Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

"VADIA"

No description
by

F Vargas2

on 9 November 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of "VADIA"

"VADIA"
Qual a rede semântica que atribuímos a palavra "Vadia"?

Marcha das Vadias
De Origem Latima VAGATIVUS
“o que anda sem destino”,

de VAGARE,
“andar sem propósito, sem destino”.

O emprego pejorativo: uma pessoa que gastava seu tempo andando ao léu não podia se dedicar a atividades necessárias que interessavam a uma minoria detentora de capital.

Outras conotações pejorativas daí se desenvolveram.
Etimologia da palavra
"Vadio"
Você acha que os sentidos atribuídos a palavra "Vadia" reforçam o maxismo?

Você acha possível uma mulher, vítima de estupro, ser considerada culpada?
http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/ministra-critica-decisao-do-stj-sobre-estupro-de-menores?page=1
Acusado de estuprar menores é inocentado no STJ
Relação significante x significado (Saussure)
Gênero...

“O “masculino” e o “feminino” são criações culturais e, como tal, são comportamentos apreendidos através do processo de socialização que condiciona diferentemente os sexos para cumprirem funções sociais específicas e diversas. Essa aprendizagem é um processo social. Aprendemos a ser homens e mulheres e a aceitar como “naturais” as relações de poder entre os sexos.” (1985:55).
ALVES, Branca Moreira, PITANGUY, Jacqueline. O que é FEMINISMO. São Paulo : Ed. Abril cultural : Brasiliense, 1985.

LOURO, Guacira L. Gênero, Sexualidade e Educação – uma perspectiva pós estruturalista, Petrópolis: Vozes. 2007.

Marcha das Vadias <http://www.marchadasvadias.org/>

www.emdialogo.uff.br
Referências
"Somos culturalmente formados, aprendemos que tal hierarquia entre os gêneros é natural"
“É necessário demonstrar que não são propriamente as características sexuais, mas é a forma como essas características são representadas ou valorizadas, aquilo que se diz ou se pensa sobre elas que vai constituir, efetivamente, o que é feminino ou masculino em uma dada sociedade e em um momento histórico. Para que se compreenda o lugar e as relações de homens e mulheres numa sociedade importa observar não exatamente seus sexos, mas sim tudo o que socialmente se construiu sobre os sexos”(Louro,2007)
O papel da mídia
Lousa Digital e Prezi
Recursos Pedagógicos

http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2013/07/1313685-norueguesa-e-condenada-a-prisao-em-dubai-por-denunciar-estupro.shtml

Em Dubai, mulher é condenada à prisão após ter ter sido estuprada
HTML E REDES SOCIAIS
"Em média ocorrem
5.664 mortes de mulheres por causas violentas a cada ano;
472 a cada mês;
15,52 a cada dia;
1 a cada hora e meia”, diz o estudo.
Francielle Vargas
Núcleo Pr@xis - FAE/UFMG
(...)É por essas e outras que gatos e vadias atraem ódio e incompreensão. Não é raro ouvirmos, geralmente vindo de quem não conhece gatos nem nunca conviveu com um, que estes animais são “traiçoeiros”. Mulheres que vivem sua sexualidade livremente, da mesma forma, são consideradas “sem caráter”, como se conduta sexual pudesse determinar se você é uma pessoa boa ou má. E não é que as vadias e os gatos também têm em comum a tendência de serem julgados como “interesseiros”?

Tanta liberdade incomoda. Não é por acaso que mulheres que tenham saído um pouquinho da linha e gatos sejam alvos de tanta violência. Os que não aceitam o comportamento nem de um nem de outro recorrem aos argumentos mais intolerantes possíveis para justificar a violência que empregam como punição por não poder dominá-los: “gatos são animais do demônio”, “com essa roupa curta, é claro que ela estava pedindo”, “gato bom é gato morto”, “não se dá ao valor e ainda quer ser respeitada”.

No final das contas, a aversão a gatos e o uso da expresão “você tem que se dar ao respeito” são boas formas de descobrir quem é que não consegue lidar com a liberdade dos outros. E, pessoalmente, quem eu vou evitar a todo custo.
Os gatos e as mulheres 'que não se dão ao respeito' ?
Fonte: www.emdialogo.uff.br
Full transcript