Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Ensino Evolução

apresentação TCC
by

Carolina Diegues

on 24 July 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Ensino Evolução

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL
INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS
COMISSÃO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS
FACULDADE DE EDUCAÇÃO
DEPARTAMENTO DE ENSINO E CURRÍCULO
PRÁTICA EM PESQUISA EM EDUCAÇÃO: TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

Carolina Diegues
Resultados e Discussão
Considerações Finais
O Perfil das aulas de Evolução Biológica no Ensino Médio
Escolas Laicas e Confessionais
Desatualização do currículo
Os alunos e as aulas de Evolução
Os professores e o ensino de Evolução Biológica
Alunos
Professores & Escolas
Aquisição dos dados
Questionário alunos
Questionário professores
Metodologia aplicada
Criou-se dois questionários
25 escolas de Porto Alegre
Correio Eletrônico
6 Professores:
4 & 2
Biológos (1982 a 2011)
Lecionando entre 2 e 13 anos
A Evolução Biológica no cotidiano escolar
Quando ensinar?
A historicidade das teorias evolutivas e as aulas
As teorias evolutivas nas aulas
A percepção da aprendizagem
A Evolução e o cronograma escolar
A Evolução Humana
Exemplos/analogias nas aulas
Darwin versus Lamarck e Wallace
Fatos e Teorias
As teorias sobre a Evolução Biológica na sala de aula
A vontade do professor e a vontade da escola
53 respostas
O Grupo SIM

O que é Evolução para os alunos?
Conteúdos:
Os testes vestibulares influenciam os currículos
Evolução Biológica no Ensino Médio:
quais conteúdos estão sendo abordados pelos professores de Biologia?
Orientador:
Prof. Aldo Mellender de Araújo

Introdução
Teorias evolutivas nas escolas brasileiras
Objetivo
s da
pesquisa

Pequeno histórico das ideias evolutivas
0
séc. XVIII
610 - 546 a. C.
transformação de espécies aquáticas em terrestres
séc. XIX
Conde de Buffon
Jean-Baptiste Lamarck
Charles Darwin
Alfred Wallace
George G. Simpson
Ernst Mayr
Sewall Wright
J. B. S. Haldane
T. Dobzhansky
Ronald Fisher
séc. XX
séc. XXI
1878
1990
1930
Colégio Pedro II no RJ
História Natural
Botânica
Zoologia
Mineralogia
Geologia
Decreto nº 981
Biologia
Concreta
Abstrata
2 períodos
6º ano do Ginásio
Evolução entra oficialmente nos livros didáticos
1960
Programa Biological Sciences Curriculum Study (BSCS)
Aulas de Biologia restritas ao modelo Científico para alunos com pretensão de seguir carreira médica ou biológica
1890
1900
Modelo cientificista
1971
Lei de Diretrizes e Bases da Educação
Ensino com caráter profissionalizante
1982
Lei 7.044
não obrigatoriedade do ensino profissionalizante
Ensino de Evolução negligenciado
1996
Lei de Diretrizes e Bases da Educação
Base curricular comum ao país
Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN)
2000
Sugerem:
uma articulação de conteúdos no
eixo Ecologia-Evolução
que deve ser tratado historicamente, mostrando que distintos períodos e escolas de pensamento abrigaram diferentes idéias sobre o surgimento da vida na Terra. Importa
relacioná-las ao momento histórico
em que foram elaboradas,
reconhecendo os limites de cada uma delas na explicação do fenômeno
. Para o estabelecimento da hipótese hoje hegemônica, concorreram diferentes campos do conhecimento como a Geologia, a Física e a Astronomia. (PCN, 2000, p.16)
2006
Orientações Complementares aos PCN (PCN+)
?
Objetivo geral:
identificar quais são os conteúdos abordados nas aulas de Evolução do Ensino Médio
Especificamente:
assuntos frequentes
métodos aplicados
diferenças entre escolas confessionais e laicas
Ensino de Evolução
Por quê?
Como?
Fragmentação da Biologia
Eixo Integrador
Componente Metodológico de Ensino
professores
alunos
14 confessionais
11 laicas
notas do ENEM
6 respondidos
universitários
53 respostas
Grupo
SIM
Grupo
NÃO
Grupo
NÃO LEMBRO
Escolas Estaduais de POA
Contato com
as es
colas
Públicas

