Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Untitled Prezi

No description
by

cacao pera

on 21 May 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Untitled Prezi

O Meu Portefólio :) Era uma vez...
Tempo
Anjo da Guarda
Excerto de " Um dia vais perceber...."
Viagem Fotográfica
Contrato
Declaração
Relatório
Regulamento
Requerimento
Carta Formal e Informal
Trabalho de grupo: " Conheçer melhor o colega de carteira"
Memória: Livro de José Saramago " As pequenas memórias"
Camões: " Aqueles claros olhos que chorando "
Analise do poema " Aqueles claros olhos que chorando"
Caracteristicas da Lirica Camoniana
Análise dos Poemas da Aula: " A forma Justa "
Artigo Cientifico e Técnico
Apreciação critica: Leitura Expressiva
Resumo do texto " Telescópio á caça de planetas"
Entrevista
O que é uma crónica?

Um dia...era um dia normal. Um dia igual a todos os outros, a minha rotina diária. Estava um dia solarento, céu limpo e a brisa fresca fazia-se sentir. Num dia tão maravilhoso e sorridente, como poderia ele ficar cinzento e obscuro?! Tal não me passou pela cabeça. Tal como perder uma parte de mim não abitou os meus pensamentos.
Este dia marcou-me. Marca. E vai sempre marcar. Passou a ser um dia que vou recordar, não pelo maravilhoso e sorridente dia que se encontrava, mas sim pelo dia em que "a" vi partir....
Era dia 11 de Abril de 2012, no dia a seguir iamos para Sevilha numa visita de estudo. Era aquela visita de estudo que todos anseavamos que chegasse. Iamos dois dias para Sevilha, voltávamos para Estremoz dia 13 de Abril. Estavamos todos entusiasmados, uma data de planos combinados, os lugares do autocarro marcados e os quartos já defenidos. Um ano á espera e finalmente estava tão perto de acontecer. Naquele dia, 11 de Abril, ela estava nervosa, triste e carente... o pai dela estava no hospital e ela não conseguia esboçar um sorriso. Aquele sorriso que constantemente caminhava no seu rosto. Naquelas últimas semanas, aquele sorriso raramente existia, e eu só conseguia ouvir o sofrimento que ecoava no seu interior e a dor que os seus olhos transmitiam. Custa-me o facto de saber que ela, nos seus últimos dias estivesse num profundo sofrimento.
As imagens que me perturbam e o sentimento que me revolta, penso que nunca vão deixar de existir. Lembro-me da aflição dela, a ligar-me para ir ter com ela porque estava com alergia e asma. Eu corri. Vi-a. Ela abraçou-se a mim. Acabou por se vomitar, o que até foi bom porque adiava a alergia, mas por essa altura a lactose já corria pelos vasos sanguineos... eu rapidamente chamei uma ambulancia, mas demorou meia hora a chegar. A mãe dela acabou por a levar para o Centro de Saúde. Eu fui a correr para lá e a última imagem consciente que tenho dela...é ela com uma mascara de oxigénio aos gritos, manifestando que não conseguia respirar. A aflição era muita e o ar ficou pesado. Expulsaram-me da zona das urgências e fiquei na sala de espera. A mãe dela ( D.Manuela) sai da zona de urgência a chorar, ajoelha-se no chão e grita pelo nome dela.... " LEILA". Ela tinha entrado em paragem cardiaca. Passou 1 h e 30 min e ela não respondia ás reanimações. Não acordava. Entrou num sono do qual não conseguia despertar.
Naquele dia vi-a partir... naquele dia perdi a minha melhor amiga... a última imagem que tenho dela é ela em coma a entrar na ambulancia, virou a cara, abriu os olhos e olhou para mim... sei que não estava consciente mas é a última imagem que tenho dela e é como se ela se tivesse lembrado de mim...
