Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

José Claudino Rodrigues Miguéis

Patty - Tati - Bruna - Filipe.
by

Patrícia Goden

on 26 April 2013

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of José Claudino Rodrigues Miguéis

Fim Esperamos que tenham gostado! Algumas imagens de José Rodrigues Miguéis: Trabalho realizado por: Patrícia Goden Nº22,
Bruna Trindade Nº7, Tatiana Afonso Nº26, Filipe Nº 28 Escola: Escola Secundária Fernão Mendes Pinto
Ano/Turma: 7º2
Disciplina: Língua Portuguesa
Professora: Teresa Monteiro Perguntas: 1. O que é que a imagem da capa vos sugere?

2. Por vossas palavras , como é que descreviam a história?

3. Porque é que acham que o título da história se chama "Arroz Do Céu"? Resposta chave 1. A imagem sugere dois meninos na rua a tentar apanhar moedas numa sargeta do chão.
2. A história fala sobre gente pobre que viaja de pais em pais para procurar melhores condições de vida.
3. Nos achamos que o título da historia se chama " Arroz Do Céu " ,porque o limpa vias nao sabia de onde vinha tanto arroz e que esse mesmo arroz viera a sustentar a sua familia e é por isso que achamos que o titulo da historia se chama arroz do céu. Nome: José Claudino Rodrigues Miguéis Nasceu a 9-12-1901 em lisboa e faleceu a 27-10-1980 em Nova Iorque.
Vida afetiva: José Rodrigues Miguéis, é filho de galego democrata e republicano, e era o mais novo de três irmãos, Fernando e Irene. José casara duas vezes o seu primeiro casamento foi com Pécia Cogan Portnog, e o seu segundo casamento foi com Camila Pitta Campanella.
Cargos ocupados: José foi advogado, professor, escritor, redator.
Algumas obras publicadas: “Morte de meia cara”,“ O Milagre segundo do Céu”,“O Anel do Contrabando”,“ Arroz do Céu ”,“ A múmia”,“ O Natal Clanestino”.
Temas tratados na sua obra: Basicamente, José fala sobre, Pobreza e amor.
Línguas em que está traduzida a obra: Inglês,Italiano, Alemão, Polaco, Russo, Checo e Castilhano.
Prémios: Casa da Imprensa (1932) com o livro páscoa feliz Camilo Castelo Branco (1958) com o livro Leah e outras historias E tambem em Maio de 1979 recebeu um grau de grande oficinal da ordem militar de Santiago de espada etc.....
Curiosidades: José adotou uma menina de 4 anos filha de uma lituania e de um asiatico a quem puseram o nome de ????? 1. Introdução - do príncipio até á linha 19 (1º até ao 2º paragrafo)
2. Desenvolvimento - da linha 20 á linha 9 (3º até ao 9º paragrafo)
3. Conclusão - da linha 95 ao Fim. (10º até ao 12º paragrafo)


Introdução:À medida que andava por Nova York, ia reparando nos respiradouros gradeados do metro. Por onde andava, caia de tudo: chuva, sol e às vezes caiam moedas. Havia miúdos que quando passavam nos respiradouros encostavam-se às grades tentado tirar as moedas. Quem conseguisse tirar as moedas ficava com a parte maior.
Desenvolvimento:Havia um homem que se chamava limpa-vias e trabalha á muito tempo no subway. Este homem chegava á varrer milhões de pontas de cigarros, limpava pastilha mastigada das plataformas. Ele ajudava também a recolher cadáveres de homens velhotes que morriam de ataque cardíaco e de pessoas que se atiravam para a linha do metro. Pensavam que o limpa-vias tinha nascido na Lituânia ou Estónia porque ele falava sempre em monossílabos. Ele por ver a arroz a cair do céu ficava triste. O arroz brilhava como as pérolas de mil colares desfeitos. Até que um dia encheu a mão de arroz sem o verem, e levou para casa. Ele gostava de saber de onde vinha tanto arroz.
Conclusão:O arroz que o alimentava, vinha dos casamentos que decorriam na igreja ali perto, mas para ele vinham do céu como a chuva e a neve. Ele pobre e calado nunca tendo revelado este segredo... 26 de Dezembro de 1935 Querida filha Cristalina, sei que foste a única que se desenrascou com os estudos.Por isso não deites tudo pela sarjeta abaixo, a vida aqui tambem não mudou muito, mas sempre nos chega para viver.O pequeno almoço é arroz, o almoço é arroz ,o lanche é arroz, e o jantar é arroz.Assim que passo na rua só vejo comida que nunca antes tinha visto tal e qual como o "bitoque" um pedaço de carne, com arroz e um ovo mas só um prato desses, custa o meu ordenado inteiro!!Por isso preferimos ficar-nos pelo arroz , a língua também nao é facíl só aprendi a dizer " I`m hungry" que significa tenho fome e "Smells good" que significa cheira bem. Com um grande beijinho!

Cheilor Biografia Carta Sequências da narrativa Havia um limpa-vias, que trabalhava no subway em New York.Já la trabalhava há anos sempre com os olhos no chão, limpava as latrinas e algumas vezes até tinha que recolher cadáveres de velhos que morriam ali mesmo de ataque cardiaco.Na esquina de uma rua, no Uptown, havia uma igreja mesmo por cima do subway, onde os casamentos eram frequentes , por ser chique a paróquia. O arroz chovia ás cabazadas em cima dos noivos, a saída da cerimonia. Metade somia-se logo pelos respiradouros, outra parte ficava espalhada pelo chão. Depois dos casamentos o porteiro varria o arroz para dentro das grades. Na primeira vez que viu todo aquele arroz não fez caso. Até que um dia pegou em alguns bagos e colocou-os dentro do bolso do macaco, quando o mostrou á mulher ela disse lhe que era arroz e do bom.Dai em diante varreu todo o arroz que conseguia para dentro de um cartucho que no fim levava para casa.Nunca se interrogou de onde vinha o arroz, pobre e com uma familia numerosa aquele arroz servia para lhes encher a barriga.O limpa-vias, tao pobre e calado, pensava que deus é que lhe mandava, aquela chuva benemérica de arroz que lhe veio a sustentar a familia.
Full transcript