Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Hormonios da Saciedade

Fisiologia II
by

on 21 May 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Hormonios da Saciedade

A sensação de saciedade envolve mecanismos de sinalização centrais e periféricos, com participação de várias substâncias, sendo as mais estudadas até agora a Leptina, a Grelina, a Insulina, os hormônios intestinais CCK e PYY. Juntos, também atuando nesse processo os receptores de Serotonina e Endocanabinoides.
A fome e a saciedade resultam do equilíbrio entre os hormônios que aumentam e reduzem a vontade de comer.
Saciedade
O comportamento alimentar é controlado pelas sensações de fome, apetite e saciedade e estas são decorrentes da interação de diversos fatores tais como hábito, disponibilidade de alimentos, fatores sociais e culturais, ritmo circadiano e da interação de diversos sinais fisiológicos de regulação.
Insulina
A Insulina é um hormônio produzido pelas células beta do pâncreas, e a sua concentração sérica (quantidade disponível da corrente sanguínea), assim como a da Leptina, é proporcional à adiposidade. Com seu efeito anabólico, a insulina aumenta a captação de glicose, e a queda da glicemia é um estímulo para o aumento do apetite. Estudos experimentais demonstraram que a insulina tem uma função essencial no sistema nervoso central para incitar a saciedade, aumentar o gasto energético e regular a ação da leptina. A insulina incita a saciedade por aumentar os efeitos anorexígenos da colecistoquinina, reduzindo dessa forma a ingestão de alimentos.
Leptina
É o hormônio produzido pelas células do tecido adiposo, responsável pelo controle da ingestão alimentar que atua nas células neurais do hipotálamo. Sua ação promove a redução do consumo de alimentos e aumenta o gasto energético, além de regular a função neuroendócrina, o metabolismo de glicose e de gorduras, sendo assim, é o responsável pela sensação de saciedade.
Fisiologia
Hormonios da Saciedade
Grelina
A Grelina, além de participar da secreção do GH, começou a ser estudada para identificação de possíveis outras funções no organismo humano. A primeira grande atribuição identificada para este hormônio foi o de ser um sinalizador para a necessidade de ingestão alimentar, sendo assim um antagonista ao hormônio Leptina. Ela é produzida e secretada no estômago. No organismo humano a grelina está envolvida na regulação central da ingestão alimentar e balanço energético, suas funções se dividem em estimular o apetite, a adipogênese e na redução da taxa metabólica.
Colecistoquinina - CCK
É um hormônio produzido e secretado no duodeno (porção inicial do intestino delgado) e jejuno devido à presença de proteínas e gorduras oriundas da refeição, e é responsável pela sensação de saciedade. O hormônio atua também estimulando o esvaziamento gástrico, por induzir as secreções pancreáticas, biliares e na contração vesicular. Pode influenciar no nível de secreção insulínica e diminuição do nível de glicose. A colecistoquinina (CCK), liberada na corrente sanguínea pelas células do duodeno, estimula o centro de saciedade a impedir a ingestão exagerada de calorias.
Pepitídeo YY (PYY)
O Peptídeo Tirosina Tirosina,também chamado de Peptídeo YY (PYY), é um peptídeo curto (36-aminoácidos) liberado pelas células do íleo e do cólon e seus níveis no sangue se elevam em resposta a alimentação. Suas concentrações plasmáticas aumentam, em aproximadamente, 30 minutos após a ingestão e não são alteradas pelo consumo de água.
E assim como a maioria dos hormônios envolvidos no processo de regulação do apetite, o peptídeo YY tem como tecido-alvo o sistema nervoso central, mais especificamente o hipotálamo, atuando em uma região conhecida como núcleo arqueado. Também retarda o esvaziamento gástrico, provoca a inibição da secreção gástrica e pancreática e promove uma maior absorção no íleo de fluidos e eletrólitos.
O PYY, assim como a leptina ( famosa adipocina), atua nas células orexigênicas inibindo a liberação do neuropeptídeo Y, enviando o sinal de saciedade ao cérebro e assim reduzindo o apetite.


Receptores
Serotonina
De modo geral a serotonina regula o humor, o sono, a atividade sexual, o apetite, o ritmo circadiano, as funções neuroendócrinas, temperatura corporal, sensibilidade à dor, atividade motora e funções cognitivas.
Conhecido também como receptor 5-HT2C, é o mais importante na relação entre ingestão alimentar e balanço energético.
Alterações nos níveis de 5-HT (baixos níveis ou problema de sinalização com o receptor) tem sido relacionado ao aumento do desejo de ingerir doces e carboidratos. Com quantidades normais, a pessoa atinge mais facilmente saciedade e consegue maior controle na ingestão de açúcares. Os níveis adequados deste neurotransmissor no cérebro depende da ingestão alimentar de triptofano( aa. percursor de seratonina) e de carboidratos.
Endocanabinoide
O sistema endocanabinóide é um sistema de sinalização endógena que atua fisiologicamente na regulação da homeostase energética e no metabolismo de lípides e hidratos de carbono. A hiperativação do sistema endocanabinóide não só causa aumento de peso como pode induzir fenótipos dislipidêmicos e disglicêmicos. Ou seja, esse distem funciona como demanda, quanto mais ativado estiver, mais o organismo armazenará energia sob forma de gordura.

OBS: Receptores Canabinóides – os Endocanabinóides – a anandamida (N-araquidonoil etanolamina) e o 2-araquidonoil glicerol (2-AG) são, entre os canabinóides endógenos, os mais exaustivamente estudados.
Biomedicina
Nomes:
Adriane Estaianov
Eliene Leite
Jane Cardoso
Priscila Camin
Thais Menegassi

Prof. Rullian - Fisiologia II

Integrantes do Grupo
Full transcript