Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

HISTÓRICO DA EMBRIOLOGIA

No description
by

Monique Lima

on 23 August 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of HISTÓRICO DA EMBRIOLOGIA

HISTÓRICO DA EMBRIOLOGIA
Disciplina: Genética e Embriologia

Docente: André Fonseca

Discentes: Carla Pedron, Gabriel Martins, Jullyana Jannarelli, Leidiane Santos, Monique Lima e Therezinha Fiorezane

Visões Antigas
O interesse em saber como se desenvolvem e nascem, bem como descobrir o motivo do desenvolvimento anormal, fizeram com que os povos antigos desenvolvessem muitas respostas para esses eventos.
(MOORE et al. 1990)
Embriologia
Refere-se ao estudo dos embriões;

Abrange o desenvolvimento pré-natal do embrião e do feto.

Desenvolvimento anatômico;

Teratologia;
3.000 a. C.
Egípcios conheciam métodos de incubação de ovos de aves e acreditavam que a alma entrava na criança ao nascimento, através da placenta.

Akhnaton elegeu o Deus sol Aton como criador do germe na mulher, quem fabrica a semente no homem e dá a vida ao filho no ventre materno.
1416 a. C.
Um breve tratado sânscrito Indiano sobre embriologia descreve ideias sobre o embrião:

“ Da conjugação de sangue e sêmen o embrião começa sua existência. Durante o período favorável para a concepção, após o intercurso sexual, torna-se um Kalada (embrião 1 dia). Após sete noites, se torna uma vesícula. Após uma quinzena, se torna uma massa esférica. Depois de dois meses, surgem as regiões dos membros.”
Primeiros estudos registrados
Os Estudiosos gregos fizeram muitas contribuições importantes à ciência da embriologia.
460 – 377 a.C.
Os primeiros estudos embriológicos
registrados estão nos livros de Hipócrates de Cós:

“Pegue 20 ou mais ovos e ponha para chocar por duas ou três galinhas. A cada dia, a partir do segundo dia de incubação, retire um ovo, quebre-o e o examine. Você encontrará exatamente como eu digo, pois a natureza da ave pode ser comparada à do homem.”
384-322 a.C.
Aristóteles de Estagira descreveu
o desenvolvimento do embrião de
galinha e outros.

Ideia de que o embrião surgia a partir do sangue menstrual após ativação pelo sêmen masculino.

Depois formava uma massa amorfa com alma nutritiva e todas as partes do corpo (epigênese).

130 - 201 a.C.
Cláudio Galeno, médico cientista de Roma, escreveu um livro descrevendo desenvolvimento e nutrição de fetos e algumas estruturas como alantoide, âmnio e placenta.
2 séculos d.C.
O médico judeu Samuel-ha-Yehudi, descreveu no Talmude, seis estágios na formação do embrião a partir de uma “coisa amorfa, enroscada”.

Os rabinos acreditavam que:
Os ossos, tendões, unhas, medula e o branco do olho eram derivados do pai “o qual semeia o branco”

A pele, a carne, o sangue e o cabelo eram derivados da mãe, “a qual semeia o vermelho”.
Idade Média
Poucos pontos de investigação embriológica realizada durante esse tempo são conhecidos.
700 d. C
Segundo o livro sagrado do Islã (Alcorão) os seres humanos são produzidos a partir da mistura de secreções femininas e masculinas.

O resultado desta mistura se instala no útero 6 dias após seu início do desenvolvimento.

Descreve que tem aparência de sanguessuga.
1020-1087 d.C
Constantinus Africanus de Salerno, médico na Tunísia, escreveu o tratado "De Humana Natura", que descreve a composição e sequência do desenvolvimento embrionário em relação aos planetas a cada mês durante a gestação.

Jacob Rueff no "De Conceptu et Generatione Hominis", ilustrou o feto se desenvolvendo no útero e descrições práticas do trabalho de parto.

(Teoria baseada nos ensinamentos de Aristóteles.)
1554
1452-1519
Leonardo da Vinci desenhou dissecções de útero grávido contendo um feto.

Introduziu os parâmetros quantitativos
através das medidas do crescimento
pré-natal.
Revolução Embriológica
1651
William Harvey publicou o livro "De Generation Animalium".

Acreditava que o esperma depois de entrar no útero, sofria metamorfose e se transformava em uma substância semelhante ao ovo, a partir do qual o embrião se desenvolvia.

Examinou embriões de galinha com lentes simples e fez novas observações.
1672
O holandês Regnier de Graaf estudou úteros de coelhas e concluiu que as pequenas câmaras (blastocisto) no seu interior não poderiam ser secretados pelo útero, sugeriu que vinham de órgãos que ele chamou de ovários.
1677
Johan Ham van Arnheim e Anton van Leeuwenhoek, observaram pela primeira vez o espermatozoide humano.

