Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Modernismo

No description
by

User -

on 26 August 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Modernismo

Modernismo
Soneto de fidelidade
De tudo, ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento
Contexto histórico
• Crise Cafeeira em 1929;

• Revolução de 1930: que levou Getúlio
Vargas ao governo Provisório;

• Revolução anticonstitucionalista de 1932;

• Ascensão do partido Nazista e do Fascismo;

• Combate ao Socialismo;
Características
• Amadurecimento e solidificação da poesia modernista – possibilidade de se voltar à forma fixa, pois há liberdade poética;

• Mistura do verso livre com formas tradicionais de compor poemas;

• Mistura da temática cotidiana com temática
histórico-social;

• Revalorização da poesia simbolista;
Segunda Fase
• Em 1934 foi inaugurada a primeira Universidade Brasileira, a USP. E em 1935, a universidade do Distrito Federal;

• Em 1935 houve a intentona comunista;

• Em 1937, Getúlio inicia a Ditadura militar no Brasil, que durou até 29 de Outubro de 1945 quando Vargas renunciou ao cargo;

• Segunda Guerra mundial (1939-1945);

• Bomba Atômica lançada em Hiroshima e Nagasaki, no final da guerra fria.
• Repensar a história nacional com humor
e ironia;

• Verso livre e poesia sintética;

• Nova postura temática - questionar mais a
realidade e a si mesmo enquanto indivíduo;

• Tentativa de interpretar o “estar-no-mundo” e
seu papel de poeta;

• Literatura mais construtiva e mais politizada;
• Surge uma corrente mais voltada para o
espiritualismo e o intimismo;

• Aprofundamento das relações do “eu” com
o mundo;

• Consciência da fragilidade do “eu”;

• Perspectiva única para enfrentar os
tempos difíceis.
A Prosa de 30
Érico Veríssimo

Principais obras:

Clarissa, ficção, 1933
Olhai os lírios do campo, 1938
O tempo e o vento, 1951
O prisioneiro, 1957
(1905-1975)
Rachel de Queiroz
(1910-2003)

Principais obras:


O Quinze, 1930
João Miguel, 1932
As Três Marias, 1939
O Brasileiro Perplexo, 1964
Jorge Amado
(1912-2001)
José Lins do Rego
(1901-1957)

Principais obras:

Menino de engenho, 1932
O Moleque Ricardo, 1935
Pedra bonita, 1938
Fogo morto, 1943

Principais obras:

O País do Carnaval, 1930
Capitães da areia, 1937
Gabriela, cravo e canela, 1958
Dona Flor e seus dois maridos, 1966
Dyonélio Machado
(1895-1985)

Principais obras:

Um pobre homem, 1927
Os Ratos, 1935
O louco do Cati, 1942
Endiabrados, 1980
A Poesia de 30
Carlos Drummond de Andrade

Principais obras:

Alguma Poesia, 1930
Poema de Sete Faces, 1930
Sentimento do mundo, 1940
Poema José, 1942
(1902-1987)

José
Carlos Drummond de Andrade

E agora, José
A festa acabou,
a luz apagou,
o povo sumiu, a noite esfriou,
e agora, José?
e agora você?
você que é sem nome,
que zomba dos outros, você que faz versos
que ama, protesta?
e agora, José?
(...)
Com a chave na mão
quer abrir a porta,
não existe porta;
quer morrer no mar,
mas o mar secou;
quer ir para Minas,
Minas não há mais.
José, e agora?
(...)
se você dormisse,
se você cansasse,
se você morresse...

Mas você não morre,
você é duro, José!
(...)
Murilo Mendes

Principais obras:

Poemas, 1930
História do Brasil, 1932
Tempo e eternidade, 1935
Siciliana, 1954
(1901-1975)
(1893-1953)

Principais obras:

XIV Alexandrinos, 1914
Salomão e as Mulheres, 1927
Tempo e Eternidade, 1935
Invenção de Orfeu, 1952
Jorge de Lima
(1901-1964)

Principais obras:

Espectros, 1919
Viagem, 1939
Mar Absoluto, 1945
Eternidade em Israel, 1959
Cecília Meireles

Principais obras:

O Caminho para a Distância, 1933
Cinco Elegias, 1943
Poemas, Sonetos e Baladas, 1946
Garota de Ipanema, 1967
(1913-1980)
Vinícius de Moraes
Terceira Fase
Modernismo
" Uma geração só começa a existir no dia em que
não acredita nos que a precederam,
e só existe realmente no dia em que
deixam de acreditar nelas. "

João Cabral de Melo Neto

Principais obras:

Pedra do Sono, 1942
Os Três Mal-amados, 1943
O Engenheiro, 1945
Psicologia da Composição, 1947
(1920-1999)
Clarice Lispector


Principais obras:

Perto do Coração Selvagem, 1944
O Lustre, 1946
A Cidade Sitiada, 1949
A Hora da Estrela, 1977
(1920-1977)
João Guimarães Rosa
Principais obras:

Magma, 1936
Sagarana, 1946
Com o Vaqueiro Mariano, 1947
Grande Sertão: Veredas, 1956
(1908-1967)
Geração de 45
Contexto histórico
Características
Prosa urbana, intimista e regionalista, renovação da forma;

Incorporação da linguagem coloquial e temática regionalista;

Retrocesso em relação às conquistas de 1922;

Volta ao passado: revalorização da rima, da métrica, do vocabulário erudito e das referências mitológicas.
• Término da Segunda Guerra Mundial;

• Morte de Mário de Andrade - teórico do modernismo;

• Criação da Constituição de 1946;

• Avanços sociais e tecnológicos
por todo mundo;
- Publicado pela revista Orfeu, cujo primeiro número foi lançado na "Primavera de 1947".
Soneto a quatro mãos
Tudo de amor que existe em mim foi dado.
Tudo que fala em mim de amor foi dito.
Do nada em mim o amor fez o infinito
Que por muito tornou-me escravizado.

Tão pródigo de amor fiquei coitado
Tão fácil para amar fiquei proscrito.
Cada voto que fiz ergueu-se em grito
Contra o meu próprio dar demasiado.
E assim quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa lhe dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure

Vinícius de Moraes
Tenho dado de amor mais que coubesse
Nesse meu pobre coração humano
Desse eterno amor meu antes não desse.

Pois se por tanto dar me fiz engano
Melhor fora que desse e recebesse
Para viver da vida o amor sem dano.

Vinícius de Moraes
Full transcript