Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

TERCEIRA INFÂNCIA

No description
by

Tânia Guilherme

on 16 September 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of TERCEIRA INFÂNCIA

06 0 12 ANOS TERCEIRA INFÂNCIA A escola é a experiência central da criança nessa fase;
Avanço físico é notório, o corpo realiza coisas que antes não podia;
O aumento significativo de diversas capacidades cognitivas, como o ler e escrever;
Contato com outras crianças aumenta;
Desenvolvimento emocional e social vai ter um crescimento;
Os amigos tomam uma conotação de influência maior do que antes, apesar da importância dos pais continuar. INTRODUÇÃO As crianças crescem em média de 5 a 7,5 por ano dos 6 aos 11 anos dobrando o peso nesse mesmo período;

A retenção de tecido adiposo entre as meninas é maior do que nos meninos;

O sono tem uma diminuição de 11 horas por dia aos 5 anos para pouco mais de10 aos 9 e para cerca de 9 horas aos 13 anos;

O desenvolvimento motor é ininterrupto durante a terceira infância;

Nos 6 anos meninas têm superioridade na precisão de movimentos, no entanto os meninos com ações que demandam mais força e com um nível de complexidade menor são superiores; ambos podem pular;

Aos 8 têm uma força perto dos cinco quilos quando agarram algo; um aumento significativo na possibilidade de brincadeiras em que ambos os sexos podem participar;
Com 11 a distancia do salto de um menino chega a 1,5 metro e das meninas 1,2 metros. DESENVOLVIMENTO FÍSICO A PRÉ-ADOLESCENCIA é marcada pelo início de intensas transformações físicas ; é o início da PUBERDADE marcada, principalmente, pelo aumento do ritmo de crescimento corporal e pelo amadurecimento dos órgãos sexuais A puberdade para as meninas chega entre o 10º e o 12º ano de vida,onde os primeiros pelos pubianos e nas axilas aparecem, vem a primeira menstruação, os seios começam a crescer.
Neste período, as meninas são, em média, mais altas e mais pesadas que os meninos, onde a puberdade ainda não começou.
A maturação dos órgãos sexuais inicia-se geralmente depois, no 11º ao 14º ano de vida. Para os meninos, entre o 12º e o 14º anos de vida, a puberdade começa apresentando um alto crescimento físico (em altura, peso e força muscular), crescimento de pelos pubianos e nas axilas e engrossamento do timbre de voz.
Com o pico do crescimento físico da maioria das meninas já havendo terminado, os meninos passam à frente das meninas, definitivamente, em peso, altura e força muscular.
A maturação dos órgãos sexuais dá-se geralmente depois, no 14º ao 15º ano de vida. DESENVOLVIMENTO COGNITIVO Jean Piaget em sua teoria cognitiva, intitula esta fase entre 7 e 11/12 anos de idade de “Operatório Concreto”;

Para ele a aprendizagem é concentrada com base no pensamento e é através dela que a inteligência se manifesta,

Diz ainda que a inteligência é um fenômeno biológico e que está sujeita ao processo de maturação orgânica;

Os estudos de Piaget foram feitos com seus próprios filhos e com outras crianças durante brincadeiras e atividades, onde ele aplicava diversos testes;

Constatou fases bem definidas para o desenvolvimento da comunicação e do pensar: 1º período o Sensório Motor, 2º pré-Operatório, 3º Operatório-Concreto, 4º Operatório-Formal e por fim a Personalidade Adulta;

