Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

TESE

Apresentação para a defesa da tese de doutorado em educação física pela Unicamp.
by

MARCELO ANTUNES

on 23 March 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of TESE

AS ARTES MARCIAIS CHINESAS PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: CONTEXTOS, DILEMAS E POSSIBILIDADES
Marcelo Moreira Antunes
Orientador: Prof. Dr. José Júlio Gavião de Almeida

2013.1

Universidade Estadual de Campinas
Faculdade de Educação Física

ESTRUTURA DA TESE
Introdução
Capítulo 1. Wushu (kungfu): origem, desenvolvimento e características
Capítulo 2. Deficiência, esporte adaptado e classificação funcional
Capítulo 3. Wushu adaptado no Brasil: contextos e dilemas
Capítulo 4. Sugestões para a prática do wushu adaptado
Considerações finais
Referências
Apêndices e anexos
INTRODUÇÃO
As artes marciais chinesa e as mudanças da antigas tradições
Problema:
Quais os desafios para o ensino de wushu com pessoas com deficiência?
OBJETIVOS DO ESTUDO
Analisar como a pessoa com deficiência era percebida nas antigas tradições das artes marciais chinesas;
Analisar as percepções pedagógicas dos mestres e professores de wushu na China acerca da modalidade adaptada;
Analisar as percepções pedagógicas dos mestres e professores de wushu no Brasil acerca da modalidade adaptada;
Identificar onde as práticas inclusivas ocorrem no wushu do Brasil;
METODOLOGIA
Analisar de que forma essas práticas inclusivas identificadas ocorrem nas aulas de wushu no Brasil;
Apresentar sugestões de como a prática do wushu deve ser desenvolvida com pessoas com deficiência no Brasil. No sentido de alcançar o objetivo específico apresentado, se faz necessário o atendimento das questões abaixo:
a) O que fazer para possibilitar o acesso à prática do wushu por pessoas com deficiência?
b) Como fazer para que a prática do wushu adaptado seja adequada às pessoas com deficiência?
c) Quais são as pessoas e deficiências possíveis de serem incluídas na prática do wushu adaptado?
1ª ETAPA
Estudo exploratório
número de praticantes de wushu no Brasil,
ocorrência da prática do wushu por pessoas com
alguma deficiência
como essa possibilidade de prática é percebida

2ª ETAPA
Proposição de possibilidades para a prática do
wushu por pessoas com deficiência
AMOSTRA
21 presidentes de federações
22 informantes
17 professores e mestres
(20 anos de prática, vínculo com a CBKW)
5 praticantes (4 deficientes visuais e um deficiente físico, com mais de um ano de prática)

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO NUMÉRICA DA AMOSTRA
Princípio da Saturação Teórica
(Fontanella; Ricas; Turato, 2008)
Princípio da Bola de Neve
(Becker, 1997)
INSTRUMENTOS
Um questionário censo de praticantes
no Brasil
Um questionário censo de prática do wushu
adaptado
Um roteiro de entrevista

PROCEDIMENTOS DE COLETA DE DADOS
Envio do questionário via email
Contato telefônico
Entrevista presencial
ANÁLISE DOS DADOS
Descritiva percentual
Fidedignidade dos dados – Método de Triangulação (Minayo, 2004)
Análise do conteúdo (Bardin, 2010)

SUGESTÕES PARA A PRÁTICA DO WUSHU POR PESSOAS COM DEFICIÊNCIA
Dados coletados x literatura
WUSHU ADAPTADO NO BRASIL: CONTEXTOS E DILEMAS
Wushu adaptado no Brasil:
contexto atual
Dilemas do wushu adaptado no Brasil:
a perspectiva dos principais atores
Perfil dos 22 informantes
3 mulheres e 19 homens
5 tem alguma deficiência
4 com deficiência visual
1 com deficiência motora
Faixa-etária entre 27 e 78 anos
Abaixo de 40 anos (7)
Entre 41 e 50 anos (3)
Entre 51 e 60 anos (7)
Acima de 60 anos (5)
A pessoa com deficiência
nas antigas tradições do wushu
“Antes não tem gente treina assim. Só quando treina muito tempo antes e depois fica cego ou surdo pode continua” (informante 1)

“É muito difícil. Quando pessoa assim quer treinar, mestre não aceita. Mestre não ensina” (informante 1)

“Não é comum” (informante 3)