A visita de estudo foi cancelada. Todos os 9ºanos não foram para Sevilha. Todos os planos foram como se nunca tivessem existido. Viagem de finalista que não aconteceu. Dia 12 de Abril, ela respondeu a 2 testes de quando desligaram as máquinas, tentado com que ela respirasse sozinha. Eu ganhei esperança. Dia 13 de Abril, fui para a escola de manhã. Entrei pelo portão sozinha, algo que não custumava fazer, porque ela ia sempre comigo... entrei no edificio principal e estava um barulho insurssedor, de repente o barulho evapora. Os olhares estavam todos direcionados para mim. Caras de pena e tristeza olhavam para mim, sabiam mais que eu e eu queria saber o que era. Quando soube que ela tinha falecido, entrei em choque. Nesse dia tomei um calmante. Dignei-me a ir ao velório, mas foi um inferno. São imagens de terror que guardo da mãe dela no dia do velório e do feneral...dia 13 foi o seu dia, o dia em que o coração forte dela não resistiu...mas será sempre um coração de guerreira...o meu anjo da guarda...a minha melhor amiga!
" LEILA" Era uma vez... O tempo foge…
Foge de mim…
Foge do Mundo.
Não me deixa alcançar os meus objectivos…
Escapa-me por entre os dedos…
O tempo passa cada vez mais rápido,
Não dando oportunidade de concretizar desejos.
Os anos parecem horas, os dias parecem minutos,
E os dias pequenos segundos…
Os desejos fogem…
Têm medo do tempo, de serem levados e esquecidos
No ar, como outras mil palavras por dizer…
Não tenho a certeza se dei o valor necessário
Ás pessoas á minha volta…
Certas palavras que gostava de dizer
E acabei por não as dizer por medo…
O tempo levou-as, evaporou-as no ar.
Actos que cometi que não devia ter cometido,
Que gostava que o tempo os leva-se ou simplesmente
Que recua-se para os corrigir
Mas o tempo é rápido de mais e não o permite…
Nunca ninguém nos disse que a vida era fácil
Mas também não é difícil.
O tempo é rápido, aproveitem todas as horas, os minutos
E os segundos da vossa vida.
Por mais rápido que o tempo seja
Ele não vos rouba a vida ou a alegria de viver.
Acompanhem a sua velocidade e vivam! Tempo Excerto de " Um dia tu vais perceber" Índice Voas-te e transformaste-te numa estrela Anjo da Guarda Aqueles olhos brilhantes e enormes iluminam o seu rosto.
O cabelo castanho claro, com madeixas louras
Que parecem dourado, dão-lhe um toque especial.
A sua pele macia e o seu abraço reconfortante,
Agradam-me.
Ela é preciosa, extraordinária aliás.
A melhor amiga que podemos ter.
Sabe como nos reconfortar.
Diz-nos as palavras que
Queremos ouvir e que nos acalmam.
Mesmo com lágrimas nos olhos ela sabe sempre
Uma palavra carinhosa.
Admiro-a! Parece que já viveu neste mundo.
Que sabe o que vai acontecer, e está cá
Para não me deixar cair.
Alguma vez sentiram que alguém está a olhar por nós
E que é o nosso anjo da guarda? Eu já.
Ela é o meu anjo da guarda.
Nos seus braços sinto-me protegida do mundo exterior.
O seu sorriso é único e faz-me sentir melhor.
Ela compreende-me!
E qual seria o nome que com estas qualidades eu lhe dava!?
Era de “ Perfeita “, sem um único defeito.
O seu nome é mágico. E de tão mágico que é
Que eu não quero que saibam.