Privadas
professores

coordenação
A Evolução Biológica no cotidiano escolar
3 abordam com outros conteúdos
3 abordam separadamente
Reinos Biológicos
Origem seres uni e pluricelulares
Tempo Geológico
Ecologia
Evolução Humana
Evidências Evolutivas
Lamarckismo
Darwinismo
Métodos de estudo da Evolução
Processos Evolutivos
Criacionismo vs Evolucionismo
Fé vs Razão
Astronomia
Quando ensinar Evolução?
Em qual série?
3 - todas as séries
2 - no terceiro ano
1 - no primeiro ano
E a Genética?
5 - essencial para entendimento
A historicidade das teorias
2 professores a utilizam
histórico da descoberta dos genes
contexto social dos pesquisadores
"Elementos da história e da filosofia da Biologia tornam possível aos alunos a compreensão de que há uma ampla rede de relações entre a produção científica e o contexto social, econômico e político. É possível verificar que
a formulação, o sucesso ou o fracasso das diferentes teorias científicas estão associados a seu momento histórico
." (BRASIL PCNEM, 2000, p.14)
As teorias evolutivas nas aulas
Prof. A
Prof. B
Prof. C
Prof. D
Prof. E
Prof. F
Não aborda
Darwinismo
Darwinismo
Evolucionismo
Criacionismo
Design Inteligente
Teoria dos Deuses Astronautas
Darwinismo (Darwin e Wallace)
Fixismo
Criacionismo
Lamarckismo
Seleção Natural
Teoria Sintética da Evolução
A percepção da aprendizagem
2 - fáceis
2 - intermediários
2 - difíceis
Evolucionismo
Evolução Humana
Escala de tempo
A Evolução e o cronograma escolar
Falta tempo?
4 - frequentemente
1 - raramente
1 - nunca
O que fazer?
3 - trabalhos ou seminários
1 - inserir no conteúdo
2 - não responderam
Evolução Humana
3 professores ensinam
Adaptações humanas
Relações evolutivas
Origem do homem
Evolução dos hominídeos
Exemplos/analogias nas aulas
1 - sempre
1 - frequentemente
2 - raramente
1 - nunca
Anatomia comparada
Órgãos vestigiais
Evolução girafas
Melanismo mariposas
Trabalhos de divulgação científica
Darwin vs Lamarck e Wallace
Darwin vs Lamarck
2 comparam as teorias
exemplo girafas
Darwin estava certo e Lamarck errado
Darwin vs Wallace
3 citam Wallace
Fatos & Teorias
Evolução Biológica é fato ou teoria?
3 - fato
1 - teoria
2 - fato e teoria
“Bem, a
Evolução é uma teoria. E também é um fato.
Fatos e teorias são coisas diferentes,
não escalados em uma hierarquia de certeza crescente
. Fatos são dados do mundo. Teorias são a estruturação de ideias que explicam e interpretam os fatos. Fatos não vão embora quando cientistas discutem teorias rivais para explicá-los. A Teoria da Gravitação de Einstein substituiu a de Newton, mas as maçãs não ficaram suspensas em pleno ar enquanto aguardavam o resultado. E os humanos evoluíram a partir de ancestrais símios, quer pelos mecanismos propostos por Darwin quer por algum outro, ainda por ser descoberto.” (GOULD, 1981, p. 253-254)
Evolução Biológica na sala de aula
Ao ensinar outros conteúdos:
1 - nunca
1 - algumas vezes
4 - sempre
Reinos Biológicos & Órgãos Vestigiais
Perfil das aulas:
expositivas
práticas
vídeos
livros
revistas
projeção de slides
Livros Didáticos
2 - na preparação e durante as aulas
4 - apenas na preparação das aulas
Vontades: professor vs escola
5 - livres para escolher os conteúdos

