Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL

No description
by

Higor Ferreira

on 10 October 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL

Guerra de Trincheiras
Guerra de Trincheiras
Tática largamente utilizada ao longo da GRANDE GUERRA
TRÍPLICE ENTENTE
TRÍPLICE ALIANÇA
Inglaterra
França
Rússia
Alemanha
Império Austro-Húngaro
Itália
Sai em 1917 em função
de problemas internos
Troca de lado alegando
que sua aliança era
defensiva. A adesão à
Entente se dá por interesses
econômicos
Brasil entra ao lado da Entente
A princípio seguia neutralidade.
Reforço com a entrada
dos EUA em 1917
MOTIVAÇÕES

Briga por zonas de influência
Nacionalismo
Diplomacia ineficiente pra evitar a guerra
Revanchismo
Disponibilidade de armamentos

http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u466290.shtml
Fonte:
O presidente americano Woodrow Wilson (1913-1921) foi um dos personagens centrais no processo de paz que sucedeu a Primeira Guerra (1914-1918). Foi Wilson quem redigiu o
tratado dos 14 pontos
que determinou as diretrizes para a paz e foi o embrião da Liga das Nações, o primeiro esforço diplomático global. Por seu trabalho com o tratado, o americano ganhou o Nobel da Paz de 1919.


1) Inaugurar pactos de paz, depois dos quais não deverá haver acordos diplomáticos secretos, mas sim diplomacia franca e sob os olhos públicos;

2) Liberdade absoluta de navegação nos mares e águas fora do território nacional, tanto na paz quanto na guerra, com exceção dos mares fechados completamente ou em parte por ação internacional em cumprimento de pactos internacionais;

3) Abolição, na medida do possível, de todas as barreiras econômicas entre os países e o estabelecimento de uma igualdade das condições de comércio entre todas as nações que consentem com a paz e com a associação multilateral;

4) Garantias adequadas da redução dos armamentos nacionais até o menor nível necessário para garantir a segurança nacional;

5) Um reajuste livre, aberto e absolutamente imparcial da política colonialista, baseado na observação estrita do princípio de que a soberania dos interesses das populações colonizadas deve ter o mesmo peso dos pedidos equiparáveis das nações colonizadoras;

6) Retirada dos Exércitos do território russo e solução de todas as questões envolvendo a Rússia, visando assegurar melhor cooperação com outras nações do mundo. O tratamento dispensado à Rússia por suas nações irmãs será o teste de sua boa vontade, da compreensão de suas necessidades como distintas de seus próprios interesses e de sua simpatia inteligente e altruísta;

7) Bélgica, o mundo inteiro concordará, precisa ser restaurada, sem qualquer tentativa de limitar sua soberania a qual ela tem direito assim como as outras nações livres;

8) Todo território francês deve ser libertado e as partes invadidas restauradas. O mal feito à França pela Prússia, em 1871, na questão da Alsácia e Lorena, deve ser desfeito para que a paz possa ser garantida mais uma vez, no interesse de todos;

9) Reajuste das fronteiras italianas, respeitando linhas reconhecidas de nacionalidade;

10) Reconhecimento do direito ao desenvolvimento autônomo dos povos da Áustria-Hungria, cujo lugar entre as nações queremos ver assegurado e salvaguardado;

11) Retirada das tropas estrangeiras da Romênia, da Sérvia e de Montenegro, restauração dos territórios invadidos e o direito de acesso ao mar para a Sérvia;

12) Reconhecimento da autonomia da parte da Turquia dentro do Império Otomano e a abertura permanente do estreito de Dardanelos como passagem livre aos navios e ao comércio de todas as nações, sob garantias internacionais;

13) Independência da Polônia, incluindo os territórios habitados por população polonesa, que devem ter acesso seguro e livre ao mar;

