Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Copy of Copy of Copy of AIDS e Doença de Hodgkin

No description
by

Marcela Balsano

on 13 September 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Copy of Copy of Copy of AIDS e Doença de Hodgkin

Doença do sistema linfático;
Presença de um tipo característico de célula - célula de Reed-Sternberg- linfócitos cancerosos grandes com mais de um núcleo;
Pode iniciar em qualquer local- principalmente inicia nas axilas, tórax e pescoço;
Se dissemina de forma ordenada;

Diagnóstico Diferencial
AIDS e Doença de Hodgkin
AIDS
O Brasil possui aproximadamente 657000 casos de AIDS registrados.
No ano de 2014 foram notificados 8.563 casos no país, em Joinville foram notificados 76 casos.

Notificação
Portaria publicada pelo Ministério da Saúde em de 6 de junho de 2014 define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública.
Até então, a notificação compulsória valia somente a partir do momento em que o paciente começava a manifestar os sintomas da Aids.

Notificação
A obrigatoriedade da notificação dos casos de infecção pelo HIV era restrita a alguns casos.
A partir da nova portaria a notificação terá de ser feita semanalmente tanto em serviços públicos quanto em serviços privados.
Pessoas com infecção pelo HIV diagnosticadas anteriormente à publicação da Portaria serão notificadas à medida que comparecerem à rede de serviços de saúde.


Conjunto de atividades que permite reunir a informação indispensável para conhecer, a qualquer momento, o comportamento ou história natural das doenças
A vigilância epidemiológica da aids, se baseaia em informações fornecidas pela notificação de casos (SINAN) e óbitos (SIM);
Se baseia também nos dados dos sistemas particulares: Sistema de Controle de Exames Laboratoriais (SICEL) e Sistema de Controle Logístico de Medicamentos (SICLOM).
Os objetivos das ações de prevenção e controle do HIV/aids são prevenir a transmissão e disseminação do HIV.
Reduzir a morbimortalidade associada à aids.
Proposito acompanhar a tendência temporal e espacial da doença, de infecções, e comportamentos de risco, visando orientar aquelas ações.

Abordagem inicial do adulto infectado pelo HIV
Preparação do paciente para o tratamento

Uso de preservativo;
Utilizar seringas e agulhas descartáveis;
Usar luvas para manipular feridas ou líquidos corporais;
Testar previamente sangue e hemoderivados para transfusão;
Seguir o tratamento da AIDS durante a gravidez para evitar a contaminação do bebê (antirretrovirais);

Quando começar

Onde fazer

Medicamentos

Efeitos colaterais

Coquetel de medicamentos

AZT – Zidovudina

DDI – Didanosina

DDC – Zalcitabina

3 TC – Lamivudina

D4T - Estavudina

LH com predominância linfocitária nodular


LH clássico - mais comum - 95% dos casos
- esclerose nodular
- celuridade mista
- predominio linfocitário
- depleção linfocitária

Sintomas:
Febre (38ºC)
Sudorese noturna
Perda de peso (10% do peso regular em um período de 6 meses)
Linfadenopatia não dolorosa (geralmente cervicais e axilares)

DIAGNÓSTICO
Histórico clínico
Exame físico – busca por focos infecciosos próximos aos linfonodos;
Cintigrafia com Gálio;
Biópsia obrigatória para confirmação do diagnóstico;

Tratamento:
Fatores:
- Idade
- Estágio da doença
- Estado clínico geral
- Localização

Podem ser:
- Quimioterapia
- Radioterapia
- Anticorpos monoclonais
- Quimioterapia de altas doses com transplante de medula


Tratamento
Profissionais envolvidos:
- Hematologista
- Oncologista
- Radioterapeuta
- Enfermeiros
- Nutricionistas
- Assistentes sociais

