Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

"E Por Vezes", David Mourão-Ferreira

No description
by

Patrícia Rebelo

on 21 March 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of "E Por Vezes", David Mourão-Ferreira


Era licenciado em Filologia Românica e tirou o curso na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa em 1951, onde mais tarde em 1957 foi professor, onde se destacou como um dos grandes poetas contemporâneos do Século XX.
David, que era um grande poeta, escreveu poemas que estavam destinados a ser músicas, músicas essas que estavam destinadas a ser cantadas por grandes cantores como Amália Rodrigues.
Este escritor começou por trabalhar em jornais e foi fundador de uma revista (Távola Redonda). Foi também secretário-geral da sociedade portuguesa de autores.
Mais tarde, veio a tomar o cargo de secretário de estado da cultura. Na sua vida, foi também autor de programas de televisão como "Imagens da Poesia Europeia".
Como nobre homem que foi, David Mourão Ferreira foi condecorado com o grau de Grande-Oficial da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada e com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada.
Foi casado com Maria Eulália e teve dois filhos, filhos esses que lhe deram 11 netos.

Poeta David Mourão-Ferreira
Tema e Assunto
Reflexão do poeta

O Poema retrata o que lhe acontece constantemente, o que ele sente quando recorda as experiências que tem ao longo da vida e como essas experiências marcam a sua mente.
A felicidade, a tristeza, a saudade são alguns dos múltiplos valores e sentimentos que o alteram ao longo da sua vida.
"E Por Vezes"
E por vezes as noites duram meses
E por vezes os meses oceanos
E por vezes os braços que apertamos
nunca mais são os mesmos E por vezes

encontramos de nós em poucos meses
o que a noite nos fez em muitos anos
E por vezes fingimos que lembramos
E por vezes lembramos que por vezes

ao tomarmos o gosto aos oceanos
só o sarro das noites não dos meses
lá no fundo dos copos encontramos

E por vezes sorrimos ou choramos
E por vezes por vezes ah por vezes
num segundo se evolam tantos anos.

David Mourão-Ferreira
David Mourão-Ferreira
"E Por Vezes",
O poema em estudo é contituído por duas quadras e dois tercetos, tratando-se assim de um soneto.

Este é decassilábico, ou seja, é contituído por 10 sílabas métricas como podemos observar nos seguintes exemplos:

(3º verso da segunda estrofe)
E/por/ve/zes/fin/gi/mos/que/lem/bra/mos

(2º verso da última estrofe)
E/por/ve/zes/por/ve/zes/ah/por/ve/zes

Estrutura Externa
E por vezes as noites duram meses A
E por vezes os meses oceanos B
E por vezes os braços que apertamos C
nunca mais são os mesmos E por vezes A

encontramos de nós em poucos meses A
o que a noite nos fez em muitos anos B
E por vezes fingimos que lembramos C
E por vezes lembramos que por vezes A

ao tomarmos o gosto aos oceanos B
só o sarro das noites não dos meses A
lá no fundo dos copos encontramos C

E por vezes sorrimos ou choramos C
E por vezes por vezes ah por vezes A
num segundo se envolam tantos anos. B
David Mourão Ferreira, foi um escritor e poeta português que nasceu em Lisboa a 24 de fevereiro de 1927 e que morreu 16 junho de 1996 em Lisboa.
"E por vezes as noites duram meses
E por vezes os meses oceanos"
E por vezes
as
noites duram meses
E por vezes
os
meses oceanos
E por vezes
os braços que apertamos
nunca mais são os mesmos
E por vezes

encontramos de nós em
poucos meses
o que a noite nos fez em
muitos anos
E por vezes

fingimos que lembramos
E por vezes
lembramos que
por vezes

ao tomarmos o gosto aos oceanos
só o sarro das noites não dos meses
lá no fundo dos copos encontramos

E por vezes

sorrimos ou choramos
E por vezes por vezes ah por vezes
num
segundo
se evolam
tantos anos
.
Primeira e Segunda Quadra - rima Interpolada em "A"

Versos livres

Rimas Pobres
Obras
Obra de poesia:

1950 - A Viagem
1967 - A Arte de Amar (reunião de obras anteriores)
1971 - Cancioneiro de Natal (Prémio Nacional de Poesia)
1994 - Música de Cama (antologia erótica com um livro inédito).


Obras de ficção narrativa:

1980 - As Quatro Estações (Prémio Associação Internacional dos Críticos Literários)

1986 - Um Amor Feliz (Romance que o consagrou como ficcionista valendo-lhe vários prémios)
Full transcript