Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Inserção Ocupacional de Pessoas com Deficiência

No description
by

Karina Grando

on 27 May 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Inserção Ocupacional de Pessoas com Deficiência

Inserção Ocupacional de Pessoas com Deficiência
Como é feita a capacitação do deficiente no mercado de trabalho;

Dificuldades enfrentadas pelo deficiente, pela sociedade e pela organização relacionadas à inserção do deficiente no mercado de trabalho;

Áreas vinculadas na prática da inserção e a função do psicólogo frente a esta equipe.
A Organização
Áreas de maior contratação dessa população.

O contato com a organização e o processo de seleção.

Perfil da organização que opta pela contratação do deficiente.
Leis Trabalhistas
Relato
Tive a oportunidade de vivenciar a história de um adolescente com Deficiência Intelectual significativa e que demonstrava imenso desejo de trabalhar numa determinada rede de supermercados. Numa determinada ocasião, esta empresa foi fazer uma visita a unidade de preparação para o mercado de trabalho, onde eu trabalhava, com objetivo de selecionar pessoas com deficiência para o preenchimento de duas vagas no hipermercado. Conforme a solicitação feita anteriormente pela empresa visitante, a equipe havia selecionado um grupo de pessoas que considerava aptas para o desempenho das funções que iriam executar. Apesar desse adolescente não estar na composição do grupo selecionado pela equipe que considerou o perfil solicitado pela empresa, imediatamente ele compreendeu que se tratava de uma visita de busca de candidatos a vagas para o trabalho e mesmo sendo analfabeto, reconheceu a logomarca no uniforme dos funcionários do supermercado. Rapidamente se aproximou dizendo que seu SONHO era trabalhar naquela empresa com carteira assinada, iniciando um diálogo com a coordenadora do RH e apesar de sua fala dificultosa foi tão convincente com sua força de luta em realizar seu desejo que conquistou a vaga de empacotador e se tornou um ótimo funcionário. Trabalha a 08 anos na empresa e é o funcionário mais motivado do grupo. Esse adolescente teve uma grande transformação no seu visual, cuidou dos dentes, colocou aparelho ortodôntico, passou a se vestir bem, ajuda a mãe com seu salário e se posiciona sempre que presencia algo que considera errado com seus companheiros, defendendo-os. Após o emprego o seu grande desejo era estudar e arranjar uma namorada.
Entrevista

Profissional na área de Terapia Ocupacional, que atuou 10 anos no C.R.P. (Centro de Reabilitação de Piracicaba), no departamento da UNEP (Unidade Educacional e Profissionalizante), como coordenadora de tal departamento.


Diná Cristina Butolo (R.A. 105166-3)
Elton Vieira (R.A. 103031-1)
Karina Pontes Grando (R.A. 104622-6)
Vânia Cristina Casale de Araújo (R.A. 102387-8)


O Deficiente
Artigo Único – É assegurado aos deficientes a melhoria de sua condição social e econômica especialmente mediante:
I – educação especial e gratuita;
II – assistência, reabilitação e reinserção na vida econômica e social do país;
III – proibição de discriminação, inclusive quanto à admissão ao trabalho ou ao serviço público e a salários;
IV – possibilidade de acesso à edifícios e logradouros públicos

Artigo 3° Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil:
IV – promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação


Leis Trabalhistas
No Art. 1° e 170 da CF/88, diz que a contratação desse profissional deve ser vista como a de qualquer outro profissional, e não só porque ele teria algum tipo de limitação, sendo que dependendo do caso ele pode ser uma pessoa ainda melhor que aquela que teria o título de “normal”.
No que se refere a Cotas o Art. 93 da Lei 8.213/91 é bem específico quanto a quantidade de empregados que devem ser contratados na empresa segundo o padrão abaixo:

- de 100 a 200 empregados: 2%

- de 201 a 500 empregados: 3%

- de 501 a 1.000 empregados: 4%

- de 1.001 em diante: 5%

O Papel do Psicólogo
Habilidades Adaptativas;

Apoio ao deficiente;

Conscientização no ambiente de trabalho;

Preocupação com ergonomia.
Conceito de Deficiência
De acordo como o DECRETO Nº 3.298, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1999, é considerada pessoa com deficiência a que se enquadra nas seguintes categorias:

-
Deficiência Física
: Alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo humano, acarretando o comprometimento da função física. Membros com deformidade congênita ou adquirida, exceto as deformidades estéticas e as que não produzam dificuldades para o desempenho de funções. Exemplo: paraplegia, paraparesia,;
-
Deficiência Auditiva
: Perda parcial ou total das possibilidades auditivas sonoras, variando de graus e níveis;
-
Deficiência Visual
: Acuidade visual igual ou menor que 20/200 no melhor olho, após a melhor correção, ou campo visual inferior a 20º (tabela de Snellen), ou ocorrência simultânea de ambas as situações;
Deficiência Intelectual:
Funcionamento intelectual significativamente inferior à média, com manifestação antes dos dezoito anos e limitações associadas a duas ou mais áreas de habilidades adaptativas, tais como: comunicação, cuidado pessoal, habilidades sociais, utilização da comunidade, saúde e segurança, habilidades acadêmicas, lazer e trabalho.

Conceito de Deficiência
Ainda segundo o DECRETO Nº 3.298, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1999, a deficiência mental pode ser medida em níveis:
-
Leve
: Desenvolvem habilidades escolares e profissionalizantes. Chegando, inclusive a promover sua manutenção, muito embora necessitem, algumas vezes, de ajuda e orientação em situações sociais diferentes daquelas a que estão acostumados;
-
Moderada
: Capacidade insuficiente de desenvolvimento social, mas pode manter-se economicamente, por meio de programas supervisionados de trabalho.
-
Severa
: Apresentam pouco desenvolvimento motor e mínimo desenvolvimento de linguagem. Podem contribuir apenas parcialmente para sua subsistência, em ambientes controlados;
-
Profunda
: Apresentam retardo intenso e a capacidade sensorial motora mínima. Mesmo com suas dificuldades, há possibilidade de adquirirem hábitos de cuidados pessoais, através de programas de “condicionamento operante”;
- Deficiência Múltipla
: Associação de duas ou mais deficiências.
Full transcript