14) Criação de uma associação geral sob pactos específicos para o propósito de fornecer garantias mútuas de independência política e integridade territorial dos grandes e pequenos Estados.
LIGA DAS NAÇÕES
O TRATADO DE VERSALHES
Tratado que encerra de modo definitivo a Grande Guerra.
Sendo produzido pelos vencedores, o tratado obrigou a Alemanha a reconhecer toda a responsabilidade pelos violentos conflitos que abalaram a Europa, o que desmoralizava o país e os seus cidadãos.
EM QUE MEDIDA ESSA VISÃO NÃO ACABA SENDO REPRODUZIDA E PERPETUADA EM NOSSO COTIDIANO?
Houve por parte dos EUA certa resistência a aquilo que entenderam como os 'exageros' cometidos pelo Tratado
A derrota não é bem digerida pela Alemanha, que acabou sendo compreendida enquanto a vilã da Guerra.
Ao invés de uma tentativa de instaurar uma paz sem vencedores, o Tratado, em certa medida, assume vilões
As pesadas imposições sobre a Alemanha inviabilizaram que o clima de paz, que se esperava alcançar, acontecesse
EQUILÍBRIO POLÍTICO
SENSO DE PAZ E JUSTIÇA
Garantir a diplomacia constante, bem como evitar futuros conflitos
INFLAÇÃO
SENTIMENTO DE REVANCHISMO
Surgem, mais adiante, os chamados regimes totalitários.
SISTEMA POLÍTICO EM QUE O ESTADO NÃO RECONHECE LIMITES NO SEU EXERCÍCIO
Diminição dos direitos individuais
Censura aos meios de comunicação
Propaganda que visa exaltar a figura de um líder ou de um partido
Uso de força militar como aparelho de repressão
ALEMANHA
Nazismo
Não representa o fim da propriedade privada
Tem apoio dos setores industriais
A religião não é suprimida
“Os camponeses partem para o front com incrível entusiasmo; e as classes superiores da sociedade, quer sejam liberais ou conservadoras, os aclamam, desejando-lhes boa sorte […] Habitualmente, os camponeses sentiam que não tinham nada a fazer a não ser beber; mas agora não é mais assim. É como se a guerra lhes desse uma razão para viver […] No ardor dos soldados russos se percebe o entusiasmo que agita o coração dos antigos mártires se lançando para a morte gloriosa.”

LE BON, Gustave. 1916 apud JANOTTI, Maria de Lourdes. A Primeira Guerra Mundial. O confronto de imperialismos. São Paulo: Atual, 1992. p.17.



"A mesma velha trincheira, a mesma paisagem,
Os mesmos ratos, crescendo como mato,
Os mesmos abrigos, nada de novo,
Os mesmos e velhos cheiros, tudo na mesma,
Os mesmos cadáveres no front,
A mesma metralha, das duas às quatro,
Como sempre cavando, como sempre caçando,
A mesma velha guerra dos diabos."
(soldado inglês)

"Estamos tão exaustos que dormimos, mesmo sob intenso barulho. A melhor coisa que poderia acontecer seria os ingleses avançarem e nos fazerem prisioneiros. Ninguém se importa conosco. Não seremos substituídos. Os aviões lançam projéteis sobre nós. Ninguém mais consegue pensar. As rações estão esgotadas - pão, conservas, biscoitos, tudo terminou! Não há uma única gota de água. É o próprio inferno."
(soldado alemão)

“Após um ano de massacre, o caráter imperialista da guerra cada vez mais se afirmou; essa é a prova de que suas causas encontram-se na política imperialista e colonial de todos os governos responsáveis pelo desencadeamento desta carnificina. […] Hoje, mais do que nunca, devemos nos opor a essas pretensões anexionistas e lutar pelo fim desta guerra […] que provocou misérias tão intensas entre os trabalhadores de todos os países.”

CONFERÊNCIA DE ZIMMERWALD - 5 a 8 de setembro de 1915. Apud JANOTTI, Maria de Lourdes. A Primeira Guerra Mundial. O confronto de imperialismos. São Paulo: Atual, 1992. [Adaptado].