Fiquem a conhece-la por Lé
O anjo perfeito… " Olhei para ele, e abanei a cabeça a dizer que não. Ele sentou-se na tal cadeira, agarrou na minha mão pequenina delicadamente, e esteve comigo durante 3 horas, a explicar-me o que se passava. Foi muito simpático, honesto, amigo e verdadeiro comigo. Admirei o seu gesto. Pus-me no lugar dele, que não era fácil dizer aos seus pacientes que estavam doentes, era uma posição difícil ver as reacções dos pacientes, a chorarem desalmadamente, a saírem disparados dos gabinetes e batendo com a porta ou aqueles que demonstram ser fortes e aceitam, mas no fundo destroem-se a si próprios. Certamente que nenhuma pessoa gosta de saber que está muito doente, deve ser horrível essa situação…ver a esperança a desaparecer, deixar de poder fazer tanta coisa que fazia, abdicar de sonhos, de momentos de prazer e sabores…que um dos maiores sabores de um ser humano é a vida…e é a partir destes momentos, destas partidas da vida que ela deixa de ter o seu sabor… " Camões Épico Lirico " Os bons vi sempre passar/ No mundo graves tormentos;/ E para mais me espantar/ Os maus vi sempre nadar/ Em mar de contentamentos"
Luís de Camões " Jamais haverá ano novo se continuar a copiar os erros dos anos velhos"
Luís de Camões "Ah o amor... que nasce não sei onde, vem não sei como, e dói não sei porquê"
Luís de Camões A verdadeira felicidade está na própria casa, entre as alegrias da família. Viagem Fotográfica Dar valor ás pessoas importantes da nossa vida, dizer o quanto especiais e falta nos fazem, dizer-mos o quanto as ama-mos e o quanto gratos estamos por fazerem parte da nossa vida.
Familia & Amigos para Sempre! Camões
" Aqueles claros olhos que chorando " Aqueles claros olhos que chorando
ficavam, quando deles me partia,
agora que farão? Quem mo diria?
Se porventura estarão em mim cuidando?

Se terão na memória, como ou quando
deles me vim tão longe de alegria?
Ou se estarão aquele alegre dia,
que torne a vê-los, na alma figurando?

Se contarão as horas e os momentos?
Se acharão num momento muitos anos?
Se falarão co as aves e cos ventos?

Oh! bem-aventurados fingimentos
que, nesta ausência, tão doces enganos
sabeis fazer aos tristes pensamentos! Análise do Poema
" Aqueles claros olhos que chorando " Pág.81.
1.1- O sujeito poético encontra-se distante, separado da amada. O determinante demonstrativo " aqueles " apresenta no poema um valor deitico, pois marca a distancia entre o sujeito poético e a sua amada.
1.2- O sujeito poético dirige as questões a si próprio. Estas questões correspondem ás suas inquietações e dúvidas em relação aos sentimentos da amada: " Será que pensa nele? Continuará a ama-lo? E sofrerá com a separação? "
1.3- " Que farão agora aqueles olhos claros que ficavam chorando, quando deles me partia? "
1.4- Com estas três questões o sujeito poético questiona se a amada está a contar as longas horas de separação, se o tempo lhe parecerá longo, se falará com as aves e com os ventos procurando saber noticias suas.
2.1- A interjeição " oh " tem um valor de desejo.
2.2- O sinónimo de finjimentos será ilusões.
2.3- Através do recursso á antitese: " doces enganos/tristes pensamentos ", o sujeito poético evidência a oposição entre as suas ilusões e a sua tristeza, salientando que aquelas tornam mais suaves os seus momentos de duvida.
3- O poema remete para um quadro de esperança. Este sentimento está presente ao longo de todo o poema. O sujeito poético recorda a amada que ficou chorando no momento em que ele partiu. O poeta quer acreditar que ela está a sofrer, como ele, com a ausência. Poema: " Aqueles claros olhos que chorando "
Estrutura: estrutura formal do poema é um soneto
Composição poética: composta por 2 quadras e 2 tercetos-> 14 versos.
