguida nuvem, depois água e, por fim, a água condensada se torna lama e pedra. O ar rarefeito, por sua vez, tornava-se fogo. Assim, apenas com a noção de condensação e rarefação,
Anaxímenes tentava explicar como tudo surgiu. Para dar suporte as suas afirmações ele tentou justificar racionalmente suas crenças usando daquilo que tinham em mãos, sem recorrer para sistemas religiosos ou mitos amplamente aceitos na sociedade em que vivia.
Pitágoras
Tanto Pitágoras de Samos (c. 570-496 a.C.) como Tales dividiram as honras de introduzir a filosofia na Grécia antiga. Além de filósofo, Pitágoras também foi um matemático. É atribuído a ele a invenção do termo “filósofo”. Conta-se que uma certa vez, em vez de se declarar como sábio (sophos), Pitágoras teria dito com modéstia que era apenas um amante da filosofia (philosophos).
Pitágoras acreditava que havia uma estrutura subjacente na natureza, a matemática, que seria a peça-chave para entendermos o Cosmos e toda a sua organização.
Tal tentativa de explicar a natureza por causas formais, analisando a estrutura matemática do mundo, foi feita dois mil anos antes de Galileu, que como Pitágoras acreditava que o universo se comportava de tal modo que apenas com a matemática podíamos compreendê-lo.
Xenófanes
“Tudo vem a terra e na terra tudo terminará” - Xenófanes
Mileto havia sido destruída e a morte de Pitágoras, por volta de 494 a.C., marcaram o final do primeiro período do pensamento pré-socrático. Xenófanes (c. 570-470 a.C.) também propôs uma cosmologia, todavia, o elemento primordial do universo era a terra. De acordo com ele, a terra vai dos nossos pés ao infinito. Uma famosa frase de Xenófanes é que “tudo vem a terra e na terra tudo terminará”. Se você for católico, ou viveu em algum ambiente católico, já deve ter ouvido uma frase parecida na quarta-feira de cinzas: “recorda-te que és pó e ao pó tornarás”. Em alguns momentos Xenófanes une a água com a terra como material primordial para a criação da terra. Tal união se deve para uma das mais importantes descobertas científicas feitas por ele, a existência de fósseis.

Heráclito
Heráclito de Éfeso, que provavelmente era 30 anos mais novo que Xenófanes, foi um dos filósofos que mais obras chegaram até a posteridade. No entanto, na própria antiguidade ele era apelidado de “o Enigmático” e “Heráclito, o Obscuro”.
Tal como Xenófanes, Heráclito também acreditava que todo dia um novo Sol aparecia no céu, e como Anaximandro ele afirmava que o Sol era constrangido por um princípio cósmico.
Tudo, afirmava ele, está em movimento, nada permanece imóvel; o cosmos é como uma correnteza. Como diz o famoso exemplo que representa a teoria heraclítica, se entrarmos duas vezes em um mesmo rio, não poderemos pôr nossos pés duas vezes na mesma água, dado que a água não será a mesma nesses dois momentos.
Mas, além disso, não poderíamos pisar duas vezes no mesmo rio. Esse exemplo é o que representa que a realidade é uma constante mudança.
Veja o quadrinho:
Parmênides
Parmênides de Eléia (c. 530-460 a.C.), foi o patrono da escola italiana de filosofia. Em oposição à Heráclito, Parmênides defendia que o universo é estático, não estava em constante movimento, e que o mundo como observamos é uma ilusão, apenas uma aparência.
Parmênides é considerado o criador da área da filosofia chamada “Ontologia”, uma das sub-áreas da Metafísica. Esta área seria um estudo sobre o Ser, isto é, sobre a existência e inexistência dos objetos. Tudo o que existe e pode ser pensado é, de acordo com a teoria de Parmênides, o Ser. Esse Ser é indivisível, não possui começo ou fim e, além disso, não é sujeito ao tempo.
Quando fervemos certa quantidade de água em uma chaleira até que ela evapore por completo, diziam que a água "morria". Porém Parmênides diz que a água não morreu, não foi perdida ou transformou-se em não-ser. Essa mudança é apenas uma alteração no próprio Ser. Ela não deixou de existir, ela só mudou.
Parmênides vai além, afirmando que essa própria mudança no Ser é uma ilusão.
Na verdade não há mudanças, pois o Ser é eternamente o mesmo e o próprio tempo, o passado, o presente e o futuro são uma e a mesma coisa.
Esse paradoxo de Zenão colocou um problema tanto para os matemáticos como para os filósofos. Os filósofos se preocupavam em justificar como a realidade não era uma mera aparência, e os matemáticos deveriam dar uma explicação de como uma tartaruga consegue percorrer todo esse percurso sem que isso incorresse no problema apresentado pelo paradoxo. A solução para isso só apareceu a mais de mil anos depois de Zenão, com o Sir Isaac Newton e Gottfried Leibniz, através do Cálculo Diferencial e Integral.
