Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Marketing Internacional

No description
by

Mafalda Santos

on 19 June 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Marketing Internacional

Turbulência de Mercado
(TM)
De que depende o sucesso na performance de uma Supply Chain?
Gestão estratégica da Supply Chain
O uso da cadeia/rede de distribuição, não só como meio de fazer chegar os produtos do fornecedor ao cliente final,

mas, também, como ferramenta para aumentar os rendimentos

e como arma de estratégia competitiva face aos concorrentes
Como é medida a peformance?
Cycle Time
o tempo que decorre entre a receção de uma encomenda e a entrega ao cliente
Esta medida da performance
Possui uma ligação direta com os lucros de uma empresa pois
permite crescer mais depressa que os concorrentes, por exemplo:
pela introdução mais rápida de novos produtos,
ou redução dos custos de stockagem ou inventário
Cultura de Competitividade (CC)
A predisposição dos elementos de uma mesma rede de distribuição para detetarem e corrigirem falhas entre o que o mercado deseja e aquilo que está a ser oferecido, em cada momento.
Desenvolvimento de Conhecimento
(DC)
O fenómeno através do qual as ações das empresas levam à aquisição de conhecimento, à distribuição e interpretação da informação, e à acumulação de ''memória organizacional'' entre os elementos de uma mesma rede de distribuição.
Interação + Cooperação
Orientação Empreendedora
Valores dos membros da rede associados à constante busca de novas oportunidades e/ou à renovação de atividades já existentes
Orientação para a Inovação
Geração de novas ideias.
Orientação para a Aprendizagem
Cycle Time
Valores associados à geração de novas perspetivas com potencial para melhorar as atividades da rede.
Aquisição de Conhecimento
Distribuição/Partilha da Informação
Memória Adquirida
(ou Memória Organizacional)
Partilha do Significado
(ou Interpretação da Informação)
A quantidade de conhecimento, experiência(s) e familiaridade com os processos e operações da cadeia de distribuição
Hipótese 1:
A CC afeta positivamente o CT
Hipótese 2:
O DC afeta positivamente o CT
Hipótese 3:
A interação entre a CC e o DC afeta positivamente o CT.
Nem a CC, nem o DC são suficientes por si sós.

É necessária a sua interação para criar resultados estratégicos positivos e fortes.

Se todos os membros da SC estiverem orientados para a aprendizagem, vão:
partilhar e distribuir o conhecimento
e examinar constantemente a qualidade das suas interpretações
de modo a proceder a melhorias constantes no processo.
As mudanças na composição dos clientes/compradores e nas suas preferências.
As perceções e crenças dos gestores face ao ambiente externo dependem das condições sob as quais operam e moldam a cultura e os comportamentos organizacionais.
Hipótese 4:
A TM afeta positivamente a relação DC-CT.
(CT)
As mudanças no mercado, obrigam à procura de mais e novo conhecimento.
Uma SC perita em DC possui o Conhecimento como arma contra a complexidade das mudanças, sendo capaz de responder mais rapidamente.
Hipótese 5:
A TM afeta negativamente a relação CC-CT.
Com baixos níveis de turbulência, os gaps entre o que é oferecido e o que os consumidores desejam, são mais fáceis de prever e corrigir. Os membros da SC não têm oportunidade de aplicar a sua superioridade ao nível da aprendizagem.
Com elevada turbulência, a gestão torna-se mais difícil pela dificuldade de previsão e de adaptação: os gestores são confrontados com situações diferentes das perceções anteriores, para as quais se tinham preparado.
Marketing
Internacional
''Strategic Supply Chain Management:
Improving Performance Through A Culture Of Competitiveness and Knowledge Development''
G. Tomas M. Hult, David J. Ketchen Jr and Mathias Arrfelt
Para testar as hipóteses, os autores realizaram um questionário:
Profissionais de Supply Chain Management
Membros do Institute of Supply Management
De empresas industriais
Com foco na última ordem/encomenda
201 respostas válidas
Caracterização da Amostra (em termos médios):
Respondentes estão na empresa há 11 anos
De empresas com 64 anos
Que empregam 14 pessoas
Com 38 pessoas envolvidas na Supply Chain
Trabalham na área das Compras e Aprovisionamento
As hipóteses foram testadas por:
Regressão hierárquica
Parsimonious Latent-variable Interaction (Restrito e Irrestrito)
Em ambas as análises, as hipóteses 1, 3, 4 e 5 foram verificadas
No PLVI, H4 verificou baixo nível de significância
H2 só mostrou significância na Regressão Hierárquica
Idade da empresa
Dimensão da empresa
Turbulência do Mercado
Sem significância
A Turbulência de Mercado só assume significância como moderadora dos efeitos das variáveis CC e DC no CT
Não se pode concluir que haja uma ligação direta entre o DC e a performance em termos de CT.
Conclusões
As empresas devem, primeiro, na construção de uma CC e só depois, quando esta já estiver bem estabelecida, enfatizar o DC.
O DC continua a ser importante, pois quando conjugado com a CC, o potencial de melhoria é significativo.
Investir em DC sem reforçar uma CC não conduz a melhorias na performance no CT.
Gestores confiantes nas suas previsões/perceções do mercado, podem usar essa informação para decidir, em cada momento, em que elemento vão investir:
CC ou DC.
Caso contrário, é importante manter um investimento constante nas duas variáveis.
Conclusões
Carlos Soares
Mafalda Santos
Faculdade de Economia da Universidade do Porto
(SP)
Obrigado!
''Cultural Competitiveness in Global Sourcing''
G. Tomas M. Hult
Vantagem competitiva sustentável
Empreendedorismo
Cultura de Inovação
Aprendizagem
Idade
Dimensão
Cycle Time Performance
Business Performance
Gerir os processos de compra ao nível global
''An Examination of Cultural Competitiveness and Order Fulfillment Cycle Time Within Supply Chains''
G. TOMAS M. HULT, DAVID J. KETCHEN, JR., ERNEST L. NICHOLS, JR.
Participantes da cadeia de abastecimento são propensos a partilhar um pequeno conjunto de elementos culturais, como a competitividade, que se relacionam diretamente ao serviço do mercado.
Competitividade cultural
Existe uma lacuna entre a importância dos elementos da cadeia de abastecimento e o estado do conhecimento académico acerca dos mesmos.
O papel da aprendizagem foi mais forte nos clientes internos do que nos compradores corporativos.

A visão deste papel, por parte dos compradores é um motivo de preocupação, porque a performance a longo-prazo depende das lições deduzidas dos sucessos e das falhas.
Fornecedores
Compradores Corporativos
Clientes
Internos
Competitividade Cultural
Aprendizagem
Empreendedorismo
Cultura de Inovação
Elementos da cadeia de abastecimento não partilham uma afiliação organizacional, desenvolvendo recursos estratégicos juntos para vincular os membros é vital para os resultados da cadeia.
Competitividade Cultural é valiosa, rara e difícil de duplicar, como um recurso que pode fornecer uma vantagem competitiva sustentável e melhorar os resultados da cadeia de abastecimento, tais como o tempo de ciclo.
Assumiu um papel mais forte perante os compradores corporativos do que os fornecedores externos
Tempo de ciclo
No entanto...
EMPRESA
Full transcript