Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

Psicologia da Gestalt

No description
by

Ricardo Andrade

on 12 May 2011

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of Psicologia da Gestalt

Psicologia da Gestalt Professora Larissa Vitória PSICOLOGIA DA GESTALT

A psicologia da Gestalt nasceu com o artigo (1912) de Max Wertheimer (1880-1943) sobre o movimento aparente.
Teve como co-fundadores Wofgang Kohler e Kurt Koffka.
Eles se dedicaram ao estudo da percepção, da aprendizagem e solução de problemas. PSICOLOGIA DA GESTALT

Fenômeno Phi = quando dois estímulos acontecem de uma forma rápida e a certa distância entre si, tendem a aparecer como um só objeto.

A percepção mostra um caráter de totalidade, uma Gestalt, a qual é destruída na tentativa de ser analisada. PSICOLOGIA DA GESTALT

Vê o problema da percepção, da aprendizagem e solução de problemas como algo determinado pela realidade do campo visto como um todo.
Quando existe problema em alguma destas três modalidades é que falta algo à verdadeira solução da situação.
Torna-se, então, necessária uma reestruturação do campo perceptual.
(Jorge Ponciano) PERCEPÇÃO , APRENDIZAGEM & SOLUÇÃO DE PROBLEMAS

“Perls foi buscar na Psicologia da Gestalt sua proposta de aprendizagem e solução de problemas no que elas podem ajudar o cliente a aprender a solucionar seus problemas em um nível mais amplo, como seja o existencial.
O cliente deve aprender a pensar em função de todos , sem se perder em detalhes”
(Jorge Ponciano Ribeiro,1985) GESLTALT APRENDIZAGEM
APRENDIZAGEM - processo que envolve alteração súbita do campo perceptual, é uma introvisão da situação como um todo de uma forma instantânea. Supõe a aquisição de elementos novos.
INSIGHT – compreensão imediata, enquanto uma espécie de “entendimento interno”. Uma situação é concebida como uma gestalt, partes relevantes se ajustam em relação ao todo.

INDICADORES DE APRENDIZAGEM

A súbita transição da incapacidade para o domínio do problema;
O desempenho rápido e desembaraçado, uma vez que o princípio correto tenha sido aprendido;
A boa retenção;
Imediatismo com que a solução pode ser tranferida para outras situações semelhantes, envolvendo o mesmo princípio.
APRENDIZAGEM

Tanto em aprendizagem, quanto em psicoterapia, a pessoa deve aprender a descobrir o maior número possível de soluções, sempre, no entanto, dentro de um princípio, antes estabelecido, de que a situação deve ser sempre vista como um todo, tanto pelo cliente, quanto pelo psicoterapeuta.
PSICOLOGIA DA GESTALT & SOLUÇÃO DE PROBLEMAS

A solução de problemas ocorre com a reestruturação do campo perceptual, quando o ingrediente que falta é apreendido. O problema deve ser apreendido como um todo e a compreensão das relações entre as partes ocorre de forma súbita e espontânea. Os elementos já estão presentes no campo perceptual. PROPOSTA DA PSICOLOGIA DA GESTALT

O ato perceptivo, segundo a Psicologia da Gestalt, busca uma “boa forma”. Enquanto estivermos vivenciando uma situação, ou mesmo quando esta já é passada, mas não conseguimos obter uma boa forma dela, tenderemos a buscar tal fechamento. PROPOSTA DA PSICOLOGIA DA GESTALT

E aí as situações recursivas funcionariam como “novas chances”, porém concluímos que a situação em si, que se assemelha com outras anteriores, não é o problema. O problema, de fato, é continuarmos agindo de mesma forma insatisfatória a cada vez que um problema semelhante se apresenta. PSICOLOGIA DA GESTALT & PERCEPÇÃO

"Não se trata de saber se percebemos o real tal como ele é, pois é precisamente o real que percebemos.
O mundo não é aquilo que penso, mas aquilo que vivo."
M. Ponty

“Não distinguir entre ilusão e percepção é uma condição constitutiva do observador e não uma limitação ou falha no seu operar.”
Maturana (1998)
As cores dos quadrados “A” e “B” são iguais!? As cores dos quadrados “A” e “B” são iguais!? NÃO?!!?!!!