Zenão (ou Zeno) de Élia
Fonte: The Open University on Youtube
Empédocles
Empédocles (c. 495/90-435/30 a.C.), nascido na cidade de Acragas, atual Agrigento, é outro filósofo da Itália grega.
A sua tese filosófica pode ser encarada como uma síntese de alguns filósofos anteriores. Enquanto alguns dos filósofos pré-socráticos, anteriores a Empédocles, escolhiam certas
substâncias como princípio básico ou dominante no cosmos, para Empédocles todas as quatro substâncias eram essenciais e igualmente dispostas. Os quatro elementos eram como ingredientes fundamentais, “raízes” do Cosmos, e eles sempre existiram. Estas substâncias se misturavam de formas e proporções variadas, produzindo assim o mundo tal como conhecemos.
“Desses quatro saiu tudo o que foi, é e sempre será:
Árvores, animais e seres humanos, machos e fêmeas todos,
Pássaros do ar e peixes gerados pela água brilhante;
Os envelhecidos deuses também, de há muito louvados nas alturas.
Estes quatro são tudo o que há, cada um se entranhando no outro
E, ao misturar-se, variedade ao mundo dando.”
Trecho de um poema de Empédocles:
Anaxágoras
“Todas as coisas estavam juntas, infinitas
em quantidade e infinitas em pequenez; pois o
pequeno era também o infinito. E, estando todas
as coisas juntas, nenhuma era reconhecível por sua
pequenez. Tudo se situava entre ar e éter,ambos
infinitos”
-Anaxágoras
De acordo com sua tese cosmológica de Anaxágoras, no início todas as coisas estavam juntas, e infinitas em quantidade e pequenez.No entanto, em algum momento, essa partícula fundamental começou a girar e expulsou o éter e ar circundantes, formando a partir deles os corpos celestes, as estrelas, o sol e a lua. Essa rotação gerou a separação do
denso e do raro, do calor e do frio, do seco e do molhado e do claro e do escuro. Essa separação, contudo, nunca se completou. O universo continuaria em expansão e essas separações continuam a acontecer e irão continuar para sempre.
“Todas as coisas estavam juntas; então veio a Mente e lhes deu ordem”

-Anaxágoras
Timeu
Timeu era um "pitagórico", seguidor de Pitágoras, assim, acreditava que o universo físico é matéria estruturada pelo
logos
.
Discípulo de Demócrito, também defendia o atomismo.
Leucipo
Demócrito
Demócrito de Abdera (c. 460-370 a.C.). A última, e uma das mais impressionantes antecipações da ciência moderna na era pré-socrática foi proposta pelo atomismo.
Não se sabe qual era o argumento usado por Demócrito para defender tal tese, mas Aristóteles conjecturou que seria algo do seguinte tipo.
Se tomarmos uma quantidade de matéria, seja de qual tipo que for, e fizermos o papel de ir dividindo-a em pequenos pedaços, o máximo
A tese fundamental do atomismo, tal como apresentada por Demócrito, é que a matéria não era infinitamente divisível.
possível, seremos obrigados a parar em
algum ponto, em minúsculos corpos de matéria que são indivisíveis. Ou seja, iremos parar no que ele chamava de “átomos”.
*
Átomo
, do grego, significa indivisível ou não-divisível.
Sócrates
Charge
*
*
*
Anaximandro
Anaxímenes
Pitágoras
Sua teoria cosmológica, por outro lado, deixa muito a desejar. Como a terra se prolongava ao infinito, o Sol não poderia descer a terra para fazer o movimento de nascer e pôr. Para solucionar esse problema, Xenófanes defendia que cada dia tínhamos um novo Sol. Concluía com isso que existiam inúmeros sóis, e a impressão do movimento circular se dava apenas pela longa distância que esses sóis passavam.
Xenófanes
Heráclito
Parmênides
Zeno de Élia
Anaxágoras
Fonte: YOUTUBE, canal "Ibsen Sobre som e filosofia"
O vídeo teve algumas partes recortadas, porém, pode ser encontrado em seu formato original no Youtube: canal "Evidências NT", vídeo "Evidências - As origens da filosofia (Parte 1), 2011 TVNovoTempo".
Antes de falar dos pré-socráticos, há esta pequena resenha falada por Mário Sérgio Cortella, filósofo, escritor, educador, palestrante e professor universitário brasileiro, sobre quem foi Sócrates.
O vídeo teve algumas partes recortadas, porém, pode ser encontrado em seu formato original no Youtube: canal "SaraivaConteudo", vídeo "Para ler... Mario Sergio Cortella fala sobre Sócrates".
Full transcript