“algumas técnicas, ou katis voltados para deficientes físicos, como é o caso do Hung Gar, com um kati de um braço só e do Shaolin norte com um kati de muleta e facão” (informante 6)
"Penso que seria completamente impossível. A falta de infraestrutura chinesa determinado pela má administração centenária na dinastia Qing me leva a acreditar que os centros de artes marciais não seriam desenvolvidos o suficiente para conseguirem algo assim" (informante 9)

“antigamente, na China não havia a possibilidade de ensinar pessoas com deficiência, pois eles eram vistos como pessoas incompletas, incapazes, porém alguns poucos casos poderiam ser identificados, mas muito raros” (informante 7)
A pessoa com deficiência no wushu contemporâneo
A pessoa com deficiência é compreendida como aquela que tem condições diferenciadas para a realização das diversas atividades cotidianas (91% dos informantes)

“precisa tudo certo. Quando falta, mestre não ensina” (informante 1)
As percepções do ensino do wushu adaptado
pelos professores e mestres de wushu
As práticas inclusivas do wushu no Brasil
SUGESTÕES PARA A PRÁTICA DO WUSHU ADAPTADO
A prática das pessoas com deficiência: as novas funcionalidades das artes marciais
Elias (1992a; 1992b) Processo civilizatório e a esportivização das lutas

Bourdieu (2004) O efeito de apropriação

Novas possibilidades de práticas das artes marciais
(Arida et al, 2010; Hussain; Pedsen, 2012; Fong; Tsang; Ng, 2012; Conant et al, 2008; Martin, 2002; Kasum; Strašo; Nastasić-Stosković, 2011; Rosa; Rodrigues; Freitas, 2009; Woodward, 2009; Terry, 2006)
Efeitos da prática das artes marciais: o que fala
a literatura e os praticantes
Sensação de melhora da energia, das capacidades mentais e da concentração, diminuindo a depressão e o estresse
Melhora as limitações funcionais, a autoestima, a qualidade de vida, a respiração, o equilíbrio e a força
Conhecimento sobre o próprio corpo, autocontrole físico e mental e melhora a qualidade do sono

(Martin, 2002; Kasum; Strašo; Nastasić-Stosković, 2011; Zijdel, 1992)
“[...] daí eu vejo que eu sou muito ansioso e nervoso, então eu vou lá, daí eu fico menos estressado, fico mais calmo [...] está fazendo bem para minha saúde, desentorta, desestressa, é uma coisa muito boa para mim” (informante 20).
“E quando chego em casa, vou fazer os exercícios, onde tiver eu faço os exercícios. Antes de dormir eu também faço [...] Então a minha vida melhorou mais por isso aí, antes só ficava pensando bobagem, agora não! Hoje eu estou mais calmo” (informante 18).
Sugestões para a prática do wushu
por pessoas com deficiência
Sugestões para a prática do wushu
por pessoas com deficiência visual
Muster e Almeida (2008) e Luz, Oliveira e Silva (2009)
Sugestões para a prática do wushu
por pessoas com deficiência motora
Adaptado de Luz, Oliveira e Silva (2009).
Adaptado de Mattos (2008).
Adaptado de Luz, Oliveira e Silva (2009).
Sugestões para a prática do wushu
por pessoas com deficiência auditiva
Escala de perda de Almeida (2008).
Sugestões para a prática do wushu
por pessoas com deficiência intelectual
Gimenez (2008).
Observações complementares sobre a prática do wushu por pessoas com diferentes e peculiares condições
Solicitar avaliação funcional e de saúde, requisitar ou realizar avaliações motoras para a correta orientação para a modalidade e sempre trabalhar em interação com outros profissionais da saúde.

Atenção com o ambiente de prática, cada deficiência tem suas peculiaridades.

Atenção ao acesso aos locais de prática
CONSIDERAÇÕES FINAIS
A transformações das antigas tradições das artes marciais possibilita a prática.

Identificou-se a prática do wushu por pessoas com deficiência no Brasil.

Dentre os praticantes existem mulheres.

A região norte e nordeste apresentam maior número de praticantes com deficiência.

Há ainda uma grande lacuna para a prática.

A prática do wushu apresenta variados efeitos positivos.
Nas antigas tradições do wushu, a pessoa com deficiência era percebida como incapaz, incompleta e inadequada para a prática.

Há um novo entendimento sobre esses praticantes e da própria modalidade.

A atividade física é a compreensão que mais se destaca.

