Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

LITERATURA NO ENEM

Wesley
by

Wesley Linhares

on 26 April 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of LITERATURA NO ENEM

HABILIDADES E COMPETÊNCIAS LITERATURA NO ENEM Antes de mais nada! Assuntos A Literatura e o ENEM - Apenas escritores brasileiros
- modernismo
- Manuel Bandeira, Graciliano Ramos, João Cabral de Melo Neto e Carlos Drummond de Andrade 3 modelos de questões O primeiro consiste em analisar um poema e compreender o texto literário, para indicar sobre o que está tratando o exemplo.

O segundo apresenta o poema de um  autor para que o aluno analise e identifique suas principais características.

O terceiro pede para o aluno relacionar dois textos: o literário e uma crítica feita por um especialista. DOCUMENTOS - Analisar, interpretar e aplicar recursos expressivos das linguagens, relacionando textos com seus contextos, mediante a natureza, função, organização, estrutura das manifestações, de acordo com as condições de produção e recepção.

- Estabelecer relações entre o texto literário e o momento de sua produção, situando aspectos do contexto histórico, social e político.

- Relacionar informações sobre concepções artísticas e procedimentos de construção do texto literário.

- Reconhecer a presença de valores sociais e humanos atualizáveis e permanentes no patrimônio literário nacional. PERGUNTAS? Logo depois transferiram para o trapiche o depósito dos objetos que o trabalho do dia lhes proporcionava. Estranhas coisas entraram então para o trapiche. Não mais estranhas, porém, que aqueles meninos, moleques de todas as cores e de idades as mais variadas, desde os nove aos dezesseis anos, que à noite se estendiam pelo assoalho e por debaixo da ponte e dormiam, indiferentes ao vento que circundava o casarão uivando, indiferentes à chuva que muitas vezes os lavava, mas com os olhos puxados para as luzes dos navios, com os ouvidos presos às canções que vinham das embarcações...
 
AMADO, J. Capitães de Areia. São Paulo: Companhia das Letras, 2008 (fragmento). Texto I 02- (ENEM 2010) Com relação à valorização, no romance regionalista brasileiro, do homem e da paisagem de determinadas regiões nacionais, sabe-se que: 01- (ENEM 2009) No decênio de 1870, Franklin Távora defendeu a tese de que no Brasil havia duas literaturas independentes dentro da mesma língua: uma do Norte e outra do Sul, regiões segundo ele muito diferentes por formação histórica, composição étnica, costumes, modismos linguísticos etc. Por isso, deu aos romances regionais que publicou o título geral de Literatura do Norte. Em nossos dias, um escritor gaúcho, Viana Moog, procurou mostrar com bastante engenho que no Brasil há, em verdade, literaturas setoriais diversas, refletindo as características locais.
 
CANDIDO, A. A nova narrativa. A educação pela noite e outros ensaios.
São Paulo: Ática, 2003. QUESTÕES Analisando a produção artístico-literária atual, desde a repressão imposta pelo fechamento político ocorrido em 1968, é possível compreendê-la como um todo marcado por uma dispersão, em que se expressam valores individuais sem o vínculo a qualquer movimento artístico consolidado. O meu nome é Severino,
não tenho outro de pia.
Como há muitos Severinos,
que é santo de romaria,
deram então de me chamar
Severino de Maria;
como há muitos Severinos
com mães chamadas Maria,
fiquei sendo o da Maria
do finado Zacarias,
Mas isso ainda diz pouco:
há muitos na freguesia,
por causa de um coronel
que se chamou Zacarias
e que foi o mais antigo
senhor desta sesmaria.
Como então dizer quem falo
ora a Vossas Senhorias?

MELO NETO, J. C. Obra Completa. Rio de Janeiro: Aguilar, 1994 (fragmento) TEXTO I 03- (ENEM 2011) Sob diferentes perspectivas, os fragmentos citados são exemplos de uma abordagem literária recorrente na literatura brasileira do século XX. Em ambos os textos, À margem esquerda do rio Belém, nos fundos do mercado de peixe, ergue-se o velho ingazeiro – ali os bêbados são felizes. Curitiba os considera animais sagrados, provê as suas necessidades de cachaça e pirão. No trivial contentavam-se com as sobras do mercado,
 
TREVISAN, D. 35 noites de paixão: contos escolhidos.
Rio de Janeiro: BestBolso, 2009 (fragmento). Texto II 02- (ENEM 2010) Com base no trecho de Morte e Vida Severina (Texto I) e na análise crítica (Texto II), observa-se que a relação entre o texto poético e o contexto social a que ele faz referência aponta para um problema social expresso literariamente pela pergunta “Como então dizer quem fala / ora a Vossas Senhorias?”. A resposta à pergunta expressa no poema é dada por meio da João Cabral, que já emprestara sua voz ao rio, transfere-a, aqui ,ao retirante Severino, que, como o Capibaribe, também segue no caminho do Recife. A autoapresentação do personagem, na fala inicial do texto, nos mostra um Severino que, quanto mais se define, menos se individualiza, pois seus traços biográficos são sempre partilhados por outros homens.
 
