Loading presentation...

Present Remotely

Send the link below via email or IM

Copy

Present to your audience

Start remote presentation

  • Invited audience members will follow you as you navigate and present
  • People invited to a presentation do not need a Prezi account
  • This link expires 10 minutes after you close the presentation
  • A maximum of 30 users can follow your presentation
  • Learn more about this feature in our knowledge base article

Do you really want to delete this prezi?

Neither you, nor the coeditors you shared it with will be able to recover it again.

DeleteCancel

Make your likes visible on Facebook?

Connect your Facebook account to Prezi and let your likes appear on your timeline.
You can change this under Settings & Account at any time.

No, thanks

O Impacto das Extinções em Massa na Biodiversidade Vegetal ao Longo das Eras Geológicas

No description
by

Soraia Mesquita

on 28 May 2014

Comments (0)

Please log in to add your comment.

Report abuse

Transcript of O Impacto das Extinções em Massa na Biodiversidade Vegetal ao Longo das Eras Geológicas

O impacto das "extinções em massa" na composição e diversidade vegetal ao longo das eras geológicas
Considerações finais
Extinção em massa
Definição
: Decréscimo da biodiversidade através da extinção excepcionalmente alta de vários grupos.
Algumas causas e efeitos das extinções em massa
Como estudar este fenómeno?
Experiências em laboratório

Estudos de campo

Levantamento geográfico

Registos fósseis
A refletir...
Que implicações terá o comportamento atual
do Homem na natureza?

Estará, de facto, a causar uma extinção desta dimensão?...
1 em cada 5 plantas está em risco de extinção.
http://www.nhm.ac.uk/nature-online/biodiversity/research-and-videos/plant-extinction-risk/index.html
Conceitos introdutórios
Até ao presente ocorreram cinco grandes extinções em massa.
Providencia oportunidades do ponto de vista evolutivo - constitui um desafio para as grupos sobreviventes, fazendo-os adaptar-se e diversificar-se num novo sentido.
BED II
Prof. Dr.ª Helena Silva
Prof. Dr. Henrique Fonseca

Bruna Rodrigues nº 72266
Pedro Meireles nº 73746
Rita Melo nº 72531
Soraia Mesquita nº 72276

• Aumento do nível de oxigénio no mar, o que ajudou no aumento, e mais tarde, diversificação de vida, dando origem a todos os filos que atualmente estão representados – “A explosão do Câmbrico”
• Embora existisse uma variedade de plantas marinhas microcópicas (algas marinhas e bactérias fotossintéticas), não são conhecidas verdadeiras plantas terrestres fósseis.
• Alguns cientistas afirmam que as plantas começaram a colonizar ambientes terrestres neste período.
• Ao longo deste periodo ocorreram alguns eventos de pequenas extinções.
• Após cada extinção o ambiente foi repopulado por uma pequena densidade de fauna de trilobites de estrutura simples.

Extinção em massa
• Virtualmente, nesta época, toda a vida existente estava no mar, sendo os animais marinhos os mais afetados
• Foram extintas 26% de todas as familias marinhas, 60% de todos os géneros, uma estimativa de 82-88% de todas as espécies
• Mais de 90% de espécies de trilobites desapareceram
• No fim deste período, o mundo entrou na idade do gelo
• A formação de extensos mantos de gelo fez com que o nível do mar descesse dramaticamente
• O arrefecimento global teve um impacto desastroso nas espécies existentes
• Cerca de 1 milhão de anos depois, as condições glaciares terminaram de forma rápida
• Isto provocou o aumento dos níveis do mar, o cobrimento de habitats marinhos costeiros por águas com baixo teor em óxigénio e a estagnação de águas do oceano profundo
• Assim, uma segunda extinção ocorreu, causando um impacto enorme na vida marinha que tinha conseguido sobreviver

• O nível do mar aumentou dramaticamente devido ao derreter dos glaciares de gelo formados no final do Ordovícico.
• Após a extinção em massa do Ordovícico, a diversidade de muitos grupos de invertebrados marinhos afetados aumentou de novo.
• Os peixes tornaram-se uma parte proeminente da água salgada e doce.
• Plantas vasculares, desprovidas de folhas, vindas de águas começaram a colonizar terras costais baixas.
• As plantas terrestres diversificaram-se rápidamente após o seu estabelecimento na terra.
• Varias pequenas extinções parecem estar relacionadas com as variações do nível do mar; muitos destes eventos correspondem, respetivamente, a descidas do nível do mar.

• As plantas tiveram que se adaptar após a sua primeira entrada no meio terrestre.
• A flora do Devónico tinha como adaptações competitivas o crescimento em altura e a formação das primeiras formas de semente. (ex. Progymnospermae)

Extinção em massa
• Duas grandes teorias são propostas para a extinção em massa no devónico superior que, embora diferentes, podem ser complementares:
- Anoxia dos oceanos;
- Arrefecimento global.
• A destruição do plâncton marinho superficial, base das cadeias alimentares dos peixes, foi destruído pelo arrefecimento global o que levou a um declínio na população de peixes. Assim os anfíbios tiveram espaço para se propagarem.
• Devido aos movimentos das placas tectónicas, o continente situava-se no equador, o que levou ao aumento da temperatura e criação de florestas húmidas. De facto, o Carbonífero é conhecido pelos seus pântanos onde proliferavam árvores de grande porte formadoras de semente.

• Dois tipos fundamentais constituíam a flora deste período:
- Plantas de grande porte com raízes bem desenvolvidas (ex. Lepidodendron e Sigillaria)
-Plantas de pequeno porte com rizóforos (ex. Calamites).

Extinção em massa
Morte de aproximadamente 95% de todas as espécies marinhas e de 70% das espécies continentais.
Principais grupos extintos: trilobites e corais tabulados, Synapsida, briozoários, braquiópodes.
Hipótese da arma de clatratos - teoria mais aceite.


Período de transição e recuperação lenta. Flora principal formada por coníferas, samambaias e ginkgos.
Extinção em massa
Extinção de cerca de 22% de todas as famílias marinhas, 52% de géneros marinhos, arcossauros e grandes anfíbios. Criação de um novo nicho ecológico.
Causa provável: libertação de gases e inundações de lava por causa de vulcanismo, que levou a mudanças de temperatura.
Dominado por fetos, coníferas, cicas, plantas da ordem Bennettitales (extintas no fim do Cretácico)
Desenvolvimento de árvores de folha caduca (clima com estações alternadas)
Diversificação rápida das plantas Angiospérmicas, em conjunto com novos grupos de insetos
Extinção em massa

Terciário
Com a extinção do Cretácico, os mamíferos proliferaram (tamanho e diversidade)
No fim do período apareceram os primeiros hominídeos
Populações de insetos dependentes das angiospérmicas cresceram
Inicia-se com uma idade do gelo
Desenvolvimento dos humanos
Período dos dinossauros
Aparecimento das Angiospérmicas
Caraterizada pela extinção de 60-80% das espécies de invertebrados marinhos (esponjas, p.ex.), várias linhagens de vertebrados (“dinossauros”, pterossauros, etc), algumas linhagens de algas e de uma grande parte das plantas terrestres (plantas da divisão Ginkgophyta e Coniferophyta sofreram um enorme decréscimo).
Causada pela ação conjunta de alteração do nível das águas do mar e de intenso vulcanismo, culminando com o impacto de um asteroide que terá provocado alterações ambientais severas - incêndios florestais, arrefecimento global, aquecimento global.
Full transcript