Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

"Os Lusíadas vs "Mensagem"

No description
by

Gessy Ferreira

on 9 March 2011

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of "Os Lusíadas vs "Mensagem"

"Mensagem" vs "Os Lusíadas" Tanto Luís de Camões como Fernando Pessoa, cantores da Pátria, são poetas de ausência. Poetas do que foi (Camões) ou que poderá vir a ser (Pessoa) dum amor que refugia na memória ou, revigorado, se traduz na vibração dum apelo. Luís de Camões Fernando Pessoa Estrutura das Obras “Os Lusíadas” Estrutura externa
Poema constituído por dez partes (10 cantos);
Contem 1102 estrofes (em média 110 por cada canto)
As estrofes são oitavas;
Cada verso tem 10 sílabas métricas, com acento rítmico na 6.ª e 10.ª sílaba (versos heróicos);
Estrutura Interna
Obediência às regras do género épico:
Proposição (Canto I, estrofes 1, 2, 3);
Invocação (Canto II, estrofes 4, 5);
Dedicatória (Canto I estrofes 6-18);
Narração (canto I, a partir da estrofe 19 até ao final do poema). “Mensagem” Composto por 44 poemas;
A obra divide-se em três partes: Brasão, Mar Português e Encoberto, cada uma subdividida noutras:
Brasão - É onde desfilam os heróis lendários ou históricos, desde Ulisses a D. Sebastião, ora invocados pelo poeta ora definindo-se a si próprios como em inscrições sarcásticas;
Mar Português - Poesias inspiradas na ânsia do desconhecido e no esforço heróico da luta com o Mar;
O Encoberto - Compreende Os Símbolos, Os Avisos, Os Tempos, onde se afirma um sebastianismo de apelo e de certeza profética;
É uma poesia épico-lírica. Objectivos dos Autores Luis de Camões O poeta teve como objectivo imortalizar os feitos gloriosos dos marinheiros, que transcendendo-se à sua condição humana. O épico camoniano é cântico de exaltação e de enaltecimento do povo português: pelos heróicos feitos de guerra, pelas conquistas e pela epopeia dos descobrimentos. Tais obras valorosas só se tornaram tangíveis com um espírito incessante pelo novo, pela ambição e pela conquista. Fernando Pessoa Pessoa era um «nacionalista mítico, um sebastianista racional». Para o poeta, Portugal perdeu a identidade pessoal e os feitos históricos perderam-se no tempo e só restava a memória. Pessoa quis recuperar um mito para fazer ressurgir das cinzas uma nação. O Saudosismo que preenchia os corações dos portugueses poderia ser o ponto de partida, para recuperar a imagem que morrera com o passado. Através do sonho, poder-se-ia construir um império perfeito e espiritual que teria como finalidade a construção da paz universal. Diferenças e Semelhanças Ambas as obras mostram um olhar decadente e apresentam um apelo a D. Sebastião, “N’Os Lusíadas” o Rei surge na dedicatória, como personagem história e na “Mensagem” como figura mitificada, o Encoberto / O Desejado, base do Quinto Império;
As duas obras apresentam uma estrutura paralela;
São textos de exaltação patriótica e com um ideal missionário. Semelhanças Diferenças “Os Lusíadas” foram compostos no início do processo de dissolução do império e Mensagem publicada na fase terminal de dissolução do império;
“Os Lusíadas” têm um carácter predominantemente narrativo e pouco abstractizante, enquanto, que “Mensagem” tem um carácter menos narrativo e mais interpretativo;
No estilo camoniano predomina o elemento viril – a viagem, a aventura o risco. Tradicionalmente, a mulher é a que fica esperando imóvel, na felicidade e no sonho do regresso;
Como Camões conheceu o império no concreto das suas grandezas e das suas misérias, era fácil ter esperança. O D. Sebastião a quem camões se dirige é um jovem, e achou que valia a pena mostrar-se, exibir os seus préstimos, para que o Rei o distinga, confie nele, se lance na conquista do Norte de África levando-o consigo. Já o D. Sebastião da “Mensagem” elaborado longamente pelo sebastianismo pela humiliação, esse é o Encoberto, o Desejado, uma sombra, um mito. Pessoa sobrevive na aridez dos dias vazios, já lhe faltavam razões para acreditar na mudança, desejo já estava no limite, calcinado pela espera de quatro séculos; Em Camões põem-se no mesmo plano a memória e a esperança;
Para Pessoa, o objecto de esperança se transferiu para o sonho, a utopia, e dai uma concepção de diferente de heroísmo;
Pessoa identifica-se com os heróis da “Mensagem” desdobra num processo lírico – dramático. O amor da pátria converte-se numa atitude metafísica definível pela decepção do real.
Os textos que compõem a “Mensagem” dividem-se em grupos e subgrupos, obedecendo a um plano cuidadosamente estabelecido. A diferença está no facto de “Os Lusíadas” serem uma epopeia clássica, narração onde enlaçam a viagem de Vasco da Gama, a comédia dos deuses e a História de Portugal, mediante a alternâncias e discursos dentro do discurso, uns retrospectivos, outros prospectivos, enquanto a mensagem integra, com 44 poesias breves, datadas de várias épocas e arrumadas em três partes: Brasão, Mar Português e Encoberto
A comparação entre "Os Lusíadas" e a "Mensagem" impõe-se pelo próprio facto de esta ser, a alguns séculos de distância e num tempo de decadência - o novo mito de pátria portuguesa.
Prof.: Helena Félix Valente
Disciplina: Português
Ano Lectivo: 2010/2011 Trabalho Elaborado Por: Jelciana Gonçalves
Nº10 12.ºD
Full transcript