Tema do poema: Amor/Saudade/Mulher/Destino. Contrato Um contrato, tal como é defenido em dicionário, é uma convenção estabelecida mediante acordo entre duas pessoas individuais ou coletivas, na qual cada uma das partes se sujeita a certas obrigações e usufrui de determinados direitos. Portanto, as partes intervenientes-os outorgantes- devem estar de acordo quanto áquilo que dele deve constar. Declaração Designa-se por declaração a exposição oficial de uma situação, de um facto, feita por escrito, apresentada a um órgão próprio e que constitui prova de compromisso. Numa declaração, o declarante declara ou jura que os dados que dela constam são corretos/verdadeiros, não havendo, na maior partes das vezes, necessidade de os comprovar através de quaisquer documentos oficiais. Relatório Dá-se o nome de relatório á exposição circunstanciada e objetiva daquilo que se viu, estudou, observou. Um relatório é, assim, um texto escrito onde se descrevem , objetivamente, fatos passados e que pode ter como objetivo orientar o destinatário para determinada ação. Existem diversos tipos de relatório que, dependendo do fim a que se destinam, dos assuntos tratados, das razões que lhe deram origem, etc. Exemplo de um Relatório da Visita de Estudo

De: Simão Pedro Rodrigues Antunes Nº 24 Tª 10ºA
Para: Prof. Manuel Sousa

Relatório da visita de estudo realizada ás Grutas de mira de Aire, Serra de Aire (Pegadas dos Dinossauros), Santuário de Fátima.
Em: 19 de Abril
Esta visita iniciou-se por volta das 9:00h, com um tempo muito agradável. Nela participaram algumas turmas (4) do 10º ano, os professores (directores de turma) de matemática, Biologia, Português. Teve como finalidade proporcionar aos alunos um melhor conhecimento sobre assuntos relacionados com grutas e a extinção dos dinossauros. Ás 9:00h as turmas do 10º ano saíram da Póvoa de Lanhoso em direcção ás Grutas de Mira d’Aire. Iam dois autocarros, um levava as turmas do 10ºA e 10º B e o outro levava as turmas 10ºC e 10º D, mais alguns alunos do 11º ano.
Andamos cerca de 3h de autocarro. Chegamos às Grutas por volta das 12:00h. Aqui entramos para uma espécie de túnel, um lugar mais fresco. Após a entrada dos alunos veio o instrutor que ao longo do percurso nos ia dando informação acerca das Grutas. As Grutas foram descobertas em 27 de Julho de 1947. Mas só em Setembro de 1953 foi possível conhecer totalmente o percurso que se encontra actualmente aberto ao público. Esta gruta era constituída por rocha calcária. Passamos por várias salas das Gruta, e á medida que se avançava ficava-nos a uma profundidade maior. A Gruta tinha as seguintes salas: “Sala Grande”; “Sala Vermelha”; “Sala da Joalharia”; “Sala das Alforrecas”; “Sala do Órgão”; “Sala do Bar”, entre outras. Ao longo de toda a gruta via-se estalactites e estalagmites. As estalactites vêm de cima para baixo e, de cem em cem anos crescem 1 cm. No caso das estalagmites, estas crescem de baixo para cima cerca de 1 cm de mil em mil anos. Quando as estalactites se juntam às estalagmites, formam-se as “colunas”.
Depois disto fomos almoçar para um lugar perto do Santuário de Fátima, por volta das 13:45h.
Ás 14:45h, após o almoço, dirigimo-nos para o Santuário de Fátima. Os alunos não eram obrigados a ir. Quem quisesse rezar dirigia-se para o Santuário, quem não o quisesse fazer ia dar uma volta. Mas à hora combinada, todos tínhamos que estar reunidos perto do Santuário.
De seguida fomos em direcção ás Pegadas dos Dinossáurios na Serra d’Aire. Aqui, começamos por ver um filme que nos falava na época em que os dinossauros viviam e nas possíveis causas da sua extinção. O filme mostrou-nos como se descobriu as pegadas naquele local. Aquele sítio era uma pedreira, e nas suas escavações encontraram as tais “pegadas históricas”. Uma vez o filme visto, fomos ver a pedreira onde estavam as pegadas. Os alunos e professores estavam acompanhados de um instrutor que nos ia dando informações á cerca destes animais. Pensa-se que aquela região era uma zona pantanosa, e os dinossáurios ao passar lá deixaram as suas marcas que foram cobertas por sedimentos. Devido a movimentos tectónicos, o local onde estão as pegadas apresenta uma estrutura inclinada. Naquela Serra passaram Saurópodes, animais quádruplos de 27 metros de comprimento, pesavam cerca de 70 toneladas e eram herbívoros. Estas pegadas permitem descobrir, se estes animais andavam em grupos ou sozinhos, a velocidade que atingiam... Esta Serra contém os mais antigos registos de pegadas de dinossáurios e são os trilhos de pegadas mais nítidos a nível mundial.