Acreditavam que o espermatozoide continha uma miniatura do ser humano e que este cresceria quando depositado no útero.
1759
Casparo Friderico Wolff refutou a teoria da pré-formação e propôs o conceito de camadas, onde o zigoto, produz camadas de células (disco embrionário).

Descreveu a "Theoria Generationis", que serviu de base para a teoria da epigênese, onde o desenvolvimento resulta do crescimento e diferenciação celular.
1775
Lazaro Spallanzani esclareceu a formação do embrião.

Necessidade do ovócito além do espermatozoide para desenvolver um embrião.

O primeiro a realizar inseminação artificial
em cães.
1817
Heinrich Christian Pander descreveu as três camadas germinativas e denominou de blastoderma.
1827
Karl Ernst von Baer “Pai da Embriologia Moderna”, contribuiu com conhecimentos sobre a origem dos tecidos e órgãos originados das camadas germinativas.

Conceitos importantes:
Os estágios correspondem ao desenvolvimento embrionário;

As características gerais precedem as específicas;
1818
Etienne Saint Hilaire e seu filho Isidore Saint Hilaire, fizeram os primeiros estudos significativos sobre o desenvolvimento anormal.

Experimentos com animais iniciaram o que hoje é conhecemos por teratologia.
Teoria Celular
A teoria celular mudou a concepção do desenvolvimento embrionário e da hereditariedade.
1839
Mattias Schleiden e Theodor Schwann formularam a teoria celular.

Indica que o corpo é composto por células e produtos celulares;

Levou a constatação de que o embrião é desenvolvido a partir de uma única célula, depois passa por muitas divisões celulares para formar tecidos e órgãos.
1831 - 1904
Wilhelm His desenvolveu técnicas aperfeiçoadas para fixação, corte e coloração de tecidos e para a reconstrução de embriões.

Seu método de reconstrução gráfica abriu caminho para a produção de imagens tridimensionais de embriões e geradas por computador.
1935
Hans Spemann recebeu o prêmio Nobel, por sua descoberta do fenômeno da indução primária, como um tecido determina o destino de outro.
1978
1859 - Darwin - origem das espécies.
1865 - Mendel - princípios da hereditariedade.
1878 - Flemming - papel dos cromossomos na fecundação.
1883 - von Beneden - células germinativas tem número reduzido de cromossomos.
1902- Sutton e Boveri - cromossomos responsáveis pelos princípios da hereditariedade de Mendel.
Garrod - alcaptonúria (autossômica recessiva, age no metabolismo da tirosina).
1912 - von Winiwarter - 47 cromossomos na célula.
1923 - Painter - 48 cromossomos.
1956 - Tjio e Levan - 46 cromossomos.
1953 - Watson e Crick - decifraram a estrutura molecular do DNA.
2000 - O genoma humano foi sequenciado.
1997
Ian Wilmut e seus colegas utilizando a técnica de transferência nuclear de uma célula somática, clonaram o primeiro mamífero, Dolly, uma ovelha.
Robert G. Edwards e Patrick Steptoe foram os pioneiros em um dos eventos mais revolucionários da história da reprodução humana: a técnica de fertilização in vitro (FIV).
Esses estudos resultaram no
nascimento de Louise Brown,
o primeiro "bebê de proveta"
REFERÊNCIAS
MOORE, K. L.; PERSAUD, T. V. N.; TORCHIA, M.G. Embriologia Básica. Saunders e Elsevier, Rio de Janeiro, 2013.

MOORE, K. L.; PERSAUD, T. V. N.; TORCHIA, M.G. Embriologia Clínica. 9a. edição, Saunders e Elsevier, Rio de Janeiro, 2013
Conclusão
O estudo da embriologia nos ajuda a compreender as relações normais das estruturas do corpo e as causas de anomalias congênitas.
Avanços da Genética
Genética + Embriologia
Os conceitos de genótipo e fenótipo aproximaram a embriologia da genética.

Se uniram depois da descoberta que os genes codificam proteínas.
1995
Edward B. Lewis, Christiane Nusslein-Volhard e Eric F. Wieschaus receberam o Prêmio Nobel de Fisiologia/Medicina pela descoberta de genes que controlam o desenvolvimento embrionário.
Biologia Molecular
Avanços da biologia molecular levaram à utilização de técnicas mais sofisticadas de investigação.
DNA recombinante;
Animais transgênicos;
manipulação de células-tronco;
Clonagem de animais;

Possibilidade de entender como, quando e onde os genes específicos são ativados e expressos no embrião durante o desenvolvimento normal e anormal.
“Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem medo e nunca se arrepende”.

Leonardo da Vinci
Full transcript