A GRANDE GUERRA
e o freio à prosperidade europeia
Belle Époque
Expressão que é usada para designar o clima europeu de prosperidade
(para quem?)
e avanço intelectual e artístico ao longo do último quartel do século XIX até 1914, ano do início da chamada
Grande Guerra
AVANÇO MATERIAL E INTELECTUAL
telefone
crescimento das ferrovias
automóvel
navio a vapor
uso do petróleo e eletricidade como formas de energia
vacinação
maiores sistemas de saneamento básico
parques de diversão e cinemas
cafés e clubes literários
avanço do mercado editorial e da publicação de livros
refinamento dos costumes
FORMAÇÃO DE ALIANÇAS
HAVIA ARES DE TENSÃO
disputas imperialistas
crescimento de ideologias nacionalistas
produção de armamento
briga por autonomia política (tchecos, bósnios, eslovacos, sérvios, croatas e romenos)

Paneslavismo
Pangermanismo
União dos povos de origem eslava
União dos povos de origem germânica
paneslavismo russo
paneslavismo sérvio
O ESTOPIM
Selo da organização sérvia Mão negra que tinha conexões com grupos pan-eslavistas e que apresentava forte ideologia nacionalista. Um dos seus objetivos era a unificação dos povos eslavos que habitavam na região balcânica.
Assassinato do herdeiro do Império Austro-Húngaro
FRANCISCO
FERDINANDO
Ataque de um movimento nacionalista sérvio: Mão Negra
Relato de Rudolf Binding (alemão)

O campo de batalha é terrível. Há um cheiro azedo, pesado e penetrante de cadáveres. Homens que foram mortos no último outubro estão meio afundados no pântano e nos campos de nabo em crescimento. As pernas de um soldado inglês, ainda envoltas em polainas, irrompem de uma trincheira, o corpo está empilhado com os outros; um soldado apóia seu rifle sobre eles. Um pequeno veio de água corre através da trincheira, e todo mundo usa a água para beber e se lavar; é a única água disponível. Ninguém se importa com o inglês pálido que apodrece alguns passos adiante. No cemitério de Langermak, os restos de uma matança foram empilhados e os mortos ficaram acima do nível do chão. As bombas alemãs, caindo sobre o cemitério, provocam uma horrível ressurreição.
Num determinado momento, eu vi 22 cavalos mortos, ainda com os arreios. Gado e porcos jaziam em cima, meio apodrecidos. Avenidas rasgadas no solo, inúmeras crateras nas estradas e nos campos.

Fonte: Extraído de: Rudolf Binding. Um fatalista na guerra. Em: Adhemar M. Marques, Flávio Berutti e Ricardo Faria. História contemporânea através de textos. 3. ed. São Paulo, Contexto, 1994, p. 119.

Trecho do diário de Piete Kuhr (alemã)

[...] Os combates persistem com selvageria por todo o front oriental. Ao longo de toda a extensão de quase quatrocentos quilômetros a luta segue furiosa. Se ficarmos bem parados e prestarmos atenção, é possível sentir o chão tremendo levemente sob nossos pés. É uma sensação esquisita. Colunas inteiras de refugiados da Prússia Oriental passaram pela cidade. Muitos estão chorando. Mas outros ficam bem quietos. Há mães com crianças bem pequenas. Elas metem as crianças sob os xales e as deixam mamar. Os traseiros dos pequeninos estão assados porque as mães não têm fraldas suficientes para poder secá-las. Nós rasgamos antigos lençóis e camisas e demos a elas os retalhos para que embrulhem os bebês. [...]
FILIPOVIC, Zlata; Challenger, Melanie (org). Vozes roubadas: diários de guerra. São Paulo: Companhia das Letras, 2008. http://www.historiacast.com.br/2010/03/relatos-de-guerra-v-primeira-guerra.html

OUTROS RELATOS, COMENTÁRIOS E IMAGENS
("
A Sérvia deve morrer!
"), caricatura mostrando a mão austríaca esmagando um terrorista sérvio.
Data: 1914.

Fonte: http://www.historia.uff.br/nec/materia/primeira-guerra-mundial/fontes-primarias

Poster de Alfred Leete (1882–1933)
Recrutamento de britânicos para a guerra, a exemplo da onda nacionalista que varria o continente europeu.
http://nl.wikipedia.org/wiki/Bestand:Kitchener-leete.jpg
Full transcript