O ensino do wushu no Brasil para esse público é desenvolvido ainda de forma empírica, individualmente, baseado na tentativa de acerto e erro.
Não há um planejamento prévio do ensino.

A formação dos professores, adequação de conteúdos e adaptações dos métodos de ensino são fundamentais para o desenvolvimento do trabalho.

O foco principal desse trabalho é a superação do Handcap.

As diferentes modalidades do wushu, como o taolu de mãos livres, taolu de armas, sanda, tuishou, shuaijiao e qigong podem ser praticadas.

Investigações sobre métodos de ensino e seleção de conteúdos vinculados às diferentes deficiências são urgentes.

Propostas para a formação de professores de wushu adaptado também são necessárias.
REFERÊNCIAS
AGUIAR, J. O. Literatura wushia, budismo, marcialidade e ascese: da arte da guerra à historiografia sobre o mosteiro de shaolin. Londrina: Antítese, v.2, n.4, p.599-619, jul-dez. 2009. Disponível em: www.uel.br/revistas/uel/index.php/antiteses Acesso em: 10 de novembro de 2010.
ALMEIDA, A. C. P. G. Atividade física e deficiência auditiva. In: GORGATTI, M. G.; COSTA, R. F. (org.). Atividade física adaptada: qualidade de vida para pessoas com necessidades especiais. 2ed. Barueri, SP: Phorte, 2008.
AMIRALIAN, M. L. T.; PINTO, E. B.; GHIRARDI, M. I. G.; LICHTIG, I.; MASINI, E. F. S.; PASQUALIN, L. Conceituando deficiência. Rev Saúde Pública. v.34, n.1, p.97-103, 2000.
ANDRAUS, M. B. M. Kungfu / wushu: luta e arte. São Paulo: Annablume, 2010.
ANTUNES, M. M.; MOURA, D. L. A identificação dos estilos de ensino dos professores das artes marciais chinesas (wushu) no Brasil. Pensar a Prática. Goiânia, v.13, n.3, p.1-18, set/dez, 2010.
ARIDA, R. M.; VIEIRA, D. E. B.; CAVALHEIRO, E. A.; SCORZA, F. A. Judo: ippon scored against epilepsy. Epilepsy and Behavior. v.17, n.136, 2010.
 BARBOTTE, E.; GUILLEMIN, F.; CHAU, N.; THE LORHANDICAP GROUP. Prevalence of impairments, disabilities, handicaps and quality of life in the general population: a review of recent literature. Bulletin of the World Health Organization. v.79. n.11, 2001.
BATISTA, C. G.; ENUMO, S. R. F. Desenvolvimento humano e impedimentos de origem orgânica: o caso da deficiência visual. In: NOVO, H. A.; MENANDRO, M. C. S. (org.). Olhares diversos: estudando o desenvolvimento humano. Vitória: UFES. Programa de Pós-Graduação em Psicologia: CAPES, PROIN, 2000.
BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.
BAUER, M. W. GASKEL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: Um manual prático. 3ed. Petrópolis: Vozes, 2002.
BECKER, H. Métodos de pesquisa em ciências sociais. 3ed. São Paulo: Hucitec, 1997.
BIAN, W. K. Zhonghua wenming shihua. Beijing, Zhongguo: Zhongguo dabai kequan shuchu banshe, 2010. . . , : , 2010. ISBN: 978-7-5000-8368-9.
BOOTH, W. C.; COLOMB, G. G.; WILLIAMS, J. M. A arte da pesquisa. 2ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.
BOURDIEU, Pierre. Programa para uma sociologia do esporte. In: BOURDIEU, Pierre. Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense, 2004. p.204-220.
BRASIL. Lei nº 10.436/2002. De 24 de abril de 2002. Publicado no D.O.U. em 25 de abril de 2002.
BURKE, P.; HSIA, R. P. A tradução cultural nos primórdios da Europa Moderna. São Paulo: UNESP, 2009.
CARVALHO, M. S. Capoeira: vendo e aprendendo com o movimento. In: HERRERO, M. M.; VERALDI, P. H.; PEDRINELLI, V. J. Desafiando as diferenças. São Paulo: SESC, 2003.
CARVALHO, K. M.; GASPARETTO, M. E. R. F.; VENTURINI, N. H.; JOSÉ, N. K. Visão subnormal: orientações ao professor do ensino regular. 3ed. Campinas, SP: Unicamp, 2002.
CASTRO, E. M. Atividade física: adaptada. Ribeirão Preto: Tecmedd, 2005.
