Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Poesia

No description
by

francisca almada

on 24 May 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Poesia

Poema; texto poético; sujeito poético; verso; estrofe; rima; recursos expressivos

Tenho uma certeza, nunca estarei sozinha,
Enquanto ouvir o meu eu e a sua melodia,
Pois no meu coração, haverá sempre poesia!



Olha a neblina sobre a montanha.
Estás a ver?
Parece um bolo
com a cobertura a escorrer!






Olha o mar turbulento,
parece-se contigo,
quando estás rabugento.





Olha aquela nuvem rosa,
Tem uma forma manhosa.
Parece um elefante,
Agora, é uma bailarina elegante!






Viva a Poesia!






Olha esta criança!
Não tenhas vergonha,
brinca e dança!


Vejo e Sinto

Sou poeta
Porque vejo com o coração
Sou poeta
Porque vejo e sinto
Sou poeta
Porque ouço a minha voz interior:

 E ela diz-me:



Ser poeta
Não é ser aéreo
Nem deixar de ser prático.
Mesmo quando estás silencioso,
Não estás apático.







Sou poeta
porque vejo com o coração.
Sou poeta
porque vejo e sinto.


Vejo e Sinto


E o sol não é só calor, é alegria.

E isto, há quem considere fantasia!
Ser poeta
é ser matemático
mas nem todos “percebem”
o seu sentido idiomático.
Num poema, deves
conhecer estes aspetos:
Sujeito Poético

Um texto poético é pessoal e subjetivo e um «eu» sujeito poético revela os seus sentimentos, as suas emoções e a sua visão do mundo.

Um poema tem uma forma gráfica própria:
Cada uma das linhas é um verso;
Os versos agrupam-se em estrofes;
O número de versos de cada estrofe pode variar:
dístico (dois versos)
terceto (três versos)
quadra (quatro versos)
quintilha (cinco versos)


No texto poético, a musicalidade e o ritmo são especialmente valorizados.
As estrofes podem apresentar
rima

_ terminando com sons semelhantes.
• Olha aquela nuvem r
osa
,
• Tem uma forma manh
osa
.
• Parece um elef
ante
,
• Agora, é uma bailarina eleg
ante


Os poetas usam
recursos expressivos
para embelezar a mensagem:

Comparação
Metáfora
Enumeração
Adjetivação
Personificação


Limpo palavras.
Recolho-as à noite, por todo o lado:
a palavra bosque, a palavra casa, a palavra flor.
Trato delas durante o dia
enquanto sonho acordado.
A palavra solidão faz-me companhia.

Quase todas as palavras
precisam de ser limpas e acariciadas:
a palavra céu, a palavra nuvem, a palavra mar.
Algumas têm mesmo de ser lavadas,
é preciso raspar-lhes a sujidade dos dias
e do mau uso.
Muitas chegam doentes,
outras simplesmente gastas, estafadas,
dobradas pelo peso das coisas
que trazem às costas.

A palavra pedra pesa como uma pedra.
A palavra rosa espalha o perfume no ar.
A palavra árvore tem folhas, ramos altos.
Podes descansar à sombra dela.
A palavra gato espeta as unhas no tapete.
A palavra pássaro abre as asas para voar.
A palavra coração não para de bater.
Ouve-se a palavra canção.
A palavra vento levanta os papéis no ar
e é preciso fechá-la na arrecadação.


No fim de tudo voltam os olhos para a luz
e vão para longe,
leves palavras voadoras
sem nada que as prenda à terra,
outra vez nascidas pela minha mão:
a palavra estrela, a palavra ilha, a palavra pão.

A palavra obrigada agradece-me
As outras, não.
A palavra adeus despede-se.
As outras já lá vão, belas palavras lisas
e lavadas como seixos do rio:
a palavra ciúme, a palavra raiva, a palavra frio.

Vão à procura de quem as queira dizer,
de mais palavras e de novos sentidos.
Basta estenderes um braço para apanhares
a palavra barco ou a palavra amor.

Limpo palavras.
A palavra búzio, a palavra lua, a palavra palavra.
Recolho-as à noite, trato delas durante o dia.
A palavra fogão cozinha o meu jantar.
A palavra brisa refresca-me.
A palavra solidão faz-me companhia.

Álvaro Magalhães, O limpa-palavras e outros poemas, Lisboa, Asa,2000

Escrita

Vais, agora, escrever um texto poético.

1. Relê a terceira estrofe do poema “O limpa-palavras” e imita a sua estrutura para escreveres um novo poema com duas quintilhas (estrofes de cinco versos). Para tal, segue os passos apresentados.

1º passo
No teu caderno, escreve o primeiro verso, que poderá ser: A palavra sol queima como uma chama.

2º passo
Escreve uma lista das outras palavras que queres utilizar e escolhe as características que queres destacar.

3º passo
Escreve todos os versos das duas quintilhas e decide qual deve ser a sua ordenação. Depois de reveres o teu poema, partilha-o com a turma, lendo em voz alta.

Full transcript