1 - deve seguir o plano da diretoria
Teoria dos Deuses Astronautas nas aulas de Evolução
entre 17 e 32 anos
39 & 14
concluíntes entre 1996 e 2011
na Região Metropolitana
Perfil dos alunos
A figura representa os três grupos formados a partir das respostas dos alunos em relação à lembrança da ocorrência de aulas sobre Evolução.
A figura mostra as categorias de escolas frequentadas pelos alunos dos grupos SIM e NÃO.
A figura mostra a série em que os alunos tiveram aulas de Evolução.
A figura representa o nível de dificuldade relacionado aos conteúdos de Evolução pelos alunos.
A figura mostra os conteúdos abordados em aula, segundo os alunos. Além destes foram citados (apenas uma ocorrência): Tempo geológico; Sobrevivência do mais apto; Irradiação adaptativa e Evolução do homem.
A figura mostra o modo como aconteceram as aulas de Evolução, segundo os alunos. Além destes foram citados (apenas uma ocorrência): Práticas; Textos explicados pelos professores & Não foram aulas específicas, mas abordadas com outros conteúdos.
A figura mostra a relação entre o número de alunos e os conteúdos das aulas de Evolução relatados por eles separados entre escolas laicas e confessionais. A: Lamarckismo (caracteres adquiridos, uso e desuso); B: Darwinismo (Seleção Natural); C: Origem da vida; D: Teorias Evolucionistas; E: História das teorias evolutivas; F: Darwinismo vs Lamarckismo (exemplo das girafas); G: Criacionismo; H: Wallace; I: Neodarwinismo; J: Fósseis; K: Evolução dos animais e plantas; L: Convergência evolutiva; M: Tempo geológico; N: Irradiação adaptativa; O: Evolução do homem.
A figura representa as categorias de resposta dos alunos quando solicitado que explicassem resumidamente o que é a Evolução Biológica. Divididos entre alunos de escolas laicas e confessionais. A: Ação da Seleção Natural sobre as espécies; B: Adaptações para deixar mais descendentes; C: Capacidade do organismo se adaptar ao ambiente; D: Difícil dizer se é correta ou não; E: Existência de organismos simples e evoluídos; F: História do planeta; G: Mudança dos seres vivos ao longo do tempo/gerações; H: Mudanças ao longo de gerações impulsionadas pela Seleção Natural onde sobrevivem aqueles com alguma vantagem em sobrevivência ou reprodução; I: Não corrobora o Ateísmo; J: Origem de espécies (especiação); K: Processo de se adaptar; L: Processo que originou a vida na Terra; M: Processos relacionados à adaptação e à Seleção Natural; N: Sobrevivência do mais apto; O: Transmissão de características hereditárias com mudanças ao longo das gerações e P: Vários aspectos equivocados.
A figura representa o desconforto dos alunos durante as aulas de Evolução.
A figura mostra os diferentes conceitos de Evolução Biológica dos alunos de cada um dos grupos. A: Aborda desde o início da vida até hoje; B: Ação da Seleção Natural sobre as espécies; C: Adaptações dos seres vivos para deixar mais descendentes; D: Capacidade de se adaptar ao ambiente; E: Difícil dizer se é correta ou não, pois tem limites amplos; F: Existência de seres simples e evoluídos; G: História do Planeta; H: Mudança dos seres vivos ao longo do tempo/gerações; I: Mudanças ao longo de gerações impulsionadas pela Seleção Natural onde sobrevivem aqueles com alguma vantagem em sobrevivência ou reprodução; J: Não corrobora o Ateísmo; K: Origem da biodiversidade; L: Origem de espécies (especiação); M: Processo de se adaptar; N: Processo que originou a vida na Terra; O: Processos relacionados à adaptação e à Seleção Natural; P: Sobrevivência do mais adaptado com sucesso reprodutivo, produzindo prole fértil; Q: Sobrevivência do mais apto; R: Transmissão de características hereditárias com mudanças ao longo das gerações; S: Vários aspectos equivocados e T: Não Responderam.
A figura mostra os diferentes conceitos de Evolução Biológica dos alunos de cada um dos grupos. A: Aborda desde o início da vida até hoje; B: Ação da Seleção Natural sobre as espécies; C: Adaptações dos seres vivos para deixar mais descendentes; D: Capacidade de se adaptar ao ambiente; E: Difícil dizer se é correta ou não, pois tem limites amplos; F: Existência de seres simples e evoluídos; G: História do Planeta; H: Mudança dos seres vivos ao longo do tempo/gerações; I: Mudanças ao longo de gerações impulsionadas pela Seleção Natural onde sobrevivem aqueles com alguma vantagem em sobrevivência ou reprodução; J: Não corrobora o Ateísmo; K: Origem da biodiversidade; L: Origem de espécies (especiação); M: Processo de se adaptar; N: Processo que originou a vida na Terra; O: Processos relacionados à adaptação e à Seleção Natural; P: Sobrevivência do mais adaptado com sucesso reprodutivo, produzindo prole fértil; Q: Sobrevivência do mais apto; R: Transmissão de características hereditárias com mudanças ao longo das gerações; S: Vários aspectos equivocados e T: Não Responderam.