Por volta das 17:00h estávamos a caminho da Póvoa de Lanhoso. Durante este percurso paramos 1 vez para lanchar. Ás 18:30h voltamos ao nosso destino. Dentro do autocarro conversava-se, ouvia-se música e liam-se alguns papéis informativos da visita de Estudo. Chegámos á Póvoa de Lanhoso, cerca das 21:15h. Após a chegada, cada um seguiu o seu destino.
Em suma, eu gostei muito de realizar esta visita, não só aprendemos algumas coisas novas como foi muito divertido. A pior parte da viagem era o facto de andar muitas horas seguidas de autocarro, e por isso, também a mais cansativa Regulamento Um regulamento é um conjunto de regras, preceitos, prescrições, normas a seguir. O regulamento tem por objetivo regular o funcionamento de um grupo numa determinada situação. Regulamento de Leitura

Pretende-se com o presente regulamento (aprovado para a Biblioteca do edifício C4 mas válido para todas as demais Bibliotecas da FCUL) a colaboração dos utilizadores das Bibliotecas-FCUL na conservação e correta utilização dos documentos e equipamentos que estão à sua disposição, bem como dos espaços que para o efeito lhes estão destinados.
REGULAMENTO
O acesso às salas de leitura é livre para todos os que possuem o cartão da FCUL.
A Biblioteca do Edifício C4 está também aberta a outros utilizadores, quer a título eventual quer em regime regular de utilização. Neste último caso, os utilizadores que não sejam utilizadores internos (docentes, investigadores, bolseiros, alunos e funcionários da FCUL), devem dirigir-se ao quiosque dos seguranças no Ed. C5, registar-se e solicitar um cartão de visitante para poderem aceder livremente aos respetivos documentos.
Os utilizadores estão autorizados a servir-se de espécies da Biblioteca e, simultaneamente, de outros materiais estranhos à mesma (espécies pessoais, cadernos, blocos de apontamentos, computadores pessoais) desde que não prejudiquem o normal funcionamento da Biblioteca.
Os telemóveis deverão manter-se desligados.
A BIBLIOTECA ESTÁ PROTEGIDA COM UM SISTEMA DE SEGURANÇA ANTIRROUBO. Qualquer pessoa que transporte livros de outra biblioteca, e que estejam preparados com etiquetas de segurança, deve dirigir-se ao funcionário da Receção antes de entrar, evitando assim que o alarme seja acionado.
Não é permitido nas salas de leitura da Biblioteca conversar, transportar ou consumir quaisquer alimentos (incluindo água em copo). É permitido consumir água em garrafas pequenas.
Não é permitido permanecer nas salas de leitura para fins que não sejam de estudo ou leitura.
Os utilizadores não devem danificar os móveis ou deslocar as mesas e as cadeiras da posição em que se encontram.
É expressamente proibido riscar, dobrar ou inutilizar de qualquer modo as folhas e as capas dos livros e periódicos, ou retirar qualquer sinalização aposta pela Biblioteca (cotas, carimbos ou quaisquer sinais ou registos).
O não cumprimento desta disposição implica a reposição da publicação pelo responsável ou o seu pagamento integral, conforme for julgado mais conveniente pela Biblioteca.
Os livros retirados das estantes para utilização não deverão ser colocados novamente nas estantes, mas sim nos locais assinalados para esse efeito.