SECCHIN, A. C. João Cabral: a poesia do menos.
Rio de Janeiro: Topbooks, 1999 (fragmento). TEXTO II 03- (ENEM 2011) E) Érico Veríssimo, Rachel de Queiroz, Simões Lopes Neto e Jorge Amado são romancistas das décadas de 30 e 40 do século XX, cuja obra retrata a problemática do homem urbano em confronto com a modernização do país promovida pelo Estado Novo. D) a literatura urbana brasileira, da qual um dos expoentes é Machado de Assis, põe em relevo a formação do homem brasileiro, o sincretismo religioso, as raízes africanas e indígenas que caracterizam o nosso povo. Com relação à valorização, no romance regionalista brasileiro, do homem e da paisagem de determinadas regiões nacionais, sabe-se que: C) o romance do Nordeste caracteriza-se pelo acentuado realismo no uso do vocabulário, pelo temário local, expressando a vida do homem em face da natureza agreste, e assume frequentemente o ponto de vista dos menos favorecidos. B) José de Alencar, representante, sobretudo, do romance urbano, retrata a temática da urbanização das cidades brasileiras e das relações conflituosas entre as raças. A) o romance do Sul do Brasil se caracteriza pela temática essencialmente urbana, colocando em relevo a formação do homem por meio da mescla de características locais e dos aspectos culturais trazidos de fora pela imigração europeia. Com relação à valorização, no romance regionalista brasileiro, do homem e da paisagem de determinadas regiões nacionais, sabe-se que: É neste momento que surgem movimentos como a Bossa Nova, o Cinema Novo e, posteriormente, o Tropicalismo, que retoma propostas do Modernismo de 22, como as ideias da antropofagia de Oswald de Andrade. As tendências trazidas pelo Modernismo de 45, calcadas na renovação dos meios expressivos com base na pesquisa lingüística, são de certa forma continuadas pelo Concretismo por volta da década de 60, movimento de grande influência na produção artística da época e dos dias atuais. Oswald de Andrade Já no Modernismo, foram consolidadas as bases livres da poesia com a obra e Manuel Bandeira e uma nova concepção de nacionalismo foi trazida por Oswald de Andrade. Mesmo com o momento artístico marcadamente sincrético, foi a partir do Pré-Modernismo que se manifestou o efetivo interesse pela realidade brasileira. Neste processo, destaca-se a originalidade de escritores como Castro Alves, considerado por muitos como o primeiro grande poeta social brasileiro, e Machado de Assis, que retratou com maestria os pormenores da alma humana Aos poucos, a literatura do Brasil foi tomando forma e assumindo as suas potencialidades, perpassando pelo Arcadismo, Romantismo, Realismo, Naturalismo, Parnasianismo, Simbolismo, Pré-Modernismo, Modernismo e Concretismo até desembocar na contemporaneidade, que agrega elementos e influências destas diferentes vertentes. São exemplos desta “literatura” de informação a Carta de Pero Vaz de Caminha, escrita a el-rei D. Manuel, o Diário de Navegação, de Pero Lopes de Sousa, o Diálogo sobre a Conversão dos Gentios, do PE. Manuel da Nóbrega, dentre outros. Os primeiros registros da nossa história literária encarregaram-se de documentar o início do processo colonial e a visão que os viajantes e missionários europeus tinham do homem brasileiro. PANORAMA DA LITERATURA BRASILEIRA Diferente do que ocorria na Europa, berço das grandes nações modernas em que fermentaram elementos culturais que marcaram profundamente a cultura mundial, a literatura nas Américas nasceu condicionada pela situação colonial. Para entender as origens da literatura brasileira, é preciso considerar o longo processo de dominação econômica e cultural ocorrido nos três primeiros séculos da colonização. A LITERATURA NO BRASIL Na escultura, o principal expoente no Brasil foi Aleijadinho, cujas obras, assim como toda a produção barroca, marcaram profundamente a história da cultura nacional. O apogeu do movimento Barroco no Brasil se deu com a irreverente poesia do baiano Gregório de Matos e a prosa do orador português Padre Antônio Vieira. O surgimento da literatura brasileira foi marcado pela forte influência do Barroco português, desenvolvendo-se posteriormente com autores tanto portugueses quanto brasileiros. E) descrição de Severino, que, apesar de humilde, orgulha-se de ser descendente do coronel Zacarias. D) apresentação do personagem-narrador como uma projeção do próprio poeta, em sua crise existencial. C) representação, na figura do personagem-narrador, de outros Severinos que compartilham sua condição. B) construção da figura do retirante nordestino como um homem resignado com a sua situação A) descrição minuciosa dos traços biográficos do personagem-narrador. Com base no trecho de Morte e Vida Severina (Texto I) e na análise crítica (Texto II), observa-se que a relação entre o texto poético e o contexto social a que ele faz referência aponta para um problema social expresso literariamente pela pergunta “Como então dizer quem fala / ora a Vossas Senhorias?”. A resposta à pergunta expressa no poema é dada por meio da E) a crítica à indiferença da sociedade pelos marginalizados é direta. D) o espaço onde vivem os personagens é uma das marcas de sua exclusão. C) o detalhamento do cotidiano dos personagens revela a sua origem social. B) a ironia marca o distanciamento dos narradores em relação aos personagens. A) a linguagem afetiva aproxima os narradores dos personagens marginalizados. Sob diferentes perspectivas, os fragmentos citados são exemplos de uma abordagem literária recorrente na literatura brasileira do século XX. Em ambos os textos, Destacam-se ainda escritores modernistas da Geração de 30, como Carlos Drummond de Andrade, Jorge Amado, Rachel de Queiroz e Vinícius de Moraes e da geração de 45, como Clarice Lispector, Guimarães Rosa e João Cabral de Melo Neto, um dos maiores poetas brasileiros de todos os tempos. GABARITO C D C Wesley Linhares Wesley Linhares
Full transcript