Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Ab. colaborativa

No description
by

Sofia Rodrigues

on 15 January 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Ab. colaborativa

Universidade de Aveiro, Portugal
Sofia Rodrigues & Liliana Sousa
As abordagens colaborativas na intervenção social com clientes vulneráveis
Famílias socialmente vulneráveis
Photovoice
Fotografia
Comunicação
O Photovoice como instrumento de ação
Investigação
Estratégias mais eficazes
Abordagens tradicionais
(modelo biomédico,
centrado nos problemas, controlo/verticalidade…)
Abordagens colaborativas
(centradas nas competências, nas soluções,
confiança/parceria...)
sofia.rodrigues@ua.pt
Atualmente
Envolvimento
Profissionais
Serviços
Os sistemas formais de apoio atravessam
um momento de transição
Famílias
Apáticas, desesperadas
Dificuldade em acreditar nos serviços
Momento de transição
entre-paradigmas
(Andolfi,2000)
Abordagens Colaborativas
Inspiração
Princípios
Implicações
Clientes socialmente
vulneráveis
Características
Photovoice
Origem
Processo
Instrumento de acção
Múltiplas e complexas necessidades
Sucessivas crises
Dificuldade em confiar nos outros
Sentimento de incapacidade

aprendida
Escassos recursos materiais e emocionais
E mantêm competências, resiliência, fazem esforços …
Gabinete de Investigação em Saúde Familiar e Comunitária
www.cs.ua.pt
Surgiu, originalmente, em 1992, com os trabalhos de:

Carolina C. Wang (Universidade de Michigan)
Mary Ann Burris (Universidade de Londres)

Na área da promoção e educação para a saúde
As origens do Photovoice
Objetivos do Photovoice
1. Encorajar os indivíduos a identificar e a refletir sobre aspetos da sua própria experiência pessoal, familiar e comunitária


2. Promover o diálogo crítico e o conhecimento sobre aspetos importantes da sua comunidade


3. Projetar a visão acerca das suas vidas a outros, especialmente poderosos agentes políticos/influentes

Os participantes respondem a perguntas/temas através da Fotografia

Implica:
Cada participante deve dispôr de uma câmara fotográfica 24h/dia;
Em cada sessão grupal, os participantes levam uma questão/tema para responder “em casa” através da fotografia;
Na sessão seguinte, apresentam as fotografias e as histórias contidas nelas;
Em seguida, o grupo pode escolher uma ou duas fotografias para discutir em profundidade (técnicas de questionário…)
Processo PhV: síntese


What do you SEE here?
What is really HAPPENING?
How does this relate to OUR lives?
WHY does this problem or strength Exist?
What can you DO about it? What can we do to address these issues?
Técnicas de questionário:
Da fotografia ao diálogo crítico



Describe your PICTURE
What is HAPPENING in your picture?
Why did you take a picture OF this?
What does this picture TELL us about your life?
How can this picture provide OPPORTUNITIES to improve life?


What do you SEE is this photograph?
How does this photograph make you FEEL?
What do you THINK about this?
What can we DO about it?
Potencialidades do Photovoice
Elevada flexibilidade, podendo ser adaptado a diferentes objetivos, grupos e temas

Promove o envolvimento (engagement) das populações no intervenção/planeamento das políticas

Permite aceder a informação privilegiada/íntima

Inovador (usa novas tecnologias na abordagem dos temas e na disseminação dos resultados)
Envolve diferentes materiais com os respetivos custos associados (câmaras fotográficas, material para impressão e divulgação, etc.)


Pode ser um processo moroso (nas diferentes fases de planeamento, condução das sessões, análise e disseminação)
Limitações do Photovoice
Momento entre-paradigmas
Ineficácia da Intervenção Tradicional
Sentimento de incompetência, frustação e baixas expetativas de sucesso são comuns
Profissionais
Famílias
Serviços
"Bailarinos Enjaulados"
Procuram técnicas eficazes
Mas,
Estão sobrecarregados (acumulam casos e funções)
Sentem dificuldade em envolver as famílias na intervenção
(Hamer, 2006)
Famílias
muito
Vulneráveis
Características:
Intervenção atual tende a focar-se nos seus problemas (sintomas) e menos nas suas características (padrões de funcionamento)
Excessivamente burocratizados
Fraco envolvimento do cliente
Escassos recursos
Repensar a intervenção para:
:

Romper a "coligação de desespero" no sistema de intervenção (famílias, profissionais e serviços)


Introduzir a diferença (procurar soluções)
Potenciar os recursos existentes (criatividade na intervenção social)

