Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Estresse

No description
by

Ana Fontana

on 12 June 2015

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Estresse

Estresse
Situação Problema 7: Estresse
O status socioeconômico é tido como um fator de risco à saúde e causador de taxas aumentadas de morbidade e mortalidade. A explicação para esta constatação reside no comportamento e no ambiente à que população de baixo status socioeconômico está exposta, relacionados às desigualdades sociais, falta de assistência médica e os índices alarmantes de violência.
O estresse crônico tem recebido grande atenção como um mecanismo potencial pelo qual o baixo status socioeconômico pode comprometer a saúde. Indivíduos de classe social mais baixa estão sujeitos a maior exposição de eventos estressores durante suas vidas, em contraposição aos baixos recursos materiais e sociais, que poderiam protegê-los destes eventos.
Agentes estressores físicos ou psicológicos ativam várias vias neurais, incluindo o eixo hipotálamo-hipófise-adrenal (HPA), um dos sistemas que regulam a resposta biológica a estímulos percebidos como estressores. A resposta ao estresse agudo é adaptativa, mas a ativação crônica do sistema pode desencadear o desequilíbrio dos hormônios liberados em resposta ao estresse, prejudicando o retorno dos mesmos aos níveis normais. Entre os hormônios relacionados ao estresse o cortisol tem grande influência regulatória sobre o sistema nervoso central, metabolismo e sistema imunológico.
O cortisol, quando em níveis cronicamente altos, está associado a diversas condições patogênicas, como declínio cognitivo, imunossupressão e resistência à insulina. Com o tempo, ocasiona o acúmulo progressivo de gordura visceral, piorando quadros de síndrome metabólica.
Sendo uma molécula esteróide, o cortisol atua em todos os tecidos atravessando a membrana plasmática e interagindo com receptores citoplasmáticos e nucleares, denominados receptores de glicocorticóides (GR), através dos quais exerce sua ação. Empregando a tecnologia de “microarray”, verificou-se que cerca de 20% dos genes das nossas células são negativamente ou positivamente modulados por glicocorticóides.
Cortisol
Hormônio glicocorticoide derivado do colesterol;
Secretado pela zona fasciculada do córtex adrenal.
Síntese do cortisol
Agentes estressores estimulam a secreção de cortisol (controlada pelo ACTH);
Hidroxilação dos carbonos 11, 17 e 21 da progesterona.
Efeitos do cortisol
Carboidratos: estímulo da gliconeogênese no fígado e redução da utilização celular de glicose;
Proteínas: catabolismo proteico e redução da síntese de proteínas;
Lipídeos: indução à lipólise.
Sobre o metabolismo:
Sobre o sistema imunológico:
Ação imunossupressora que facilita a ocorrência de doenças infecciosas e pode contribuir para o surgimento e disseminação do câncer e ação antiinflamatória.
Da sinalização à expressão gênica
O cortisol liga-se ao GR (Receptor Glicocorticoide) no citoplasma.
Ocorre uma alteração conformacional das proteínas chaperonas, o que permite a translocação do complexo cortisol + GR para o núcleo.
O complexo cortisol + GR liga-se aos GREs (Elementos Reguladores dos Glicocorticoides) do DNA, promovendo a transcrição ou a interrupção da transcrição de um determinado gene ou a interação com fatores de transcrição.
Técnica de Microarray (Microarranjos)
Diabetes adrenal e obesidade
Diabetes adrenal:
Estímulo da gliconeogênese e redução da utilização celular de glicose ocasionam uma elevação da glicemia.
Há um aumento na secreção de insulina, que tem sua captação pelas células reduzida devido à diminuição da sensibilidade dos receptores desse hormônio.
Obesidade:
O excesso continuado de glicocorticóides pode levar a um acúmulo no depósito de gordura no tecido adiposo visceral do abdômen, que constitui um fator de risco para a aterosclerose.
Hipoadrenalismo: doença de Addison
Incapacidade do córtex adrenal de produzir hormônios adrenocorticais;
Atrofia primária do córtex adrenal (auto-imunidade), destruição tuberculosa das adrenais ou invasão do córtex por câncer;
A falta de cortisol torna impossível a normalização da concentração sanguínea de glicose e causa lentidão na mobilização de energia;
Crise addisoniana: necessidade crítica de glicocorticóides adicionais em momentos de estresse.
Hiperadrenalismo: síndrome de Cushing
Hipersecreção pelo córtex adrenal;
