Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Emergências Oncológicas

No description
by

Kleyton Medeiros

on 27 October 2016

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Emergências Oncológicas

Emergências Oncológicas
NEUTROPENIA FEBRIL
Neutropenia Febril - Tratamento

• Antibioticoterapia;

• Estimuladores de colônias de granulócitos;

• Isolamento Protetor.

• Cuidados de Enfermagem*.



SÍNDROME DA V. CAVA SUPERIOR (SVCS)

• Compressão extrínseca por tumor ou linfonodomegalia mediastial (principais tumores: câncer de pulmão, linfoma não Hodgkin, tumores de células germinativas, neoplasias tímicas, mesotelioma, câncer de mama).

• Invasão tumoral da veia cava.

• Dispneia progressiva (mais comum).

• Tríade clássica: pletora facial, edema cervico facial e circulação colateral toracobraquial;

• Tosse;

• Dor torácica;

• Casos mais graves: estridor, cianose facial, insuficiência respiratória, cefaléia, confusão mental e coma.

- Elevar cabeceira,
- Fornecer O2,
- Diurético de alça (furosemida),
- Aacesso venoso em membro inferior,
- Corticóide,
 Se gravidade: IOT
 Stents, RT, QT

COMPRESSÃO MEDULAR
• Dor na área afetada (geralmente o primeiro sintoma), podendo ser aguda e de forte intensidade desde o início do quadro ou de caráter progressivo.

• Piora da dor ao deitar-se.

• Dor irradiada para os membros.

• Fraqueza muscular.

• Disfunção esfincteriana.

• Hiperreflexia abaixo do nível da compressão.


COMPRESSÃO MEDULAR
• Alteração sensorial (parestesias, diminuição da sensibilidade em dermátomos).

• Piora abrupta da dor pode significar fratura patológica com compressão.

• Perda aguda da força muscular pode indicar infarto medular (que é irreversível).

COMPRESSÃO MEDULAR - DIAGNÓSTICO
- TC;
- RNM;
- Abordagem diagnóstica.
Emergências Oncológicas
- Dor;

- Tamponamento Cardíaco;

- Coagulação Intravascular Disseminada;

- Hipercalcemia da Malignidade;

- Infecção nos pacientes com câncer - Neutropenia Febril;

- Sìndrome de Secreção Inapropriada do Hormônio Antidiurético;

- Compressão da Medula Espinhal;

- Síndrome da Veia ca superior;

- Síndrome da Lise Tumoral.
DOR
Qual o motivo da preocupação com a dor no câncer?
DOR
CONTROLE DA DOR
(GATES; FINK, 2009)
♦- Frequente: Estima-se que 62% a 90% dos brasileiros com câncer apresentem algum tipo de dor.

- Desconforto: A OMS estima que mais de 80% da dor oncológica mundial é subtratada.
(BRASIL, 2011; PAICE; FERREL, 2011)
DOR
“Dor é uma experiência sensorial e emocional desagradável associada com dano tissular real ou potencial, ou descrito em tais termos”.
(IASP, 2007)
DOR TOTAL...
FÍSICA
SOCIAL
ESPIRITUAL
PSICOLÓGICA
FINANCEIRA, INTERPESSOAIS E FAMILIARES
(ALVES et al., 2011)
A dor pode ser aguda (duração inferior a 30 dias) ou crônica (duração superior a 30 dias), sendo classificada segundo seu mecanismo fisiopatológico em três tipos:

a) dor de predomínio nociceptivo,
b) dor de predomínio neuropático e
c) dor mista (p ex.“dor oncológica”)

Neutropenia Febril - Diagnóstico
Neutropenia Febril
• Umas das causas mais temidas de complicação de tratamento QT;

• Importante causa de morbidade;

• Resulta em atraso e diminuição de dose de QT;

• Febre: T. axilar > 37,8°C ou oral ≥ 38,3°C ou entre 38 e 38,3°C >1h;

• Exame físico detalhado objetivando a identificação do foco infeccioso;

• Principais focos: respiratório (mais comum), urinário, pele, cavidade oral, sítios de inserção de cateter, região perianal e perineal;

• Obs: Em 40-50% dos casos, a etiologia infecciosa não é estabelecida.

Neutrófilos < 500/mm³ ou <1.000/mm³ e em queda.

Neutropenia severa (<100/mm³) e prolongada: maior risco infeccioso.
Avaliar necessidade de demais culturas.
SÍNDROME DA V. CAVA SUPERIOR (SVCS)
SVCS - TRATAMENTO
Tratamento Definitivo
- Radioterapia;
- Quimioterapia;
- Cirurgia

COMPRESSÃO MEDULAR - tratamento
• Administrar corticóide imediatamente.
• Não há evidências científicas claras sobre o uso de corticoides em doses altas.
• Analgesia (usualmente requer uso de opióide).
• Prevenção de constipação.
• Não é necessário repouso no leito (apenas evitar movimentos que causem dor).
• Considerar anticoagulação como profilaxia para TVP/TEP em pacientes imobilizados e que não apresentam contra indicação (suspender pelo menos 12h antes em caso de cirurgia).

OBRIGADO!
Objetivos:
- Discorrer conceitos básicos de emergências oncológicas;

- Discutir sobre cuidados de enfermagem em situações de emergências oncológicas;
Infecção nos pacientes com câncer
1. Quais são os fatores que colocam o paciente com câncer em risco de infeção?



2. O que pode ser feito para prevenir infecções nos pacientes neutropênicos?


Full transcript