Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Untitled Prezi

No description
by

Dandara Rayssa

on 27 May 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Untitled Prezi

DESENVOVIMENTO EMBRIONÁRIO DO SISTEMA NERVOSO - NEURULAÇÃO DIVISÕES DO SISTEMA NERVOSO MEDULA ESPINHAL TRONCO ENCEFÁLICO: ANATOMIA MACROSCÓPICA Interpõe-se entre a medula e o diencéfalo.
Muitos dos núcleos do tronco encefálico recebem ou emitem fibras nervosas que entram na constituição dos nervos cranianos.
Dos 12 pares de nervos cranianos 10 fazem conexão no tronco encefálico.
O tronco encefálico se divide em bulbo, mesencéfalo e ponte. DIENCÉFALO O diencéfalo é uma estrutura ímpar que só é vista na porção mais inferior de cérebro. ANATOMIA DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL Órgão do sistema nervoso central localizado no canal vertebral iniciando no bulbo e encerrando na L2, tem a função de receber estímulos sensitivos e retransmissão de impulso motor. MEDULA ESPINHAL: ANATOMIA DA SUBSTÂNCIA BRANCA MEDULA ESPINHAL: ANATOMIA DA SUBSTÂNCIA CINZENTA MEDULA ESPINHAL: ANATOMIA DA REGIÃO CERVICAL MEDULA ESPINHAL: ANATOMIA DA REGIÃO TORACO-LOBAR CÉLULAS DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE - UFRN
FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DO TRAIRI - FACISA
CURSO: ENFERMAGEM
DISCIPLINA: MORFOLOGIA E FISIOLOGIA HUMANA II
DOCENTE: PROF. TÚLIO MELO COMPONENTES:
Andreia Geíse
Dandara Rayssa
Karolinny Évans
Paula Thayse
Tainara Lôrena
Thaiza Gracielle
Victor Hérike TELENCÉFALO: ANATOMIA MACROSCÓPICA CEREBELO PROTEÇÃO DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL IRRIGAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL PATOLOGIAS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS DIENCÉFALO: PRINCIPAIS ESTRUTURAS Tálamo: Hipotálamo: Epitálamo: Subtálamo: Ossos: crânio e coluna vertebral. Meninges: membranas de tecido conjutivo.
Líquor: fluido aquoso e incolor. PROTEÇÃO DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL: MENINGES Dura-máter: espessa e resistente; formada por tecido conjuntivo rico em colágeno. Encefálica: dois folhetos
Medular: único folheto PROTEÇÃO DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL: MENINGES Aracnóide-máter: muito delicada. PROTEÇÃO DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL: MENINGES Pia-máter: está intimamente aderida à superficie do encéfalo e da medula. PROTEÇÃO DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL: LÍQUOR Líquor: ocupa o espaço subaracnóide e as cavidades ventriculares. 3º ventrículo: Tecido Nervoso: Neurônios
Neuroglia Neurônios: são células altamente excitáveis, que se comunicam entre si ou com células efetuadoras através de sinapses. Dividido em: Corpo celular
Dendritos
Axônio CÉLULAS DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL: NEURÔNIOS Classificação: Sinapses: Quimica
Elétrica
Mista CÉLULAS DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL: NEURÓGLIA Células derivadas do neuroectoderma, que se relacionam com os neurônios .
Tipos: Astrocitos
Oligodendrócitos
Microglia
Celulas ependimárias Astrocitos: possui formato estrelado, com inúmeros prolongamentos. CÉLULAS DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL: NEURÓGLIA Oligodendrócitos: são menores que os astrocitos e possuem poucos prolongamentos. Microglia: células pequenas e alongadas, semelhantes a arvores. Celulas ependimárias: células cuboide ou prismáticas remanescestes do neuroepitelio. O telencéfalo compreende os dois hemisférios cerebrais e uma pequena parte mediana situada na porção anterior do III ventrículo. Os hemisférios são incompletamente separados pela fissura longitudinal do cérebro.