Os utilizadores internos dispõem de um livre serviço de reprodução de documentos, localizado no espaço da Biblioteca. Para mais informações consulte Serviço de Impressão, Digitalização e Cópia.
É expressamente proibido reproduzir integralmente livros.
Deverão ser rigorosamente observadas as disposições legais sobre copyright.
Ninguém pode perturbar, seja qual for o pretexto, o silêncio e a tranquilidade em que deve decorrer o trabalho dos utilizadores e funcionários da Biblioteca.
O estudo em grupo só é permitido em salas reservadas para o efeito, e desde que não perturbe o silêncio característico de uma biblioteca e a tranquilidade necessária ao funcionamento de outros serviços (leitura individual, consulta das bases de dados, etc.), que decorrem na sala de leitura principal, não podendo o grupo exceder o número de lugares existentes em cada mesa.
Aos utilizadores que, depois de advertidos, reincidam no desrespeito pelas disposições deste Regulamento será temporariamente vedada a entrada na Biblioteca.
O horário de funcionamento da Biblioteca será afixado em local bem visível, e qualquer alteração será dada a conhecer aos utilizadores do mesmo modo.
Os utilizadores serão avisados, pelos funcionários de serviço à sala de leitura, dez minutos antes do encerramento. Requerimento Dá-se o nome de requerimento a uma petição, geralmente escrita, dirigida a uma entidade oficial, da justiça ou da administração. Nesse tipo de texto, é preciso particular cuidado no uso das formas de tratamento. Carta Formal e Informal Carta Formal e Informal Carta Formal e Informal 1.1. Embora tenham sido escritas pelo mesmo remetente, as cartas são substancialmente diferentes.

1.1.1. Explica porquê, considerando o destinatário (fórmulas de tratamento e de despedida) e o assunto. R: A primeira carta é uma carta formal, com um cuidado especial com as palavras; sendo o assunto da 1º carta sobre o trabalho, onde o remetente fala sobre o seu trabalho e faz algumas observações. A segunda carta é informal, porque o remetente se dirige a um amigo, sendo o assunto sobre ele estar apaixonado por uma mulher e sofre por amor e ele queria o apoio do amigo. " Conhecer melhor o colega de carteira" O meu colega de carteira para realizar este trabalho de grupo foi o Mykola. Tive que o descrever a nivel psicológico e fisico.

Caracteristicas Fisicas- Alto, loiro, olhos azuis mas mudam para verdes consoante as estações do ano, Verão e Inverno, respetivamente.
Caracteristicas psicológicas- docil, engatatão, é uma pessoa verdadeira, direto e considera-se psicopata. Memória- Livro de josé Saramago. À aldeia chamam-lhe Azinhaga, está naquele lugar por assim dizer desde os alvores da nacionalidade (játinha foral no século décimo terceiro), mas dessa estupenda veterania nada ficou, salvo o rio que lhe passamesmo ao lado (imagino que desde a criação do mundo), e que, até onde alcançam as minhas poucas luzes,nunca mudou de rumo, embora das suas margens tenha saído um número infinito de vezes. A menos de umquilómetro das últimas casas, para o sul, o Almonda, que é esse o nome do rio da minha aldeia, encontra-secom o Tejo, ao qual (ou a quem, se a licença me é permitida), ajudava, em tempos idos, na medida dos seuslimitados caudais, a alagar a lezíria quando as nuvens despejavam cá para baixo as chuvas torrenciais doInverno e as barragens a montante, pletóricas, congestionadas, eram obrigadas a descarregar o excesso deágua acumulada. A terra é plana, lisa como a palma da mão, sem acidentes orográficos dignos de tal nome,um ou outro dique que por ali se tivesse levantado mais servia para guiar a corrente aonde causasse menosdano do que para conter o ímpeto poderoso das cheias. Desde tão distantes épocas a gente nascida e vividana minha aldeia aprendeu a negociar