Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Desenvolvimento Moral: Dilema de Heinz

No description
by

Maria Sousa

on 20 May 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Desenvolvimento Moral: Dilema de Heinz

Teorias Importantes para o Desenvolvimento Moral
Desenvolvimento Moral: Dilema de Heinz
Estádios do Desenvolvimento Moral por Piaget
Níveis do Desenvolvimento Moral para Kohlberg
Moralidade Pré-Convencional


Moralidade Convencional


Moralidade Pós-Convencional
- Os indivíduos podem manifestar raciocínios de estádios anteriores, mas não de dois ou mais estádios acima do seu estádio dominante;

- O sistema de codificação de Kohlberg tem em conta verbalizações relativas a outros estádios e faz uma média para determinar o nível de raciocínio moral que o indivíduo utiliza com alguma consistência.
Desenvolvimento Moral
É essencialmente a construção sucessiva de estruturas de juízos organizados internamente.
Fuentes (2006)
Raciocínio Moral
É uma habilidade dinâmica que se expressa nas justificações verbais dadas pelos indivíduos em resposta a dilemas.
Eisenberg & Mussen (1997)
Teorias e pesquisas
Basearam-se nas mudanças ao longo do desenvolvimento na forma e estrutura de conceitos morais relacionados com os estados de maturação do raciocínio e julgamento moral.
Eisenberg & Mussen (1997)
PIAGET
KOHLBERG
- O seu principal interesse era a mudança de idades, a lógica e o pensamento;

- Trabalhos realizados com crianças de forma a saber qual o seu conceito de justiça e moralidade;

- Nas entrevistas que fazia às crianças, contava pequenas histórias e depois fazia perguntas sobre regras de conduta, punição, igualdade e reciprocidade entre as pessoas;

- Ao analisar as respostas, concluiu que há dois estádios sucessivos do desenvolvimento moral.
Eisenberg & Mussen (1997)
Heteronomia Moral (primeiro estádio)


Autonomia Moral (segundo estádio)
- Crianças em idades inferiores a 7 e 8 anos, que não alcançaram o estádio das operações concretas;

- As regras, obrigações e comandos são sentidos como dados, são externos à mente e são inalteráveis.
- Estádio de maior maturação;

- Crianças a partir dos 11 ou 12 anos;

- Conceitos de igualdade de justiça prevalecem, as punições são arbitrárias, há justiça iminente, o absolutismo é moral e é rejeitada a obediência à autoridade;

- As regras são consideradas como produtos de interação social e são modificáveis.
- Apresentava às pessoas dilemas para estudar o desenvolvimento moral;

- Após concluir as entrevistas, questionou as pessoas acerca de como tinham pensado acerca das questões morais.

- Concluiu que a forma como pensam acerca das questões morais reflete o desenvolvimento cognitivo;

- As pesquisas incluem-se no grupo das teorias cognitivo-evolutivas;

- Afirma que a teoria dos estádios é um dos pontos centrais da teoria cognitivo-evolutiva;

- Amplificou o número de estádios de Piaget;

- Passou a ter três níveis e seis estádios.
- Entre os 4 e os 10 anos;

- Relacionado com o controlo externo, onde os padrões são os dos outros e são seguidos para evitar a punição e para ser premiado;

- O indivíduo julga o certo e o errado apoiado apenas nos seus interesses próprios, o que implica também o medo da punição.
- Crianças dos 10 aos 13 anos;

- Querem agradar as pessoas e seguem os padrões dos outros;

- São capazes de assumir os papéis de figuras de autoridade suficientemente bem para diferenciar o que é bom e o que é mau.
- Começa na adolescência e vai até ao fim da vida;

- Este nível marca o atingir da verdadeira moralidade;

- A pessoa reconhece a possibilidade do conflito entre dois padrões socialmente aceites e tenta decidir entre eles, pela primeira vez;

- O controlo do comportamento é interno, quer nos padrões observados, quer no raciocínio acerca do certo e do errado.
Estádio 1: Orientação para a Punição e para a Obediência
- Crianças que obedecem às regras dos outros de forma a evitar o castigo;