Melhor olhar de novo......
Ninguém mudou as cores dos quadrados enquanto eles eram isolados... Vocês apenas acabaram de testemunhar um fato importantíssimo do funcionamento do seu cérebro.... Ele se esforça ao máximo para enxergar aqueles quadrados como eles deveriam ser...
Um preto e outro branco...
Não importa se eles são da mesma cor...
Os quadrados adjacentes dizem que eles tem que ter cores diferentes... E seu cérebro faz você enxergar assim....diferente....
Isso é importantíssimo...
isso nos confere maior precisão visual....
é assim que conseguimos perceber mais detalhes em todas as paisagens que nos rodeiam dia-a-dia...
mais contraste entre as cores....

E só uma prova de que não importa o que está no mundo ao seu redor...
Mas sim como você percebe esse mundo!! PARA QUE ESTUDAR A PERCEPÇÃO

O tema da percepção, tal como é visto pela Psicologia da Gestalt, nós dá suporte para uma aplicação imediata de seus princípios a toda uma consideração teórica no que se refere à psicoterapia, sobretudo no que se refere ao modo como a percepção se estrutura.
(Jorge Ponciano,1985) PSICOLOGIA DA GESTALT

Entre o estímulo que o meio fornece e a resposta do indivíduo, encontra-se o processo de percepção.

O que o indivíduo percebe e como percebe são dados importantes para a compreensão do comportamento humano.
ORGANIZAÇÃO DA PERCEPÇÃO

Wertheimer propõe alguns princípios da organização da percepção. Ele falava de organização da percepção visual, das leis que regem os modos como os olhos percebem os objetos no espaço. Leis da visão.

Nós vamos fazer uma transposição:
Passar estas leis que controlam a estruturação da visão física para os modos como as pessoas percebem a realidade que as circundam,
em termos de comportamento. ORGANIZAÇÃO DA PERCEPÇÃO

A organização dos elementos configura todos gestálticos. A gestalt é produto de uma organização e toda organização leva a uma gestalt. A percepção é espontânea e instantânea de um elemento em um meio circundante.

Existem leis que regem a organização

a) caráter do membro ou elemento;
b) pregnância ou da boa forma PRINCÍPIOS DA ORGANIZAÇÃO DA PERCEPÇÃO

PROXIMIDADE
SEMELHANÇA
DIREÇÃO
DESTINO COMUM
DISPOSIÇÃO OBJETIVA
PREGNÂNCIA OU BOA FORMA PRINCÍPIOS DA ORGANIZAÇÃO DA PERCEPÇÃO

Proximidade: coisas fisicamente próximas tendem a serem agrupadas

++ ++ ++
++ ++ ++
++ ++ ++

Semelhança: coisas semelhantes tendem a serem vistas mais como integrantes de um conjunto do que outras igualmente próximas, porém menos similares

+ + + +
0 0 0 0
n n n n PRINCÍPIOS DA ORGANIZAÇÃO DA PERCEPÇÃO

Disposição objetiva: quanto vemos algum tipo de organização, continuamos a vê-lo, mesmo quando os fatores do estímulos não estão mais presentes.

