Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Colesteatoma (ESTSP)

No description
by

Vanessa Ramalho

on 8 October 2010

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Colesteatoma (ESTSP)

O que é?
Deriva de uma alteração destrutiva da membrana mucosa do O.M.
Crescimento benigno de uma massa de epitélio escamoso semelhante a um quisto
Camada mais externa da pele composta por células mortas que produzem queratina
Etiologia
Patogénese
Colesteatoma adquirido
Colesteatoma congénito
Patogénese desconhecida
Mais comum
O colesteatoma adquirido pode ser primário ou secundário.
No primário, existe retração da M.T., normalmente na pars flácida porém, pode haver retração na pars tensa.
No colesteatoma adquirido secundário ocorre migração do epitélio escamoso da M.T. ou que está em crescimento anómalo no osso temporal
Patogénese desconhecida
Menos comum
Não há retração da M.T. ou implementação do epitélio escamoso.
Classificado como um resíduo embrionário de tecido epitelial no O.M., sem que exista perfuração da M.T. ou historial de infecções no ouvido.
Sintomatologia
Otorreia purulenta persistente ou recorrente
Perda de audição
Zumbido
Vertigem
Espasmos do facial/ Paralisia do facial
Otoscopia
Acumetria
Audiometria
Rinne negativo
Weber: lateraliza para o lado de maior surdez de transmissao
Bing: não há alteração quando à oclusão do canal
Colesteatoma
Trabalho realizado por :
Natália Oliveira - 10090120
Vanessa Ramalho - 10090125
Audiologia II
2010/2011
Prof. Aida Sousa
No colesteatoma , o audiograma típico
apresenta uma hipoacusia de transmissão,
com valores para a via aérea compreendidos entre os 15 e os 55 dB.

Embora ocorra com pouca frequência, um paciente com colesteatoma pode apresentar, a nível audiométrico, uma hipoacusia neurossensorial quando o colesteatoma não é tratado a tempo de impedir que atinga estruturas referentes ao OI.
Colesteatoma visível aquando a realização da otoscopia
Bibliografia:
KATZ, Jack, Ph. D.. Tratado de Audiologia Clínica, 4.ª ed., São Paulo: Manole,1999
PENHA, Rui – Otorrinolaringologia. Lisboa, 1998
RUAH, Samuel A. Bentes; RUAH, Carlos Bentes. Manual de Otorrinolaringologia. Roche. Amadora, 1998
PAPARELLA, SHUMRICK e outros. Otolaryngology,3.ªed., Saunders Company.United States of America,1991
http://decs.bvs.br/cgi-bin/wxis1660.exe/decsserver/?IsisScript=../cgi-bin/decsserver/decsserver.xis&task=exact_term&previous_page=homepage&interface_language=p&search_language=p&search_exp=Colesteatoma
http://adam.sertaoggi.com.br/encyclopedia/ency/article/001050prv.htm
http://www.saudeauditiva.org.br/artigos/artigos_detalhe.asp?id=8
Apresentações fornecidos pela docente de Audiologia I, Ana Paupério, ano lectivo 2009/2010
Apresentações fornecidos pelos docente de ASAV, D.r.Rosmaninho Seabra, ano lectivo 2009/2010
Escola Superior De Tecnologia Da Saúde
Full transcript