Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Pesquisa-ação Magna Campos

No description
by

Magna Magna

on 28 January 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Pesquisa-ação Magna Campos

A Pesquisa-Ação
Organização da apresentação
Histórico da pesquisa-ação
Histórico da Pesquisa-Ação
A contribuição de Lewin está no reconhecimento da possibilidade de o pesquisador interagir e interferir no seu ambiente de pesquisa sem separar a investigação da ação necessária para resolver um problema e sem afastar o pesquisador do objeto de investigação
Definições
“A pesquisa-ação é um tipo de pesquisa social com base empírica que é concebida e realizada em estreita associação com uma ação ou com a resolução de um problema coletivo e na qual os pesquisadores e os participantes representativos da situação ou do problema estão envolvidos de modo cooperativo ou participativo.”

(THIOLLENT, 1986, p. 14).
Definições
“[...] pesquisa-ação reconhece que o problema nasce, num contexto preciso, de um grupo em crise. O pesquisador não o provoca, mas constata-o, e seu papel consiste em ajudar a coletividade a determinar todos os detalhes mais cruciais ligados ao problema, por uma tomada de consciência dos atores do problema numa ação coletiva.”

(BARBIER, 2004, p. 54).
Magna Campos
Metodologia de Pesquisa

Definições, objetivos e características da pesquisa-ação
As "fases" da pesquisa-ação
Considerações finais
Referências
Um dos pioneiros da pesquisa-ação foi o psicólogo alemão Kurt Lewin (1890-1947).
Objetivos da pesquisa-ação
Thiollent (1986); Tripp (2005);
Definições
“[...] prática que associa pesquisadores e atores em uma mesma estratégia de ação para modificar uma dada situação é uma estratégia de pesquisa para adquirir um conhecimento sistemático sobre a situação identificada.”

(DIONNE, 2007, p. 68).
- Investigar um problema, situação problemática; (PESQUISA)

- Fornecer aos pesquisadores e participantes, os meios de se tornarem capazes de buscar as soluções para seus problemas reais, através de diretrizes de ação transformadora e de reflexão; (AÇÃO/ PESQUISA)

- Interação entre pesquisadores e comunidade para intervenção ocorrer; (AÇÃO)

- Melhorar a prática profissional; (AÇÃO)

- Resolver ou esclarecer os problemas da situação observada (instituições, escolas, ou organizações comunitárias etc.); (AÇÃO)

- Ampliação do nível de consciência da comunidade quanto à problemática detectada; (AÇÃO)

- Contribuir com conhecimentos e informações que orientem a tomada de decisões e os processos de mudança; (PESQUISA)

- Ampliar o conhecimento científico acerca de questões que afetam diretamente a produtividade ou a qualidade do trabalho desenvolvido por um grupo ou por uma instituição. (PESQUISA)
Características
Pesquisadores e participantes
Ampla interação
ordem e prioridade
objeto de investigação é a situação/problema
Problemas
resolver ou esclarecer
acompanhamento das decisões,
ações e atividades
aumentar o conhecimento
Objetivo de conhecimento
Pesquisa-ação
Objetivo prático
Problema
Situação do problema
Tomada de consciência
Produção de conhecimento
A pesquisa-ação e a pesquisa convencional
"Numa pesquisa convencional não há a participação dos pesquisadores junto com os usuários ou pessoas da situação observada. Além disso, sempre há uma grande distância entre os resultados de uma pesquisa convencional e as possíveis decisões ou ações decorrentes."

THIOLLENT, 1986, p. 19
A pesquisa-ação e a pesquisa convencional
"[...] um grande desafio metodológico consiste em fundamentar a pesquisa-ação dentro de uma perspectiva de investigação científica, concebida de modo aberto e na qual 'ciência' não seja sinônimo de 'positivismo', 'funcionalismo' ou de outros 'rótulos' ."