CHEN, E. W.; FU, A. S. N.; CHAN, K, M.; TSANG, W. W. N. The effects of Tai Chi on balance control of elderly persons with visual impairment: a randomised clinical trial. Age and Ageing. v.41, p.254-259, 2012.
CHOW, D.; SPANGLER, R. Kungfu: History, philosophy and technique. 2ed. Burbank, USA: Unique Publications, 1982.
CHUNG, Y. N. The founder of the Chinese race: Yellow Emperor. Hongkong, China, 1997. Disponível em: http://www.asiawind.com/pub/forum/fhakka/mhonarc/msg00383.html. Acesso em: 27 de agosto de 2010.
CONANT, K., MORGAN, A., MUZYKEWICZ, D., CLARK, D. THIELE, E. A karate program for improving self-concept and quality of life in childhood epilepsy: Results of a pilot study. Epilepsy & Behavior, v.12, p.1, p.61-65, 2008.
CORREIA, W. R.; FRANCHINI, E. A produção acadêmica em lutas, artes marciais e esportes de combate. Motriz, Rio Claro, v.16, n.1, p.1-9, jan./mar. 2010.
COSTA, A. M.; SOUSA, S. B. Educação física e esporte adaptado: histórias, avanços e retrocessos em relação aos princípios de integração/inclusão e perspectivas para o século XXI. Rev Bras Cienc Esporte, Campinas, v.25, n.3, p.27-42, maio 2004.
DACOSTA, L. (org.). Atlas do esporte no Brasil. Rio de Janeiro: CONFEF, 2006.
DAWKINS, R. A grande história da evolução: na trilha dos nossos antepassados. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.
DUARTE, E.; SANTOS, T. P. Adaptação e inclusão. In: DUARTE, E.; LIMA, S. M. T. Atividade física para pessoa com necessidades especiais: experiências e intervenções pedagógicas. Rio de Janeiro: Ganabara Koogan, 2003. p.93-99.
ELIAS, N. A génese do desporto: um problema sociológico. In: ELIAS, Norbert; DUNNING, Eric. A busca da excitação. Lisboa: Difel, 1992.
_________. Ensaio sobre o desporto e a violência. In: ELIAS, Norbert; DUNNING, Eric. A busca da excitação. Lisboa: Difel, 1992.
FAUSTO, B. O crime do restaurante chinês: carnaval, futebol e justiça na São Paulo dos anos 30. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.
FERREIRA, E. L. (org.). Atividade física para pessoas com deficiência física: livro de exercícios. 2ed. Niterói: Intertexto, 2009.
FILIPIAK, K. From warriors to sportsmen: how traditional chinese martial arts adapted to modernity. Journal of Asian Martial Arts. v.19, n.1, 2010.
FONG, S. S. M.; TSANG, W. W. N.; NG, G. Y. F. Taekwondo training improves sensory organization and balance control in children with developmental coordination disorder: a randomized controlled trial. Research in Developmental Disabilities. v.33, p.85-95, 2012.
FONTENELLA, B. J. B.; RICAS, J.; TURATO, E. R. Amostragem por saturação em pesquisa qualitativa em saúde: contribuições teóricas. Cad. Saúde Pública. v.24, n.1, p.17-27, jan, 2008.
FONTENELLA, B. J. B.; LUCHESI, B. M.; SAIDEL, M. G. B.; RICAS, J.; TURATO, E. R.; MELO, D. G. Amostragem em pesquisa qualitativa: proposta de procedimentos para constatar saturação teórica. Cad. Saúde Pública. v.27, n.2, p.389-394, fev, 2011.
GIMENEZ, R. Atividade física e deficiência intelectual. In: GORGATTI, M. G.; COSTA, R. F. (org.). Atividade física adaptada: qualidade de vida para pessoas com necessidades especiais. 2ed. Barueri, SP: Phorte, 2008.
GOMES, M. S. P. Procedimentos pedagógicos para o ensino das lutas: contextos e possibilidades. 2008. Dissertação (mestrado em educação física) - Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.
GORGATTI, M. G.; BÖHME, M. T. S. Atividade física e a lesão medular. In: GORGATTI, M. G.; COSTA, R. F. (org.). Atividade física adaptada: qualidade de vida para pessoas com necessidades especiais. 2ed. Barueri, SP: Phorte, 2008.