O assoalho desta fissura é formado pelo corpo caloso (larga faixa de fibras comissurais e principal meio de união entre os hemisférios). TELENCÉFALO: ANATOMIA MACROSCÓPICA Cada hemisfério possui três pólos e três faces TELENCÉFALO: ANATOMIA MACROSCÓPICA Sulcos e Giros Giros ou circunvoluções cerebrais.
Sulcos: aumento de superfície sem aumento do volume.
Sulco lateral: separa lobo temporal dos lobos frontal e parietal. Ramos ascendente, anterior e posterior. Sulco central: separa os lobos frontal e parietal. É ladeado por dois giros paralelos (giro pré-central e giro pós-central).
Areas situadas diante deste sulco se relacionam com a motricidade, e as areas situadas atrás deste sulco se relacionam com a sensibilidade. Os sulcos ajudam a delimitar os lobos cerebrais: TELENCÉFALO: ANATOMIA MACROSCÓPICA Morfologia dos Hemisférios Cerebrais: TELENCÉFALO: ANATOMIA MACROSCÓPICA Face Súpero-lateral
Lobo Frontal
Sulcos: Sulco pré-central
Sulco frontal superior
Sulco frontal inferior Giros: Giro pré-central
Giro frontal superior
Giro frontal médio
Giro frontal inferior: parte orbital, parte triangular e parte opercular. Face Súpero-lateral
Lobo Temporal
Sulcos: TELENCÉFALO: ANATOMIA MACROSCÓPICA Morfologia dos Hemisférios Cerebrais Sulco temporal superior Sulco temporal inferior Giros: Giro temporal superior
Giro temporal médio
Giro temporal inferior
Giro temporal transverso anterior – nele se localiza o centro cortical da audição. Sulco pós-central
Sulco intraparietal TELENCÉFALO: ANATOMIA MACROSCÓPICA Morfologia dos Hemisférios Cerebrais: Face Súpero-lateral
Lobo Parietal
Sulcos: Giros: Giro pós-central (localiza a área somestésica)
Giro supramarginal
Giro angular Lobo Occipital
Ínsula Corpo Caloso: tronco , esplênio, joelho e rostro.
Fórnix Giros: corpo, colunas e pernas.
Septo Pelúcido
Lobos Frontal e Parietal Morfologia dos Hemisférios Cerebrais: Face Medial
Lobo Parietal Sulcos: Sulco do corpo caloso
Sulco do cíngulo
Sulco paracentral Giros: Giro do cíngulo
Lóbulo paracentral (áreas motora e sensitiva relacionadas com a perna e o pé) TELENCÉFALO: ANATOMIA MACROSCÓPICA TELENCÉFALO: ANATOMIA MACROSCÓPICA TELENCÉFALO: ANATOMIA MACROSCÓPICA Sulco calcarino – centro cortical da visão
Sulco parieto-occipital Face Medial
Lobo Occpital
Sulcos: Giros: Cúneos – Pré-cúneos
Giro occípito temporal medial Sulco occípito-temporal
Sulco colateral
Sulco do hipocampo Morfologia dos Hemisférios Cerebrais: Face Inferior
Lobo Occpital
Sulcos: Giros: Giro temporal inferior
Giro occípito temporal lateral
Giro occípito temporal medial
Giro Para-hipocampal
Úncus
Istmo do giro do cíngulo TELENCÉFALO: ANATOMIA MACROSCÓPICA TELENCÉFALO: ANATOMIA MACROSCÓPICA Sulco olfatório
Giro Reto
Sulcos e giros orbitários Morfologia dos Hemisférios Cerebrais: Face Inferior
Lobo Frontal Bulbo olfatório
Tracto olfatório
Estrias olfatórias medial e lateral
Substancia perfurada anterior TELENCÉFALO: ANATOMIA MACROSCÓPICA TELENCÉFALO: ANATOMIA MACROSCÓPICA TELENCÉFALO: ANATOMIA MACROSCÓPICA TELENCÉFALO: ANATOMIA MACROSCÓPICA Morfologia dos ventrículos laterais: os hemisférios cerebrais possuem cavidades revestidas de epêndima e contendo liquido cerebro-espinhal. Ventrículos laterais Parte central
Corno frontal
Corno occipital
Corno temporal Trígono colateral
Forame interventricular
Plexos corióides Organização interna dos Hemisférios Cerebrais Córtex Cerebral
Núcleos da Base Núcleo caudado
Núcleo lentiforme
Claustrum
Corpo amigdalóide
Núcleo accumbens
Núcleo Basal de Meynert Centro Branco Medular do Cérebro Fibras de projeção - Ligam o córtex a centros subcorticais.
