Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Turismo e Novas Tecnologias

MI | MM | 2013
by

Luís Mendes

on 7 May 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Turismo e Novas Tecnologias

Resumo | Abstract Turismo e Novas Tecnologias Esta revisão da literatura assenta no estudo da ultilização da multimédia no setor do turismo, subdivindo-se em quatro temas centrais. Procura o rigor científico, a triangulação de fontes, mas também a focalização/"especialização" em publicações específicas acerca do tema. A nível de investigação, estas exploram o assunto de forma concisa e objetiva. Multimédia e ICTs De acordo com Ribeiro e Gouveia (2004: 111), a definição genérica de multimédia seria «multimédia designa a combinação, controlada por computador, de texto, gráficos, imagens, vídeo, áudio, animação, e qualquer outro meio pelo qual a informação possa ser representada, armazenada, transmitida e processada sob a forma digital, em que existe pelo menos um tipo de media estático (texto, gráficos ou imagens) e um tipo dinâmico (vídeo, áudio ou animação)». Mas há ainda quem considere a multimédia como uma experiência interativa, multissensorial e que veja o conceito como algo mais lato e abrangente, de uma forma participativa e emocional. A Internet enquanto meio de divulgação para destinos turísticos O contributo da Internet é inegável. Lavaredas (2010: 4) escreve que “no que respeita à utilização da Internet, em termos de mercado turístico, estudos demonstram que o número de utilizadores continua a crescer globalmente. Para além da comunicação e promoção, também o volume das transacções electrónicas na Internet tem vindo a crescer em termos de volume e de peso relativo no negócio global de viagens. A pesquisa/reserva de viagens online, ainda que concretizada por outros meios, processa-se sobretudo através dos motores de pesquisa e dos agentes virtuais.” ICTs, comércio eletrónico e Turismo Eletrónico: Considerações práticas Demetriades e Baltas(2003:212-213) resumiram os cinco elementos que consideram constituir dimensões essenciais de um modelo de negócio online. Estas dimensões são:
“- Value Proposition to customers and other business actors (products, services). This is
the main corporate marketing decision.
- Revenue Model: Choose the potential sources of revenues (sales, advertising, subscription,
and affiliation).
- Organisation Structure and Cost Structure: operational structure, business processes,
and management information system.
- Positioning to the Market Value Chain: strategic positioning and business relationships.
- Networks: alliances and partnerships.”
Os potenciais benefícios desta abertura ao comércio eletrónico podem assim ser resumidos em duas categorias: a melhoria das actividades correntes; ou a abertura ao aparecimento de novas oportunidades e actividades de negócio.
O caso português: entidades públicas "Apesar de intenção manifestada nas políticas desenvolvidas para o sector, constata-se que as instituições públicas que actuam na área do Turismo não têm uma estratégia online definida, traduzindo-se a sua actuação em acções pontuais sem continuação nem controlo. A presença ao nível da Internet (quando existe), é marcada apenas pela disponibilização de sites informativos, estáticos e com pouco interesse para o utilizador. As poucas inovações tecnológicas que vão aparecendo são da autoria de empresas privadas, aparecendo sem grande encaixe no conteúdo geral da página" (Lavaredas, 2010: 120-121) Metodologias de Investigação | 2013 Bibliografia Bibliografia Consultada
WALL, Geofrrey, MATHIESON, Alister, (2006), Tourism. Change, Impacts and Opportunities, Pearson, London.
PIGRAM, John, J., WAHAB, Salah, (editors), (1997), Tourism, Development and Growth. The Challenge of Sustainability, Routledge, New York.

RICHARDS, G., WILSON, J., (editors), (2008) From Cultural Tourism to Creative Tourism, ATLAS, Arnhem, Netherlands.

MOUTINHO, Luis, RITA, Paulo, CURRY, Bruce,(1996), Expert systems in tourism marketing, Routledge

SMITH, M., (2006), Tourism, Culture and Regeneration, CABI Publishing, Oxfordshire.




Bibliografia Referenciada
MARUJO, Maria Noémi Nunes Vieira, (2008), A Internet como Novo Meio de Comunicação para os Destinos Turísticos: O caso da Ilha da Madeira, CEFAGE, Évora. Disponível em:
http://dspace.uevora.pt/rdpc/bitstream/10174/4877/1/A%20Internet%20como%20Novo%20Meio%20de%20Comunica%C3%A7%C3%A3o%20para%20os%20Destinos%20Tur%C3%ADsticos.pdf (Acesso em abril de 2013)

LAVAREDAS, Rosa, (2010), A internet como meio de promoção turística na Região de Lisboa: o sector público, Repositório AbERTO, Lisboa. Disponível em:
https://repositorioaberto.uab.pt/bitstream/10400.2/1721/1/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20Final.pdf (Acesso em abril de 2013)

http://ria.ua.pt/bitstream/10773/1852/1/2009001363.pdf (Acesso em abril de 2013)
Temas e Subtemas Tema geral: Turismo e Novas Tecnologias

Subtemas/Tópicos escolhidos:
1.) Multimédia no Turismo.
2.) A Internet enquanto meio de divulgação para destinos turísticos.
3.1) ICTs, Comércio Eletrónico e Turismo Eletrónico: Considerações práticas.
4.2) A Internet enquanto meio de divulgação para destinos turísticos: o caso português. O turismo vive da informação. A Internet é informação. Na verdade, Sheldon (1993) afirma que a informação é a “alma” do turismo, sem a qual o sector não funciona (Marujo, 2004: 26) e O’Connor (1999) que o turismo é uma indústria baseada numa informação intensiva. Castells (1999) referenciado por Marujo (2004) defende que na Internet, a informação representa o principal elemento para a organização social da humanidade. Daí a relação entre estas duas forças da sociedade contemporânea: o turismo e a Internet. "(...) Através da análise aos sites dos municípios referenciados na rede, verificou-se que tanto o poder local como a DRT apresentam algumas deficiências na promoção da sua localidade ou da sua região como um destino turístico. Assim, aconselha-se ao poder local e à DRT a adaptarem-se à Internet se querem de facto atrair mais visitantes para o seu destino. As novas tecnologias fazem com que a competitividade entre os destinos turísticos aumente de dia para dia, e por isso, quem não souber comunicar bem o seu destino, via Internet, corre o risco de ser superado pela concorrência" (Marujo, 2004: 41) ICT- Information and Communications Technologies
As ICT são hoje tão importantes na utilização das novas tecnologias no turismo que Kanellopoulos et al.(2004), citando Buhalis e Licata(2002), define E-Tourism precisamente como “a new research area created by the adoption of Information and Communication Technologies (ICT) in the Tourism Industry.”
Kanellopoulos et al. Sugerem também que as ICT que podem, e são, geralmente adaptadas para o mercado turístico são: “Electronic and Mobile Commerce, Web Services and Web Semantics, Expert Systems and Intelligent Agents, Data Mining and Data Warehousing, Wireless and Multimedia Communications, Virtual Reality (VR) and Augmented Reality (AR).”
Full transcript