Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Implantação da Républica Portuguesa

No description
by

Constança Bravo

on 30 September 2012

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Implantação da Républica Portuguesa

Implantação da República Portuguesa O que levou
à revolta? A instabilidade política e social
O Rotativismo, que consistia na alternância do poder entre o Partido Regenerador e o Partido Progressista, 1878 - 1906
A ditadura de João Franco, o ministro do reino convidado pelo rei D. Carlos e que logo instituiu a ditadura, 1906 - 1908. O ultimatum britânico, em que o governo britânico enviou um ultimatum ao governo português exigindo a retirada das tropas portuguesas dos locas estabelecidos entre angola e moçambique e este cedeu, indignando o povo português. Os gastos exagerados da família real. O Mapa Cor-de-Rosa, que originou o ultimato britânico de 1890. João Franco Família Real O
regicídio A 1 de fevereiro de 1908, a família real regressava a Lisboa de uma temporada de caça em no Alentejo.
Ao passar a Praça do Comércio o rei D. Carlos e o príncipe herdeiro Luís Filipe foram assassinados, deixando D. Manuel II como Rei de Portugal. Reconstituição anónima do Regicídio publicada no jornal "Folha Volante". “Vi um homem de barba preta [...] abrir a capa e tirar uma carabina [...]. Quando [o] vi [...] apontar sobre a carruagem percebi bem, infelizmente, o que era. Meu Deus, que horror o que então se passou! Logo depois do Buíça ter feito fogo [...] começou uma perfeita fuzilada, como numa batida às feras! Aquele Terreiro do Paço estava deserto, nenhuma providência! Isso é que me custa mais a perdoar ao João Franco...”
— D. Manuel II A Revolta No dia 3 de outubro de 1910, o rei D. Manuel II ofereceu um banquete em honra do Presidente da República do Brasil, no Palácio das Necessidades.
Em pleno banquete ouve-se um tiroteio.
Enquanto o Presidente do Brasil se refugiou no seu navio, o rei permaneceu no palácio, procurando entrar em contacto com o seu Governo. Quando tentou mobilizar a guarnição militar de Lisboa, descobriu que já algumas artilharias tinham aderido ao movimento, tal como o povo. A revolução tinha-se espalhado por todo o lado.
O rei foi ameaçado no Palácio das Necessidades por bombardeamentos, mas apenas no dia 4 aceitou refugiar-se em Mafra para onde também seguiram as rainhas D. Amélia e D. Maria Pia. As Revoltas O triunfo da revolução Pelas 9 horas da manhã do dia 5 de outubro, era proclamada a república por José Relvas, na varanda da Câmara Municipal de Lisboa, e foi nomeado um Governo Provisório, presidido por membros do Partido Republicano Português, com o objetivo de governar a nação até que fosse aprovada uma nova Lei Fundamental. “Proclamada por importantes forças do exército, por toda a armada e auxiliada pelo concurso popular, a República tem hoje o seu primeiro dia de História. A marcha dos acontecimentos, até à hora em que escrevemos, permite alimentar toda a esperança de um definido triunfo. [...] Não se faz ideia do entusiasmo que corre na cidade. O povo está verdadeiramente louco de satisfação. Pode dizer-se que toda a população de Lisboa está na rua vitoriando a república.”
— Jornal O Mundo, 5 de outubro de 1910 Proclamação da república por José Relvas O exílio da
família real O presidente da câmara municipal de Mafra foi informado por telegrama da nova situação política, a qual comunicou à família real.
No dia 5 de Outubro às 2 horas da manhã, a família real parte para a Ericeira e depois para o exílio em Gibraltar, onde o Rei viveu o resto dos seus dias. D. Manuel II A Bandeira Portuguesa Republicana Símbolos da implantação da República Hino Nacional "A PORTUGUESA"
MÚSICA: ALFREDO KEIL
POESIA: HENRIQUE LOPES MENDONÇA

Heróis do mar, nobre Povo,
Nação valente, imortal,
Levantai hoje de novo
O esplendor de Portugal!
Entre as brumas da memória,
Ó Pátria, sente-se a voz
Dos teus egrégios avós,
Que há-de guiar-te à vitória!

Às armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
Às armas, às armas!
Pela Pátria lutar
Contra os canhões marchar, marchar! Ilustração alusiva à Proclamação da República Portuguesa a 5 de outubro de 1910. Webgrafia

http://pt.wikipedia.org/wiki/Implanta%C3%A7%C3%A3o_da_Rep%C3%BAblica_Portuguesa

http://avenidadaliberdade.org/index.php?content=1175&co_template=10

http://pt.wikipedia.org/wiki/Rotativismo

http://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_Franco

http://www.caestamosnos.org/Pesquisas_Carlos_Leite_Ribeiro/Implantacao_Republica_Portuguesa.html

http://www.vidaslusofonas.pt/joaofranco.htm Constança Bravo
Nº7, 8ºE
Full transcript