com os dois rios que acabaram por lhe configurar o carácter, o Almon-da, que a seus pés desliza, o Tejo, lá mais adiante, meio oculto por trás da muralha de choupos, freixos e sal-gueiros que lhe vai acompanhando o curso, e um e outro, por boas ou más razões, omnipresentes na memó-ria e nas falas das famílias. Foi nestes lugares que vim ao mundo, foi daqui, quando ainda não tinha doisanos, que meus pais, migrantes empurrados pela necessidade, me levaram para Lisboa, para outros modosde sentir, pensar e viver, como se nascer eu onde nasci tivesse sido consequência de um equívoco do acaso,de uma casual distracção do destino, que ainda estivesse nas suas mãos emendar. Não foi assim. Sem queninguém de tal se tivesse apercebido, a criança já havia estendido gavinhas e raízes, a frágil semente queentão eu era havia tido tempo de pisar o barro do chão com os seus minúsculos e mal seguros pés, para re-ceber dele, indelevelmente, a marca original da terra, esse fundo movediço do imenso oceano do ar, esselodo ora seco, ora húmido, composto de restos vegetais e animais, de detritos de tudo e de todos, de rochasmoídas, pulverizadas, de múltiplas e caleidoscópicas substâncias que passaram pela vida e à vida retorna-ram, tal como vêm retornando os sóis e as luas, as cheias e as secas, os frios e os calores, os ventos e ascalmas, as dores e as alegrias, os seres e o nada. Só eu sabia, sem consciência de que o sabia, que nos ile-gíveis fólios do destino e nos cegos meandros do acaso havia sido escrito que ainda teria de voltar à Azinha-ga para acabar de nascer. Durante toda a infância, e também os primeiros anos da adolescência, essa pobree rústica aldeia, com a sua fronteira rumorosa de água e de verdes, com as suas casas baixas rodeadas pelocinzento prateado dos olivais, umas vezes requeimada pelos ardores do Verão, outras vezes transida pelasgeadas assassinas do Inverno ou afogada pelas enchentes que lhe entravam pela porta dentro, foi o berçoonde se completou a minha gestação, a bolsa onde o pequeno marsupial se recolheu para fazer da sua pes-soa, em bem e talvez em mal, o que só por ela própria, calada, secreta, solitária, poderia ter sido feito (...)
José Saramago, As Pequenas Memórias, Caminho, 2006 As pequenas memórias Caracteristicas da Lirica Camoniana É marcada por uma dualidade: poesia de caracter trovadoresco e a composições introduzidas pelo renascimento ( Sá de Miranda )
A sua produção Lirica é uma expressão do denominado " dolce stil nuovo "
A sua poesia assenta em pôlos contrários: mulher ideial e perfeita que se irá contradizer com a mulher imperfeita; Amor espiritual/ Amor sensual; Humildade/Orgulho; Inocência/ Sentimento de culpa; Natureza como espelho da alma/ Natureza que constrata com o estado de alma.
Camões teve como principais mestres: Dante e Petrarca.
Os temas que desenvolveu prendem-se como: o amor, mulher, natureza, saudade, o tempo e a mudança, o destino.
Quanto á forma, Camões escreveu: De influência tradicional -> Vilancetes; cantigas; esparsas; trovas;
De influência clássica escreveu -> sonetos; elegias; odes; éclogas;
No que respeita á métrica, Camões empregou: a medida velha( versos de 5 e 7 silabas, redondilha menor e maior, respetivamente ); a medida nova [ versos de 10 silabas- decassilábos com acento na 6ª e 10ª silabas ( heroico) ou na 4ª e 10ª silabas ( sáfico) ].
Relativamente á linguagem e estilo a poesia de Camões apresenta: adjetivação expressiva; pontuação emotiva ( exclamação, interrogação); os tempos e os modos verbais contém expressividade; recursso á mitologia; uso de figuras de estilo ( metáfora, apóstrofe, hipérbole, anáfora, hipérbato) ; há ritmo rápido e lento; No poema " A fermosura desta fresca serra " os dois tercetos apresentam um ritmo mais lento do que as quadras.