- Ignoram os motivos de um ato e centram-se na sua forma física (por exemplo, o tamanho de uma mentira), ou nas suas consequências (como os danos físicos).
Estádio 2: Orientação Instrumental e Troca
- Crianças que cumprem as regras de acordo com os interesses pessoais e com o que os outros podem fazer por eles em troca.
Estádio 3: Manutenção das Relações Mútuas, Aprovação dos Outros e Regra de Ouro
- As crianças querem agradar e ajudar os outros;

- Podem julgar as intenções dos outros e desenvolver as suas próprias ideias acerca do que é ser uma boa pessoa;

- Avaliam um ato de acordo com o motivo que está por detrás desse ato ou da pessoa que o pratica, tendo em consideração as circunstâncias.
Estádio 4: Preocupação Social e Consciência
- As pessoas estão preocupadas com o seu dever, mostrando respeito pela autoridade e mantendo a ordem social;


- Para elas, se o ato viola uma regra ou se prejudica alguém é sempre errado, seja qual for o motivo ou as cirunstâncias.
Estádio 5: Moralidade do Contrato Social dos Direitos Individuais e da Lei Aceite Democraticamente
- As pessoas pensam em termos racionais, valorizando a vontade da maioria e o bem-estar da sociedade.
Estádio 6: Moralidade dos Princípios Éticos Universais
- As pessoas fazem o que como indivíduos pensam que está correto;

- Não olham às restrições legais ou às opiniões dos outros.
Koller & Bernardes (1997)
MÉTODO
Participantes
- Rodrigo: 15 anos; frequenta o 9º ano de escolaridade;

- Catarina: 19 anos; estudante de Engenharia de Telecomunicações e Informática;

- Inês: 25 anos; Técnica de Telecomunicações Aeronáuticas (TTA);

- João: 32 anos; Sonoplasta;

- Rosa: 60 anos; Administrativa.
Material
- Protocolo do Dilema de Heinz;











- Câmara para filmar as provas.
Procedimento
- O protocolo do Dilema de Heinz foi estudado, antes da realização de qualquer entrevista;

- A metodologia de Kohlberg comporta a entrevista do juízo moral e a atribuição do estádio moral;

- Escolhemos os participantes que queríamos entrevistar e prosseguimos com as entrevistas;

- Foi pedida autorização às pessoas para serem filmadas;

- Foi feita a cotação da prova;

- Elaboração do relatório escrito;

- Tratamento dos vídeos;

- Elaboração da apresentação em Prezi.
Dilema de Heinz
Rodrigo
Catarina
Inês
João
Rosa
Conclusão
- A tese de Kohlberg propõe uma fundamentação de tipo mais filosófico remetendo para critérios formais de moralidade, tais como a diferenciação, a integração e o equilíbrio;

-Só dois participantes foram ao encontro do que era esperado;

- Questões importantes:
- O raciocínio moral dos homens e das mulheres;
- O raciocíno moral noutras culturas.

-Os estádios de Kohlberg não indicam apenas quais são os princípios morais dos indivíduos.
Referências Bibliográficas
Maria Manuel de Sousa, nº 137813011

Mariana Baptista, nº 137813020

Psicologia do Desenvolvimento II

2º ano 2º semestre

Professora Doutora Augusta Gaspar
Eisenberg & Mussen (1997)
Eisenberg & Mussen (1997)
Eisenberg & Mussen (1997), Papalia, Olds & Feldamn (2011) e Bataglia, Morais & Lepre (2010)
Papalia, Olds & Feldman (2001) e Bataglia, Morais & Lepre (2010)
Papalia, Olds & Feldman (2001) e Bataglia, Morais & Lepre (2010)
Papalia, Olds & Feldman (2001) e Bataglia, Morais & Lepre (2010)
Papalia, Olds & Feldman (2001)
Papalia, Olds & Feldman (2001)
Papalia, Olds & Feldman (2001)
Papalia, Olds & Feldman (2001) e Bataglia, Morais & Lepre (2010)
Papalia, Olds & Feldman (2001) e Bataglia, Morais & Lepre (2010)
Papalia, Olds & Feldman (2001) e Bataglia, Morais & Lepre (2010)
- Para a aplicação das provas foram escolhidos locais:

- calmos;
- sem ruído;
- sem pessoas;
- sem distratores.

- Todas as provas foram feitas em escritórios ou em mesas de jantar.
Lourenço (2006) e Gleitman, Fridlund & Reisberg (2011)
Lourenço (2006)
Full transcript