A figura mostra a comparação entre os conceitos elaborados por graduandos do curso de Ciências Biológicas que ingressaram na Universidade entre os anos de 2005 a 2009 e 2010 a 2012. A: Aborda desde o início da vida até hoje; B: Ação da Seleção Natural sobre as espécies; C: Adaptações dos seres vivos para deixar mais descendentes; D: Capacidade de se adaptar ao ambiente; E: Difícil dizer se é correta ou não, pois tem limites amplos; F: Existência de seres simples e evoluídos; G: História do Planeta; H: Mudança dos seres vivos ao longo do tempo/gerações; I: Mudanças ao longo das gerações impulsionadas pela Seleção Natural onde sobrevivem aqueles com alguma vantagem em sobrevivência ou reprodução; J: Não corrobora o Ateísmo; K: Origem da biodiversidade; L: Origem de espécies (especiação); M: Processo de se adaptar; N: Processo que originou a vida na Terra; O: Processos relacionados à adaptação e à Seleção Natural; P: Sobrevivência do mais apto; Q: Transmissão de características hereditárias com mudanças ao longo das gerações e R: Vários aspectos equivocados.
Métodos:
Darwinismo
Lamarckismo
Aulas teóricas
Presença do Livro Didático
Trabalhos de Pesquisa
Não há diferenças aparentes nos conteúdos
Por que professores?
Por que alunos?
O caso das escolas trancadas
0
séc. XVIII
610 - 546 a. C.
transformação de espécies aquáticas em terrestres
séc. XIX
Conde de Buffon
Jean-Baptiste Lamarck
Charles Darwin
Alfred Wallace
George G. Simpson
Ernst Mayr
Sewall Wright
J. B. S. Haldane
T. Dobzhansky
Ronald Fisher
séc. XX
séc. XXI
O darwinismo é o ponto final?
Referências Bibliográficas
AMERICAN INSTITUTE OF BIOLOGICAL SCIENCES. Biological Sciences Curriculum Study. Biologia: da moléculas ao homem. São Paulo: Edart, 1978.
ANDREATTA, Saionara Aparecida; MEGLHIORATTI, Fernanda Aparecida. A integração conceitual do conhecimento biológico por meio da Teoria Sintética da Evolução: possibilidades e desafios no Ensino de Biologia. Disponível em: <http://www.nre.seed.pr.gov.br/uniaodavitoria/arquivos/File/Equipe/Disciplinas/Biologia/oficina/SAIONARAIntegracaoconceitual.pdf>. Acesso em: 10 dez. 2012.
BIZZO, Néliko; EL-HANI, Charbel Niño. O Arranjo Curricular do Ensino de Evolução e as Relações entre os Trabalhos de Charles Darwin e Gregor Mendel. Filosofia e História da Biologia, v. 4, n. , p.235-257, 2009.
BRASIL. Congresso. Câmara dos Deputados. Decreto n. 981 de 8 de novembro de 1890. In: Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. v. 38, n. 87, p.180-201, 1962.
BRASIL. Lei nº 5.692: diretrizes e bases para a educação. Brasília. 1971.
BRASIL. Lei nº 9.394: diretrizes e bases para a educação. Brasília.1996.
BRASIL. Lei nº 7.044. Brasília. 1982
BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Parte III - Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: MEC, 2000.
BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. PCN+ Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais Ensino Médio: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: MEC, 2006.
CARMO, Viviane Arruda do; BIZZO, Nélio; MARTINS, Lilian Al-Chueyr Pereira. Alfred Russel Wallace e o princípio de seleção natural. Filosofia e História da Biologia, v. 4, p.209-233, 2009.
CICILLINI, Graça Aparecida. A Evolução enquanto um componente metodológico para o ensino de Biologia no 2º grau: Análise da concepção de Evolução em livros didáticos. 1991. 246 f. Dissertação (Mestrado) - Departamento de Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinal, Campinas, 1991.
CICILLINI, Graça Aparecida. A Evolução enquanto um componente metodológico para o ensino de Biologia no 2º grau. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 14, n. 7, p.17-37, 1993.
COLLICHIO, Teresinha Alves Ferreira. Miranda Azevedo e darwinismo no Brasil. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1988.