Hipercortisolismo: adenomas da hipófise anterior ou do córtex adrenal, função anormal do hipotálamo ou tumores em outras partes do corpo;
Mobilização de gordura da parte inferior do corpo e sua deposição nas regiões torácica e epigástrica e aparência edematosa da face ("giba de búfalo" e "face de lua cheia");
O excesso de cortisol causa um aumento na concentração sanguínea de glicose e alto índice de catabolismo proteico (perda de proteínas musculares, supressão do sistema imune e osteoporose).
Consiste num conjunto ordenado de milhares de moléculas de DNA cujas sequências são conhecidas e é utilizada em experimentos de análise de expressão gênica em larga escala. Tem revolucionado diversas áreas do conhecimento por meio do aumento substancial da capacidade analítica dos processos moleculares.
Metodologia:
Dois grupos de células cultivadas contendo os genes de interesse: uma situação biológica normal e outra correspondente à situação a ser estudada;
O RNAm dos dois grupos é isolado e convertido em DNAc, que é marcado com uma substância fluorescente (CY5 e CY3);
Por meio de uma luz específica é possível excitar o material fluorescente dos DNAc que hibridizaram com os detectores genéticos dos microarranjos, gerando uma imagem que traduz a reação da fluorescência dos spots;
• Com isso, é possível analisar a expressão gênica dos genes, por exemplo, ativados pelos glicocorticoides.
Definição e histórico
A primeira evidência experimental do estresse foi conduzida na Universidade McGill, no Canadá (em 1936), por Hans Selye, um endocrinologista nascido na antiga Áustria-Hungria.
O estresse pode ser definido como um estado antecipado ou real de ameaça ao equilíbrio do organismo e a reação do mesmo, que visa ao restabelecimento da homeostase por meio de um complexo conjunto de respostas fisiológicas e comportamentais (chamada de "síndrome de adaptação geral").
Estresse crônico: afeta a maioria das pessoas e é constante no dia a dia. Afeta os indivíduos de forma mais branda.
Estresse agudo: normalmente é causado por situações traumáticas e possui duração curta e efeitos mais intensos do que os causados pelo crônico.
Estressores
Fator estressor é qualquer evento, acontecimento ou circunstância que exerça influência física, emocional ou mental em um indivíduo. Geralmente os fatores estressores estão relacionados ao convívio social e familiar, ambiente de trabalho, meio ambiente, condição de saúde e situação socioeconômica do indivíduo, dente outros.
Sensoriais ou físicos: envolvem um contato direto com o organismo;
Psicológicos: o sistema nervoso central é ativado por mecanismos cognitivos;
Infecções: liberação de citocinas (proteína regulatória).
Tipos de estressores:
Segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde) de 2012, cerca de 90% da população mundial é afetada por algum tipo de estresse.
Principais sintomas
Insônia;
Falhas de concentração e memória;
Cansaço;
Ganho ou perda de peso;
Dores de cabeça, musculares e na coluna;
Gastrite;
Resistência baixa, entre outros.
Eixo hipotálamo-hipófise-adrenal (HHA)
O cortisol desencadeia um feedback negativo sobre o hipotálamo e a hipófise, inibindo a secreção de CRH (corticotrofina) e ACTH (adrenocorticotrofina).
Da sinalização à expressão gênica
Atuação da equipe multidisciplinar
Educação física
Fisioterapia
Nutrição
Psicologia
Terapia ocupacional
Bibliografia
GUYTON, A.C.; HALL, J.E. Tratado de Fisiologia Médica. 11 ed. Elsevier, Rio de Janeiro, 2006
GUYTON, A.C.; HALL, J.E. Tratado de Fisiologia Médica. 12 ed. Elsevier, Rio de Janeiro, 2011
KOEPPEN, B.M.; STANTON, B.A. Berne & Levy: Fisiologia. 6 ed. Elsevier, Rio de Janeiro, 2009
KRONENBERG, H.M.; MELMED, S.; POLONSKY, K.S.; LARSEN, P.R. Williams - Tratado de Endocrinologia. 11 ed. Elsevier, 2010
ALBERTS, B. et al. Biologia Molecular da Célula, 5 ed. Artmed, 2010

http://www.cin.ufpe.br/~tg/2008-1/rsc3.pdf
http://rnp.fmrp.usp.br/~psicmed/doc/Fisiologia%20do%20estresse.pdf
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0004-27302006000600003&script=sci_arttext
http://apl.unisuam.edu.br/revistas/index.php/corpusetscientia/article/viewFile/25/22
http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=28770207
http://www.bv.fapesp.br/pt/auxilios/45919/efeitos-do-estresse-agudo-e-cronico-sobre-respostas-comportamentais-de-defesa/
http://www.bancodesaude.com.br/estresse/o-que-fator-estressor
Full transcript