GORGATTI, M. G.; COSTA, R. F. (org.). Atividade física adaptada: qualidade de vida para pessoas com necessidades especiais. 2ed. Barueri, SP: Phorte, 2008.
GORGATTI, M. G.; GORGATTI, T. O esporte para pessoas com deficiência. In: GORGATTI, M. G.; COSTA, R. F. (org.). Atividade física adaptada: qualidade de vida para pessoas com necessidades especiais. 2ed. Barueri, SP: Phorte, 2008.
GORGATTI, M. G.; PENTEADO, S. H. N. W.; PINGE, M. D.; De ROSE JÚNIOR, D. Atitudes dos professores de educação física do ensino regular em relação a alunos portadores de deficiência. R. bras. Ci. e Mov. Brasília, v.12, n.2, p.63-68, junho, 2004.
GORGATTI, M. G.; TEIXEIRA, L. Deficiência mental. In: TEIXEIRA, L. Atividade física adaptada e saúde: da teoria à prática. Barueri, SP: Phorte, 2008.
_________. Deficiência motora. In: TEIXEIRA, L. Atividade física adaptada e saúde: da teoria à prática. Barueri, SP: Phorte, 2008.
GORGATTI, M. G.; TEIXEIRA, L.; VANÍCOLA, M. C. Deficiência visual. In: TEIXEIRA, L. Atividade física adaptada e saúde: da teoria à prática. Barueri, SP: Phorte, 2008.
GORLA, J. I. (org.). Educação física adaptada: o passo a passo da avaliação. São Paulo: Phorte, 2008.
GRAVITO, N. M. G. Auto estima e competência física percebida no desporto adaptado: estudo exploratório em atletas com deficiência motora e deficiência intelectual. 2007. Dissertação (mestrado em educação física) - Faculdade de ciências do desporto e educação física, Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal, 2007.
GUO, Z. B.; ZANG, Y. Y. Dancing in the Wheelchair Taijiquan for people with ambulatory impairment. Int J disabil Community Rehabil, v.9, n.1, 2010. ISSN: 1703-3381.
GUTTMANN, A. From ritual to record: the nature of modern sports. New York Chichester, West Sussex: Columbia University Press, 2004.
HENNING, S. E. Chinese general Yu Fei: martial arts facts, tales and mysteries. Journal of Asian Martial Arts. v.15, n.4, 2006.
________. The chinese martial arts in historical perspective. Military affairs. v.45, n.4, December, 1981, p.173-179. Disponível em: www.jstor.org/stable/1987462. Acesso em: 12/04/2011.
HOBSBAWM, E.; RANGER, T. (orgs). A invenção das tradições. 6ed. São Paulo: Paz e Terra, 2008.
HONG, F. Women’s sports in the People’s Republic of China: body, politics and unfinished revolution. In: HARTMANN-TEWS, Ilse; PFISTER, Gertrud (org.). Sport and Women: social issues in international perspective. London/New York: Routledge, 2003. p.224-37.
HUSSAIN, N.; PENDSE, S. S. Judo for the blind: a new dimension. Variorum Multi-Disciplinary e-Research Journal. v.2, n.4, may. 2012. ISSN: 976-9714.
IBGE. Censo Demográfico 2010. 2010. Disponível em: <http://www.censo2010.ibge.gov.br/>. Acesso em: 03/01/2012.
INTERNATIONAL COMMITTEE OF SPORT FOR DEAF (CISS). General Technical Rules: Summer Deaflympics. 2009. Disponível em: http://www.deaflympics.com/about/index.asp?DID=526. Acesso em: 01/02/2012.
INTERNATIONAL WHEELCHAIR AND AMPUTEE SPORTS FEDERATION (IWASF). IWF rules for competition: Book 4 – classification rules. 2011. Disponível em: http://www.iwasf.com/iwasf/assets/File/Fencing/4%20-%20IWF%20Classification%20Rules%202011-03-20.pdf. Acesso em: 01/02/2012.
INTERNATIONAL WUSHU FEDERATION (IWUF). Wushu. Beijing: IWUF, 2008.
JERÔNIMO, J. P. Esporte como elemento facilitador da inclusão da pessoa com paralisia cerebral severa: contribuições para a formação de professores de educação física. Dissertação (mestrado em educação), Universidade de Uberaba, Uberaba, MG, 2006.
KASUM, G., STRAŠO G., NASTASIĆ-STOSKOVIĆ, T. Combat sports for persons with disabilities. Physical Culture. v.65, n.1, p.60-69, 2011.