OO OO OO OO OO OO OO OO OO OO

Pregnância ou “boa forma”:tendemos a fechar figuras incompletas, ao perceber que elas permitem a formação de uma boa configuração:


PRINCÍPIOS DA ORGANIZAÇÃO

Todos estes princípios têm muito a ver com generalização da aprendizagem, da informação, de resultados de insight, da visão que as pessoas tem de si e do mundo. Poderão nos orientar, indicando-nos o lugar onde nosso cliente está ou onde estamos com relação a ele, não só em termos de fantasias, como em termos da realidade
PRINCÍPIOS DA ORGANIZAÇÃO E PERCEPÇÃO

Do ponto de vista da percepção, estes princípios registram uma realidade imediata, ao passo que do ponto de vista psicoterapêutico eles registram tendências, atitudes psicodinamicamente presentes,
mas sem uma sequência factual tipo causa e efeito O TODO E A PARTE

O problema do todo-parte está em íntima relação com a experiência.
“...Todas as partes do campo desempenham algum papel na estruturação perceptual. Assim o problema para o gestaltista não é tanto como o dado é solucionado, mas COMO é estruturado. Saber que alguém é fóbico pouco ou nada ajuda, mas como foi estruturada a sua fobia.
O TODO E A PARTE

Partindo do princípio que o homem é um todo integrado, que se relaciona com o universo com um todo no qual está, também ele, todo imerso, podemos afirmar que o modo como as pessoas vêem fisicamente a realidade externa, geográfica, tem muito a ver com o modo como elas se relacionam com seu meio comportamental e psicológico.
POSTULADOS PRIMÁRIOS

O todo é diferente da soma de suas partes.

O todo é um campo cujo caráter depende essencialmente de si mesmo. O todo é uma realidade primária. O todo tem leis próprias.

O todo domina as partes e constitui a realidade primária. O todo é anterior as partes e é o dado imediato para a percepção. Os atributos das partes derivam de sua relação com todo.
UM  D14  D3  V3R40,  3574V4  N4  PR414, 0853RV4ND0  DU45 CR14NC45 8R1NC4ND0  N4  4R314.
3L45  7R484LH4V4M  MU170 C0N57RU1ND0  UM  C4573L0  D3 4R314, C0M 70RR35, P4554R3L45 3 P4554G3NS  1N73RN45.  QU4ND0  QU453 4C484ND0,  V310  UM4 
0ND4  3 D357RU1U 7UD0, R3DU21ND0 
0  C4573L0  4 UM  M0N73 D3
4R314  3  35PUM4. O TODO E A PARTE

A experiência só chega até nós de modo completo, quando ela é experimentada como um todo, ainda que este todo seja apenas um esboço da realidade do ser como tal. É importante, portanto, para a compreensão deste todo que se descubra e se conheça a relação existente entre suas partes, para que o todo venha à luz.
"A Getalt-terapia sabe que é a totalidade que encerra o significado, como sabe também que a intencionalidade está na totalidade.
O discurso psicoterapêutico não desconhece a parte, pois o organismo como um todo “escolhe!” uma de suas partes para revelar-se todo.
O olho clínico trabalha em duas direções, na parte e no todo, à espera de que a relação revele a totalidade, onde o discurso psicoterapêutico se completa e se plenifica."

Jorge Ponciano FIGURA E FUNDO

Mais uma vez, o espírito criador de Perls, foi buscar neste conceito figura e fundo um suporte dos mais importantes para se compreender o problema psicoterapêutico. Figura e Fundo é um dos conceitos mestres da Gestalt-terapia, bem como insubstituível na compreensão das leis da organização.
FIGURA E FUNDO

Destaca-se uma parte da configuração total (figura) enquanto outra parte recua e é mais amorfa (fundo).
Rubin

Toda Gestalt forma uma figura, a qual se destaca sobre um fundo; esta composição é que torna possível a percepção.
Wertheimer

A relação dinâmica entre a figura/fundo deve ocorrer de maneira fluída -> fluxo de formação e destruição de gestalten. FIGURA E FUNDO

O claro reconhecimento da figura dominante, num dado instante, permitirá a satisfação da necessidade e depois disso ocorrerá a dissolução, retraimento daquela figura, e possibilitará o surgimento de uma nova figura.

