Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Operador Logístico Terceirizado da SES-MG

No description
by

Fernando Quirino

on 6 December 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Operador Logístico Terceirizado da SES-MG

Operador Logístico Terceirizado da SES-MG Conclusão Referencial Teórico Análise de Dados Metodologia Como passou a ser... Transportes Operação Logística da SES-MG Como funcionava antes... Operador Logístico Terceirizado Implantação do Operador Logístico Terceirizado da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Estudo de Caso Decisões de Transporte Pressupostos Iniciais Análise da Cadeia de Suprimentos de medicamentos no Governo do Estado de Minas Gerais
Apontar as vantagens do novo modelo da gestão de suprimentos de medicamentos no governo do Estado de Minas Gerais
Identificar as dificuldades para a implantação desse novo modelo pela Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais Objetivos do Trabalho Exposição da discussão bibliográfica
Conceitos:
(1) cadeia de suprimentos,
(2) compras,
(3) compras no setor público,
(4) transportes,
(5) estocagem
Pesquisa de campo: entrevistas com gestores diretamente relacionados com os processos de aquisição, estocagem e distribuição de medicamentos
Foco qualitativo Metodologia O longo caminho que se estende desde as fontes de matéria-prima, passando pelas fábricas dos componentes, pela manufatura do produto, pelos distribuidores e chegando finalmente ao consumidor através do varejista constitui a cadeia de suprimento. (...) Quando se fala na cadeia de suprimento, pensa-se imediatamente no fluxo de materiais, formado por insumos, componentes e produtos acabados. (NOVAES, 2007; p. 38) Cadeia de Suprimentos Dez/2012 Estocagem A terceirização da operação é vista com bons olhos e grande expectativa
SES-MG precisa desenvolver competências de gestão de contratos terceirizados Considerações finais Trabalho de Conclusão do Curso de Especialização em Gestão Estratégica da Fundação João Pinheiro Fernando Gustavo da Silva Quirino Agradecimentos Banca Lívia Maria de Pádua Ribeiro (orientadora)

Ester Carneiro do Couto Santos Direito à Saúde Estado Eficiente Eficiência em Saúde Pública Direito garantido a partir da CF/88
Institucionalizado a partir do Sistema Único de Saúde (SUS)
Inclui programas de distribuição de medicamentos essenciais Discussão científica de soluções de saúde pública eficiente
Proposição e testes de modelos de gestão que equacione problemas cotidianos Palavra de ordem no contexto dos Estados desde a década de 1970
Melhoria da qualidade do gasto público
Princípio da Eficiência na Administração Pública
Baixo custo, com o melhor nível de serviço possível
Atendimento de demandas universais Cadeia de Suprimentos Divisão do trabalho
Estratégia de posicionamento geográfico Cadeia de Suprimentos Evolução das redes de suprimentos: cada vez mais complexas
Foco nas competências essenciais Cadeia de Suprimentos Fonte: Novaes (2007), p.39 Cadeia de Suprimentos de Medicamentos no Setor Público Fonte: Baseado em MACHLINE e AMARAL JR. (1998) p. 64 Iceberg Preço/Custo Atrasos Preço do produto/serviço Entrega Negligência no trabalho Manutenção Inspeção Treinamento Apoio Bens Consumíveis Custos de Estocagem Custos de Manipulação Fonte: Baily et.al. (2000) p. 24 O Custo Total de Aquisição representa mais do que o preço e tem influência no desenvolvimento do papel mais amplo das compras na administração do custo total. É o total que você realmente paga pelos bens e serviços, incluindo coisas como ferramentaria, impostos alfandegários, estocagem, inspeção, conserto ou retificação e assim por diante. É fato óbvio, embora comumente ignorado, que um preço baixo pode levar a um custo total de aquisição elevado. Sem dúvida, assim que os materiais ou bens são adquiridos, eles podem agregar custos adicionais durante seu uso. Com isso em mente, algumas organizações preferem a expressão “Custo Total de Propriedade” quando se referem a bens de capital ou a materiais que ficam retidos durante algum tempo. (BAILY et.al., 2000; p. 23-24) Custo Total de Propriedade Fundamental Tendência Função Compras Estratégia No Brasil, 84% das grandes empresas industriais designam a gestão desta área a executivos de elevado nível hierárquico. (Braga e Hijjar, 2008) Organização não subsiste apenas com produção própria, precisa comprar As organizações estão cada vez mais focadas em suas competências centrais, cada vez mais compradoras Compras no Setor Público Restrições legais
Princípio da Impessoalidade
Impede algumas práticas consagradas nos setores de compras
Ex.: Seleção de mais de 1 fornecedor para um mesmo objeto
Nos itens de saúde, alto risco de desabastecimento “Os departamentos de transporte comprometem e administram em torno de 60% das despesas logísticas de uma empresa comum” (Bowersox, Closs e Cooper 2002) Frota Própria Frota Terceirizada Propriedade da Frota Vantagens Menor risco de interrupção dos serviços
Menor Custo de Transação
Maior controle das atividades de transporte Desvantagens Pouca flexibilidade frente à sazonalidade
Assumir custos de manutenção Vantagens Maior flexibilidade na gestão de transporte
Contratualização do nível de serviço dos transportes
Tercerização da responsabilidade pela carga Desvantagens Necessidade de fortalecimento da gestão de contratos
Relacionar os participantes do transporte para realizar um fluxo adequado Sistema Pull x Sistema Push Do inglês "empurrar"
Baseado na antecipação de demandas
Grande estoques (alto custo)
Poucas chances de desabastecimento Do inglês "puxar"
Baseado na resposta à demandas
Baixos estoques
Necessidade de ampla integração na cadeia de suprimentos Decisões de Armazenagem Armazém Próprio Armazém Terceirizado Armazém Próprio x Armazém Terceirizado Maior controle
Menores custos
Funciona bem com pouca sazonalidade
Condições especiais de estocagem Não exige investimento inicial
Localização flexível
Especialista em processos de estocagem Crescimento da Operação Processo de Armazenagem Processo de Transporte Limitações da Pesquisa Modelo em implantação desde set/2012
Análise limitada, com foco apenas qualitativo Vantagens Desvantagens Vantagens Desvantagens Fonte: Bowersox, Closs e Cooper (2002) Fonte: Bowersox, Closs e Cooper (2002) Fonte: Secretaria de Estado de Saúde (2012) Fonte: Dados de Pesquisa (2012) Fonte: Armazém de Informações da Administração Pública de Minas Gerais Fonte: Secretaria de Estado de Saúde - MG (2012) Fonte: Dados da Pesquisa (2012)
Full transcript