KENNEDY, B.; GUO, E. Chinese martial arts training manuals: a historical survey. Berkley: North Atlantic Books, 2005
KUNGFU PARA CEGOS. Produção de AVAPE. Apresentado por Giovana Batistella. São Paulo: TVSentidos. 2010. Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=zBEko8vA5T4. Acesso em: 27 de outubro de 2012.
LABRONICI, R. H. D. D.; CUNHA, M. C. B.; OLIVEIRA, A. S. B.; GABBAI, A. A. Esporte como fator de integração do deficiente físico na sociedade. Arq Neuropsiquiatr. v.58, n.4, p.1092-1099, 2000.
LAI, H.; KLINGBORG, B. The secrets of Northern Shaolin Kung-Fu: The history, form, and function of Pek Sil Lum. Boston: Tuttle Publishing, 1999.
LEITE, J. R. T. A China no Brasil: influências, marcas, ecos e sobrevivência chinesa na sociedade e na arte brasileiras. Campinas: Unicamp, 1999.
LESSER, J. A negociação da identidade nacional: imigrantes, minorias e a luta pela etnicidade no Brasil. São Paulo: UNESP, 2001.
LI, T. J.; DU, X. L. A Guide to Chinese Martial Arts. Beijing: Foreign Languages Press, 1991.
LOOVIS, E. M. Atividades e esportes individuais, em dupla e de aventura. In: WINNICK, J. P. Educação física e esportes adaptados. Barueri, SP: Manole, 2004.
LUZ, L. M. R.; OLIVEIRA, L. Z.; SILVA, F. F. Classificação das deficiências. In: GORLA, J. I.; CAMPANA, M. B.; OLIVEIRA, L. Z. (org.). Teste e avaliação em esporte adaptado. São Paulo: Phorte, 2009.
MADORSKY, J. G. Self-defense for people with disabilitie. The Western Journal of Medicine, v.153, n.4, October, 1990.
MARQUES, R. F. R.; DUARTE, E.; GUTIERREZ, G. L.; ALMEIDA, J. J. G.; MIRANDA, T. J. Esporte olímpico e paraolímpico: coincidências, divergências e especificidades numa perspectiva contemporânea. Rev. Bras. Educ. Fís. Esporte, São Paulo, v.23, n.4, p.365-77, out./dez. 2009.
MARTIN, R. A. The physical and psychological benefits of martial arts training for individuals with disabilities. Unpublished master’s thesis, University of Wisconsin-Stout, United States, 2002. Available from URL: http://www2.uwstout.edu/content/lib/thesis/2002/2002martinr.pdf.
MATOS, J. B.; MENEZES, F. S. Capoeira para deficientes visuais: comparação do equilíbrio entre praticantes e não praticantes de capoeira. Rev. Bras. Ciên. Esporte, Florianópolis, v.34, n.1, p.81-93, jan./mar. 2012.
MATTOS, E. Atividade física nos distúrbios neurológicos e musculares. In: GORGATTI, M. G.; COSTA, R. F. (org.). Atividade física adaptada: qualidade de vida para pessoas com necessidades especiais. 2ed. Barueri, SP: Phorte, 2008.
MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8ed. São Paulo: HUCITEC, 2004.
MONTENEGRO, A. Historia de La China antigua. Madrid: Istimo, 1974.
MUNSTER, M. A. V. ALMEIDA, J. J. G. Atividade física e deficiência visual. In: GORGATTI, M. G.; COSTA, R. F. (org.). Atividade física adaptada: qualidade de vida para pessoas com necessidades especiais. 2ed. Barueri, SP: Phorte, 2008.
PANDAVELA, J.; GORDON, S.; GORDON, G.; JONES, C. Martial arts for quadriplegic. American Journal of Physical Medicine. v.65, n.1, p.17-29, 1986.
PATATAS, J. M. O taekwondo como modalidade paradesportiva. 2012. Dissertação (mestrado em educação física) Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas. 2012.
PEDRINELLI, A.; TEIXEIRA, W. J. Atividade física nas amputações e anomalias congênitas. In: GORGATTI, M. G.; COSTA, R. F. (org.). Atividade física adaptada: qualidade de vida para pessoas com necessidades especiais. 2ed. Barueri, SP: Phorte, 2008.
PESAVENTO, S. J. História e história cultural. 2ed. Belo Horizonte: Autentica, 2005.
