Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Gerativismo linguístico

No description
by

Rosangela Bernardino

on 9 August 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Gerativismo linguístico

GERATIVISMO
OBJETIVOS DO TEXTO:
Apresentar os principais aspectos que caracterizam a corrente de estudos linguísticos conhecida como GERATIVISMO.

Analisar a concepção de linguagem humana que norteia as pesquisas dessa corrente, fazendo uma exposição sobre
a maneira gerativa de observar, descrever e explicar os fatos das línguas naturais.

A faculdade da linguagem

A linguística gerativa ― ou gerativismo, ou, ainda, gramática gerativa
― é uma corrente de estudos da ciência da linguagem que teve início nos Estados Unidos, no final da década de 1950, a partir dos trabalhos do linguista Noam Chomsky”.

1957
― publicação do livro Estruturas sintáticas e data marco do nascimento do gerativismo

De inspiração matemática, o modelo gerativista se propôs a “
descrever e explicar abstratamente o que é e como funciona a linguagem humana

(p. 127)
QUADRO TEÓRICO ANTERIOR
Algumas características do modelo gerativo

Rejeição ao modelo behaviorista da descrição dos fatos da linguagem
, modelo esse que foi dominante na linguística e nas ciências de uma maneira geral durante toda a primeira metade do século XX.” (p. 127)

Na resenha elaborada sobre o livro de Skinner (1959)
, intitulado Comportamento verbal, “Chomsky apresentou uma
radical e impiedosa crítica à visão comportamentalista da linguagem sustentada pelos behavioristas
.” (p. 128)
DEFESA DO ARGUMENTO DA CRIATIVIDADE NO USO DA LINGUAGEM
Segundo Chomsky, o indivíduo sempre atua criativamente no uso da linguagem.

“Chomsky chegou a afirmar, inclusive, que
a criatividade é o principal aspecto caracterizador do comportamento linguístico humano
[...] ” (p. 128)

A linguagem como uma
CAPACIDADE INATA
Para Chomsky, “a
capacidade humana de falar e entender uma língua (pelos menos), isto é, o comportamento linguístico dos indivíduos, deve ser compreendida como o resultado de um dispositivo inato,
uma capacidade genética e, portanto, interna ao organismo humano. [...] Essa disposição inata para a competência linguística é o que ficou conhecido como faculdade da linguagem.” (p. 129)
Ainda sobre as características do modelo gerativo
Apresenta um modelo teórico forte
“O papel do gerativismo no seio da linguística é construir
um modelo teórico capaz de descrever e explicar a natureza do funcionamento dessa faculdade
, o que significa compreender um dos aspectos mais importantes da mente humana.” (p. 129)
Base mentalista
“Com o gerativismo,
as línguas deixam de ser interpretadas como um comportamento socialmente condicionado e passam a ser analisadas como uma faculdade mental natural
. A morada da linguagem passa a ser a mente humana.” (p. 129)
Sobre o modelo teórico
O modelo gerativo precisa “
descrever exatamente como é essa faculdade, como ela funciona e como é possível que ela seja geneticamente determinada se as línguas do mundo parecem tão diferentes entre si
” (p. 130)
Ao observar os fatos das línguas naturais, um gerativista faz perguntas como:
A GRAMÁTICA COMO SISTEMA DE REGRAS
A descrição sintática por meio de representações arbóreas
Chomsky ocupou-se com o estudo da competência e não da performance.
"Os gerativistas usam como dados para as suas análises principalmente
(1) testes de gramaticalidade
, nos quais as frases são expostas a falantes nativos de uma língua, que devem utilizar sua intuição e distinguir frases gramaticais das agramaticais, e (2)
a intuição do próprio linguista
, que, afinal, também é um falante nativo de sua própria língua.” (p. 134)

Há, no entanto, gerativistas que fazem pesquisas aplicadas (psicolinguistas, neurolinguistas etc.) (ver pp. 134-135)
Um argumento em defesa da opção pela competência:
para Chomsky, a descrição das regras que governam a estrutura da competência deveria ser o objetivo mais importante da linguística.
A gramática universal: princípios e parâmetros
1980 ― a ideia de competência cedeu lugar à hipótese da gramática universal (GU)


Deve-se entender por GU o conjunto das propriedades gramaticais comuns compartilhadas por todas as línguas naturais, bem como as diferenças entre elas que são previsíveis segundo o leque de opções disponíveis na própria GU
.” (p. 135)

“Para procurar descrever a natureza e o funcionamento da GU, os gerativistas formularam uma teoria chamada de princípios e parâmetros.” (p. 135)
O que há de
comum entre todas as línguas
humanas e de que maneira elas diferem entre si?

Em que consiste o conhecimento
que um indivíduo possui quando é capaz de falar e compreender uma língua?

Como
o indivíduo
adquire esse conhecimento
?

De que maneira esse conhecimento

é posto em uso
pelo indivíduo?

Quais são as
sustentações físicas
presentes no cérebro/mente que esse indivíduo recebe?
“A maneira como essas perguntas vem sendo respondidas constitui o modelo teórico do gerativismo”
Uma proposta de gramática

A primeira elaboração do modelo gerativista ficou conhecida como gramática transformacional
e foi desenvolvida e reformulada diversas vezes durante as décadas de 1960 e 1970.” (p. 131)
Objetivo da gramática transformacional:

Descrever como os constituintes das sentenças eram formados e como tais constituintes transformam-se em outros por meio da aplicação de regras
.” (p. 131)

Esse conhecimento linguístico inconsciente que o falante possui sobre a sua língua e que lhe permite essas intuições é o que denominamos competência linguística
― o conhecimento interno e tácito das regras que governam a formação das frases da língua.” (p. 133)

Noções de competência e desempenho

A competência é o conhecimento que uma pessoa tem das regras de uma língua.

O desempenho (ou performance, ou atuação) é o uso efetivo desta língua em situações reais.

(Ver pp. 133-134)
GERATIVISMO

Linguística I
Curso Letras/Português/Inglês
Profa. Rosângela Bernardino
Texto-base:
KENEDY, E. Gerativismo. In: MARTELOTA, M. E. (Org.). Manual de linguística. São Paulo: Contexto, 2008. (p. 127-138)
OPOSIÇÃO AO BEHAVIORISMO
BEHAVIORISMO: a aprendizagem da
linguagem seria fator de exposição ao meio e decorre de mecanismos comportamentais como reforço, estímulo e resposta
.
Disponível em
: <http://thebrain.mcgill.ca/flash/d/d_10/d_10_cr/d_10_cr_lan/d_10_cr_lan_2a.jpg>
(p. 130)
(p. 130)
A gramática universal: princípios e parâmetros
Foco na sintaxe.

Segundo Chomsky e os gerativistas, “é exatamente nas estruturas sintáticas que mais evidentemente se percebem as grandes semelhanças entre todas as línguas do mundo. [...] Por exemplo: todas as línguas do mundo possuem estruturas como orações adjetivas, orações interrogativas e funções sintáticas como sujeito, predicado, complementos.” (p. 135)

Princípio fundamental da gramática gerativo-transformacional:
A partir de um número limitado de regras, é possível criar um número ilimitado de sentenças gramaticais em qualquer língua natural.
GRAMATICALIDADE
vs.
AGRAMATICALIDADE
Full transcript