O processo dinâmico figura/fundo indica que o organismo está em constante interação com o meio e em busca de uma boa forma.
FIGURA E FUNDO

Como eu estruturo minha percepção para perceber algo como figura e não como fundo e vice-versa e como o cliente estrutura sua fala, seu problema para revelá-lo como figura e não como fundo e vice-versa é altamente significativo.

Na neurose tendência a repetição, pouca elasticidade da formação figura/fundo.
FIGURA E FUNDO

Em Gestalt se afirma que o cliente é sempre figura e o psicoterapeuta, fundo.
O cliente é figura porque é ele que deve surgir como diferenciado na configuração e porque é sua comunicação que vai apontar o caminho de uma procura mais ampla. FIGURA E FUNDO

Em psicoterapia dizemos que a coisa maior é o fundo=cliente, e a menor, figura= sua queixa. Embora queixa e cliente formem uma única realidade organizada, o que produz em mim a percepção da figura (o tema) não vem necessariamente da minha percepção do fundo (o cliente). Ou seja, existem forças diferentes criando os contornos do fundo e da figura, no cliente. FIGURA E FUNDO

Primeiro eu vejo; o que eu vejo, no entanto, tem infinitas partes que não são frequentemente acessíveis aos outros sentidos. Poderíamos dizer que a figura que eu vejo, p. ex., uma mulher tem um fundo que altera a minha relação de contado. p. ex. um perfume suave, que eu não vejo, mas que eu sinto.
A figura não é uma parte isolada do fundo, ele existe no fundo. O fundo revela a figura, permite à figura surgir. A figura está no todo: o que o cliente traz como figura é parte de seu todo, também de seu fundo.
O que fica claro é que, além da figura percebida pela minha visão, existe nela um fundo que os outros sentidos não captam de imediato, mas ao qual minha realidade interna reage à espera de identificá-lo, tornando-o figura.
FIGURA E FUNDO - IMAGENS OCULTAS AQUI E AGORA

Em termos da Psicologia da Gestalt, estar no Aqui e Agora significa que este aqui e agora contem e explica a minha relação com a realidade como um todo, ou seja,o que eu vejo, o que eu percebo agora pode ser explicado pelo agora, sem necessidade de recorrer a experiências passadas da percepção.
AQUI E AGORA

Os gestaltistas não negam que a experiência passada tenha alguma influencia na percepção e no comportamento, mas diminuem sua importância. Para psicologia da gestalt o aqui é o bastante para explicar o agora do que acontece.
AQUI E AGORA

Em psicoterapia, quando perguntamos ao cliente: “Aqui e Agora o que você sente, o que você percebe? “ sua resposta me dá a informação de que o que ele sente aqui e agora é tudo aquilo de que necessita agora para compreender sua realidade. Lidar com essa parte, p. ex.
O aqui e agora de uma emoção é o caminho mais curto para atingir o todo.
AQUI E AGORA

Estar no aqui e agora é um abrir-se à analise e à informação, viver o aqui e agora é um experienciar a realidade interna e externa, como ela acontece, tenha ou não antecedentes que a expliquem ou justifiquem. Ou seja, este aqui é o suficiente para explicar o agora do que acontece.
COMPORTAMENTO MOLECULAR E MOLAR

Os processos internos, sejam eles físicos ou psíquicos, conscientes ou não, fazem parte dos chamados comportamentos moleculares; são as emoções, as fantasias, as palpitações cardíacas, a dificuldade de respirar.

Os processos externos ou o comportamento externo tipo caminhar, falar, gesticular, são comportamentos molares, embora, como se disse antes, para que eles ocorram é necessário a movimentação interna de contrações musculares, movimentando áreas diversas.
COMPRTAMENTO MOLECULAR E MOLAR

Molar = o que chamamos de comportamento. Meio geográfico.

Molecular = processos fisiológicos.