PORRETA, D. L. Amputações, Nanismo e Les Autres. In: WINNICK, J. P. Educação física e esportes adaptados. Barueri, SP: Manole, 2004.
QIAN, S. M. Records of The Grand Historian of China. Translated by Burton Watson. New York: Columbia University Press Book, 1993.
QIU, B. X. Wushu Chujie. Shanghai: Shanghai Jiaoyu Chubanshe, 2006. . . : , 2006. ISBN: 7-5444-0446-3.
RIDLEY, M. Evolução. 3ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.
ROBERTS, J. A. G. A concise history of China. Cambridge: Harvard University Press, 1999.
ROBERTSON, D. Martial arts for people with disabilities: an introduction. London: Souvenir Press, 1991. ISBN: 0 285 63045 8.
ROSA, J. P. P.; RODRIGUES, D. F.; FREITAS, P. S. A prática do karatê para pessoas em cadeiras de rodas. Buenos Aires: Lecturas Educacion Física y Deportes. Ano 14, n.133, junio, 2009.
SCHERER, R. L.; RODRIGUES, L. A.; FERNANDES, L. L. Contribuição do goalball para a orientação e mobilidade sob a percepção dos atletas de goalball. Pensar a Prática. v.14, n.3, p.1-15, set./dez. 2011.
SHAHAR, M. The shaolin monastery: history, religion and the chinese martial arts. Honolulu: University of Hawai’i Press, 2008.
SILVA, J. A. B. A capoeira na formação da pessoa com deficiência visual: dificuldades e perspectiva presentes na ação pedagógica. 2008. Dissertação (mestrado em educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2008.
SPECIAL OLYMPICS Inc. Special Olympics Summer Sports Rules: Judo. 2011. Disponível em: http://media.specialolympics.org/soi/files/sports/sports_rules_2011/Judo_11.pdf. Acesso em: 01/02/2012.
TSANG, T. W. M.; KOHN, M.; CHOW, C. M.; SINGH, M. F. Health benefit os kung fu: a systematic review. Journal of Sports Science. v.26, n.12, p.1249-1267, 2008.
TEIXEIRA, L.; VANÍCOLA, M. C.; GORGATTI, M. G. Deficiência auditiva. In: TEIXEIRA, L. Atividade física adaptada e saúde: da teoria à prática. Barueri, SP: Phorte, 2008.
TERRY, C. M. The martial arts. Physical Medicine and Rehabilitation Clinics of North America. v.17, p.645-676, 2006.
THEEBOOM, M.; KNOP, P. An analysis of the development of wushu. International review for the sociology of sport. London. v.32, n.3, p.267-282, 1997.
THOMPSON, P. A voz do passado. 3ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.
THORTON, E. W.; SYKES, K. S.; TANG, W. K. Health benefitis of tai chi exercise: improved balance and blood pressure in middle-age women. Oxford University Press. Health Promotion International. v.19, n.1, 2004.
TSANG, T. W. M.; KOHN, M.; CHOW, C. M.; SINGH, M. F. Health benefits of kung fu: a systematic review. Journal of Sports Sciences. v.26, n.12, p.1249-1267, October, 2008.
WENG, C. H. D. Fundamentals of Shuai Chiao: The ancient Chinese fighting art. Ohio, USA: ISCA, 1984.
WHEELCHAIR FORM: Wu-style taijiquan series. China Association of Wushu. Wu Guanyu. Beijing, China: Beauty Media Inc, 2009. 1 DVD. ISBN: 978-7-88721-759-2.
WINNICK, J. P. Educação física e esportes adaptados. Barueri, SP: Manole, 2004.
WOODWARD, T. W. A review of the effects of martial arts practice on healt. Wisconcin Medical Journal. v.108, n.1, p.40-43, 2009.
WORLD HEALTH ORGANIZATION. Disability and health. Fact Sheet nº352, June, 2011. Disponível em: <http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs352/en/index.html>. Acesso em: 02/01/2012.
WU, B.; LI, X. D.; YU, G. B. Essentials of Chinese Wushu. Beijing: Foreign Languages Press, 1992.
VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. 4ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.
YU, G. B. Wushu exercise for life enhancement. Beijing: Foreign Languages Press, 1991.
OBRIGADO
Marcelo Moreira Antunes
antunesmm@gmail.com
Full transcript