Sustentação teórica
Estilo contemporâneo
de intervenção
Anos 90
Influência de múltiplas perspetivas
e autores
Construtivismo e Construcionismo social; Resiliência; Empowerment; Práticas centradas na competências; Terapias centradas nas soluções...
4 Princípios:
(Anderson & Goolishian,1992; Madsen, 2007, 2009; Monk, 2003)
Adotar uma postura de curiosidade cultural e honrar o conhecimento dos clientes
Acreditar nas possibilidades e focar-se nas mudanças desejadas
Envolver-se nos processos de empowerment e ajudar os clientes a desenvolver auto-eficácia
Trabalhar em parceria e adequar os serviços/ intervenção aos clientes
Abordagens Colaborativas
Adequar as estratégias de intervenção às características das famílias (padrões de funcionamento)

Pensar a intervenção como uma actividade relacional
Photovoice: o que é?
Metodologia de investigação-ação participativa
Instrumento de recolha de informação (fotografia e voz)
e criador de comunidade
Consiste em colocar uma máquina fotográfica nas mãos dos participantes para que fotografem aspetos significativos da sua vida diária
Diversos contributos
Construtivismo e Construcionismo social
= respeitar e incorporar a perspetiva do cliente; encorajar colaboração; evitar uso de linguagem patologizante

Resiliência
= analisar as reações e estratégias de enfrentamento do cliente em situações adversas

Empowerment
= ajudar o cliente a aumentar sentimento de auto-eficácia

Práticas centradas na competências
= utilizar (identificar e amplificar) as competências e recursos dos clientes; conversar com os clientes

Terapias centradas nas soluções
= envolver os clientes no diálogo centrado nas soluções (respostas viáveis no contexto cultural do cliente)
A natureza do processo de ajuda colaborativo assenta no estabelecimento de uma postura humanista e próxima entre profissionais e clientes
Setting grupal (8-12 participantes)
Duração e frequência de sessões é variável
Técnica de questionário SHOWeD:
Técnica de questionário PHOTO:
Técnica de questionário desenvolvida pelos facilitadores:
O Photovoice facilita a transição de estratégias altamente estruturadas (centradas nos problemas) para estratégias mais flexíveis (colaborativas)
+ Colaboração
+ Co-expertise
+ Competência cultural
+ Reflexão crítica
+ Criatividade

Instrumento útil junto de populações vulneráveis
Fornece um método atrativo (fotografia)

Permite olhar para as experiências e perspetivas dos participantes sobre questões importantes da/para a sua vida, validando as suas histórias

Permite a inclusão de pessoas com incapacidade intelectual, dificuldades de expressão verbal, não-escolarizadas
(Hergenrather, Rhodes & Bardhoshi, 2009; Rhodes & Hergenrather, 2007; Wang, 1999)
Projetos Photovoice
Comunidade Cigana (Centro de Estágio Habitacional)
Famílias Vulneráveis - beneficiárias de RSI (Universidade de Aveiro)
Professores, auxiliares de ação educativa, alunos e pais (Escolas)
Cuidadores familiares de doentes com Alzheimer (Centro de Saúde)
...
PhV como instrumento de ação colaborativa
Desafiante para todos os envolvidos no sistema de intervenção
Clientes vulneráveis:
Estimula a consciência crítica
Introduz novas visões acerca de um problema
Estimula a procura de soluções por parte dos clientes
Mobiliza a rede social
Exercita regulação emocional
Profissionais:
Aumenta a compreensão dos profissionais acerca da realidade diária dos clientes (competência cultural)
Facilita a comunicação
Promove a centração nas competências e soluções
Permite ajustar a intervenção às características dos clientes (ritmo e progresso)
(profissionais, clientes, serviços)
Serviços:
Potencia recursos existentes (materiais e humanos)
Introduz inovação
Aproxima serviços dos clientes
Resgata o sentimento de eficácia dos profissionais
Desenvolver uma abordagem colaborativa com clientes vulneráveis
sofia.rodrigues@ua.pt
Concluindo,
PhV desafia
o sistema de intervenção:
Particularmente visível na intervenção social junto dos sistemas mais complexos, como é o caso das populações mais vulneráveis e dos serviços formais de apoio
Abordagens colaborativas têm vindo a revelar-se mais eficazes, mas estão ainda numa fase de incorporação na prática social (Saleebey, 2001)
2 Pistas:
sofia.rodrigues@ua.pt
Muito obrigada
Momento entre-paradigmas
(Andolfi, 2000)
(Andolfi, 2000)
Univ.Aveiro e parceiros
Gabinete de Investigação em Saúde Familiar e Comunitária
www.cs.ua.pt
(Sharlin, Shamai & Sharlin, 2000)
(Shazer & Berg, 1997)
Postura não-hierárquica e não-confrontacional, assente na colaboração e parceria entre profissionais e clientes
(Madsen, 2007; Monk, 2003).
Implicações
Photovoice [PhV]
Relevância
"Coligação de desespero"
Diversidade cultural
Fotografar
Dialogar
Informar
“An image is a communication tool that can educate, inspire and influence decisions” (Wang, Burris & Ping, 1996)
Apáticas
Desesperadas
Full transcript