THIOLLENT, 1986, p. 20
Processo da Pesquisa-ação
Esquema básico da pesquisa-ação: elaborado a partir de Michel Thiollent (1986).
"Fases" da pesquisa-ação
Thiollent (1986)
1. Fase exploratória
4. Coleta de dados
5. Hipóteses
7. Campo de observação, amostragem e representatividade qualitativa
6. Seminário
3. A colocação dos problemas
2. O tema da pesquisa
"Fases" da pesquisa-ação
10. Saber formal/Saber informal
11. Aprendizagem
12. Divulgação Interna e Externa
8. O lugar da teoria
9. Plano de ação/ projeto de intervenção
1
2
O
tema da pesquisa
é a designação do problema prático e da área de conhecimento a serem abordados.
3
Nesta fase é preciso dar atenção à
colocação dos problemas
a partir dos quais a investigação será desencadeada.
4
O projeto de pesquisa-ação precisa ser articulado dentro de uma problemática com um quadro de
referência teórica
. O papel da teoria consiste em gerar ideias, hipóteses (supostas) ou diretrizes para orientar a pesquisa e as interpretações.
5
A formulação de
hipóteses
consiste em uma suposição formulada pelo pesquisador/participante a respeito de possíveis soluções a um problema colocado na pesquisa.
6
O
seminário
deve reunir os principais membros da equipe de pesquisadores e membros significativos dos grupos implicados no problema sob observação.
Tarefas
Delimitar o tema e equacionar os problemas
Elaborar a problemática definitiva
Construir grupos de trabalho
Centralizar as informações (das fontes e grupos)
Elaborar as interpretações para o problema
Buscar soluções e definir diretrizes de ações
Divulgar os resultados do diagnóstico
7
A delimitação do
campo de observação, amostragem e representativida qualitativa
é importante para a difinição de todo o andamento da pesquisa.
4
Sejam quais forem as técnicas de
coleta de dados
utilizadas, o pesquisador e os participantes comuns a informação que é julgada necessária para o andamento da pesquisa.
11
Na pesquisa-ação uma capacidade de
aprendizagem
é associada ao processo de investigação. As ações investigadas envolvem produção e circulação de informação, elucidação e tomada de decisões, e outros aspectos supondo uma capacidade de aprendizagem dos participantes e avaliação do processo.
10
Dentro da concepção da pesquisa-ação, o estudo da relação entre
saber formal (científico) e saber informal (senso comum)
visa estabelecer (ou melhorar) a estrutura de comunicação entre os dois universos culturais: o dos especialistas e o dos interessados.
9
O
plano de ação ou projeto de intervenção
serve para que a pesquisa-ação se concretize em alguma forma de ação planejada, objeto de análise, deliberação e avaliação.
12
Além do retorno das informações aos grupos implicados, é possível
divulgar a informação externamente
em diferentes setores interessados.
- O objetivo da pesquisa-ação é situacional e específico, ao passo que a pesquisa científica tradicional vai além da solução de problemas práticos e específicos;

- A amostra da pesquisa-ação geralmente é restrita e não-representativa;
- A pesquisa-ação tem pouco ou nenhum controle sobre variáveis independentes;

- Os resultados da pesquisa-ação não podem ser generalizados, sendo válidos apenas no ambiente restrito em que é feita a pesquisa (relevância local).
- É um instrumento valioso, ao qual professores podem recorrer com o intuito de melhorarem o processo de ensino-aprendizagem, pelo menos no ambiente em que atuam;

- É uma abordagem científica voltada para a solução de problemas;
- O benefício da pesquisa-ação está no fornecimento de subsídios (tomada de decisões) para o ensino;

-Considerando as limitações atuais da teoria educacional, a pesquisa-ação leva a soluções imediatas para problemas educacionais urgentes, que não podem esperar por soluções teóricas.
Considerações Finais
Referências
BARBIER, René. A pesquisa-ação. Brasília: Liber Livro Editora, 2004.

DIONNE, Hugues. A pesquisa-ação para o desenvolvimento local. Brasília: Liber Livro Editora, 2007.

ENGEL, Guido Irineu. Pesquisa-ação. Revista Educar, Curitiba, Editora da UFPR, n. 16, p. 181-191, 2000.

ESTEBAN, Maria Paz Sandín. Pesquisa Qualitativa em Educação: fundamentos e tradições. Porto Alegre: ArtMed Editora, 2010.

Giordan, Miriane Zanetti. A pesquisa-ação. 2014.

NAIDITCHF, F. Pesquisa-ação. In: OLIVEIRA, D. A.; DUARTE, A. M. C.; VIEIRA, L. M. F. DICIONÁRIO: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010. Disponível em:
http://www.gestrado.org/?pg=dicionario-verbetes&id=314
,
acesso em 24 de agosto de 2013.

THIOLLENT, Michel. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 1986.

TRIPP. David. Pesquisa Ação: uma introdução metodológica. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466, set./dez. 2005.

ENGEL, 2000
ENGEL, 2000
Resumindo... A pesquisa-ação:
Envolve a transformação e melhoria de uma realidade educacional e/ou social
Parte da prática, de problemas práticos
É uma pesquisa que envolve a colaboração de pessoas
Envolve uma reflexão sistemática da ação
É realizada pelas pessoas envolvidas na prática que se pesquisa
ESTEBAN, 2010
"Não queremos ação sem presquisa e nem pesquisa sem ação" (Kurt Lewin)
Campo de observação
Amostragem e Representatividade Qualitativa
Vídeo sobre a pesquisa-ação
5' 42''
DIONNE, 2007
Definições
“A pesquisa-ação educacional é principalmente uma estratégia para o desenvolvimento de professores e pesquisadores de modo que eles possam utilizar suas pesquisas para aprimorar seu ensino e, em decorrência, o aprendizado de seus alunos.”

(TRIPP, 2005, p. 445).
Não entendo qual é o seu problema!
Fale mais claramente!
Plano de ação e ação
Pesquisa-ação
Fase exploratória
unidade empírica em que se irá trabalhar.
Solicitado pelos participantes ou detectado e estudado (conhecimento teórico) pelo pesquisador.
Fase de diagnóstico
aplicação de questionário
análise de documentos
entrevistas
diário de campo da observação
grupos focais
Fase da ação/intervenção
Fase do seminário
Apresentação do TCC
8
Michel Thiollent
Ordenação adaptada
Ordenação adaptada
Esta apresentação foi adaptada a partir de:
Giordan, Miriane Zanetti. A pesquisa-ação. 2014.
Full transcript