Linfoma com distribuição bimodal :
- Primeiro pico aos 20 anos
- Segundo pico aos 65 anos
Mais comum na idade adulta jovem-25-30 anos;
Estimativa de 1.300 casos novos em 2014 no Brasil;
Corresponde a 2% dos tipos de câncer que acometem as mulheres (INCA, 2014);


Fatores de risco:
Vírus do Epstein-Barr
Uso de tabaco
Uso de imunossupressores (pacientes transplantados, tratamento com imunossupressores)

Vigilância epidemiológica

Papel da vigilancia
Conduta
A realidade através do cinema
PREVENÇÃO
Tratamento
Medicamentos
Linfoma de Hodgkin
Epidemiologia:

Imundoficiências de outras etiologias:
Uso de corticoesteróides (prolongado ou em altas doses)
Tratamentos com imunossupressores (quimioterapia, radioterapia);
Algumas doenças:doença de Hodgkin, leucemias linfocíticas, mieloma múltiplo e síndrome de imunodeficiência genética;


Prevenção
Linfoma de Hodgkin
Referências
INCA, Estimativa da Incidência de Câncer no Brasil, 2014.Disponível em: <http://www.inca.gov.br/estimativa/2014/tabelaestados.asp?UF=BR>

INCA, Linfoma de Hodking, 2015. Disponível em: <http://www.inca.gov.br/conteudo_view.asp?id=458>

MEDICINA.Net, Linfoma de Hodking, sd. Disponível em:<http://www.medicinanet.com.br/conteudos/revisoes/5886/linfoma_de_hodgkin_e_nao_hodgkin.htm >

CREMESP. AIDS E ÉTICA MÉDICA. CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO, 2001. DISPONÍVEL: HTTP://GOO.GL/0FWDHP ACESSO: 08/09/2015

MINISTÉRIO DA SAÚDE DO BRASIL – SECRETARIA DE POLÍTICAS DE SAÚDE – COORDENAÇÃO NACIONAL DE DST E AIDS. RECOMENDAÇÕES PARA TERAPIA ANTI-RETROVIRAL EM ADULTOS E ADOLESCENTES INFECTADOS PELO HIV – 2001. DISPONÍVEL: HTTP://GOO.GL/LIGNTY ACESSO: 08/09/2015

CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. UPDATED U.S. PUBLIC HEALTH SERVICE GUIDELINES FOR THE MANAGEMENT OF OCCUPATIONAL EXPOSURES TO HBV,HCV, AND HIV AND RECOMMENDATIONS FOR POST EXPOSURE PROPHYLAXIS. MMWR 2001;50 (RR-11):1-52.

DEPARTAMENTO DE DST, AIDS E HEPATITES VIRAIS. PORTAL SOBRE AIDS, DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HEPATITES VIRAIS. DISPONÍVEL: HTTP://GOO.GL/RMG8A ACESSO: 08/09/2015

UCSF. COMPREHENSIVE, UP-TO-DATE INFORMATION ON HIV/AIDS TREATMENT, PREVENTION, AND POLICY FROM THE UNIVERSITY OF CALIFORNIA SAN FRANCISCO. DISPINÍVEL: HTTP://GOO.GL/V1Y56O ACESSO: 08/09/2015

AVERT. HIV AND AIDS CHARITY. DISPONÍVEL: HTTP://GOO.GL/KRXXZU ACESSO: 08/09/2015

GIA. HBO. 1998. DISPONÍVEL: HTTPS://GOO.GL/5B8NZI ACESSO: 08/09/2015

DALLAS BUYERS CLUB. 2014. DISPONÍVEL: HTTP://GOO.GL/SZDGZ8 ACESSO: 08/09/2015

PHILADELPHIA. 1993. DISPONÍVEL: HTTPS://GOO.GL/P1ERST ACESSO: 08/09/2015

HOW TO SURVIVE A PLAGUE. 2013. DISPONÍVEL: HTTP://GOO.GL/TSMPQ ACESSO: 08/09/2015

Full transcript