P G.- encontrar uma lugar para o comportamento molecular em um sistema que comece e termine com o molar. Interação entre os dois é que nos ajuda a entender o comportamento.
MEIO GEOGRÁFICO E MEIO COMPORTAMENTAL

Exemplo do Lago de Constança.
Meio comportamental - o intermediário entre o geográfico e o organismo.É efetivamente vivido como real. Apesar de não explicar a totalidade do nosso comportamento. Pois temos os comportamentos inconscientes, os reflexos e a memória.
MEIO GEOGRÁFICO E MEIO COMPORTAMENTAL

Existe, portanto, em todo comportamento uma dupla realiadade: o meio geográfico e o meio comportamental.

Se soubéssemos exatamente onde estamos, com quem falamos, nosso comportamento mudaria, a fantasia daria lugar a realidade. MEIO GEOGRÁFICO E MEIO COMPORTAMENTAL

É o meio comportamental e não o geográfico que regula o comportamento humano. A harmonia existente entre ambos é regulada pela relação entre estes dois pólos.

Não é o meio geográfico, mas o modo como se reage a ele que explica o comportamento humano. CONCEITO DE CAMPO

O conceito de campo nos conduz, àquele de totalidade onde o meio geográfico e comportamental se unem em um único campo.

O que determina e regula o comportamento deve estar dotado de forças, pois não há mudança de comportamento sem forças.
CONCEITO DE CAMPO

O campo físico é, no caso, o campo do meio geográfico; mas para nós está claro que o comportamento deve ser explicado pelo meio comportamental.

Em psicoterapia existem dois campos: o cliente e o psicoterapeuta;
IMPLICAÇÕES PSICOTERAPICAS

Como são as estruturas?
Como foram formadas? Como estão hoje? Como emergiu a situação atual.
Porque razão emerge a situação atual.
Podemos chegar a organização/todo pelas partes e pelas partes ao todo.
Para propor mudanças temos que ter noção do todo.
IMPLICAÇÕES PSICOTERAPICAS

Cliente é sempre figura.
Ajudar o cliente a perceber: como estrutura o seu todo, como reprimiu,quais as suas necessidades.
Estar atento aos espaços vazios.
Ficar atento ao óbvio, as certezas, aos estereótipos.
O cliente muda e o contexto também.
Mudança Paradoxal. IMPLICAÇÕES PSICOTERAPICAS

Cura = reestruturação do campo perceptual, aprender a pensar em função de todo sem se perder a detalhes.

A percepção do observador também esta sujeita as leis da Gestalt.

A nova figura deve ser do cliente.

Presença do terapeuta. Atento a sua experiência imediata.
IMPLICAÇÕES PSICOTERAPICAS

Auto-regulação em emergências experimentais seguras.
Procura de um ajustamento criativo do ponto de vista do cliente.
Trabalhar o sonho como real e não tentar ativar o inconsciente.
Atenção ao todo do cliente - geográfico, fisiológico, psicológico, social e espiritual. IMPLICAÇÕES PSICOTERAPICAS

Investigar todos os meios presentes no campo do cliente.

Não precisamos de um discurso para o corpo e outro para a mente.

Observar a totalidade do fenômeno.

Interação organismo - ambiente.

Observar o campo comportamental.

Conceito de fronteira - forças que segregam a unidade do campo. IMPLICAÇÕES PSICOTERAPICAS

Psicoterapeuta facilitador do processo;
Psicoterapeuta deve estar consciente de como está influenciando o cliente;
Devolver ao cliente o seu poder de dar sentido a sua experiência;
Um dos principais trabalhos do terapeuta será fazer com que o cliente perceba que ele mesmo pode suprir-se, fechar suas próprias situações inacabadas; IMPLICAÇÕES PSICOTERAPICAS

Readiquirir a flexibilidade de olhar sobre vários pontos de vista. Não vemos que não vemos.Nossa busca não deve incidir sobre as coisas (ou seres), mas sobre as relações entre as coisas (ou seres) porque o sentido emerge tanto do contexto quanto do texto. IMPLICAÇÕES PSICOTERAPICAS