A lirica Camoniana é o reflexo do entendimento pessoal e subjetivo que Camões percionava do mundo que o rodeava. Pelo seu génio, pelas suas vivências e pelo legado ( obra ) que nos deixou, Camões tornou-se numa figura impar da Literatura Portuguesa. Análise de Poemas de Poetas do séc. XX Análise do Poema " A forma Justa " de Sophia de Mello Breyner -> apresentado por Catarina Passão.

Pág. 121.
2. As formas verbais " seria ", " poderiam ser " e " proporia " encontram-se no condicional e estão ligadas a uma ideia chave do poema, que é a condição " se ninguém atraiçoasse ". Só há justiça se houver vontade humana.
4. Esta ideia do sujeito baseia-se no facto de constatar que isso depende do homem, pois a natureza já está pronta para essa transformação.
6. O papel do sujeito poético atribui a sí próprio " para a reconstituição do mundo " é o de denunciar, pela sua poesia, sem se cansar nunca, a " forma " injusta, pois é esse o seu " oficio de poeta " . Artigo Cientifico ou Técnico Um artigo cientifico ou téncino é um documento de divulgação de conhecimentos cientificos ou técnicos a um determinado público. Normalmente, expressa a opinião ou a argumentação de quem o elabora e pode ser apoiado noutros autores que já se pronunciaram sobre o mesmo assunto. Apreciação critica: Leitura expressiva Este livro conta-nos algo que aconteceu mesmo e que acabou por transformar e tocar a vida de muitas pessoas: uma simples e improvável amizade entre uma executiva de Nova Iorque e um menino pedinte de 11 anos.
Uma história lindíssima que me marcou imenso e que tão cedo não irei certamente esquecer. É mais que uma simples lição de vida. São várias lições de vida, exemplos de como algo tão simples como abrirmos o nosso coração, pode mudar a vida de alguém e ao mesmo tempo contribuir para mudar o mundo.
Um livro que toda a gente deveria ler. Uma oportunidade para abrir os olhos que não se deve perder. " O Fio do Destino " Apreciação critica: Leitura expressiva Este livro é um romance que conta a história de Dawson e Amanda: dois jovens que se apaixonaram quando eram adolescentes mas que dadas as diferenças sociais e pressões familiares acabaram por se separar e seguir vidas diferentes. Acabam por se reencontrar 25 anos mais tarde, colocando em causa se aquele amor depois daqueles anos ainda estaria vivo. Ambos são postos á prova, tendo que efectuar escolhas. Será que valerá apena escolher o amor? " Dei-te o Melhor de Mim " Resumo do texto
" Telescópios á caça de planetas " Tendo já explorado em permenor o Universo próximo, as astrofisicas procuram agora, encontrar planetas fora do sistema solar com condições semelhantes á terra.
Nenhum das 277 já encontradas apresenta estas caracteristicas, mas os instrumentos utilizados até ao momento não permitiam ir até mais longe.
Contudo, o novo aparelho consebido em Harvard - um " pente astronómico"
( laser) - ligado a um telescópio WHT irá permitir, pela sua presição, detetar exemplos de planetas semelhantes ao nosso, dentro de um ano ou dois. Entrevista O que é uma crónica? A crónica difere da notícia, e da reportagem porque, embora utilizando o jornal ou a revista como meio de comunicação, não tem por finalidade principal informar o destinatário, mas reflectir sobre o acontecido. Desta finalidade resulta que, neste tipo de texto, podemos ler a visão subjectiva do cronista sobre o universo narrado. A crónica não morre depressa, como acontece com a notícia, mas morre, e aqui se afasta irremediavelmente do texto literário, embora se vista, por vezes, das suas roupagens, como a metáfora, a ambiguidade, a antítese, a conotação, etc. A sua estrutura assemelha-se à de um conto, apresentando uma introdução, um desenvolvimento e uma conclusão. Fim
Full transcript