Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

PRAGAS E DOENÇAS DA GRAVIOLA

No description
by

Roberta Paes

on 21 October 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of PRAGAS E DOENÇAS DA GRAVIOLA

Origem
" Antilhas"


Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Magnoliales
Família
: Annonaceae
Género:
Annona
Espécie:
A. muricata

VARIEDADES MAIS CULTIVADAS
A "Nordestina" ou "Crioula" e a "Morada".
BROCA DO FRUTO

BROCA DO FRUTO


Sintomas

manchas escuras com perfurações , serragem expelida
ENGENHO RIBEIRÃO
BROCA DA SEMENTE

GRAVIOLA
PRAGAS
GRAVIOLA
PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS

INTRODUÇÃO
DOUGLAS OLIVEIRA, PAULO SÉRGIO E ROBERTA PAES
PROFª DENISE SANTANA
FITOPATOLOGIA APLICADA

Annona muricata L.
PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS
(Cerconota anonela)
Controle

Ensacamento dos frutos sadios, quando atingirem de 3 - 5cm de comprimento;
Enterrio dos frutos atacados
Tratamento preventivo através das pulverizações das inflorescências e dos frutos com Dipterex PM 80% (Trichlorfon) ou Lebaycid CE 50% (Fenthion).
BROCA DA SEMENTE
(Bephratelloides maculicolis)
BROCA DA SEMENTE
Sintomas

Furos no fruto


Controle

Mesmo da broca do fruto
BROCA DO TRONCO

ENSACAMENTO DOS FRUTOS
(Cratosomus bobina bobina e Euripages pennatus)
BROCA DO TRONCO

Sintomas


Excrementos, pela exsudação pegajosa escura, no tronco e ramos, e pela presença de serragem nas galerias abertas pela larva.
Controle

.Injeção nas perfurações com o inseticida Nuvan
.Poda e a queima dos ramos atacados;

Doenças
ANTRACNOSE

(
Coletotricum gloesporioide)
Sintomas

Lesões escuras
Ataca ramos novos de plantas jovens como as flores e frutos e folha
ENGENHO RIBEIRÃO
Engenho Ribeirão
Ocorrência

Períodos de chuva
PODRIDÃO PARDA DO FRUTO
(Rhizopus stolonifer
)
PODRIDÕES
Sintomas

Podridão aquosa , polpa escura com odor desagradável.
Mumificação do fruto
Ocorrência

Fevereiro a Junho
Chuvas prolongadasTemperatura noturna abaixo de 15 ºC
Controle

Retirar e destruir todos os frutos atacados
Não há fungicidas registrados.
ENGENHO RIBEIRÃO
PODRIDÃO DE RAÍZES E FRUTOS
Phythora sp.)
Sintomas

Perda da cor original da folhagem
folhas tornam-se amarelecidas murcham e secam
podridão escura nos frutos
Em casos severos ( podridõa das raízes)

Ocorrência

Alta umidade e temperaturas amenas

(
Controle
Evitar plantios em áreas sujeitas a inundação
Evita o excesso de matéria orgância
Porta enxertos com outras anonáceas resistentes


OUTRAS PRAGAS E DOENÇAS
COCHONILHAS E FUMAGINAS
Danos
Devido à sucção de seiva causada por esses insetos, a planta definha, podendo, em alguns casos, morrer.
os insetos expelem um líquido açucarado que atrai formigas e provoca o aparecimento de fumagina, um fungo muito prejudicial à fotossíntese
.

Controle

Realizar pulverizações com óleos emulsionáveis sempre nas horas mais frescas do dia. Pode-se ainda fazer a mistura desse óleo com inseticida fosforado. Usar produtos registrados para as culturas
ENGENHO RIBEIRÃO
Disseminação
é feita principalmente pelo vento e respingos de chuva.
Desempenho agronomico da garviola

(Anona muricata L.) sobre diferentes tipos de porta - enxertos
ZACARONI, ANA BEATRIZ, et al.2014
o uso de porta-enxertos resistente pode ser umaalternativa para reduzir os prejuízos decorrentes do ataque de parags e doenças nas raízes e no colo da graviola foi implantado em 1992, um experimento com o objetivo de avaliar o potencial de algumas espécies de anonáceas como porta enxerto para graviola. O delineamento foiinteiramnet casualiozado com seis reptiçoes com duas plantas úteis por parcela. Utilizou-se o porta-enxerto biribá ( annona mucosa), araticum e graviola do tipo "Morada " pé franco e araticum do serrado. Como copa utilizou-se a cultivar BRS Cerradina. Avaliou-se 14 anos após, o indice de planats vivas em produção, a altura das plantas o perímetro do tronco a 15 cm de altura do solo, o diamntro da copa o número de frutos doentes e imprestáveis e o peso de até 12 frutos em ponto de colheita, coletados ao acso. o porta enxerto que apresentou melhores resultados foi o de biribá com enxertia de a 30 cmoui 60 cm de altura, seguido pela porta enxerto tipo morada pé franco.
(Pinnaspis aspidistrae) e (Ixora coccine)
OBRIGADO!
Full transcript