O trabalho psicoterapêutico consiste em propiciar condições da pessoa considerar a si mesma como um todo e – neste caso- o que está além da doença: sua saúde, sua força, sua determinação, sua esperança, etc “ A terapia incentiva a formação flexível de Gestalts sucessivas, adaptadas à relação sempre flutuante do organismo com seu meio, num ajustamento criador permanente. A Gestalt-Terapia poderia ser assim definida como “a arte da formação de boas formas”
(Ginger, Serge – 1995) PRINCÍPIOS DA ORGANIZAÇÃO DA PERCEPÇÃO

Direção: tendemos a ver as figuras de tal maneira que a direção continue de um modo fluido Destino comum: os elementos deslocados, de maneira semelhante, de um grupo maior tendem eles próprios, por sua vez, serem agrupados
O Meu Olhar

É nítido como um girassol.
Tenho o costume de andar pelas estradas
Olhando para a direita e para a esquerda,
E de vez em quando olhando para trás...
E o que vejo a cada momento
É aquilo que nunca antes eu tinha visto,
E eu sei dar pôr isso muito bem...
Sei ter o pasmo essencial
Que tem uma criança se, ao nascer,
Reparasse que nascera deveras...
Sinto-me nascido a cada momento
Para a eterna novidade do mundo...
Creio no mundo como um malmequer,
Porque eu vejo, Mas não penso nele
Porque pensar é não compreender...
O mundo não se fez para pensarmos nele
(Pensar é estar doente dos olhos)
Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo...”
Fernando Pessoa
Aqui e Agora

Quando se fala aqui e agora, estamos de fato perguntando, em termos de Psicologia da Gestalt, se a experiência de uma percepção passada de um objeto ou forma influencia ou não a visão de um objeto que se está vendo aqui e agora.

Os gestaltistas não negam que a experiência passada tenha alguma influência na percepção e no comportamento, mas diminuem sua importância.
Aqui e Agora

O presente ou o aqui e agora convivem com o organismo e com o passado que são uma história, numa relação de figura e fundo, de todo e parte. O passado e o corpo estão presentes, aqui e agora, na pessoa como um todo, e isto basta para entendê-la e para que se possa lidar com ela criativamente. Neste sentido, o aqui e agora é a-histórico, ele simplesmente é.


Figura e Fundo

A figura está no todo: o que o cliente traz como figura é parte de seu todo, também do fundo. Ainda dentro deste tema, podemos ampliar dizendo que onde existem figura e fundo, existe também o conceito de fronteira e de contorno.

Figura e Fundo

É importante observar que a relação figura-fundo no cliente é extremamente fluida, isto é, sua organização está em constante mudança, o que gera no psicoterapeuta a necessidade de também ele estar em fluidez com o cliente.

Figura e Fundo

Além da figura percebida pela minha visão, existe nela um fundo que os outros sentidos não captam de imediato, mas ao qual minha realidade interna reage à espera de identificá-lo, tornando-o figura.

O Todo e a Parte

A experiência só chega até nós de modo completo, quando ela é experimentada como um todo, ainda que este todo seja apenas o esboço da realidade do ser como tal. È importante, portanto, para a compreensão deste todo que se descubra e se conheça a relação existente entre suas partes, que de certo modo, elas possam estar ou ser definidas, para que o todo como um todo venha a luz.

O Todo e a Parte

A Gestalt-Terapia sabe que é a totalidade que encerra o significado, como sabe também que a intencionalidade está na totalidade. O discurso psicoterapêutico não desconhece a parte, pois o organismo como um todo “escolhe” uma de suas partes para revelar-se todo. O olho clínico trabalha em duas direções, na parte e no todo, à espera de que a relação revele a totalidade, onde o discurso psicoterapêutico se completa e se plenifica.

Full transcript