DARWIN, Charles. The Origin of Species: by means of natural selection. Disponível em: <http://darwin-online.org.uk/>. Acesso em: 14 nov. 2011.
DARWIN, C. R. & WALLACE, A. R. 1858. On the tendency of species to form varieties; and on the perpetuation of varieties and species by natural means of selection. [Read 1 July] Journal of the Proceedings of the Linnean Society of London. Zoology 3 (20 August): 46-50.
ENGELKE, Douglas Senna. Análise de livros didáticos de Biologia do Ensino Médio: estaria a teoria da evolução sendo um fio condutor? 2009. 27 f. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso) - Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas, Departamento de Instituto de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.
FERNANDEZ, Fernando. O poema imperfeito: Crônicas de Biologia, Conservação da Natureza, e seus Heróis. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2000. 260 p.
FRANK, Mark G.; MENASCO, Melissa A.; O’SULLIVAN, Maureen. Human Behavior and Deception Detection. In: VOELLER, John G. (Edit.).Handbook of Science and Technology for Homeland Security. Ed. John Wiley & Sons, 2008. Vol. 5.
GOOGLE. Pesquisar Imagem. Disponível em: <http://www.google.com.br/imghp?hl=pt-BR&tab=wi>. Acesso em: set. a dez. 2012.
GOULD, Stephen Jay. Evolution as Fact and Theory. May 1981. In: Hen's Teeth and Horse's Toes, New York: W. W. Norton & Company, 1994, pp. 253-262.
JABLONKA, Eva; LAMB, Marion J.. Evoluão em Quatro Dimensões:DNA, comportamento e história da vida. São Paulo: Companhia Das Letras, 2010.
LANGLEBERT, Edmond-jean-joseph. Manuel d'histoire naturelle. Disponível em: <http://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k164030r/f1.image>. Acesso em: 1 dez. 2012.
LEITÃO, Cândido de Melo. A Biologia no Brasil. São Paulo: Companhia Editora Naiconal, 1937. (Brasiliana, Biblioteca Pedagógica Brasileira; 99).
LORENZ, Karl M.. Os livros didáticos e o ensino de ciências na escola secundária brasileira no século XIX. Ciência e Cultura, v. 38, n. 3, p.426-435, mar. 1986.
MARCELOS, Maria de Fátima; NANGEM, Ronaldo Luiz. O uso da analogia entre árvore e evolução por professores de biologia. Disponível em: <http://www.senept.cefetmg.br/galerias/Arquivos_senept/anais/terca_tema3/TerxaTema3Artigo12.pdf>. Acesso em: 07 jul. 2012.
MARTINS, Lilian Al-chueyr Pereira. A história da ciência e o ensino da Biologia. Ciência e Ensino, Campinas, Sp, p. 18-21. dez. 1998.
PASQUETT, Mayara Vendramin. A história da ciência nos livros didáticos de Biologia. 2011. 113 f. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso) - Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas, Departamento de Instituto de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.
RIBEIRO JUNIOR, W. A. Portal Graecia Antiqua: Anaximandro de Mileto. Disponível em: <www.greciantiga.org/arquivo.asp?num=0795>. Acesso em: 24 dez. 2012.
ROCHA, Pedro Luís Bernardo et al. Brazilian High School Biology textbooks: Main conceptual problems in evolution and biological diversity. In: IOSTE INTERNATIONAL MEETING ON CRITICAL ANALYSIS OF SCHOOL SCIENCE TEXTBOOKS, 2007, Tunisia. Proceedings of the IOSTE. Tunisia: University Of Tunis, 2007. p. 893 – 907.
ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. Fatores Atuantes na Evolução do Sistema Educacional Brasileiro. In: ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da Educação no Brasil: 1930/1973. 14. ed. Petrópolis: Vozes, 1991. Cap. 2, p. 33-46.
SANTOS, Silvana. Evolução Biológica: ensino e aprendizagem no cotidiano de sala de aula. São Paulo: Annablume: Fapesp: Pró-reitoria de Pesquisa, 2002.
SCHEID, Neusa Maria John; FERRARI, Nadir; DELIZOICOV, Demétrio. A construção coletiva do conhecimento científico sobre a estrutura do DNA. Ciência & Educação, v. 11, n. 2, p.223-233, 2005.
XAVIER, Márcia Cristina Fernandes; FREIRE, Alexandre de Sá; MORAES, Milton Ozório. A nova (moderna) Biologia e a genética nos livros didáticos de Biologia no Ensino Médio. Ciência & Educação, v. 12, n. 3, p.275-289, 2006.
ZAMBERLAN, Edmara Silvana Joia; SILVA, Marcos Rodrigues da. O Ensino de Evolução Biológica e sua Abordagem em Livros Didáticos. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 37, n. 1, p.187-212, 2012.
Muito obrigada!
Full transcript