Fibras de associação - Ligam áreas corticais em pontos diferentes. Doença de Parkinson DOENÇA DE PARKINSON Mal de Parkinson: Causas: DOENÇA DE PARKINSON A causa mais evidente da doença é a deficiência ou degeneração dos neurônios da substancia Negra (ou nigra), porém não se sabe exatamente qual fator que provoca essa degeneração. É uma doença neurológica, degenerativa, crônica e progressiva, que acomete em geral pessoas idosas. Sua progressão é lenta, levando a incapacidade. Dopamina DOENÇA DE PARKINSON Sintomas Tremores
Bradicinésia
Diminuição ou desaparecimento de movimentos automáticos.
Constipação intestinal
Dificuldade de deglutição
Equilíbrio e caminhar comprometidos
Falta de expressão no rosto
Perda da motricidade fina
Andar arrastado
Fraqueza óssea. O diagnóstico da doença de Parkinson é feito por exclusão. Exames como eletroencefalograma, tomografia computadorizada, ressonância magnética, entre outros, normalmente são pedidos pelos médicos para ter certeza de que o paciente não possui nenhuma outra doença cerebral DOENÇA DE PARKINSON Diagnóstico DOENÇA DE PARKINSON Tratamento Medicamentos: levodopa e carbidopa.
Fisioterapia
Terapia ocupacional
Fonoaudiologia
Tratamento cirurgico Embora a cirurgia proporcione algum alívio em pacientes selecionados, não se demonstrou que ela altera a evolução da doença ou produza melhora permanente. Doença de Alzheimer DOENÇA DE ALZHEIMER DOENÇA DE ALZHEIMER DOENÇA DE ALZHEIMER DOENÇA DE ALZHEIMER DOENÇA DE ALZHEIMER Mal de Alzheimer A doença de Alzheimer é um distúrbio neurodegenerativo, progressivo e geralmente de longa evolução. É uma forma de demência, um transtorno cerebral complexo causado por uma combinação de diversos fatores. Classificada em 3 estágios: Causas Caracteriza-se pela perda progressiva de células neurais. Há um acúmulo anômalo de algumas proteínas no tecido cerebral que provoca a morte dos neurônios. Sintomas O sintoma mais comum é a perda de memória.
Irritabilidade
Agressividade
Falhas na linguagem
Confusão mental
Alterações de humor. Diagnóstico Exame físico e através de perguntas ao paciente ou familiar.
Análise do sangue, urina ou liquido cefalorraquidiano. Ainda não existe uma cura para o mal de Alzheimer. Os tratamentos paliativos existentes visam retardar o avanço da doença e gerenciar os problemas de comportamento, de sono, etc. Tratamento TRONCO ENCEFÁLICO: ANATOMIA MACROSCÓPICA TRONCO ENCEFÁLICO: ANATOMIA MACROSCÓPICA TRONCO ENCEFÁLICO: ANATOMIA MACROSCÓPICA TRONCO ENCEFÁLICO: ANATOMIA MACROSCÓPICA TRONCO ENCEFÁLICO: ANATOMIA MACROSCÓPICA TRONCO ENCEFÁLICO: ANATOMIA MACROSCÓPICA BULBO (Medula Oblonga)
Tem como limite superior o sulco bulbo-pontino.
Considera-se que o limite inferior (medula e bulbo) está em um plano horizontal que passa acima do filamento radicular mais cranial d primeiro nervo cervical (forame magno do osso occipital).
PONTE

Situada ventralmente ao cerebelo e repousa sobre a parte basilar do osso occipital e o dorso da sela túrcica do esfenóide.
Interposta entre o bulbo e o mesencéfalo.
A parte ventral da ponte é separada do bulbo pelo sulco bulbo-pontino.
A parte dorsal da ponte juntamente com a parte dorsal da porção aberta do bulbo constituem o assoalho do IV ventrículo. MESENCÉFALO
Interpõe-se entre a ponte e o cerebro.É atravessado pelo aqueduto cerebral, que une o II ao IV ventrículo.
A parte situada dorsalmente ao aqueduto é o tecto do mesencéfalo.
MACHADO, A. Neuroanatomia Funcional. 2º edição. Editora Atheneu.
O cerebelo é um órgão do sistema nervoso, que deriva da parte dorsal do metencéfalo e fica situado dorsalmente ao bulbo e a ponte, forma o teto do 4º ventrículo, as funções do cerebelo são relacionadas com o equilíbrio e o movimento do corpo. CEREBELO CEREBELO CEREBELO CEREBELO Dois Hemisférios Área Central Três Lobos Duas fissuras Três pares de pedúnculos CEREBELO
Full transcript