A 3ª fase Piagetiana (Operatório-Concreto) é a fase considerada a da infância propriamente dita. A criança está apta para iniciar um processo de aprendizagem sistemática e lidar com conceitos abstratos como números e relacionamentos. Começa, assim, a trabalhar em grupo e a ter autonomia pessoal.
Identificam-se aspectos referentes ao desenvolvimento psicossocial relacionados à família, amigos e ao auto-conceito, mais especificamente sobre o salto de qualidade nas construções sociais da criança, o qual se mostra como relevante na formação de sua identidade.
A terceira infância é a fase onde a criança consegue perceber que é capaz de realizar determinadas tarefas com mais habilidades que outras, desta forma a criança começa a desenvolver a auto-estima e consegue maior equilíbrio de suas emoções.
Já´tem uma percepção mais elaborada e profunda de si mesma e dos outros a partir de e características da personalidade e não mais físicas.
A partir da elaboração do conceito de self inicia na criança o desenvolvimento da auto-estima, ou seja, sua avaliação de seu valor como pessoa.
Crianças com baixa auto-estima possuem autoconceito negativo mesmo muito tempo após a infância ter terminado DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL A família , em especial os pais ,tem bastante influência na construção da auto-estima das crianças, a crença ou a descrença dos pais nas competências dos filhos vão ou não colaborar na construção da auto-estima;
O estudo de fenômenos de popularidade e rejeição na população infantil possui importância real, já que esses tendem a acompanhar o indivíduo até a adolescência,e são fontes de sofrimento, de transtornos de conduta e depressão.
As crianças percebidas como rejeitadas assim o são devido a características físicas como por exemplo: obesidade, baixa estatura e comportamentais, geralmente ligadas à falta de habilidades sociais :agressividade, não-cooperação,etc.
A importância dos amigos aumenta consideravelmente em relação à idade pré-escolar, fato este considerado como a maior mudança nas relações durante a meninice intermediária.
Constitui-se nesta fase uma maior centralização do grupo de companheiros e isso significa também um fator de superação do egocentrismo apresentado pela criança até por volta dos 6 anos. Mudanças físicas importantes principalmente pela passagem da infância para a pré-adolescencia;
Vida social fora da família se intensifica a partir da Escola acarretando mudanças importantes no campo dos relacionamentos e no conceito de self e conseqüente desenvolvimento da auto-estima.
A Escola passa a ser o cenário do desenvolvimento da criança, um espaço propicio para sua autonomia e construção de sua identidade.
O âmbito familiar ainda é de dependência, mas na escola e com os amigos a criança passa a conhecer outros limites, seus e dos outros, e constrói suas redes sociais.
O padrão de relacionamento desenvolvido neste período geralmente é levado para além da infância, constituindo a forma como a pessoa vai se relacionar com seus pares e familiares em todo o resto do ciclo vital.

CONSIDERAÇÕES FINAIS ARTETERAPIA
FITOTERAPIA
AROMATERAPIA
FLORAIS
AURÍCULO
YOGA
MASSAGEM TUI NA NATUROLOGIA & TERCEIRA INFÂNCIA
MRC Institute of Ouvindo Research, University Park, Nottingham, Reino Unido. davem@ihr.mrc.ac.uk
PAPALIA, D. & OLDS, S. (2000);
(D. Bueno, trad.) PortoAlegre: Artmed (trabalho original publicado em 1998);
OLDS, Sally Wendkos. PAPALIA, Diane; Desenvolvimento Humano. 7ªed. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000;
PAPALIA, Diane E. & OLDS, Sally Wendkos. Desenvolvimento Humano: sétima edição / Porto Alegre: Artes Médicas Sul. 200, pág 282 a 289;
REFLEXÕES SOBRE OS ASPECTOS DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E PSICOLÓGICO NA TERCEIRA INFÂNCIA-Bruna E. Maeoka e Simone Zattar;
Bee, H. (1997). O ciclo vital. Porto Alegre: Artes Médicas Sul;
Harter, S. (1988). Self-esteem and self-concept. In T. D. Yawkey & J.E. Johnson;
(Eds), Integrative processes and socialization: Early to middle childhood. Hillsdale,N. J.: Lawrence Eribaum Associates Inc., pp. 45-78;
Patterson, C. J., Kupersmidt, J. B. & Griesler, P. C. (1990). Children’s perceptions of self and of relationships with others as a function of sociometric status. Child Development, 61, 1335-1349;
Piaget, J. (1973). Estudos sociológicos. Rio de Janeiro: Forense;
http://www.scielo.br/scielo.php


REFERENCIAS
Full transcript